Joan Fontaine

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Joan Fontaine
Joan Fontaine em 1943
Nome completo Joan de Beauvoir de Havilland
Outros nomes Joan Burfield
Joan St. John
Nascimento 22 de outubro de 1917
Tóquio, Japão Japão
Nacionalidade Reino Unido Britânica
Estados Unidos Americana
Morte 15 de dezembro de 2013 (96 anos)
Carmel, Califórnia, Estados Unidos
Ocupação Atriz
Cônjuge Brian Aherne (19391945; divorciados)
William Dozier (19461951; divorciados)
Collier Young (19521961; divorciados)
Alfred Wright Jr (19641969; divorciados)
Atividade 1935 - 1966 (no cinema);
carreira posterior na TV, encerrada em 1994.
Oscares da Academia
Melhor atriz
1941Suspicion
Outros prêmios
NYFCC de Melhor Atriz
1941 – Suspicion
IMDb: (inglês)

Joan de Beauvoir de Havilland (Tóquio, 22 de outubro de 1917Carmel-by-the-Sea, 15 de dezembro de 2013), com nome artístico Joan Fontaine, foi uma premiada atriz britânico-americana nascida no Japão. Foi a única atriz que conseguiu levar um Oscar (o de melhor atriz principal) pela performance num filme do diretor Alfred Hitchcock, o chamado mestre do suspense, que a dirigiu em Rebecca, a mulher inesquecível (no original, "Rebecca", de 1940) e Suspeita ("Suspicion", 1941), tendo sido este último o que lhe rendeu o prêmio.

Filha caçula da antiga atriz teatral Lillian Fontaine, ela era irmã mais nova da também famosa atriz Olivia de Havilland, bicampeã de prêmios Oscar e Globo de Ouro, que hoje vive em Paris.

Por sua contribuição à indústria do cinema, Fontaine possui uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood, localizada no número 1645 da Vine Street. Em 26 de maio de 1942 ela deixou o seu autógrafo e a marca de suas mãos e de seus pés na Calçada da Fama, em frente ao Grauman's Chinese Theatre.

Infância e juventude[editar | editar código-fonte]

Batizada como Joan de Beauvoir de Havilland, e nascida a 22 de outubro de 1917, em Tóquio, no Japão, seus pais eram naturais do Reino Unido. Seu pai, Walter Augustus de Havilland (31 de agosto de 1872 - 23 de maio de 1968), graduou-se na Universidade de Cambridge e trabalhou como professor de inglês da Universidade Imperial de Tóquio, antes de se tornar um advogado de patentes com prática no Japão. Sua mãe, Lilian Augusta de Havilland (nascida Lilian Augusta Ruse; 11 de junho de 1886 - 20 de fevereiro de 1975)[1] [2] , estudou na Academia Real de Artes Dramáticas, em Londres, e se tornou atriz de teatro, deixando a carreira depois de se estabelecer em Tóquio com o marido. Sua mãe voltaria a trabalhar com o nome artístico de Lillian Fontaine na década de 1940. Sua irmã mais velha, Olivia Mary de Havilland (1 de julho de 1916; viva atualmente), foi quem primeiro seguiu os passos da mãe ao escolher a profissão de atriz, e se tornaria, tal como a própria Joan se tornou mais tarde, uma das mais admiradas estrelas do cinema (Olivia consagraria-se após virar co-estrela de Errol Flynn em diversos filmes de aventura, e, sobretudo, com o clássico E o vento levou, de 1939, ao lado de Vivien Leigh, Clark Gable e Leslie Howard; Olivia de Havilland & Joan Fontaine são, até hoje, as únicas atrizes-irmãs premiadas com o Oscar de melhor atriz). Um de seus primos paternos era Sir Geoffrey de Havilland (27 de julho de 1882 – 21 de maio de 1965), pioneiro da aviação britânica e projetista de aeronaves, responsável pela criação do avião De Havilland Mosquito, e também fundador da empresa de aviões que levava seu nome. Seu avô paterno, o Reverendo Charles Richard de Havilland, era de uma família de Guernsey, nas Ilhas do Canal.

Sua mãe, saíra da Inglaterra para o Japão a fim de visitar um irmão que trabalhava como professor na Universidade de Tóquio; foi quando acabou conhecendo seu pai, então professor na Universidade, com quem se casou em 1914. Mas essa não foi uma feliz união, devido às infidelidades de Walter. Em fevereiro de 1919, Lilian convenceu o marido a levar a família de volta à Inglaterra, pois lá encontrariam um clima mais adequado para a saúde das filhas. A família parou na Califórnia, nos Estados Unidos, para tratar Olivia, com saúde fragilizada devido à uma bronquite. Quando Joan desenvolveu pneumonia, Lilian decidiu permanecer com as filhas na Califórnia, onde se estabeleceram na cidade de Saratoga, a cerca de 80 km ao sul de San Francisco. Seu pai abandonou a família e voltou para a amante japonesa, que se tornaria a segunda esposa dele. O divórcio de seus pais não foi finalizado até fevereiro de 1925.

Embora tivesse abandonado a carreira de atriz, Lilian ensinava as filhas a apreciarem as artes, sempre lendo Shakespeare para as crianças (o próprio nome de Olivia fora escolhido por causa da personagem Lady Olivia, da peça Noite de reis, de Shakespeare), e também ensinando-lhes música e declamação. Em abril de 1925, depois de o divórcio com Walter ter sido finalizado, Lilian casou-se novamente, desta vez com um proprietário de uma loja de departamentos chamado George Milan Fontaine, um homem severo e detestado por ambas as garotas. O sobrenome deste, que fora adotado por Lilian em razão de seu segundo casamento, seria usado por Joan quando, ao virar atriz, decidiu criar um nome artístico. A infância de Olivia e Joan seria marcada por desentendimentos entre ambas, desentendimentos estes que por sua vez gerariam uma rivalidade entre as irmãs que se estenderia ao longo de suas vidas[3] [4] .

Joan e Olivia estudaram na Los Gatos High School e na Notre Dame Convent Roman Catholic Girls School em Belmont, Califórnia.

Aos 15 anos ela voltou ao Japão onde viveu com seu pai durante dois anos.[5] Quando voltou aos Estado Unidos, seguiu os passos de sua irmã e começou a aparecer em filmes.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

trailer do filme As mulheres (1939)

Ao voltar para os Estados Unidos em setembro de 1934, foi apresentada à atriz May Robson, iniciando a seguir sua carreira com a peça "Kind Lady" e, logo depois, com sua participação em "Call it a Day". Foi durante uma das apresentações dessa peça no Duffy Theatre, em Hollywood, que ela foi vista pelo produtor Jesse Lasky, resultando num contrato para filmes com a RKO. Sua estreia no cinema ocorreu com uma pequena participação no filme Adeus, senhoras ("No More Ladies", 1935), estrelado por Joan Crawford. Mais tarde ela apareceria na Broadway em "Forty Carats".

Também foi selecionada para aparecer no primeiro filme de Fred Astaire sem Ginger Rogers pela RKO: Cativa e cativante ("A Damsel in Distress", 1937), mas o filme foi um fracasso.

Continuou aparecendo em pequenos papéis numa dúzia de filmes, mas não conseguiu deixar uma forte impressão, e seu contrato não foi renovado quando terminou, em 1939.

Estrelato[editar | editar código-fonte]

Sua sorte mudou na noite de uma festa na casa de Charlie Chaplin, onde jantava sentada ao lado do produtor David O. Selznick, responsável por E o vento levou, que havia se tornado a maior bilheteria da história do cinema (a própria Joan fizera testes para o filme, mas sua irmã, Olivia de Havilland, foi quem acabou se tornando uma das estrelas do longa). Ela e Selznick começaram a discutir sobre a novela de Daphne du Maurier Rebecca, e Selzinick a convidou para fazer um teste para a versão cinematográfica do romance, que no Brasil recebeu o título de Rebecca, a mulher inesquecível. O filme marcou a estréia americana do diretor inglês Alfred Hitchcock. Ela enfrentou uma cansativa série de testes para o filme durante 6 meses, junto a centenas de outras atrizes, entre elas Vivien Leigh e Anne Baxter, antes de finalmente ser escolhida para o papel. Em 1940, o filme foi lançado com críticas brilhantes, e, por sua performance, Fontaine foi indicada ao Oscar de melhor atriz, embora não tenha vencido (Ginger Rogers que levou o prêmio naquele ano pela atuação no filme Kitty Foyle).

Joan Fontaine e Gary Cooper na noite em que foram premiados, respectivamente, com o Oscar de Melhor atriz e Melhor ator, em 1942

Depois de "Rebecca", Joan Fontaine voltou a ser dirigida por Hitchcock no filme Suspeita ("Suspicion", 1941). Ela tornou-se, junto com Madeleine Carroll, Ingrid Bergman, Grace Kelly, Vera Miles e Tippi Hedren, uma destas únicas que estrelaram mais de um filme do diretor. Pelo desempenho em Suspeita, Fontaine foi novamente indicada para o Oscar de melhor atriz, concorrendo com atrizes como Bette Davis, e a sua própria irmã, Olivia de Havilland, que estava indicada pela atuação em A porta de ouro ("Hold Back the Dawn", 1941) e era a preferida dos jurados da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas; porém, Fontaine quem terminou levando a estatueta. O crítico brasileiro de cinema Rubens Ewald Filho explicou recentemente: "Joan Fontaine foi premiada com o Oscar por sua atuação em Suspeita, mas foi uma espécie de 'prêmio de consolação' por ela não ter levado a estatueta pelo papel em Rebecca, também do mesmo Alfred Hitchcock, que a tinha transformado em estrela. […] Mas ela realmente funciona em papéis de vítima, como a mulher apaixonada, frágil e desorientada que não sabe como lidar com a suspeita de que o marido (Cary Grant) seja um assassino […]".[6]

Olivia de Havilland não escondeu sua decepção em relação à perda. A vitória de Joan Fontaine deixou surpresos muitos que esperavam que a grande vencedora fosse De Havilland, e até mesmo a própria Fontaine confessou que não esperava que acabasse se saindo a vencedora. Dessa forma, a atriz tornou-se o único intérprete a ganhar um Oscar de atuação por um filme dirigido por Alfred Hitchcock. Em 1961, Janet Leigh, num filme de Hitchcock, seria indicada ao Oscar de melhor atriz coadjuvante pela atuação no filme Psicose ("Psycho", 1960), o famoso filme de suspense com a cena da moça esfaqueada durante o banho de chuveiro, mas não ganharia.

Joan Fontaine venceu o Oscar sobre a sua irmã mais velha em 1942, mas De Havilland, mais tarde, venceria o Oscar de melhor atriz em outras duas ocasiões: em 1947, pelo filme Só resta uma lágrima ("To Each His Own", 1946), e em 1950, por Tarde demais ("The Heiress", 1949). De Havilland é uma das poucas atrizes com mais de um Oscar ganhos, apesar de a detentora do recorde ser Katharine Hepburn, com 4 vitórias. Joan Fontaine e Olivia de Havilland são, até os dias de hoje, as únicas atrizes a serem irmãs que foram premiadas com o Oscar. Somente em 1966 outras duas irmãs voltariam a ser indicadas ao mesmo prêmio, na mesma categoria: Vanessa Redgrave e Lynn Redgrave. Vanessa conseguiu arrebatar uma estatueta anos mais tarde, como Melhor Atriz Coadjuvante, mas Lynn nunca chegou a ganhar.

Ao longo da década de 1940 Joan Fontaine continuou a fazer sucesso, destacando-se sobretudo em dramas e romances. Entre seus trabalhos memoráveis durante este tempo também estão De amor também se morre ("The Constant Nymph", 1943, pelo qual recebeu sua terceira e última indicação ao Oscar), Jane Eyre (Idem, 1944), Ivy, a história de uma mulher ("Ivy", 1947), e Carta de uma desconhecida ("Letter from an Unknown Woman", 1948).

No cinema, a atriz contracenou com sua mãe, Lillian Fontaine, em duas ocasiões: em 1947, no filme Ivy, a história de uma mulher, e em 1953, em "The Bigamist" (intitulado O bígamo, no Brasil).

Após 1950[editar | editar código-fonte]

Suplício de uma alma (1956)

Em meados dos anos 50, quando seu sucesso no cinema diminuiu um pouco, ela passou a dar mais vez ao teatro e também se voltou para a televisão, onde participou de inúmeros episódios de séries de sucesso. Em 1954, atuou na Broadway, ao lado de Anthony Perkins, na peça Chá e Simpatia, que foi um sucesso e lhe rendeu vários elogios.

Em 1956, ela apareceu com Eduard Franz na antológica série da NBC "The Joseph Cotten Show". Ela apareceu como ela mesma, em 1957, no sitcom da CBS "Mr. Adams and Eve", estrelado por Howard Duff e Ida Lupino.

Nos anos 60, continuou a fazer sucesso na Broadway com diversas peças, entre as quais "Dial M for Murder", "Private Lives", "Cactus Flower" e uma produção austríaca de "The Lion in Winter". Nessa mesma década, começou a investir em frutas cítricas, fazendas de gado, petróleo e imóveis. Ela se tornou presidente da Oakhurst Enterprises, uma Corporação da Califórnia formada para gerir suas diversas empresas. Tirou brevê de piloto, foi campeã de balonismo, fez decoração de interiores como profissional, ganhou prêmio em torneio de pesca e ainda ganhou um título de Cordon Bleu em culinária.

Fontaine fez uma participação na ABC no sitcom "The Bing Crosby Show", na temporada 1964 - 1965. Seu último trabalho no cinema foi no filme Bruxa - A face do demônio ("The Witches", 1966), que também co-produziu. Ela passou a aparecer na TV durante os anos subsequentes, até 1994.

Em 1980, foi nomeada para um Emmy pela atuação na série "Ryan's Hope".

Sua última atuação se deu no filme para a TV O bom Rei Venceslau ("Good King Wenceslas", 1994).

Sua autobiografia, "No Bed of Roses", foi publicada em 1978.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Casamentos e filhos[editar | editar código-fonte]

Joan Fontaine casou-se e divorciou-se 4 vezes,[7] com:

Da união com William Dozier nasceu sua filha, Deborah 'Debbie' Leslie Dozier (nascida em 1948). Fontaine também adotou uma garota peruana, Martita.

Rivalidade com Olivia de Havilland[editar | editar código-fonte]

Das duas irmãs, Olivia de Havilland foi a primeira a se tornar atriz. Quando Joan tentou seguir a mesma profissão, sua mãe, que supostamente favorecia à Olivia, se recusou a deixar Joan usar o mesmo sobrenome que a irmã. Assim Joan se viu obrigada a inventar um nome artístico, tendo em primeiro Joan Burfield e, posteriormente, Joan Fontaine.

A atriz Olivia de Havilland (nascida em 1916, viva atualmente), irmã mais velha de Joan Fontaine

Segundo o que conta o biógrafo Charles Higham em sua obra Sisters: The Story of Olivia De Haviland and Joan Fontaine, as irmãs sempre tiveram uma relação difícil, começando na infância, quando Olivia teria rasgado uma roupa de Joan, forçando-a a costurá-la novamente. A rivalidade e o ressentimento entre as irmãs também alegadamente resulta da percepção de Joan em relação ao fato de Olivia ser a filha favorita de sua mãe.

Em 1942 as duas irmãs foram nomeadas para o Oscar de melhor atriz. Fontaine foi indicada pela atuação no filme Suspeita ("Suspicion", 1941), de Alfred Hitchcock, e De Havilland foi indicada pela atuação em A porta de ouro ("Hold Back the Dawn", 1941). Fontaine foi quem acabou levando a estatueta. O biógrafo Charles Higham descreveu os eventos da cerimônia de premiação, afirmando que, como Joan avançou empolgada para receber seu prêmio, ela claramente rejeitou as tentativas de Olivia cumprimentá-la, e que Olivia acabou se ofendendo com essa atitude. Higham também afirmou que, depois, Joan sentiu-se culpada pelo que ocorreu na cerimônia de entrega do prêmio. Anos mais tarde, seria a vez de Olivia de Havilland ganhar o prêmio, em 1947, pela atuação no filme Só resta uma lágrima ("To Each His Own", 1946). Segundo o biógrafo, na cerimônia de premiação Joan fez um comentário sobre o então marido de Olivia, que ficou ofendida e não quis receber os cumprimentos de sua irmã por este motivo.

A relação entre as irmãs continuou a deteriorar-se após os dois incidentes. Em 1975, aconteceria algo que faria com que elas deixassem de se falar definitivamente: segundo Joan, Olivia não a convidou para um serviço memorial em homenagem a sua mãe, que havia morrido recentemente. Mais tarde, Olivia afirmou que tentou comunicar a Joan, mas ela se encontrava muito ocupada para atendê-la.

Charles Higham também diz que Joan teve um relacionamento distante com suas próprias filhas, talvez por ter descoberto que elas mantinham um relacionamento secreto com a tia, Olivia.

Ambas as irmãs sempre se recusaram a comentar publicamente sobre a sua rivalidade e relacionamento familiar. Em uma entrevista de 1978, no entanto, Fontaine disse: "Casei-me primeiro, ganhei um Oscar antes de Olivia e se eu morresse primeiro, sem dúvida ela ficaria lívida porque eu também teria ganho dela nisso!".[8] Após a morte de Fontaine, De Havilland, de sua casa em Paris, divulgou um comunicado dizendo: "Estou chocada e entristecida, e agradeço por todas as expressões de simpatia e gentileza dos fãs".

Morte e legado[editar | editar código-fonte]

Joan Fontaine faleceu no domingo 15 de dezembro de 2013 aos 96 anos de idade[9] - ironicamente a data em que E o vento levou ("Gone with the Wind", 1939), filme que imortalizou sua irmã, Olivia de Havilland, no cinema americano, complatara 74 anos de estreia. Conforme informou Susan Pfeiffer, assistente da atriz, Fontaine faleceu de causas naturais, enquanto dormia. Segundo a amiga Noel Beutel, Joan faleceu de forma tranquila, em sua casa, depois de algumas semanas em que sua saúde vinha se deteriorando; "ela era uma mulher incrível, tinha um coração enorme, e fará falta" - disse Beutel à Reuters, acrescentando que almoçara com a atriz uma semana antes de sua morte.[10]

Após a notícia da morte da atriz, Nick Higham, da BBC, afirmou que Fontaine, em seu apogeu, foi uma das mais atraentes estrelas de Hollywood: bela e estilosa, e uma atriz verossímil.

Cquote1.svg Tive uma ótima vida, não apenas com a atuação. Competi numa carreira internacional com grandes estrelas, pilotei o meu próprio avião e fiz muitas coisas emocionantes Cquote2.svg
Fontaine.

Seu corpo foi cremado e as cinzas espalhadas no Oceano Pacífico em Carmel-by-the-Sea, Califórnia nos Estados Unidos[11] .

Em 14 de outubro de 2014 foi noticiado que a estatueta do Oscar de melhor atriz concedida a Joan Fontaine irá a leilão. Segundo a a casa de leilões Christie's, que também venderá a propriedade de Fontaine em vários leilões entre novembro de 2014 e janeiro de 2015, a estatueta terá seu valor entre US$ 200 mil e US$ 300 mil, num leilão marcado para o dia 11 de dezembro, em Nova York. Os rendimentos obtidos com a venda dos bens de Fontaine, que a Christie's disse que poderia chegar a US$ 1 milhão, vão beneficiar a Sociedade para a Prevenção da Crueldade contra os Animais em Monterey, no norte da Califórnia (como se sabe, a atriz esteve engajada com projetos em defesa da causa dos animais)[12] .

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Filme Resultado
1940 Oscar Melhor atriz Rebecca, a mulher inesquecível Indicada
1941 Oscar Melhor atriz Suspeita Vencedora
NYFCC Award Melhor atriz Vencedora
1943 Oscar Melhor atriz De amor também se morre Indicada
1947 Golden Apple Award Most Cooperative Actress Vencedora
1980 Daytime Emmy Award Outstanding Guest/Cameo Appearance in a Daytime Drama Series Ryan's Hope Indicada

Filmografia[editar | editar código-fonte]

com Judith Anderson em Rebecca, a mulher inesquecível (1940)
com Cary Grant em Suspeita (1941)
Fontaine em foto de 1942
Jane Eyre (1944)
Foto colorizada de uma cena com a atriz em Os amores de Suzana (1945)
Alma sem pudor (1950)
Ivanhoé, o vingador do rei (1952)
Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o
1935
1937
1938
1939
1940
1941
1942
1943
1944
1945
1946
1947
1948
1950
1951
1952
1953
1954
1956
1957
1958
1961
1962
1966
1978
1986
1994

Referências

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Fontaine, Joan. No Bed of Roses. Berkley Publishing Group, 1979. ISBN 0 425-05028-9
  • Higham, Charles. Sisters: The Story of Olivia De Haviland and Joan Fontaine. Coward McCann, 1984.
  • Current Biography 1944. H.W. Wilson Company, 1945.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Joan Fontaine
Ícone de esboço Este artigo sobre um ator ou atriz de cinema é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Precedida por:
Ginger Rogers
por Kitty Foyle
Oscar de Melhor Atriz
por Suspeita

1941
Sucedida por:
Greer Garson
por Rosa de esperança