Anagrama

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A origem do nome Alan Smithee a partir de "The alias men",'os homens-codinome".

Um anagrama (do grego ana = "voltar" ou "repetir" + graphein = "escrever") é uma espécie de jogo de palavras, resultando do rearranjo das letras de uma palavra ou frase para produzir outras palavras, utilizando todas as letras originais exatamente uma vez. Um exemplo conhecido é o nome da personagem Iracema, claro anagrama de América, no romance de José de Alencar.

Anagramas são frequentemente expressos na forma de uma equação, com símbolos de igualdade (=) separando o objetivo original e o anagrama resultante. Ator = Rota é um exemplo de anagrama simples expresso desta forma. Em uma forma de anagramia mais avançada, sofisticada, o objetivo é ‘descobrir’ um resultado que tenha um significado linguístico que defina ou comente sobre o objetivo original de forma humorística ou irônica. Quando o objetivo e o anagrama resultante formam uma frase completa, um til (~) é comumente utilizado, ao invés de um sinal de igualdade; por exemplo: Semolina ~ Is no meal.

Tipos de anagramas[editar | editar código-fonte]

  • Anagrama: Frase elaborada usando exatamente as mesmas letras da sentença original. Exemplos: A pergunta, em latim, "Quid est veritas?" (O que é a verdade?), e a resposta "Est vir qui adest" (É o homem que está diante de você)
  • Pangrama: Pangrama é uma frase que utiliza todas as letras do alfabeto. Exemplos: "Um pequeno jabuti xereta viu dez cegonhas felizes."; "Blitz prende Wykie, vesgo com cheque fajuto."; "Gazeta publica hoje no jornal uma breve nota de faxina na quermesse."; "The quick brown fox jumps over the lazy dog.".
  • Anigrama: Anagrama que se anima sozinho embaralhando as letras numa animação computadorizada, que ocorre comumente em GIFs ou animações desenvolvidas em Flash.[1]
  • Anugrama: Sentença em que seu anagrama tem o mesmo significado da sentença original. Exemplos: "Eleven plus two ~ Twelve plus one"; "Passar sem não saber: sempre temos tempo, se começarmos a ler ~ Recomeçar, mas ter pressa. Lembre-se: não passamos sem o tempo".

Matemática[editar | editar código-fonte]

Para achar um anagrama matematicamente é só usar a formula ((a-b)/c)+1, onde:

  • A = número do anagrama;
  • B = último caractere ou a diferença da divisão de B por C (B\C em basic, ou mod da calculadora windows);
  • C = número de caracteres.

Análise Combinatória[editar | editar código-fonte]

  • Para se obter o número de anagramas possíveis a partir das letras de determinada palavra, desde que não tenham letras reptidas, basta fazer a permutação (P) com o número total de letras, ou seja:

> Seja 'n' o número de letras de determinada palavra e Na o número de anagramas, temos:

> Na = P(n) = n!

(note-se que, por este método, muitas combinações de letras não formarão palavras)

  • Exemplo: Quantos anagramas obtém-se da palavra "daniel"?

> Resposta: daniel tem 6 letras, portanto, n=6;

> Na = P(6) = 6! = 6x5x4x3x2x1 = 720 anagramas

  • Caso tenhamos letras repetidas na palavra, devemos dividir o resultado de P(n) pelas permutações de cada letra repetida. Seja r1 e r2 a quantidade de repetições de 2 letras distintas de determinada palavra, temos:

> Na = P(n)/(P(r1) x P(r2)) = n!/(r1! x r2!)

  • Exemplo: Quantos anagramas obtém-se da palavra "paralelepipedo"?

> Total de letras: n=14

> Número de repetições:

letra 'p' = 3 repetições;

letra 'a' = 2 repetições;

letra 'l' = 2 repetições;

letra 'e' = 3 repetições;

  • Portanto:

Na = P(14)/(P(3) x P(2) x P(2) x P(3));

Na=14!/(3! x 2! x 2! x 3!);

Na=14 x 13 x 12 x 11 x 10 x 9 x 8 x 7 x 6 x 5 x 4 x 3 x 2!/(3! x 2 x 2 x 3!);

Na=(14 x 13 x 12 x 11 x 10 x 9 x 8 x 7 x 6 x 5 x 4 x 3 x 2)/(144);

Na = 605 404 800 anagramas

Ferdinand de Saussure[editar | editar código-fonte]

Ferdinand de Saussure, pai da Linguística moderna, estudou, muito antes de ministrar o seu Cours de Linguistique Générale (Curso de Linguística Geral, ed. Cultrix), o fenômeno anagramático na prosa e poesia greco-latinas. De acordo com seu estudo, por sinal incompleto, era prática comum aos poetas da Antiguidade a construção dos versos em cima de determinados anagramas, baseando tais metrificação em regras pré-estabelecidas sobre quantidades equivalentes de consoantes e vogais e da disposição das letras formadoras do anagrama nos versos.[2]

Notas e referências

  1. Exemplo: ver [1]
  2. Uma mostra desse estudo incompleto está em: STAROBINSK, Jean. As palavras sob as palavras. Ed. Perspectiva.
Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Ligações externas[editar | editar código-fonte]