Sinédoque

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikibooks-logo.svg
Foi proposta a transferência desta página para o Wikilivros através do processo Transwiki ou Import.
Se o texto desta página puder ser alterado para se tornar um artigo enciclopédico e não um texto didático, altere-o e retire esta mensagem. Caso contrário, certifique-se de que o conteúdo:

Depois disso, caso ainda haja motivo para mover para lá, solicite a um administrador do Wikilivros a importação desta página.

Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde junho de 2014).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

A sinédoque é uma figura de linguagem, similar à metonímia e, às vezes, considerada apenas uma variação da mesma. A palavra tem origem grega, synekdoche (συνεκδοχή), que significa "entendimento simultâneo"

Consiste na atribuição da parte pelo todo (pars pro toto), ou do todo pela parte (totum pro parte): "Moscou caiu às mãos dos alemães", o singular pelo plural ("Quando o Gama chegou à Índia"), o autor pela obra ("Estou a estudar Pessoa"), a capital pelo governo do país ("Washington decidiu enviar tropas para o Iraque"), uma peça de vestuário pela pessoa que o usa ("Um vestido negro surgiu pela porta"), etc. Na verdade trata-se da inclusão ou contiguidade semântica existente entre dois nomes e que permite a substituição de um pelo outro. Na literatura, abundam sinédoques com fins estéticos de provocar o inusitado nas expressões escolhidas.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

"Ficou sem teto" – o teto representa a casa inteira.

"Vós, ó novo temor da Maura lança" – refere-se não a uma só lança, mas a todo exército mouro (a lança era uma das armas usadas). (Luís de Camões, Os Lusíadas, I,6)

"Que da Ocidental praia Lusitana" – para designar Portugal (Camões, Os Lusíadas, I, 1)

"Mas já o Príncipe Afonso aparelhava / O Lusitano exército ditoso / Contra o Mouro que as terras habitava" – para designar os exércitos mouros (Camões, Os Lusíadas, III, 42) '-'

"Depois, na costa da Índia, andando cheia / De lenhos inimigos e artifícios" – para designar os navios (Camões, Os Lusíadas, III, 42)

  • Causa pelo efeito:
Sócrates tomou as mortes. (O efeito é a morte, a causa é o veneno).
Sou alérgica a cigarro. (O cigarro é a causa: a fumaça, o efeito. Podemos ser alérgicos à fumaça, mas não ao cigarro).
  • Marca pelo produto:
O meu irmãozinho adora danone. (Danone é a marca de um iogurte; o menino gosta de iogurte)
Traga-me os cotonetes. (Cotonetes é uma marca e um de seus produtos é a haste flexível com pontas de algodão; pediam-se hastes flexíveis com pontas de algodão)
Traga-me um bombril. (Bombril é a marca de um esponja de aço; pedia-se uma esponja de aço)
Quero tomar um copo de Nescau. (Nescau é uma marca de achocolatado em pó; pediam-se achocolatado em pó com leite)
  • Autor pela obra:
Lemos Machado de Assis por interesse. Ninguém, na verdade, lê o autor, mas as obras dele em geral.
Adoro ler Clarice Lispector, ouvir Chico Buarque e assistir a Almodôvar. (Adoro ler romances de Clarice Lispector, ouvir músicas de Chico Buarque e assistir a filmes de Almodôvar.)
  • Contentor pelo conteúdo
Bebeu um copo de água. Ninguém "bebe" um copo, mas sim a bebida que está nele.
Beberam apenas uma taça de champagne ? Ninguém "bebe" uma taça, mas sim a bebida que está nela.
  • Possuidor pelo possuído:
Ir ao barbeiro. O barbeiro trabalha na barbearia, aonde se vai — de fato, ninguém vai a uma pessoa, mas ao local onde ela está.
  • Matéria pelo objeto:
Quem com ferro fere, com ferro será ferido. Ferro substitui, aqui, espada, por exemplo.
  • O lugar pela coisa:
Uma garrafa de Porto. (Porto é o nome da cidade conotada com a bebida — não é a cidade que fica na garrafa, mas sim a bebida.
  • O abstrato pelo concreto:
A juventude é corajosa e nem sempre consequente. Juventude pela palavra ‘jovens’.
  • A coisa pela sua representação (sinal pela coisa significada):
És a minha âncora. Em substituição de "segurança".
  • Instituição pelo que representa:
A igreja publicou seu novo livro. Quem publica é uma editora ou alguém.
  • Causa primária pela secundária:
O engenheiro construiu mal o edifício. O engenheiro não constrói, só planeja.
  • O inventor pelo invento:
Ele comprou um Ford. Observe que estamos falando do criador, não da marca.
  • O concreto pelo abstrato (e vice-versa):
A velhice deve ser respeitada. Não é a velhice e sim os idosos.
  • Gênero pela espécie:
Os mortais são capazes de tudo. Aqui ‘os mortais’ refere-se apenas aos seres humanos.
  • O singular pelo plural (e vice-versa):
O brasileiro é um apaixonado pelo futebol. Não é só um brasileiro e sim todos eles.
  • A matéria pelo objeto:
Tirem os cristais. Não estamos nos referindo aos cristais e sim aos copos.
  • A forma pela matéria:
Ele cuida com carinho da redonda. Por redonda entende-se bola.
  • Individuo pelas classes:
Odiava ser o Judas da sala (aqui, Judas refere-se ao traidor, dedo-duro)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.