Jonny Wilkinson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jonny Wilkinson
Jonny Wilkinson unofficialenglandrugby DSC 0212.jpg
Wilkinson em 2007
Informação pessoal
Nome completo Jonathan Peter Wilkinson
Data de nascimento 25 de maio de 1979 (35 anos)
Naturalidade Frimley,  Reino Unido
Carreira no Rugby
Situação actual
1998-2011
2001-
Flag of England.svg Inglaterra
British and Irish Lions flag.svg British and Irish Lions
91
6
(1.179)
(67)

Jonathan "Jonny" Peter Wilkinson, OBE (Frimley, 25 de Maio de 1979) é um jogador inglês de rugby union que joga na posição de abertura.[1] É considerado um dos maiores jogadores da história não só em sua posição,[2] mas em seu esporte como um todo. É um ícone da Seleção Inglesa de Rugby Union, tido como um atleta inteligente na armação, diferenciando-se de muitos colegas de posição também pela grande qualidade nos tackles e no apoio, sendo incansável na defesa e, ainda, preciso nos chutes. Foi exatamente por conta de um deles que ele ficou eternizado no esporte, ao acertar um drop goal no último minuto do segundo tempo da prorrogação da final da Copa do Mundo de Rugby Union de 2003 (torneio onde foi o artilheiro) que deu o título aos ingleses contra a anfitriã Austrália, em Sydney.[3] Lances de bola parada cedidas pelos adversários já foram consideradas "penais capitais quando se tem Jonny Wilkinson por perto".[4]

Além do título de 2003, Wilkinson alcançou ainda o expressivo vice-campeonato no mundial seguinte, o de 2007, tendo disputado também as Copas de 1999 e 2011, totalizando quatro participações na Copa do Mundo de Rugby Union. Fora o célebre drop goal, também notabilizou-se como um grande pontuador. É o segundo maior artilheiro em jogos de seleções, atrás do neozelandês Dan Carter, e o maior da seleção inglesa, pela qual fez 1179 pontos. No total, fez 1246, somando os 67 que alcançou pelos British and Irish Lions, a seleção que reúne Grã Bretanha e Irlanda. O recorde chegou a ser de Wilko, que foi superado por Carter em 2010.[3] Só outros três somaram mil pontos ou mais por seleções - o galês Neil Jenkins, o argento- italiano Diego Domínguez e o irlandês Ronan O'Gara.[5]

Wilkinson ainda é o maior anotador de penais (255) e drop goals (36) da história, tendo marcado ainda sete tries e 169 conversões.[3] É também o maior artilheiro do Seis Nações e das Copas do Mundo, totalizando nesta 249 pontos, e o único a marcar em duas finais mundiais.[1] Seus números ficam ainda mais expressivos se considerados a série de contusões e consequentes períodos afastado dos jogos que ele sofreu na carreira.[3] A grande lacuna em sua carreira, que vinha sendo a falta de títulos continentais por clubes,[6] [7] foi resolvida perto da aposentadoria (Copa Heineken 2012-13), com ele ainda sendo a grande figura.[8]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Chutando pelo Newcastle Falcons, onde começou a carreira e jogou por doze anos.

Wilkinson foi formado no Newcastle Falcons, na região norte inglesa, onde o rugby league tem mais apelo popular que o rugby union.[9] Debutou em 1997, logo sendo campeão inglês na temporada 1997-98.[6] Ao fim da temporada, pouco antes dos 19 anos de idade, fez em 1998 a sua primeira partida pela Inglaterra, sendo àquela altura o mais novo jogador na equipe desde 1927.[1] No ano seguinte, foi à sua primeira Copa do Mundo de Rugby Union.[3]

Outro ano depois, em 2000, já demonstrava influência decisiva na seleção, em amistosos contra Austrália e África do Sul,[10] conseguindo também o título do primeiro Seis Nações. Em 2001, quando foi bicampeão seguido do Seis Nações,[11] venceu a Copa da Inglaterra pelo Newcastle e estreou pelos British and Irish Lions, já havia se tornado o maior pontuador pela seleção, ao superar os 396 pontos do então recordista, seu "mentor" Rob Andrew.[1] Em 2003, conseguiu novo Seis Nações.[11]

No mesmo ano, foi o símbolo da inédita conquista na Copa do Mundo de Rugby Union de 2003, sobre a Austrália, em Sydney.[1] Após decisão das mais emocionantes,[12] encerrada no tempo normal em 14-14 com Wilkinson acertando quatro penais.[13] O placar estava 17-17 até o último minuto da segunda metade do tempo extra, quando Wilko acertou o mais célebre drop goal do esporte.[3] Mais precisamente, eram os últimos 21 segundos da prorrogação quando ele concluiu sua terceira tentativa de drop na partida; o centro Mike Catt, após repasses de bola depois que o asa Lewis Moody pegara um arremesso lateral, seguiu em frente até ser bloqueado. O scrum-half Matt Dawson enganou os adversários e, em vez de entregar a bola a um companheiro, seguiu quinze metros dali, adiante, até ser parado também. O asa Neil Back e o segunda linha Martin Johnson ganharam um pouco mais de terreno, até Dawson, recuperado, repassar a bola para Wilkinson mandá-la acima do "H" das traves.[14]

Aquele foi o primeiro (e ainda único) título mundial de uma nação do hemisfério norte [15] e representou também uma revanche: doze anos antes, os australianos haviam vencido a Inglaterra em Londres na final da Copa do Mundo de Rugby Union de 1991.[12] Em 2003, a celebração pós-título em Londres reuniu aproximadamente 700 mil pessoas e ainda é a maior comemoração esportiva no Reino Unido.[2] Quando, nove anos depois, a cidade recebeu os Jogos Olímpicos de Verão de 2012, a cerimônia de abertura usou referências vitoriosas de cada nação britânica no rugby union, mostrando imagens de tries (a jogada mais valorizada, fornecendo 5 pontos) de Escócia, País de Gales e Irlanda; a referência inglesa na ocasião, por sua vez, foi aquele drop goal (que fornece 3 pontos) de Wilkinson.[16] [17] Ele, que fora ainda o artilheiro da Copa de 2003 (113 pontos),[18] foi eleito merecidamente o melhor rugbier do mundo pela International Rugby Board, e também a personalidade esportiva do ano pela BBC em 2003.[1]

Depois do título, porém, a carreira de Wilkinson sofreria com lesões. Problemas no joelho, nos ligamentos, nos braços, nos ombros e até no fígado o afastaram da seleção. Sem ele, o Newcastle venceu a Copa da Inglaterra em 2004. Wilko só voltou a defender a Inglaterra mais de mil dias depois da conquista, em 2007, embora tenha chegado a jogar pelos British and Irish Lions no período, em 2005. Em sua volta, em clássico contra a Escócia, conseguiu um recorde de 27 pontos em um único jogo na Calcutta Cup. Na semana seguinte, o inglês obteve nova marca, ao se tornar o maior pontuador do Seis Nações, contra a Itália. Contudo, ele ainda enfrentou novas lesões antes de disputar a Copa do Mundo de Rugby Union de 2007.[1]

Estátua de cera de Wilkinson, quando exposta na Trafalgar Square, em Londres, por ocasião da Copa do Mundo de Rugby Union de 2007.

Na estreia no mundial, os ingleses, sem Wilkinson, perderam por 0-36 para a África do Sul. Com ele de volta, os detentores do título se reergueram e cresceram nos momentos certos, vencendo novamente a Austrália, dessa vez nas quartas-de-final,[19] e eliminando na semifinal a França - que era a anfitriã e que havia provocado o ineditismo de eliminar a tradicional Nova Zelândia nas quartas-de-final.[20] A decisão foi um reencontro entre Inglaterra e os sul-africanos, que não deram chances e foram campeões.[19]

Em março de 2008, pelo Seis Nações do ano, Wilkinson tornou-se o maior pontuador entre os jogos de seleções, e em um clássico contra a Escócia em Edimburgo, no Murrayfield. Neil Jenkins foi o recordista ultrapassado. Também naquele Seis Nações, alcançou outro recorde, o de acertos em drop goals por seleções, superando Hugo Porta ao conseguir o 29º. Mas o deslocamento de um joelho o deixou de fora do jogo por oito meses, fazendo-o perder a turnê de 2009 dos British and Irish Lions. Paralelamente, seu lugar na seleção passou a ser pressionado por concorrentes mais jovens, como Toby Flood.[1]

Wilko retornou à cena internacional ao fim de 2009, ano em que deixara o Newcastle pelo rugby union francês, assinando com o Toulon [1] - quase foi campeão francês de imediato, com o time provençal caindo nas semifinais após ter encerrado a fase inicial da vice-liderança.[21] No Seis Nações 2010, Wilkinson superou Ronan O'Gara como maior pontuador deste torneio. No mesmo ano, convivendo com críticas à seleção inglesa por chamá-lo enquanto jogava fora da Inglaterra,[22]

Apesar de houver quem pedisse pelo seu banimento da seleção por jogar fora, como Lawrence Dallaglio,[22] Wilkinson seguiu nas convocações. Participou do título no Seis Nações 2011 (o primeiro vencido pela Inglaterra desde o de 2003),[23] no qual inclusive retomou de Dan Carter o posto de maior artilheiro de seleções;[1] Carter voltaria a superá-lo no Três Nações do mesmo ano.[24] Wilkinson terminou como um dos três "forasteiros" no elenco inglês para a Copa do Mundo de Rugby Union de 2011,[25] [26] um retorno visto como diferencial para que sua equipe fosse considerada candidata séria ao título.[27]

Wilkinson, porém, não se deu bem no mundial, ficando marcado por perder quantidade incomum de chutes nos jogos contra Argentina e Escócia, na fase de grupos, ainda que a Inglaterra tenha vencido ambos e o foco dos erros do abertura tenha passado para a bola do mundial - o formato estaria prejudicando os chutadores, provocando comparações à Jabulani,[28] [29] em polêmica que chegou a ser classificada como Ballgate.[1]

No francês Toulon, seu segundo e atual clube.

Em sua quarta Copa, Wilkinson foi eliminado com os demais ingleses já nas quartas-de-final, contra a França, tendo uma atuação discreta.[30] Foi sua última partida pela Rosa:[31] em dezembro do mesmo ano, ele anunciou que estava retirado da seleção.[3] A declaração foi seguida de elogios e exaltações de antigos companheiros; Clive Woodward, seu técnico no mundial de 2003, afirmou estar "orgulhoso de ter participado de um grupo campeão do mundo ao lado de um jogador como Wilkinson".[32]

Wilko seguiu carreira no Toulon, terminando a temporada 2011-12 com dois vice-campeonatos: o clube chegou à final da Copa Desafio Europeu, que poderia ser o primeiro troféu continental clubístico do abertura. Em decisão francesa, contra o Biarritz Olympique, A equipe perdeu por três pontos de diferença, com Wilkinson errando chutes (que, no rugby union, normalmente valem três pontos) tidos como acertáveis quando ele era mais jovem.[33] No campeonato nacional, o Toulon chegou à sua primeira final em vinte anos,[34] mas perdeu-a para o Toulouse.[35]

Apesar dos reveses nas decisões, Wilkinson foi o único inglês e único do campeonato francês a estar entre os nomeados a melhor jogador clubístico do continente.[36] Depois de mais de um ano aposentado da seleção inglesa, foi cogitado para integrar a turnê de 2013 dos British and Irish Lions.[37] [38] Sua convocação não se concretizou por conta de seus compromissos com o Toulon,[39] uma vez que os Lions jogariam no mesmo dia da final do campeonato francês.[40] O Toulon ficaria no vice-campeonato.[41]

Em abril de 2013, ele renovou seu contrato com o Toulon por mais uma temporada, anunciando que se aposentará ao fim dela.[42] No mesmo mês, ele, marcado pela falta de um título continental por clubes, foi decisivo ao liderar a equipe rumo ao título da competição europeia mais importante, a Heineken Cup. As semifinais foram contra o Saracens, onde jogava aquele que é tido como o sucessor de Wilko na Inglaterra, Owen Farrell. Wilkinson marcou sete penais e um drop goal, este no lance mais emblemático da partida - com ela ainda indefinida, ele arriscou com sucesso o drop mesmo sob pressão de tackle do próprio Farrell. Wilkinson marcou todos os 24 pontos franceses no jogo e os últimos 45 feitos por seu time.[43] [44] A decisão foi diante do único time ainda invicto na edição, o Clermont, que ficou à frente na maior parte do tempo. Nos últimos 20 minutos, vencia por 16-9, justamente sendo este o momento em que o inglês acertou um penal para recolocar seu clube na disputa. O lance influiu psicologicamente e em três minutos o Toulon conseguiu um try, com Wilkinson virando a partida para 17-16 ao acertar o chute de conversão. O placar permaneceu este graças a outro lance do abertura: no antepenúltimo minuto, ele conseguiu bloquear tentativa adversária de drop goal. A final foi descrita como "a coroa na cabeça do rei".[8]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Comemorações populares após o título na Copa do Mundo de Rugby Union de 2003. Com 700 mil pessoas reunidas em Londres, ainda é a celebração esportiva mais numerosa já ocorrida no Reino Unido.[2]
Campeonato Inglês
1997-98 [1]
Copa da Inglaterra
2000-01 [1]
Heineken Cup
2012-13 [8]
Seis Nações
2003, 2011 [11]
Copa do Mundo de Rugby Union
2003 [11]

Marcas[editar | editar código-fonte]

  • Maior artilheiro das Copas do Mundo de Rugby Union (277 pontos) [45]
  • Segundo maior artilheiro das Copas do Mundo de Rugby Union em uma única edição (113 pontos em 2003) [46]
  • Único a pontuar em duas finais de Copa do Mundo de Rugby Union [1]
  • Maior conversor de penais nas Copas do Mundo de Rugby Union (58) [47]
  • Maior conversor de drop goals nas Copas do Mundo de Rugby Union (14) [48]
  • Artilheiro da Copa do Mundo de Rugby Union de 2003 (113 pontos) [18]
  • Terceiro jogador com mais partidas em Copas do Mundo de Rugby Union (19) [49]
  • Segundo maior artilheiro de jogos de seleções (1.246 pontos) [3]
  • Um dos cinco a marcar mil pontos ou mais em jogos de seleções [5]
  • Maior artilheiro da Seleção Inglesa de Rugby Union (1.179 pontos) [3]
  • Maior artilheiro do Seis Nações (249 pontos) [1]
  • Maior conversor de penais do rugby union (255 até 2011) [3]
  • Maior conversor de drop goals do rugby union (36 até 2011) [3]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o Jonny Wilkinson (em inglês) ESPN Scrum. Visitado em 6 de abril de 2013.
  2. a b c Inglaterra 2003 RetrôMania. Visitado em 6 de abril de 2013.
  3. a b c d e f g h i j k RAMALHO, Victor (13 de outubro de 2011). Jonny Wilkinson não vestirá mais a camisa da Inglaterra Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  4. RAMALHO, Victor (29 de agosto de 2010). Toulouse vence Stade Français e assume a ponta na França Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  5. a b BRANDÃO, Caio (14 de setembro de 2012). História dos Pumas – Parte IV: As primeiras Copas Futebol Portenho. Visitado em 6 de abril de 2013.
  6. a b RAMALHO, Victor (18 de maio de 2012). Prévia da final da Amlin Challenge Cup Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  7. RAMALHO, Victor (25 de abril de 2012). Prévia das semifinais da Amlin Challenge Cup! Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  8. a b c RAMALHO, Victor (18 de maio de 2012). Toulon é campeão europeu de clubes! Portal do Rugby. Visitado em 22 de maio de 2013.
  9. RAMALHO, Victor (5 de maio de 2011). Rugby union morrendo no norte da Inglaterra? Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  10. RAMALHO, Victor (2 de fevereiro de 2011). Documentário "A História Oficial do Rugby Inglês" - Partes 9 e 10 Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  11. a b c d e Wilkinson, el mito vivente (setembro de 2011). El Gráfico - Guía de la Copa do Mundo. Revistas Deportivas, p. 21
  12. a b RAMALHO, Victor (9 de setembro de 2011). Vai começar a Copa do Mundo de Rugby! Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  13. Australia (5) 17 - 20 (14) England (FT) (em inglês) ESPN Scrum. Visitado em 6 de abril de 2013.
  14. Wilkinson drops England to World Cup glory (em inglês) ESPN Scrum. Visitado em 6 de abril de 2013.
  15. BRANDÃO, Caio (6 de outubro de 2012). História dos Pumas - Parte VI: Auge Futebol Portenho. Visitado em 6 de abril de 2013.
  16. ZAVOS, Spiro (11 de agosto de 2012). Games tribute harked back to the Wallabies' golden moment (em inglês) The Sydney Morning Herald. Visitado em 6 de abril de 2013.
  17. BRANDÃO, Caio (16 de setembro de 2011). Futebol e Rugby – Parte 1: o Buenos Aires Cricket and Rugby Club Futebol Portenho. Visitado em 6 de abril de 2013.
  18. a b 2003 - Wilko the Hero (em inglês) ESPN Scrum. Visitado em 6 de abril de 2013.
  19. a b A História da Copa do Mundo de Rugby - Mundial de 2007 Portal do Rugby (30 de agosto de 2011). Visitado em 6 de abril de 2013.
  20. La herida del 2007 (setembro de 2011). El Gráfico - Guía de la Copa do Mundo. Revistas Deportivas, p. 9
  21. RAMALHO, Victor (15 de maio de 2010). Perpignan e Clermont farão a final do Top 14! Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  22. a b VENTUROLE, Daniel (2 de janeiro de 2011). Fim da linha para Wilko? Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  23. RAMALHO, Victor (9 de agosto de 2011). RWC 2011: Nova Zelândia e Inglaterra Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  24. VENTUROLE, Daniel (30 de junho de 2011). All Blacks atropela Springboks no Tri Nations Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  25. RAMALHO, Victor (20 de junho de 2011). Inglaterra anuncia lista preliminar de 45 nomes para a Copa do Mundo Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  26. RAMALHO, Victor (22 de agosto de 2011). Inglaterra e Japão confirmam seus 30 para a Copa do Mundo Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  27. RAMALHO, Victor (1 de setembro de 2011). Copa do Mundo 2011: o Grupo B Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  28. VENTUROLE, Daniel (16 de setembro de 2011). Giro de Notícias Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  29. RAMALHO, Victor (1 de outubro de 2011). Inglaterra vence batalha contra a Escócia e garante a vaga nas finais Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  30. RAMALHO, Victor (8 de outubro de 2011). França renasce e elimina a Inglaterra Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  31. Jonny Wilkinson - Match List (em inglês) ESPN Scrum. Visitado em 6 de abril de 2013.
  32. RAMALHO, Victor (16 de dezembro de 2011). Giro de Notícias Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  33. RAMALHO, Victor (18 de maio de 2012). Biarritz é campeão da Amlin Challenge Cup! Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  34. RAMALHO, Victor (4 de junho de 2012). Final rubronegra no Top 14 Orange Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  35. RAMALHO, Victor (9 de junho de 2012). Toulouse é campeão francês pela 19ª vez! Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  36. RAMALHO, Victor (18 de maio de 2012). ERC anuncia finalistas ao prêmio de melhor jogador de 2012 Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  37. RAMALHO, Victor (10 de setembro de 2012). Notícias internacionais: Will Genia, Jonny Wilkinson e muito mais! Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  38. RAMALHO, Victor (16 de dezembro de 2012). McCaw é o melhor da Nova Zelândia Portal do Rugby. Visitado em 6 de abril de 2013.
  39. RAMALHO, Victor (30 de abril de 2013). British and Irish Lions têm seus 37 atletas Portal do Rugby. Visitado em 30 de abril de 2013.
  40. RAMALHO, Victor (26 de abril de 2013). Giro de notícias internacionais Portal do Rugby. Visitado em 30 de abril de 2013.
  41. RAMALHO, Victor (1 de junho de 2013). Castres é campeão do Top 14 francês! Portal do Rugby. Visitado em 3 de junho de 2013.
  42. RAMALHO, Victor (19 de abril de 2013). Giro de notícias internacionais Portal do Rugby. Visitado em 30 de abril de 2013.
  43. RAMALHO, Victor (25 de abril de 2013). A Europa vai parar para as semifinais da H Cup Portal do Rugby. Visitado em 30 de abril de 2013.
  44. RAMALHO, Victor (28 de abril de 2013). Toulon e Clermont farão uma final francesa na H Cup Portal do Rugby. Visitado em 30 de abril de 2013.
  45. Most individual points (em inglês) ESPN Scrum. Visitado em 6 de abril de 2013.
  46. Most individual points in a tournament (em inglês) ESPN Scrum. Visitado em 6 de abril de 2013.
  47. Most individual penalty goals (em inglês) ESPN Scrum. Visitado em 6 de abril de 2013.
  48. Most individual drop goals (em inglês) ESPN Scrum. Visitado em 6 de abril de 2013.
  49. Most matches (em inglês) ESPN Scrum. Visitado em 6 de abril de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Jonny Wilkinson