Receptores adrenérgicos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Portal A Wikipédia possui o portal:

Os receptores adrenérgicos ou adrenorreceptores pertencem a classe de receptores ligados à proteína G e que são alvos das catecolaminas. Os receptores adrenérgicos são ativados por seus ligantes endógenos, as catecolaminas: adrenalina (epinefrina) e noradrenalina (norepinefrina).

Muitas células possuem estes receptores, e a ligação de um agonista geralmente causará uma resposta simpática, ou seja, respostas de luta ou fuga. Por exemplo, a frequência cardíaca aumenta, as pupilas se dilatam, há a mobilização de energia e o fluxo sanguíneo é desviado de órgãos não-essenciais para o músculo esquelético.

Subtipos[editar | editar código-fonte]

Existem dois grupos principais de receptores adrenérgicos, α e β, apresentando vários subtipos.

  • os receptores α têm os subtipos α1 (um receptor acoplado a uma proteína GQ) e α2 (um receptor acoplado Gi). A fenilefrina é um agonista seletivo do receptor α.
  • os receptores β possuem os subtipos β1, β2 e β3. Todos os três estão ligados às proteínas Gs, que por sua vez, estão ligados a adenilato ciclase. Agonista obrigatório, assim, provoca um aumento na concentração intracelular do segundo mensageiro AMPc. Na mesma direção, os efetores do AMPc incluem proteína quinase dependente de AMPc (PKA), que medeia alguns dos eventos intracelulares após a ligação do hormônio. A isoprenalina é um agonista seletivo.


O mecanismo dos receptores adrenérgicos. A adrenalina e noradrenalina são os ligantes endógenos dos receptores , tanto do α1, α2 e β. Receptores α1 associado a proteína GQ, resulta num aumento intracelular de Ca2 +, que resulta na contração do músculo liso. α2, por outro lado, associados a proteína Gi, o que provoca uma diminuição da atividade AMPc, por exemplo, resultando no relaxamento do músculo liso. Os β receptores, associados a proteína Gs, leva a um aumento da atividade de AMPc intracelular, resultando por exemplo, na contração do músculo cardíaco, relaxamento do músculo liso e glicogenólise

Funções[editar | editar código-fonte]

Papel na circulação[editar | editar código-fonte]

A adrenalina se liga em ambos receptores, α e β, causando vasoconstrição e vasodilatação, respectivamente. Embora os receptores α sejam menos sensíveis a adrenalina, quando ativados, irá substituir a vasodilatação mediada pelos receptores β. O resultado é que altos níveis circulantes de adrenalina causam vasoconstrição. Em baixos níveis circulantes de epinefrina, a estimulação aos receptores β domina, produzindo uma total vasodilatação.

Receptores α[editar | editar código-fonte]

Os receptores α possuem várias funções em comum, mas também efeitos individuais. Entre os efeitos comuns, ou de forma inespecífica, incluem:

Receptores α1[editar | editar código-fonte]

O receptores são membros da superfamília de receptores associados à proteína G. Ao ser ativados por seu ligante, uma proteína heterodimérica G, chamada Gq, ativa a fosfolipase C, que quebra o fosfatidilinositol 4,5-bifosfato (PIP2) em inositol trifosfato (IP3) e diacilglicerol (DAG). O IP3 interagem com os canais de cálcio do retículo sarcoplasmático, liberando o cálcio que estava retido para o citoplasma. Este aciona todos o outros efeitos.

Ações específicas do receptor α1 envolve sobretudo contração do músculo liso. Ela provoca vasoconstrição em muitos vasos sanguíneos, incluindo os da pele e do sistema gastrointestinal além dos rins (artéria renal)[4] e no cérebro[5] . Outras áreas de contração do músculo liso são:

  • uretra
  • ducto deferente
  • pelos (músculo eretor de pelo)
  • útero (na gravidez)
  • bronquíolos (embora possua efeito menor do que o efeito relaxante do receptor β2)
  • vasos sanguíneos do corpo ciliar (a estimulação provoca midríase)

Outros efeitos incluem a glicogenólise e a gliconeogênese a partir do tecido adiposo e da reserva de glicogênio do fígado, bem como a secreção de glândulas sudoríparas e a reabsorção de Na+ nos rins.[6] .Alguns antagonistas são usados na hipertensão.

Receptores α2[editar | editar código-fonte]

Existem três subtipos homólogos de receptores α2: α2A, α2Β e α2C.

As ações específicas do receptor α2 incluem:

  • Inibição da insulina no pâncreas
  • Indução da liberação de glucagon do pâncreas.
  • contração dos esfíncteres no trato gastrointestinal.
  • feedback negativo nas sinapses neuronais (inicia a recaptação de norepinefrina)

Receptores β[editar | editar código-fonte]

Receptores β1[editar | editar código-fonte]

As ações específicas do receptor β1 incluem:

  • Aumento do débito cardíaco, através do aumento da freqüência cardíaca e do aumento do volume expulso com cada batimento (aumento da fração de ejeção).
  • liberação de renina nas células justaglomerulares.[6]
  • lipólise no tecido adiposo[6]

Receptores β2[editar | editar código-fonte]

O receptor β2 é um receptor polimórfico e é o receptor adrenérgico predominante nos músculos lisos que causam o relaxamento visceral. entre as suas funções conhecidas estão:

  • relaxamento da musculatura lisa, por exemplo, nos brônquios;[6]
  • Lipólise do tecido adiposo.[7]
  • relaxamento do esfíncter urinário, gastrointestinais e do útero grávido;
  • relaxamento da parede da bexiga;
  • dilatação das artérias do músculo esquelético;
  • glicogenólise e gliconeogênese
  • aumento da secreção das glândulas salivares;[6]
  • inibição da liberação de histamina dos mastócitos;
  • aumento da secreção de renina dos rins.

Receptores β3[editar | editar código-fonte]

É o receptor adrenérgico que predominantemente causa efeitos metabólicos, nas quais as ações específicas do receptor β3 incluem, por exemplo, a estimulação da lipólise do tecido adiposo.

Comparações[editar | editar código-fonte]

Tipo de Receptor Potencial do agonista Ação seletiva
dos agonistas
Mecanismo Agonistas Antagonistas
α1:
A, B, D
norepinefrinaepinefrina >> isoproterenol contração do músculo liso Gq: fosfolipase C (PLC) ativada, IP3 e aumento da concentração de cálcio

(Agonistas alfa-1)

(Bloqueadores alfa-1)
α2:
A, B, C
norepinefrina ≥ epinefrina >> isoproterenol contração do músculo liso e inibição da neurotransmissão Gi: adenilato ciclase inativada, queda na concentração deAMPc

(Agonistas Alfa-2)

(Bloqueadores alfa-2)
β1 isoprenalina > epinefrina = norepinefrina contração do músculo cardíaco Gs: ativação da adenilato ciclase, aumento de AMPc (Beta bloqueadores)
β2 isoprenalina > epinefrina >> norepinefrina relaxamento do músculo liso Gs: ativação da adenilato ciclase, aumento de AMPc (Short/long) (Beta bloqueadores)
β3 isoprenalina = norepinefrina > epinefrina Ativa a lipólise [Gs: ativação da adenilato ciclase, aumento de AMPc
  • SR 59230A

† Não há um receptor α1C. Por um tempo, houve um subtipo conhecido como C, mas mostrou-se idêntica a uma dos subtipos anteriormente descobertos. Para evitar confusão, a nomeação foi continuada com a letra D.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Woodman OL, Vatner SF. (1987). "Coronary vasoconstriction mediated by α1- and α2-adrenoceptors in conscious dogs". Am. J. Physiol. 253 (2 Pt 2): H388–93 pp.. PMID 2887122.
  2. Elliott J. (1997). "Alpha-adrenoceptors in equine digital veins: evidence for the presence of both α1- and α2-receptors mediating vasoconstriction". J. Vet. Pharmacol. Ther. 20 (4): 308–17 pp.. DOI:10.1046/j.1365-2885.1997.00078.x. PMID 9280371.
  3. Sagrada A, Fargeas MJ, Bueno L. (1987). "Involvement of α1 and α2 adrenoceptors in the postlaparotomy intestinal motor disturbances in the rat". Gut 28 (8): 955–9 pp.. DOI:10.1136/gut.28.8.955. PMID 2889649.
  4. Schmitz JM, Graham RM, Sagalowsky A, Pettinger WA. (1981). "Renal α1 and α2 adrenergic receptors: biochemical and pharmacological correlations". J. Pharmacol. Exp. Ther. 219 (2): 400–6 pp.. PMID 6270306.
  5. Circulation & Lung Physiology I M.A.S.T.E.R. Learning Program, UC Davis School of Medicine
  6. a b c d e Fitzpatrick, David; Purves, Dale; Augustine, George. Neuroscience. Third ed. Sunderland, Mass: Sinauer, 2004. ISBN 0-87893-725-0
  7. Large V, Hellström L, Reynisdottir S, et al. (December 1997). "Human beta-2 adrenoceptor gene polymorphisms are highly frequent in obesity and associate with altered adipocyte beta-2 adrenoceptor function". J. Clin. Invest. 100 (12): 3005–13 pp.. DOI:10.1172/JCI119854. PMID 9399946.
  8. Nisoli E, Tonello C, Landi M, Carruba MO. (1996). "Functional studies of the first selective β3-adrenergic receptor antagonist SR 59230A in rat brown adipocytes". Mol. Pharmacol. 49 (1): 7–14 pp.. PMID 8569714.