João Vieira Pinto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
João Vieira Pinto
João Vieira Pinto
Informações pessoais
Nome completo João Manuel Vieira Pinto
Data de nasc. 19 de agosto de 1971 (43 anos)
Local de nasc. Porto,  Portugal
Altura 1.70 cm
Informações profissionais
Clube atual Selecção Nacional
Posição Treinador Adjunto
Clubes profissionais1
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
1988-1990
1990-1991
1991-1992
1992-2000
2000–2004
2004–2006
2006–2008
Total
Portugal Boavista
Espanha Atlético de Madrid
Portugal Boavista
Portugal Benfica
Portugal Sporting
Portugal Boavista
Portugal Sp. Braga
19 (2)
 ??
43 (8)
302 (90)
142 (32)
62 (13)
33 (3)
601 (148)
Seleção nacional3
1991–2004 Flag of Portugal.svg Portugal 81 (23)


1 Partidas e gols pelo clube profissional
contam apenas partidas das ligas nacionais,
atualizados até 23 de Fevereiro de 2008.


3 Partidas e gols da seleção nacional estão atualizados
até Janeiro 6, 2014.

João Manuel Vieira Pinto CvIH (19 de agosto de 1971 no Porto, Portugal), é um ex-jogador de futebol português.

Juventude: Boavista e Madrid[editar | editar código-fonte]

Enquanto jovem, João Vieira Pinto jogou no Bairro do Falcão (local onde nasceu, em Campanhã, no Porto) e no Águias da Areosa. Acabou por ser contratado pelo Boavista FC aos Águias em troca de bolas e equipamento desportivo. Enquanto jovem, João Vieira Pinto impressionava pela sua velocidade e controlo de bola e viria a ser uma das estrelas na vitória de Portugal no Campeonato Mundial de Futebol Sub-20 em Riade (1989), tendo sido feito Cavaleiro da Ordem do Infante D. Henrique a 22 de Março desse ano,[1] e no Campeonato Mundial de Futebol Sub-20 em Lisboa (1991). A sua performance em Riade valer-lhe-ia a transferência para o Atlético de Madrid em 1990, sendo no entanto relegado para o Atlético Madrileño, a equipa de reservas dos colchoneros. Depois de um ano para esquecer, voltaria ao Boavista FC onde ajudou a sua equipa a vencer a Taça de Portugal. Após o seu bom desempenho no Campeonato Mundial de Futebol Sub-20 em 1991, foi contratado pelo SL Benfica.

Benfica[editar | editar código-fonte]

No SL Benfica não atuou, João Pinto viu a sua carreira ameaçada por um pneumotórax, contraído num jogo de apuramento para o Campeonato do Mundo de Futebol de 1994, com a Escócia. Embora tenha conseguido recuperar, não conseguiria ajudar o SL Benfica a conquistar o título. Porém, no campeonato seguinte ele fez, provavelmente, o seu melhor jogo de todos os tempos, fazendo um hat-trick no derby lisboeta contra o Sporting Clube de Portugal, numa vitória dos encarnados por 6-3 em casa do seu rival, no Estádio José Alvalade. Este resultado viria a ser decisivo na conquista do campeonato pelo SL Benfica nessa época.

Intitulado de Menino de Ouro, João Pinto herdou a braçadeira de capitão de António Veloso, após este ter-se retirado do futebol em 1995, mas não viria a conseguir ganhar outro campeonato. Alguns consideraram que teve uma baixa de qualidade devido à má gestão realizada pelo clube encarnado em 1995, mas seria considerado um talento da selecção nacional, juntamente com jogadores como Luís Figo e Rui Costa.

Finalmente, após desentendimento com o Presidente João Vale e Azevedo, rescindiu o seu contrato semanas antes do Campeonato Europeu de Futebol de 2000, tornando-se no único jogador sem clube a estar presente na competição. Portugal atingiria as meias finais do torneio, onde seria batida, como em 2006, pela França.

Sporting[editar | editar código-fonte]

Após o fim do Campeonato Europeu de Futebol de 2000, João Pinto teve várias propostas do estrangeiro por exemplo Manchester United, Chelsea, Bayer De Munique e Boca Juniores e também do FC Porto mas viria a assinar pelo Sporting. Depois de um campeonato pobre, o Sporting contratou o Bota de Ouro Mário Jardel, tendo João Pinto voltado aos seus anos de ouro e ajudado o Sporting a vencer o campeonato. Apelidado de pai da equipa por Jardel, João Pinto jogaria quase todos os jogos, apontando ainda nove golos.

SC Braga[editar | editar código-fonte]

Após uma época no Boavista FC (que quase se qualificou para a Taça UEFA), em que João Pinto marcou golos e foi por diversas ocasiões o Homem do Jogo, o SC Braga endereçou uma proposta a João Pinto e o mesmo viria a assinar contrato com a equipa minhota.

Depois de Ricardo Chaves (ex-Vitória de Setúbal), Zé Carlos (ex-Homem) e Maciel (ex-FC Porto/União de Leiria), João Pinto é a transferência mais notável dessa época, época que se revelaria bastante positiva, valendo-lhe a renovação do contrato. Com 35 anos João Pinto prepara-se para iniciar a sua última época como jogador profissional. O primeiro da Geração de Ouro Portuguesa, deixou a sensação de ter passado ao lado de uma carreira muito mais grandiosa, pois caso tivesse tentado nova aventura no estrangeiro, seria pois muito mais reconhecido, havendo quem defenda a teoria que poderia ter sido melhor que Luís Figo, pois antes deste, e do maestro Rui Costa, no mundo do futebol, já brilhava João Pinto, o pai e Grande Artista do Sporting, e o Menino de Ouro do Benfica.

A 22 de Fevereiro de 2008 foi anunciada a rescisão de contrato amigável entre João Pinto e o Sporting de Braga.[2] [3] Chegou a comentar-se que poderia ir para o Toronto FC que disputa a MLS, a liga estadunidense de futebol,[4] a 22 de Julho de 2008.[5]

As agressões[editar | editar código-fonte]

Além de um jogador talentoso, João Pinto foi sempre igualmente conhecido pelo seu comportamento intempestivo dentro de campo, com várias agressões e cartões vermelhos. A sua batalha com o jogador do FC Porto e seu colega de equipa na selecção nacional Paulinho Santos durou anos e ambos foram expulsos por diversas ocasiões após se terem envolvido em agressões, além disso, João Pinto sofreu várias lesões nos confrontos com Paulinho Santos, entre as quais, um nariz partido e um maxilar fracturado.

O momento mais baixo, no entanto, seria a agressão ao árbitro argentino Ángel Sánchez, depois de este ter dado ordem de expulsão numa sequência de lances bastante polémicos, num jogo da fase de grupos do Campeonato Mundial de Futebol de 2002, que lhe valeu a expulsão do jogo e suspensão de toda a sua actividade desportiva por 4 meses.

O Mundial de Futebol e o regresso ao Boavista[editar | editar código-fonte]

João Pinto nunca conseguiria recuperar do incidente do Campeonato Mundial de Futebol de 2002, falhando nos anos seguintes. Em 2004, após o final do seu contrato com o Sporting CP voltou ao Boavista FC pela mão de João Loureiro, embora tivesse estado perto de assinar contrato com os sauditas do Al-Hilal. À medida que o seu nome ia desaparecendo das notícias dos jornais desportivos, começaram a aparecer frequentes notícias suas nas revistas sensacionalistas acerca do seu divórcio e de um relacionamento com a modelo e actriz Marisa Cruz, que viria a ser sua esposa. Pai de dois filhos do seu casamento inicial com Carla Pinto, Marisa Cruz daria à luz o seu terceiro e quarto filhos, João, em Setembro de 2005, e Diogo em 2010.

Finalizou a sua participação nas selecções nacionais com 81 internacionalizações e 23 golos.

Títulos[editar | editar código-fonte]

SC Braga[editar | editar código-fonte]

Boavista[editar | editar código-fonte]

Benfica[editar | editar código-fonte]

Sporting[editar | editar código-fonte]

Selecção Portuguesa[editar | editar código-fonte]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

João Pinto é divorciado de Carla Baía com quem esteve casado 16 anos e da qual tem dois filhos: Tiago, nascido em 1988, e Diana, nascida em 1993. É avô de Santiago, nascido em 2010, e de Maria Paz, nascida em 2011, fruto da relação de Tiago com Bárbara Brilhante.

Foi casado com Marisa Cruz, da qual tem dois filhos, João, nascido em 2006, e Diogo nascido em 2010. Separou-se em 2013[6] .

Referências

Bandeira de PortugalSoccer icon Este artigo sobre futebolistas portugueses é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.