Manowar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Manowar
Manowar em Hamburgo em 2007.
Informação geral
Origem Auburn, Nova Iorque
País  Estados Unidos
Gênero(s) Heavy metal, speed metal , true metal, power metal[1] [2]
Período em atividade 1980 – atualmente
Gravadora(s) Atlantic Records
Geffen Records
Magic Circle Music
Página oficial Manowar.com
Integrantes
Joey DeMaio
Eric Adams
Karl Logan
Donnie Hamzik
Ex-integrantes
Ross The Boss
Carl Kennedy
Scott Columbus
David Shankle
Rhino

Manowar é uma banda dos Estados Unidos de heavy metal, formada em 1980, que tem como líderes o baixista Joey DeMaio e o vocalista Eric Adams.

Uma das características marcantes da banda, é o discurso em prol do verdadeiro heavy metal, sua temática épica e lírica que mistura temas como mitologia nórdica[3] , mulheres, velocidade, guerras, honra, glória.[4]

Musicalmente, a banda executa o heavy metal tradicional, com influências de power metal, além de serem os criadores do estilo true metal, uma variável do heavy metal.

O Manowar se destaca entre as maiores bandas de metal e já vendeu mais de 9 milhões de cópias em todo o mundo.[5]

História[editar | editar código-fonte]

Início e primeiros álbuns[editar | editar código-fonte]

Joey DeMaio estava trabalhando como técnico de baixo e encarregado pela pirotecnia para o Black Sabbath na turnê do álbum Heaven and Hell, quando conheceu Ross the Boss (Ross Friedman, o tambem Ross Funicello, ex-Dictators) que tocava no momento no Shaking Street, que abria shows para o Black Sabbath na época.

Em seguida, recrutou o vocalista Eric Adams, quem DeMaio conhecia desde a escola, e o baterista Donny Hamzik, e agora com o nome Manowar gravaram seu primeiro álbum Battle Hymns, em 1982, que incluía a música "Dark Avenger" com uma narrativa recitada por Orson Welles. No ano seguinte, assinaram um contrato com a gravadora Megaforce Records e gravaram seu segundo álbum Into Glory Ride com Scott Columbus substituindo Hamzik ​​ na bateria. Colombus trouxe com ele o seu próprio estilo de tocar bateria, mudando o kit padrão para um personalizado com aço inoxidável. Seu terceiro álbum Hail To England foi mixado e gravado em apenas seis dias. Depois surgiu Sign Of The Hammer, originalmente lançado pela 10 Records, foi um disco dissonante que começou a consolidar o Manowar como um grupo, com sua marca sempre presente: o poder. Com Sign of the Hammer, realizaram sua primeira tour europeia, a qual começou na Bélgica, e em todos o países que tocaram recebiam um grande público, que crescia cada vez mais. Os headbangers reconheceram canções que eram verdadeiros hinos do metal neste disco, como "Thor (The Powerhead)" e a faixa-título.

Contrato com Atlantic Records e ascensão[editar | editar código-fonte]

Depois de Sign of the Hammer assinam com a Atlantic Records e ganham espaço na cena do metal com Fighting the World, primeiro registro nos anais do metal a ser gravado em formato totalmente digital. Foi considerado um de seus melhores álbuns, possuindo faixas como "Fighting the World" e "Carry On", apesar de seu aspecto levemente comercial.

Em 1988 publicam Kings of Metal. A partir desde disco o grupo foi totalmente identificado pelo público pelo próprio nome do álbum, além de ser um álbum que reforça sua filosofia, contendo músicas marcantes como "Kings of Metal" e "Blood of the Kings".

Os dois maiores desafios que a banda se propõe neste trabalho foram moldados na forma de duas músicas: "The Crown and the Ring", que foi interpretado em uma antiga catedral, com um coro de cem vozes masculinas; e "The Sting of the Bumblebee", baseada na obra clássica "Flight of the Bumblebee" de Nikolai Rimsky-Korsakov, a qual Joey DeMaio adapta ao seu instrumento, o baixo elétrico, interpretando com velocidade inimaginável, em uma demonstração de puro virtuosismo.

O disco seguinte, The Triumph of Steel, editado em 1992, contem uma música conceitual baseada na obra A Ilíada de Homero, que, com 28:38 minutos de duração, tornou-se um clássico do grupo: "Achilles: Agony and Ecstasy in Eight Parts". Este disco é definitivamente um dos mais peculiares da banda, devido à já referida "suíte", a qual é mais longa canção na história do grupo, mas inclui em contrapartida uma das baladas mais bem sucedidas do Manowar, "Master of the Wind", e um hino que é por si só uma declaração de amor a seu gênero musical: "Metal Warriors". Ademais, conta com uma canção singular chamada "Spirit Horse of the Cherokee", que descreve com precisão as crenças e destino dos nativos americanos. Após o fim da formação original da banda, entra Rhino na bateria, uma verdadeira metralhadora do bumbo-duplo, e David Shankle torna-se o guitarrista, grande virtuoso das seis cordas e mestre na arte do Shred. The Triumph of Steel alcançou certificado de ouro na Alemanha, país cheio de fãs assíduos da banda, e tornou-se extremamente popular entre os fãs do grupo por sua exuberância épica, som veloz, agressivo e metálico.

Após a turnê do álbum, Rhino e Shankle deixam a banda: o primeiro porque Scott Columbus retorna ao grupo; e o segundo porque decidiu continuar aperfeiçoando sua técnica sozinho. Em 1994, DeMaio conhece Karl Logan – futuro guitarrista do Manowar – em uma corrida de motos, e com a seguinte formação: Adams, DeMaio, Columbus e Logan, gravaram em 1996 o álbum Louder Than Hell.

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

No ano de 2002, anos após Louder Than Hell, Manowar retorna com um novo disco: Warriors Of The World, décimo terceiro álbum oficial, que foi lançado pelo selo Nuclear Blast. Entre as características deste CD, destaca-se uma versão retrabalhada da ária Nessun dorma de Giacomo Puccini, cantada por Eric Adams.

Depois de mais quatro anos, foi anunciada uma novidade na discografia da banda: o grupo tinha planejado para o mês de abril de 2006 o lançamento de seu álbum Gods of War, mas não saiu até fevereiro de 2007 na Europa e abril de 2007 nos Estados Unidos, devido a um acidente de moto que o guitarrista Karl Logan sofreu em 2006. Desta vez, foi publicado por sua própria editora "Magic Circle Music".

Este novo álbum tinha inclinações nórdicas em seus elementos temáticos e composicionais. Gods of War é uma obra épica, desenvolvida através de várias partes, que incluem referências a Odin, o deus nórdico da guerra, poesia e magia, Loki, figura da mitológica nórdica do mal e do engano, e Sleipnir, o cavalo de Odin, criatura mítica de oito patas simbolizando os oito ventos que sopram a partir de seus respectivos pontos cardeais, segundo a cosmologia nórdica.

"Com este tipo de temática... quando honramos a Odin, deus da guerra, jazz ou música country não ajudariam a criar a imagem mental necessária, e não fariam justiça ao Pai dos Deuses", diz Joey DeMaio - "O heavy metal é necessário para contar essa história".

Quando finalmente o Manowar publicou Gods of War, o álbum entrou o primeiro lugar nas paradas na Alemanha, # 2 na Grécia e se manteve em posições de honra nas paradas de muitos países. O CD é composto por 15 músicas conceituais e uma faixa bônus, contando a história do deus nórdico Odin, em seu próprio sacrifício para obter a magia das runas e da mais alta sabedoria. Quanto à faixa bônus, é um hino à massiva irmandade do heavy metal. O álbum Gods of War teve como consequência uma extensa turnê chamada: Demons, Dragons and Warriors Tour no ano de 2007.

Deve-se notar que o Manowar foi coroado banda mais barulhenta do mundo ao atingir 129,5 decibéis através de dez toneladas de amplificadores e alto-falantes na turnê Spectacle of Might (Espetáculo do Poder) na Grã-Bretanha. O registro aparece no livro Guinness Book, e foi quebrado novamente em Hannover (Alemanha) por eles mesmos, durante a turnê de Fighting the World.

Fim dos anos 2000 e álbuns recentes[editar | editar código-fonte]

Em 15 de setembro de 2007, foram reveladas as capas das duas versões do EP The Sons of Odin, desenhadas por Ken Kelly. Enquanto isso, em abril de 2008, Rhino volta à banda para suprir a função de Columbus (por razões desconhecidas) tocando no concerto histórico em Kavarna (Bulgária), que viria a ser o maior show na história do heavy metal, com mais de cinco horas de duração, sendo substituído logo após esses eventos por Donnie Hamzik ​​(baterista original da banda). A separação definitiva de Scott Columbus com o Manowar só foi confirmada em 2010, segundo ele, por desavenças com Joey DeMaio - líder da banda - e principalmente por razões financeiras.

No ano de 2009 saiu o EP intitulado Thunder in the Sky, com Hamzik oficialmente na bateria. A particularidade deste EP é que conta com 6 músicas no disco 1 e 16 no disco 2. O EP é o início de uma série de discos denominada "The Asgard Saga" que a banda prometeu gravar posteriormente. Em 2010, regravam o clássico de 1982 Battle Hymns, o qual conta com a participação especial de Christopher Lee.[6] O álbum foi renomeado como Battle Hymns MMXI.

No início de 2011, Ross "Boss" Friedman confirmou a morte de seu ex-colega de banda Scott Columbus. O baterista de longa data do Manowar faleceu em 4 de abril de 2011 com 54 anos de idade. A causa da morte não foi divulgada pela família, mas especula-se que ele estivesse com depressão.

Em meados de 2012, depois de mais cinco anos do último álbum completo de inéditas, e dois após a regravação de Battle Hymns, a banda revela o disco The Lord of Steel, que deixa de lado as sinfonias e orquestrações de Gods of War e relembra o som clássico da grupo.

A banda recentemente anunciou que regravou seu álbum de 1988 Kings of Metal (renomeado Kings of Metal MMXIV) que será lançado oficialmente no dia 28 de fevereiro de 2014, seguido de uma turnê europeia.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio

Formação[editar | editar código-fonte]

Banda em concerto na Noruega, 2009
Formação atual
Ex-integrantes
Linha do tempo do Manowar

Referências

  1. Manowar. Encyclopaedia Metallum. Página visitada em 2012-03-03.
  2. Manowar - The Sons of Odin. Allmusic. Página visitada em 2012-03-03.
  3. G1. Ingressos para shows do Manowar no Brasil estão à venda. Página visitada em 8 de Abril de 2011.
  4. Manowar: anunciada participação em jogo online. Whiplash.net. Página visitada em 1 de Abril de 2013.
  5. Gods of War - Editorial Reviews. www.amazon.com. Página visitada em 1 de Abril de 2013.
  6. Manowar actuam a 2 de Abril em Lisboa. Destak. Página visitada em 8 de Abril de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]