Toyotomi Hideyoshi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Toyotomi Hideyoshi

Toyotomi Hideyoshi, também grafado Toitomo Hideióxi [1] também chamado Hashiba Hideyoshi (2 de fevereiro de 1536 ou 26 de março de 153718 de setembro de 1598), foi um daimiô do Período Sengoku que unificou o Japão. Ele sucedeu seu antigo senhor feudal, Oda Nobunaga, e trouxe um fim ao Período Sengoku. O período de seu governo é muitas vezes chamado de período Azuchi-Momoyama. Dessa fase originou-se um certo número de heranças culturais, incluindo a restrição de que apenas os membros da classe dos samurais poderiam portar armas. Hideyoshi é considerado como o segundo "grande unificador" do Japão, após Oda Nobunaga e antes de Ieyasu Tokugawa.

Início da vida[editar | editar código-fonte]

Muito pouco é conhecido sobre Hideyoshi antes de 1570, quando ele começa a aparecer em documentos e cartas remanescentes. Sua autobiografia começa em 1577, mas nela Hideyoshi falou muito pouco sobre seu passado. Por tradição, ele nasceu na atual Nakamura-ku, Nagoya (naquele tempo, o local pertencia a Província de Owari), a casa do clã Oda. Ele nasceu de linhagem não samurai, filho de um camponês-guerreiro chamado Yaemon. Ele não tinha sobrenome. Em sua infância, fora lhe dado o nome de Hiyoshi-maru ("Recompensa do Sol"), embora existam variações.

Toyotomi Hideyoshi tinha recebido o apelido de Kozaru, que significa "pequeno macaco", de seu senhor Oda Nobunaga, por causa de suas características faciais e de seu corpo magro e semelhante ao de um macaco.

De acordo com Toshiie Maeda e um missionário europeu chamado Luís Fróis, Hideyoshi era polidáctilo, com dois dedos em sua mão direita. Ele não amputou o seu polegar extra como outros japoneses deste período teriam feito.

Muitas lendas descrevem Hideyoshi sendo enviado para estudar em um templo como homem jovem, mas que ele rejeitou a vida no templo e foi em busca de aventura. Sob o nome de Tōkichirō Kinoshita, ele ingressou no clã Imagawa como servo de Matsushita Kahei. Ele percorreu todo o caminho para as terras de Imagawa Yoshimoto, daimyo de Província de Suruga, e serviu por um tempo, só para fugir com uma quantia de dinheiro que lhe fora confiada por Matsushita Yukitsuna.

Ascensão ao poder[editar | editar código-fonte]

Por volta de 1547 ele retornou à província de Owari e aderiu ao clã Oda, liderado por Oda Nobunaga, como um humilde servo. Ele se tornou um dos "portadores da sandália" (servidores pessoais) de Nobunaga - e esteve presente na Batalha de Okehazama em 1560, quando Nobunaga derrotou Imagawa Yoshimoto para se tornar um dos mais poderosos chefes militares do período Sengoku. De acordo com seus biógrafos, ele supervisionou o reparo do Castelo de Kiyosu, afirmação vista por muitos como apócrifa, e dirigiu a cozinha. Em 1561, casou Hideyoshi Nene. Ele efectuadas reparações de Castelo de Sunomata, com o seu irmão mais novo Toyotomi Hidenaga e os bandidos HACHISUKA Masakatsu e Maeno Nagayasu. Os esforços de Hideyoshi foram bem recebidos pois Sunomata estava em território inimigo. Ele construiu uma fortaleza no Sunomata>, segundo a lenda overnight, e descobriu uma rota secreta no Monte Inaba, após o que uma grande parte da guarnição devolvidas.

Hideyoshi foi muito bem sucedido como um negociador. Em 1564 ele conseguiu convencer, principalmente com liberais subornos, um número de senhores da guerra da Mino a desertar do clã Saito. Hideyoshi abordou muitos samurais do clã Saito e convenceu-os a apresentarem-se a Nobunaga, incluindo o estrategista do clã Saito, Takenaka Hanbei.

"100 Aspectos da Lua" # 7, por Tsukioka Yoshitoshi: "Montar Inaba Moon." O jovem Toyotomi Hideyoshi (então chamado'Tōkichirō Kinoshita) leva um pequeno grupo para assaltar o castelo em Monte Inaba; 1885, 12º mês

A fácil vitória de Nobunaga no Castelo Inabayama, em 1567, foi, em grande parte, devida aos esforços da Hideyoshi e, apesar da sua origem camponesa, Hideyoshi se tornou um dos mais ilustres generais de Nobunaga, tomando o nome de Hashiba Hideyoshi. O novo apelido incluiu dois caracteres: um, a partir de um dos dois outros "braços direitos " de Oda, Niwa Nagahide e Shibata Katsuie.

Hideyoshi conduziu tropas na Batalha de Anegawa, em 1570, na qual Oda Nobunaga, aliado ao futuro rival Tokugawa Ieyasu (que acabaria por afastar o filho de Hideyoshi regra e Japão) para sitiar duas fortalezas do Clã Azai e o Clã Asakura. Em 1573, após a vitoriosa campanha contra a Azai e Asakura, Nobunaga nomeou Hideyoshi daimyo de três distritos da parte norte da província de Omi. Inicialmente baseado no antigo quartel-general em Azai Odani, mudou-se para Hideyoshi Kunitomo, e renomeou a cidade Nagahama em homenagem a Nobunaga. Hideyoshi mais tarde mudou-se para o porto em Imahama em Lago Biwa. De lá, ele começou a trabalhar no Castelo Imahama e assumiu o controle da fábrica de armas de fogo de Kunitomo, que havia sido estabelecida alguns anos antes pelos Azai e Asakura. Sob a administração de Hideyoshi, a produção da fábrica de armas de fogo aumentou dramaticamente.

Após os assassinatos de Oda Nobunaga e seu filho mais velho Nobutada em 1582 nas mãos de Akechi Mitsuhide, Hideyoshi derrotou Akechi na Batalha de Yamazaki.

Numa reunião em Kiyosu para decidir sobre um sucessor de Nobunaga, Hideyoshi abandonado a aparente candidato, Oda Nobutaka e o seu advogado, chefe do clã Oda geral, Shibata Katsuie, apoiando Nobutada do filho, Oda Hidenobu . Após ter ganho o apoio dos outros dois Oda anciãos, Niwa Nagahide e Ikeda Tsuneoki, Hideyoshi Hidenobu estabelecida a posição, assim como a sua própria influência no clã Oda. Tensão rápida escalada entre Hideyoshi e Katsuie, e no Batalha de Shizugatake no ano seguinte, Hideyoshi destruiu Katsuie as forças e, assim, consolidar o seu próprio poder, absorvendo a maior parte do clã Oda em seu controle.

Em 1583, Hideyoshi começou a construção de Castelo de Osaka. Construída no local do templo Ishiyama Honganji destruída por Nobunaga, o castelo passaria a ser o último reduto do clã Toyotomi Hideyoshi após sua morte.

Nobunaga tinha outro filho, Oda Nobukatsu, manteve-se hostil a Hideyoshi. Ele aliar-se com Tokugawa Ieyasu, e os dois lados lutaram na inconclusivos Batalha de Komaki e Nagakute. É, em última instância, resultou em um impasse, apesar de as forças Hideyoshi foram entregues um rude golpe. Por último, Hashiba fez a paz com Nobukatsu, terminando o pretexto para a guerra entre os Tokugawa e os clãs de Hashiba. Hideyoshi enviou Tokugawa Ieyasu mãe e sua irmã mais nova como reféns. Ieyasu finalmente concordou em se tornar um vassalo de Hideyoshi.

Ápice do poder[editar | editar código-fonte]

Kao de Hideyoshi
Carta de Duarte de Meneses, vice-rei da Índia Portuguesa, a Hideyoshi, datada de Abril de 1588, sobre a supressão do cristianismo. Tesouro nacional do Japão.[2] [3]

Como Nobunaga antes dele, Hideyoshi nunca procurou o título de shogun, apesar de descender da família de regentes Fujiwara e possuir vários altos títulos imperiais, incluindo, em 1585, o prestigioso cargo de regente. Ele construiu um grandioso palácio, o Jurakudai, em 1587, onde recepcionou o Imperador reinante Go-Yozei, no ano seguinte.

Posteriormente, Hideyoshi subjugou a província de Kii e conquistou Shikoku sob o controle do clã Chōsokabe . Ele também assumiu o controle da província de Etchū e conquistou Kyushu. Em 1587, Hideyoshi baniu os missionários cristãos de Kyushu, que exerciam grande influência sobre os daimyos cristãos da ilha. No entanto, uma vez que o comércio com os europeus era muito intenso, os excessos individuais dos cristãos foram oficiosamente esquecidos. Em 1588, Hideyoshi proibiu camponeses comuns de possuir armas e começou a “caça à espada” para confiscar armas. As espadas foram derretidas para criar uma estátua de Buda. Esta medida efetivamente parou as revoltas camponesas e garantiu uma maior estabilidade em detrimento da liberdade dos daimyos individuais. Em 1590, realizou o Cerco de Odawara contra o grande clã Hojo, na região de Kanto.

Em Fevereiro de 1591, Hideyoshi ordenou a Sen no Rikyū que cometesse suicídio. Rikyū tinha sido um apoiador confiável e mestre de cerimônia do chá de ambos, Hideyoshi e Nobunaga. Sob o patrocínio de Hideyoshi, Rikyū tinha feito mudanças significativas na estética do cerimônia chá, que teve influência duradoura sobre muitos aspectos da cultura japonesa. Mesmo depois que ele a ordenou Rikyū o suicídio, é forçoso reconhecer que Hideyoshi realizou muitos projetos baseados em princípios de beleza enunciados por Rikyū.

Depois da morte do único filho de Hideyoshi, Tsurumatsu, em setembro de 1591, aos três anos de idade, a estabilidade da dinastia Toyotomi foi posta em dúvida. Quando o seu meio-irmão Hidenaga morreu pouco depois de seu filho, Hideyoshi, adotou seu sobrinho Hidetsugu, como seu herdeiro, em janeiro de 1592. Hideyoshi demitiu-se do cargo de kampaku para tomar o título de taiko (regente aposentado). Hidetsugu sucedeu-o como kampaku.

Declínio e morte[editar | editar código-fonte]

Sua saúde começou a enfraquecer, mas, ainda ansiando por alguma realização para solidificar o seu legado, Hideyoshi aprovou o sonho de uma conquista japonesa da China que Oda Nobunaga tinha previsto e lançado através de duas mau-fadadas invasões da Coreia. Embora ele realmente pretendesse conquistar a Dinastia Ming, forças japonesas nunca foram além da península coreana. Hideyoshi comunicou-se com os coreanos em 1587 solicitando uma passagem para a China. Como aliados da China Ming, os coreanos, primeiramente, recusaram conversações inteiramente e, em abril e julho de 1591, negaram que tropas japonesas marchassem através da Coreia. Em agosto, Hideyoshi ordenou preparativos para a invasão.

Toyotomi Hideyoshi montado em um cavalo

Na campanha, forças japonesas foram inicialmente muito bem sucedida. Em Maio de 1592, Seul foi ocupada, e em apenas quatro meses, as forças Hideyoshi teve um percurso em Manchuria e ocupou grande parte da Coreia. No entanto, apesar do sucesso japonês em terra (na verdade, o comandante Kiyomasa Kato tivesse seguido a costa leste da Coreia do que é agora Manchuria), forças navais sob Almirante Yi Sun-sin cedo contra-atacou a frota japonesa, cortando as linhas de abastecimento do exército japonês e eficazmente estrangular a invasão da Coréia. Em 1593, o imperador chinês ming Wanli enviou um exército sob o comando do almirante Li Rusong para bloquear a planejada invasão da China e recapturar a península coreana. As forças chinesas e coreanas expulsaram o exército japonês a partir de Seul e Pyongyang. A guerra chegou a um impasse e, após a conclusão de um acordo de cessar-fogo, as tropas japonesas recuaram para o Japão.

O nascimento do segundo filho de Hideyoshi, Hideyori, em 1593, criou um potencial problema na sucessão. Para evitar isso, Hideyoshi exilou o seu sobrinho e herdeiro Hidetsugu para o Monte Koya e ordenou-lhe que cometesse suicídio em Agosto de 1595. Os membros da família de Hidetsugu que não seguiram o seu exemplo, foram em seguida assassinados em Kyoto, incluindo 31 mulheres e várias crianças.

Toyotomi Hideyoshi faleceu em setembro de 1598. Sua morte foi mantida em segredo pelo Conselho dos Cinco Regentes ( 五大老 , Go-Tairō?) para preservar o moral. Não foi até finais de Outubro que enviou um decreto para os comandantes japoneses de se retirar.

Toyotomi Hideyoshi, foi citado no livro "The 39 Clues - O ladão de espadas". No livro, aparece o movimento "O grande confisco de espadas", de 1588, quando Hideyoshi confiscou as espadas de todos os que habitavam aquele lugar.

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Toyotomi Hideyoshi

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • The Christian Century in Japan (1951), Charles R Boxer
  • João Rodrigues's Account of Sixteenth-Century Japan, ed. Michael Cooper, London: The Hakluyt Society, 2001 (ISBN 0904180735)

Referências

  1. LEONARD, J. N. Japão Antigo. Tradução de Thomas Scott Newlands Neto. Rio de Janeiro. Livraria José Olympio Editora. 1979. 191 p.
  2. Kondō (em japanese). Hōryū-ji. Página visitada em 2009-11-23.
  3. 五重塔 (em japanese). Hōryū-ji. Página visitada em 2009-11-23.