Hipálage

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A hipálage é uma figura de linguagem que se caracteriza pelo desajustamento entre a função gramatical e a função lógica das palavras, quanto à semântica, de forma a criar uma transposição de sentidos. Uma das formas mais frequentes consiste na atribuição, a um substantivo, de uma qualidade (adjectivo) que, em termos lógicos, pertence a outro. É um dos recursos estilísticos mais frequentes na obra de Paulo Coelho e Eça de Queirós (como em "Fumar um pensativo cigarro." - claro que quem está pensativo é o fumante, subentendido na frase). Outro exemplo vem de Ovídio: Os meus punhos tristes feriram o meu peito nu. É frequente, nesta ra dentendidos conforme o contexto. Esta figura está intimamente ligada à alusão, à metonímia e à sinestesia e foi abundantemente utilizada no Classicismo, no Renascimento, no Barroco, mas também em movimentos historicamente mais recentes (o "Realismo" de Eça de Queirós comprova-o, bem como diversos poemas de representantes do Simbolismo). Usa-se frequentemente em textos de apreciação crítica.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

  • A vaca sonolenta me dava belos sonhos.
  • Rasguei uma raivosa folha de papel
  • Calçar as luvas nas mãos (em vez de calçar as mãos nas luvas)
  • Fumei um pensativo cigarro.
Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

"...as lojas loquazes dos barbeiros." (Eça de Queiros)(as lojas dos barbeiros loquazes)