Joana de Kent

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde julho de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Joana de Kent
Princesa de Gales
Princesa da Aquitânia
Condessa de Salisbury
4° Condessa de Kent
5° Baronesa Wake de Liddell
Cônjuge Tomás Holland, 1.º Conde de Kent
Guilherme de Montagu, 2.º Conde de Salisbury
Eduardo, o Príncipe Negro
Descendência
Edmundo Holland
Tomás Holland, 2.° Conde de Kent
João Holland, 1.° Duque de Exeter
Joana Holland, Duquesa da Bretanha
Maltida Holland, Condessa de Ligny
Eduardo de Angoulême
Ricardo II de Inglaterra
Casa Casa de Plantageneta
(através de nascimento/casamento)
Pai Edmundo de Woodstock, 1.°Conde de Kent
Mãe Margarida Wake, 3.° baronesa Wake de Liddell
Nascimento 19 de setembro de 1328
Woodstock Palace, Woodstock
Morte 7 de agosto de 1385 (56 anos)
Castelo de Wallingford, Wallingford,Berkshire, Inglaterra (atualmente Wallingford, Oxfordshire)
Enterro Stamford, Lincolnshire, Inglaterra

Joana de Kent (Woodstock Palace, 29 de Setembro 1328Castelo de Wallingford, 7 de Agosto de 1385[1] ), foi Condessa de Kent por direito próprio e Princesa de Gales através do seu casamento com o Príncipe Negro. Ficou conhecida como a "Bela Donzela de Kent".

Joana nasceu como a filha mais nova de Edmundo de Woodstock, 1.° conde de Kent e filho do rei Eduardo I de Inglaterra. O seu pai foi um homem ambicioso e envolvido na política interna do país, acabando em conflito aberto com a cunhada Isabel de França por apoiar Eduardo II, rei deposto e seu irmão. Esta fidelidade fraternal custou-lhe a vida e Edmundo foi executado por traição. Joana, sua mãe e irmãos foram no entanto educados na corte, sob a protecção de Filipa de Hainaut, rainha consorte de Eduardo III de Inglaterra.

Com cerca de doze anos, Joana casou clandestinamente com Tomás Holland. O segredo foi bem guardado, a ponto de, no ano seguinte enquanto Holland se encontrava no estrangeiro, Joana ser oficialmente casada pela família com Guilherme Montacute, Conde de Salisbury. A situação de poligamia manteve-se durante uns anos, até Holland regressar e exigir a mulher de volta à família e ao Papa. A reacção de Salisbury foi transformar Joana numa prisioneira, o que não ajudou na decisão do caso. O Papa acabou por anular o segundo casamento e Joana foi devolvida a Tomás Holland, com quem viveu os onze anos seguintes.

Como viúva de 32 anos, Condessa de Kent por seu próprio direito desde a morte do irmão mais velho em 1353, Joana era considerada um excelente partido. Entre os pretendentes encontrava-se o herdeiro da coroa Eduardo, Príncipe de Gales, seu primo e amigo de infância, apaixonado por ela há anos, segundo variadas fontes. Apesar de não obter a aprovação do pai, Eduardo casou com Joana em 1361 ignorando todas as ordens de proibição. O incidente custou-lhe uma zanga com o rei e um desterro não oficial para o Ducado da Aquitânia. No continente, Joana e Eduardo tiveram dois filhos: Eduardo, que morreu jovem, e o futuro Ricardo II de Inglaterra.

O casal regressou a Inglaterra em 1371, mas não de cabeça erguida. As finanças de Eduardo estavam arruinadas pelas campanhas militares em Castela e a sua saúde piorava de dia para dia. Joana ficou viúva de novo no ano seguinte, mas desta vez com o estatuto de rainha mãe. Em 1385 Joana de Kent morreu ao castelo de Wallingford enquanto tentava mediar uma crise entre os seus filhos Ricardo II e João Holland.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]


Precedida por:
nova criação
Princesa de Gales
13611376
Sucedida por:
Ana Neville

Referências