Palácio de Fontainebleau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Palácio e Parque de Fontainebleau *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Chateau Fontainebleau.jpg
Palácio de Fontainebleau visto dos jardins.
País França
Critérios C(ii) C(vi)
Referência 160
Coordenadas 48º24'08"N 3º42'02"E
Histórico de inscrição
Inscrição 1981  (5ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

O Royal Château de Fontainebleau é um dos maiores Châteaux Reais franceses. Fica localizado na cidade de Fontainebleau, departamento de Seine-et-Marne, no Norte da França.

O palácio reflete, actualmente, o trabalho de vários monarcas franceses, construído a partir duma estrutrura inicial de Francisco I. O edifício estende-se em volta de uma série de pátios.

Parte esquerda do Pátio de Honra

A cidade de Fontainebleau cresceu ao redor do que restava da Floresta de Fontainebleau, um antigo parque de caça Real.

Este palácio introduziu na França o Maneirismo italiano, quer na decoração de interiores quer nos jardins, e transformou-o ao fazer a tradução. O Maneirismo francês na decoração de interiores do século XVI é conhecido como "Estilo Fontainebleau": este combina escultura, trabalhos em metal, pintura, estuque e trabalhos em madeira. Exteriormente introduziu o parterre de jardim. O Estilo Fontainebleau combinou pinturas alegóricas em trabalhos de rebocador moldados, onde o enquadramento era tratado como se fosse couro ou papel, cortado enrolado em pergaminhos com arabescos e grotescos.

Os ideais da beleza feminina em Fontainbleau são Maneiristas: uma pequena e graciosa cabeça num pescoço comprido, exageradamente longos torso e braços, peitos pequenos e altos — quase um regresso às belezas do gótico tardio. Os novos trabalhos em Fontainebleau foram registados em refinadas e detalhadas gravuras que circularam entre conhecedores e artistas.

Através das gravuras feitas pela "Escola de Fontainebleau", este novo estilo foi transmitido a outros centros do Norte da Europa, especialmente Antuérpia, Alemanha e, mais tarde, também Londres.

História[editar | editar código-fonte]

Interior
Fontainebleau visto do lago
Vestiário da Rainha Maria Antonieta
Salon van de vaas.jpg

O velho castelo que se erguia neste local já era usado no final do século XII pelo Rei Luis VII, para quem Thomas Becket consagrou a capela. Fontainebleau foi uma das residências favoritas de Filipe II e de Luis IX. O criador do actual edifício foi Francisco I, para quem o arquitecto Gilles le Breton erigiu a maior parte das construções do Cour Ovale (Pátio Oval), incluindo a Porte Dorée, a sua entrada Sul. Este rei também convidou para França, Sebastiano Serlio e Leonardo da Vinci. A Galeria de Francisco I, com os seus afrescos feitos em estuque por Rosso Fiorentino, foi construída entre 1522 e 1540, sendo a primeira grande galeria decorada construída em França. De um modo geral, em Fontainebleau o Renascimento foi introduzido na França. A Salle des Fêtes, no reinado de Henrique II, foi decorada pelos pintores Maneiristas italianos, Francesco Primaticcio e Niccollo dell Abbate. A "Ninfa de Fontainebleau", de Benvenuto Cellini, encomendada para o palácio, está no Louvre.

Outra campanha de extensas construções foi levada a cabo por Henrique II e Catarina de Médici, que contrataram os arquitectos Philibert Delorme e Jean Bullant.

Ao Fontainebleau de Francisco I e Henrique II, Henrique IV adicionou o pátio que carrega o seu nome, e ainda o Cour des Princes, com a adjacente Galerie de Diane de Poitiers e a Galerie des Cerfs, usada como biblioteca. Uma "segunda escola de decoradores de Fontainebleau", menos ambiciosa e original que a primeira, esteve envolvida nestes projectos adicionais. Henrique IV perfurou o parque florestal com um canal de 1200 m. (onde se pode pescar actualmente) e ordenou a plantação de pinheiros, olmeiros e árvores de fruta. O seu jardineiro, Claude Mollet, treinado no Château d'Anet, executou parterres. Três séculos depois o palácio entrou em decadência; durante a Revolução Francesa muito do mobiliário original foi vendido, no decurso das vendas revolucionárias do conteúdo de todos os palácios Reais, concebidas como uma forma de conseguir dinheiro para a nação e assegurar que os Bourbons não poderiam voltar aos seus confortos. Todavia, dentro de uma década o Imperador Napoleão Bonaparte, começou a transformar o Château de Fontainebleau num símbolo da sua grandeza, como uma alternativa ao vazio Palácio de Versailles, com as suas conotações Bourbon. Em Fontainebleau, Napoleão assinou a sua abdicação, com o Tratado de Fontainebleau, despediu-se da sua Velha Guarda e foi para o exílio, em 1814. Com modificações à estrutura do palácio, incluindo a entrada de cantaria suficientemente larga para a sua carruagem, Napoleão ajudou a fazer do palácio o local que os visitantes conhecem actualmente. Fontainebleau foi o cenário da Corte do Segundo Império, do seu sobrinho Napoleão III.

Jardins

Filipe IV, Henrique III e Luís XIII nasceram neste palácio, e o primeiro destes reis também morreu aqui. Cristina da Suécia viveu em Fontainebleau durante vários anos, depois da sua abdicação em 1654. Em 1685 Fontainebleau assistiu à assinatura do Édito de Fontainebleau, o quel revogou o Édito de Nantes (1598). Hóspedes Reais dos Reis Bourbon foram instalados em Fontainebleau: Pedro I da Rússia e Cristiano VII da Dinamarca, e também, na época de Napoleão, o Papa Pio VII — em 1804 quando veio consagrar Napoleão como Imperador, e entre 1812 e 1814, quando foi seu prisioneiro.

Actualmente, parte do palácio alberga as "Écoles d'Art Américaines", uma escola de arte, arquitectura e música para estudantes dos E.U.A.. Preservado nos campos está o jeu de paume (quadra de tennis real) de Henrique IV. É a maior quadra de ténis deste género no mundo, e uma das poucas de propriedade pública.[1]

Em 1981, o Château de Fontainebleau foi classificado Património Mundial pela UNESCO.

Jardins[editar | editar código-fonte]

O parque cobre uma área de quase 80 hectares e foi criado por Henrique IV, que desmatou parte da Floresta de Fontainebleu entre 1606 e 1609. Luís XIII de França já passeou de Galé nos canais do parque instalados no século XVI.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Palácio de Fontainebleau

Notas

  1. Cercle du jeu de paume de Fontainebleau. Histoire de la salle de jeu de paume de Fontainebleau. Página visitada em 19 de Março de 2007.