Praça da Batalha (Porto)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
PORTO
Praça da Batalha
Freguesia(s): e Santo Ildefonso
Lugar, bairro: Baixa do Porto
Ruas afluentes: Ruas de Augusto Rosa, de Alexandre Herculano, de Entreparedes, de Santo Ildefonso, de Santa Catarina, de 31 de Janeiro, da Madeira e do Cimo de Vila; e Travessa do Cimo de Vila
Abertura: Século XVI
Designação anterior: Campo do Pombal, Largo de Santo Ildefonso
Pr Batalha (Porto).jpg
Praça da Batalha
Toponímia do Porto
Palácio da Batalha, serviu de hospital durante o Cerco do Porto e vai ser transformado em hotel.

A Praça da Batalha está localizada entre as freguesias da e de Santo Ildefonso, no centro da cidade do Porto, em Portugal.

Origem do nome[editar | editar código-fonte]

Diz a tradição que, no século X, este local foi palco de uma sangrenta batalha entre os sarracenos de Almançor e os habitantes do Porto, que acabariam por sair derrotados, originando o arrasamento da cidade.

História[editar | editar código-fonte]

No ângulo sudoeste da atual praça ficava situada a Porta do Cimo de Vila da Muralha Fernandina, junto da qual ficava a Capela de Nossa Senhora da Batalha. No século XVIII, a zona sofreu grandes transformações, sendo demolida a muralha.[1]

No lado oriental da praça podemos ver uma palacete brasonado mandado construir nos fins do século XVIII por José Anastácio da Silva da Fonseca, cavaleiro da Casa Real. Na altura do Cerco do Porto os proprietários pró-miguelistas abandonaram o palacete, o que fez com que o governo liberal lá se instalasse, usando-o para várias instituições públicas e hospital de sangue. Foi aqui que Bernardo de Sá Nogueira, mais tarde Marquês de Sá da Bandeira, foi internado após ter sido gravemente ferido, acabando-se por lhe amputar o braço direito ferido. Em 1842, foi restituído aos antigos donos e, em 1861, quando a câmara mandou terraplanar o largo, o palácio ficou cerca de um metro mais alto que o pavimento da praça. A câmara deu ao proprietário 800 mil réis de indemnização, dinheiro usado para rebaixar o pavimento do palácio. Estação central dos Correios, Telégrafos e Telefones ao longo de grande parte do século XX,[2] em 2009 o edifício foi vendido ao grupo hoteleiro Hotel Dona Inês que aí prevê instalar um hotel de charme.

A praça é, desde 1866, dominada pelo monumento a D. Pedro V, da autoria de Teixeira Lopes, pai. Na praça está também localizado o Teatro Nacional São João e o Cine-Teatro Batalha.

A operação de reabilitação urbana realizada no âmbito do Porto 2001, envolveu a P da Batalha, o Lg Stº Ildefonso,a Rua 31 de Janieo, R. Augusto Rosa e Lg 1º de Dezembro, e foi coordenada pelo Arqº Adalberto Dias, tendo colaborado ainda os Arq. Fernando Távora, Alvaro Siza, Souto de Moura, Alcino Soutinho e J.Pedro Xavier.

Pontos de interesse[editar | editar código-fonte]

Acessos[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Praça da Batalha (Porto)
Ícone de esboço Este artigo sobre toponímia, integrado no Projecto Grande Porto é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.