Polissíndeto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

a Polissíndeto é o emprego repetitivo da conjunção entre as orações de um período ou entre os termos de oração e geralmente é a conjunção "e" e/ou "nem".

Um exemplo pode encontrar-se neste excerto de Lucas :

"Tudo é seco e mudo e de mistura
Também mudando eu fiz outras cores".

Outro exemplo de Euclides da Cunha

"E sob as ondas ritmadas
e sob as nuvens e os ventos
e sob as pontes e sob o sarcasmo
e sob a gosma e sob o vômito"

Outro exemplo de Euclides da Cunha: "seis mil mannlichers e seis mil sabres; e o golpear de doze mil braços, e o acalcanhar de doze mil coturnos; e seis mil revólveres; e vinte canhões, e milhares de granadas [...] e os degolamentos, e os incêndios, e a fome, e a sede; e dez meses de combates, e cem dias de canhoneio contínuo; e o esmagamento das ruínas..." (em Os Sertões).

Outro exemplo de Olavo Bilac:

"Longe do estéril turbilhão da rua,
Beneditino, escreve! No aconchego
Do claustro, na paciência e no sossego,
Trabalha, e teima, e lima, e sofre, e sua!"
com calma sem sofrer

outro exemplo:

"E eu morrendo! E eu morrendo!
Vendo-te, e vendo o sol, e vendo o céu, e vendo
Tão bela palpitar nos teus olhos, querida,
A delícia da vida! A delícia da vida!"
Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.