Jorge Cadete

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cadete
Informações pessoais
Nome completo Jorge Paulo Cadete Santos Reis
Data de nasc. 27 de Agosto de 1968
Local de nasc. Pemba, Portugal África Oriental Portuguesa
Altura 1,80 m
Informações profissionais
Clube atual São Marcos
Posição Avançado
Clubes de juventude
Portugal Académica Santarém
Portugal Sporting
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
1987-1996
1988-1989
1994-1995
1996-1997
1997-1998
1998-2000
2000
2000-2002
2004
2004-2005
2005-2008
Portugal Sporting
Portugal Vitória de Setúbal
Itália Brescia
Escócia Celtic
Espanha Celta de Vigo
Portugal Benfica
Inglaterra Bradford City
Portugal Estrela Amadora
Escócia Partick Thistle
Portugal Pinhalnovense
Portugal São Marcos
169 (68)
29 (10)
13 (1)
47 (38)
36 (8)
19 (5)
7 (0)
29 (3)
8 (1)
5 (2)
Seleção nacional
1990-1998 Portugal Portugal 33 (5)

Jorge Paulo Cadete Santos Reis (Pemba, Moçambique, 27 de Agosto de 1968) é um antigo jogador de futebol português, jogava na posição de avançado.

Início de carreira[editar | editar código-fonte]

Cadete começou a sua carreira na Associação Academica de Santarém na época de 1983-1984 com 15 anos de idade, marcando uns espantosos 43 golos em apenas 18 jogos. Despertou de imediato o interesse dos clubes grandes em Portugal. O Sporting ganhou a corrida pelo passe do jogador e na época de 1984-1985 passou dos iniciados para a equipa de juniores na época de 1986-1987.

Passou para a equipa principal do Sporting na época de 1987-1988 fazendo seis partidas. Foi emprestado ao Vitória de Setúbal na época seguinte tendo marcado 10 golos. Rapidamente voltou ao Sporting na época de 1989-1990, onde jogou até à época de 1995-1996, onde se tornou um dos mais emblemáticos jogadores do clube. Apesar do talento apenas conseguiu um título, a Taça de Portugal na época de 1995, onde uma vitória por 2-0 frente ao Marítimo deu-lhe o título. Foi o melhor marcador co campeonato na época de 1992-1993 com 18 golos. Marcou 70 golos ao serviço do Sporting em mais de 180 jogos oficiais.

Novo início[editar | editar código-fonte]

A vida de Cadete no Sporting ficou mais instável, onde fez apenas duas partidas pelo clube, acabando por se tranferir para o Brescia Calcio em Novembro de 1994. Manteve-se no clube italiano por um ano, regressando ao Sporting na época de 1995-1996, mas o seu futuro tinha muito mais para lhe dar.

Vida na Escócia[editar | editar código-fonte]

Começo promissor[editar | editar código-fonte]

Em Abril de 1996, e após uma tranferência longa, Cadete rescidiu contrato com o Sporting e assinou pelo Celtic, onde rapidamente ganhou o estatuto de estrela. A sua estreia deu-se contra o Aberdeen em Celtic Park, onde Cadete saltou do banco e marcou o último golo da vitória por 5-0.

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

A tranferência de Cadete tornou-se polémica. Apesar de ter sido inscrito dentro do prazo legal, a Associação de Futebol da Escócia atrasou o seu processo de registo antes da partida da Taça da Escócia frente ao Rangers em Ibrox. Seguiu-se uma queixa do presidente do Celtic Fergus McCann, e o responsável da Associação de Futebol da Escócia Jim Farry foi afastado das suas funções ao ser considerado culpado por tentar deliberadamente atrasar o processo do jogador.[1]

Estabelecendo um marco[editar | editar código-fonte]

Na época seguinte, 1996-1997 foi a única temporada completa na Escócia e a melhor de sempre. O jogador acabou como o melhor marcador da Escócia com 33 golos em 44 jogos, em todas as competições e sem a ajuda de grandes penalidades. Apesar disso, perdeu o título de campeão para o rival de sempre, o Rangers. Cadete jogou a sua última partida com o Celtic frente ao Dundee United, onde quando foi substituído beijo o campo, espalhando rumores que estava para deixar o clube escocês.

Infelicidade[editar | editar código-fonte]

O treinador do Celtic Tommy Burns, preparou o caminho para o novo treinador da equipa, e Cadete permaneceu no clube até ao final da época. Depois e após algum desgaste emocional devido à falta de adaptação à vida da Escócia sem a sua família, ele pediu a transferência para outro clube. Após falhar a pré temporada, foi transferido para o campeonato espanhol, para o Celta de Vigo, por uma verba a rondar os £3,500,000. Juntamente com Pierre van Hooijdonk e Paolo Di Canio, Cadete foi rotulado igualmente de “Three Amigos” pelo presidente do Celtic, Fergus McCann.

Depois de Espanha[editar | editar código-fonte]

Jogou no Celta de Vigo na época de 1997-1998, regressando ao Benfica na temporada de 1998-1999 juntamente com o seu colega atacante do Celtic Pierre van Hooijdonk. Após essa temporada em Portugal, regressou a Inglaterra para representar o Bradford City na temporada de 1999-2000. Fez a sua estreia numa partida frente ao Aston Villa que estava empatada 1-1. Não tendo conseguido marcar um único golo em sete partidas pelo clube, regressa a Lisboa para representar o Benfica no final da época. Foi a custo zero, sendo empretado ao Estrela da Amadora para começar a época de 2000-2001.

Com o recém promovido St. Mirren da Escócia, o clube procurava um atacante de valor, num país onde tinha tido muito sucesso. Mas a proposta era pouco aliciante, preferindo manter-se no Estrela da Amadora até ao final da época de 2001-2002.

Exilado do futebol[editar | editar código-fonte]

Após a sua saída do Estrela da Amadora, Cadete ficou sem clube. Sem ter encontrado um clube para iniciar a época acabou por terminar a sua carreira relativamente jovem, com 33 anos. Depois participou num reality show, o Big Brother.

Regresso ao futebol, regresso à Escócia[editar | editar código-fonte]

Regresso a Glasgow[editar | editar código-fonte]

No princípio da época de 2003-2004, Cadete decidiu retomar a carreira e aos 35 anos procura um novo clube. Regressou à Escócia e foi entrevistado num programa de televisão. Falou do seu amor pelo Celtic. Assinou contrato com a equipa do Partick Thistle, em Janeiro de 2004, terminando um período de 18 meses de fora dos relvados. A transferência ficou envolta em polémica, pois Cadete já tinha aceite assinar pelo Raith Rovers, sendo mesmo fotografado com a camisa do clube pelos media. Fez a sua estreia a 22 de Fevereiro contra o Celtic, sendo aplaudido pelos adeptos do Celtic que nunca o esqueceram.

Regresso ao passado[editar | editar código-fonte]

Depois da sua estreia, Cadete voltou a ser falado pois chegou tarde a um treino sendo castigado pelo clube. Marcou apenas um golo pelo Thistle nos oito jogos que fez, o que resultou numa não extensão do contrato. Estava de novo à procura de um clube para jogar, sendo que tinha convites da Escócia, Japão e Qatar, e no final de 2003-2004 nenhuma delas se tornou realidade.

Regresso a casa[editar | editar código-fonte]

No início da temporada de 2004-2005 Cadete assinou pela equipa da 2ª Divisão série D portuguesa, Clube Desportivo Pinhalnovense, onde ficou apenas 5 jornadas, em virtude de ter a sua academia de futebol. No clube fez cinco jogos marcando 2 golos. Ocupa actualmente o lugar de treinador no Recreios Desportivos do Algueirão, clube que milita nos distritais da Associação de Futebol de Lisboa (AFL).

Selecção Nacional[editar | editar código-fonte]

Fez 33 jogos pela Seleção Portuguesa de Futebol, marcando 5 golos. A sua estreia foi em 29 de Agosto de 1990 num amigável frente à Alemanha que acabou num empate 0-0. Integrou a equipa que disputou o Campeonato Europeu de Futebol de 1996, chefiado por António Oliveira, jogando apenas 20 minutos contra a Turquia (0-0) a quando da sua entrada em campo e apenas 8 minutos contra a República Checa, quando Portugal perdia desde os minutos iniciais e Antonio Oliveira não mexia na equipa. O seu último encontro foi na derrota por 3-0 frente à Inglaterra, em 22 de Abril de 1998, num particular.

Pós carreira[editar | editar código-fonte]

No final da carreira investiu em negócios que nada tinham que ver com futebol. Abriu dois salões de cabeleireiro que acabaram por fechar.

Teve 2 casamentos e outros tantos divórcios e com uma filha, de 23 anos, o ex-jogador diz “não ter uma relação normal de filha e pai”. A esse afastamento deveram-se os problemas financeiros” por que passou.

Passou a depender dos 189 euros de rendimento social de inserção, que foi cortado por ter aparecido património em seu nome: a casa que tinha e que foi tomada pelo banco.

Em 2014, está a tirar a Licenciatura em Treino Desportivo de Futebol. Candidatou-se a uma bolsa de estudos que lhe foi atribuída, mas que está pendente devido a uma dívida nas Finanças que terá de pagar[2] . A 05 de Abril de 2014 foi comunicada a sua parceria com a casa de apostas FantasticWin, onde Jorge Cadete recorda os melhores momentos da sua carreira e renova o seu visual.[3]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]