Judith Anderson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2011).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Judith Anderson
Judith Anderson em 1934
Nome completo Frances Margaret Anderson
Nascimento 10 de Fevereiro de 1897
Adelaide, Austrália Meridional, Austrália
Morte 3 de janeiro de 1992 (94 anos)
Santa Bárbara, Califórnia  Estados Unidos
Ocupação Atriz
Cônjuge Benjamin Harrison Lehmann (1937-1939; divorciada)
Lutero Greene (1946-1951, divorciada)
Atividade 1915 - 1987
IMDb: (inglês) (português)

Dame Judith Anderson, DBE (Adelaide, 10 de fevereiro de 18973 de janeiro de 1992)[1] foi uma atriz da Austrália de palco e cinema, nomeada para um Grammy e um Oscar. Ela é considerada pelos críticos de teatro como a maior atriz clássica australiana.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Anderson nasceu Frances Margaret Anderson-Anderson em Adelaide, Austrália do Sul, filha de Jessie Margaret e James Anderson-Anderson.[2] Frequentou a Escola Secundária de Norwood e começou a atuar na Austrália antes de se mudar para Nova York em 1918.[3] Ela estabeleceu-se como atriz dramática fazendo várias aparições em representações de peças de William Shakespeare.

Palcos[editar | editar código-fonte]

Anderson fez sua estreia profissional como Francee Anderson em 1915 na idade de 17 anos. Ela desempenhou o papel de Stephanie no Theatre Royal, em Sydney, em "Um Divórcio Real". O astro da produção era o ator escocês muito popular, Julius Knight, a quem Anderson mais tarde atribuiria como a principal influência em seu modo de atuar. No grupo alguns atores americanos aconselharam Francee a tentar a sorte na América. Ela foi para a Califórnia mas não obteve sucesso. Partiu para Nova York, onde a sorte não mudou. Após um período de pobreza e doença, ela encontrou trabalho na Companhia Acionária Emma Bunting no 14th Street Theatre, em 1918-19. Excursionou com várias companhias até 1922 quando fez sua estreia na Broadway em On the Stairs, usando o nome de Frances Anderson. Doze meses depois, ela mudou seu nome para Judith e teve seu primeiro triunfo como co-protagonista de "Cobra" com Louis Calhern. Viajou à Austrália em 1927 com três peças - Tea for Three, The Green Hat e Cobra.

Até o início dos anos de 1930, ela já se estabelecera como uma das maiores atrizes do teatro de sua época e foi uma grande estrela na Broadway em toda a década de 1930, 1940 e 1950. Em 1931, ela interpretou a mulher desconhecida na estreia americana de Luigi Pirandello com a peça "As You Desire Me", filmado no ano seguinte com Greta Garbo com o mesmo papel. Seguiram-se Mourning Becomes Electra de Eugene O'Neill, "The Mask and The Face" de Luigi Chiarelli e com Humphrey Bogart, e "The Old Maid " do romance de Edith Wharton, em papel que Bette Davis mais tarde levaria para o cinema. Em 1936, Anderson interpretou Gertrude de Hamlet com John Gielgud, em uma produção que também contou com Lillian Gish como Ofélia.

Em 1937, juntou-se à Old Vic Company em Londres e interpretou Lady Macbeth com Laurence Olivier em uma produção de Michel Saint-Denis, no Old Vic e o Teatro Novo. Em 1941, ela interpretou o mesmo papel novamente em Nova York com Maurice Evans. Numa encenação de Margaret Webster, um papel que ela repetiria mais tarde na televisão e por duas vezes (a segunda versão de 1960 foi lançado nos cinemas na Europa como um filme, e Macbeth foi a primeira em cores).

Em 1942-1943, ela interpretou Olga em "Três Irmãs" de Tchekhov, em uma produção que também contou com Katharine Cornell, Ruth Gordon, Edmund Gwenn, Dennis King, Alexander Knox e Kirk Douglas em sua estreia na Broadway. A produção era tão ilustre, que foi capa da revista Time.

Em 1947, ela triunfou como Medeia em uma versão da tragédia de Eurípedes, escrito pelo poeta Robinson Jeffers e produzido por John Gielgud que também atuou como Jasão. Ganhou o prêmio Tony de Melhor Atriz por seu desempenho. Viajou neste papel para a Alemanha em 1951 e para a França e Austrália, em 1955-56.

Em 1953, foi dirigido por Charles Laughton em sua própria adaptação do "Corpo de John Brown" de Stephen Vincent Benét com um elenco que contava com Raymond Massey e Tyrone Power. Em 1960, ela interpretou Madame Arkadina em A Gaivota de Tchekhov, primeira vez no Festival de Edimburgo, e em seguida, no Old Vic, com Tom Courtenay, Luckham Cirilo e Tony Britton.

Em 1970, ela realizou uma ambição de longa data ao desempenhar o papel de Hamlet. Ela fez isso em uma turnê nacional dos Estados Unidos e no Carnegie Hall de Nova Iorque com a idade de 73.

Em 1982, ela voltou a Medeia, desta vez com Zoe Caldwell no papel-título. Caldwell havia aparecido em um papel pequeno na turnê australiana de Medeia em 1955-1956. Anderson também foi nomeada para o Tony de Melhor Atriz Coadjuvante.

Hollywood[editar | editar código-fonte]

Em Hollywood, seus traços marcantes e não convencionalmente atraentes renderam-lhe oportunidades limitadas e como coadjuvante. Ela, naturalmente, preferiu o palco antes de qualquer evento. No entanto, ela fez um punhado de filmes importantes. Em particular, foi nomeada para Melhor Atriz Coadjuvante por seu papel em Rebecca de Alfred Hitchcock (1940). Como a governanta Mrs. Danvers, Judith Anderson era obrigada a atormentar mentalmente a jovem noiva, a segunda Sra. de Winter (Joan Fontaine), até mesmo encorajá-la a cometer suicídio, e a insultar o marido (Laurence Olivier) com a memória de sua primeira esposa, a nunca vista Rebecca. "Mrs. Danvers", como concebido por Judith Anderson é considerado um dos mais memoráveis e sexualmente ambíguos vilões do sexo feminino. (O Oscar contudo foi para Jane Darwell, por The Grapes of Wrath).

Judith Anderson em Laura

Isso levou a várias apresentações no cinema durante a década de 1940 em filmes como Lady Scarface (1941), Kings Row (1942), All Through the Night (1942), Laura de Otto Preminger (1944), com Gene Tierney, de René Clair And Then There Were None (1945), Espectro da Rosa de Ben Hecht (1946), O Tempo Não Apaga (1946), de Lewis Milestone e O Diário de uma Camareira (1946) de Jean Renoir. Continuou a actuar no palco em Nova York, fazendo o papel de Lady Macbeth, duas vezes, e ganhar um prêmio Tony em 1948 por seu desempenho historicamente aclamado no papel-título de Medéia.

Anderson mantém a distinção incomum de ganhar dois prêmios Emmy em separado por interpretar o mesmo papel - Lady Macbeth - em duas produções distintas de Macbeth.

Seu trabalho no cinema continuou na década de 1950, quando também participou de programas na televisão. Ela interpretou Herodias em Salomé (1953), Memnet em "Os Dez Mandamentos (1956) de Cecil B. de Mille , teve um desempenho memorável como Big Momma no filme da peça de Tennessee Williams, "Hot Tin Roof" (1958), a madrasta má em Cinderfella, e Buffalo Cow Head em Um Homem Chamado Cavalo (1970).

Anderson também gravou muitos álbuns de na década de 1950 e através da década de 1970, incluindo seu desempenho como Lady Macbeth (com Anthony Quayle). Ela recebeu uma indicação ao Grammy por seu trabalho na gravação de Wuthering Heights.

Fim da carreira[editar | editar código-fonte]

Em seus últimos anos, ela interpretou mais dois papéis de destaque nas produções que a levaram longe de suas origens shakespearianas. Em 1984, ela apareceu em Star Trek III: The Search for Spock como a sacerdotisa vulcaniana "T'Lar" (com a idade de 87). No mesmo ano iniciou um período de três anos como a matriarca Minx Lockridge na série da NBC Santa Barbara. Ela disse ser um fã, mas depois de assinar o contrato, se queixou amargamente sobre sua falta de tempo na tela. Ela foi sucedida no papel pela atriz norte-americana Janis Paige, que era um quarto de século mais jovem.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Anderson se mudou para a cidade de Santa Bárbara, Califórnia, e passou o resto de sua vida ali, morrendo de pneumonia em 1992, aos 94 anos. Anderson foi amiga do poeta Robinson Jeffers, que escreveu a adaptação de Medéia que ela estrelou. Era vista visitando com frequência a sua casa "Tor House", em Carmel, na Califórnia.

Anderson era casada e se divorciou duas vezes, primeiro com Benjamin Harrison Lehmann (1937-1939) e segundo com Lutero Greene (1946-1951). Não teve filhos, com os casamentos tendo ocorridos depois que ela completou 40 anos. Apesar de seus casamentos, Anderson esteve sujeita a especulações sobre sua sexualidade durante toda a sua carreira. Em sua biografia de Otto Preminger: The Man Who Would Be King (2007), Foster Hirsch afirma sem rodeios que Anderson era homossexual, estendendo-se essa especulação até os dias atuais.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Judith Anderson foi agraciada com o título de Dama do Império Britânico, em 1960 e, posteriormente, passou a ser chamada de "Dama Judith Anderson".

Em 10 de Junho de 1991, o Queen's Birthday Honours lhe deu o título de Companheira da Ordem da Austrália (AC), "em reconhecimento do serviço para as artes do espectáculo".[4]

Referências

  1. Judith Anderson Biography (1898-1992). filmreference.
  2. Judith Anderson Biography. Yahoo! Movies (2008).
  3. Anne Heywood (7 de maio de 2003). Anderson, Frances Margaret (Judith) (1898-1992). Australian Women's Archives Project. National Foundation for Australian Women.
  4. Australian Honours: Anderson, Judith. It's an Honour. Australian Government (2008).
Ícone de esboço Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.