Aaliyah (álbum)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Aaliyah
Álbum de estúdio de Aaliyah
Lançamento 07 de julho de 2001
Gravação 1998 - Março de 2001
Gênero(s) R&B, Soul, Pop
Duração 61:10
Gravadora(s) Blackground Records/Virgin Records
Produção Aaliyah Barry Hankerson (executivos)
Cronologia de Aaliyah
One In A Million
(1996)
I Care 4 U
(2002)
Singles de Aaliyah
  1. "We Need a Resolution"
    Lançamento: 13 de abril de 2001
  2. "Rock the Boat"
    Lançamento: 25 de setembro de 2001
  3. "More Than a Woman"
    Lançamento: 29 de outubro de 2001

Aaliyah (estilizado como ΛΛLIYΛH) é o terceiro, auto-intitulado e último álbum de estúdio da cantora de R&B Aaliyah, lançado pela Blackground Records e Virgin Records em 7 de julho de 2001. O álbum foi apelidado de The Red Album (O Álbum Vermelho), em referência à sua icônica capa avermelhada.

Aaliyah começou a trabalhar no álbum em 1998, mas reagendou sua gravação devido a sua carreira no cinema em desenvolvimento. Ela retornou as gravações em 2000 no Sing Sing Studios na Austrália, aonde ela gravou seu papel para o filme de A Rainha dos Condenados (2002) durante o dia, e gravava as músicas pela noite. Gravações adicionais aconteceram no Manhattan Center e no Sony Music Studios em Nova York e no Wetslake Recording Studios em Los Angeles, dentre outras localidades. Através de seu contrato de gravação com a Blackground Records, a cantora trabalhou primariamente com a equipe de produtores e compositores da gravadora, incluindo Bud'da, J. Dub, Rapture e Eric Seats, assim como seu colaborador de longa data, Timbaland.

Aaliyah é um álbum de R&B e neo-soul, com ligações ao funk, hip hop, rock alternativo, eletrônica, e entre outros gêneros. Os produtores incorporaram melodias com sintetizadores, batidas fragmentadas, guitarras distorcidas, vocais excentricamente manipulados e estruturas musicais. As canções resultantes tratam das complexidades do amor romântico e dos diferentes estágios de um relacionamento, como paixão, erotismo, conflito, infidelidade e desgosto. Muitas das músicas foram escritas por Static Major, que compartilhava uma forte amizade e conexão com Aaliyah. Ela viu o álbum como uma reflexão de si mesma, como uma jovem adulta e vocalista.

Aaliyah recebeu muita aclamação positiva das críticas, e debutou na segunda posição da parada estadunidense de álbuns, Billboard 200. Quando a Blackground e a Virgin quiseram um single para alavancar mais ainda as vendas do álbum, Aaliyah gravou um clipe para a faixa "Rock the Boat" nas Bahamas, mas faleceu num acidente de avião durante o voo de volta aos EUA no dia 25 de agosto de 2001. Após sua morte, as vendas do álbum aumentaram e o levaram ao topo da Billboard 200, eventualmente alcançando mais de 13 milhões de cópias vendias mundialmente, fazendo de Aaliyah o 9º álbum feminino mais vendido do século XXI. Lançado num período de pico do R&B contemporâneo, o álbum é citado até os dias de hoje, pelos críticos e pelo público, com um dos melhores, mais revolucionários e mais influentes álbuns de R&B de seu tempo. Após anos de lutas internas e legais entre a Blackground, o espólio da cantora e os criadores do álbum, Aaliyah foi oficialmente lançado, pela primeira vez, nas plataformas de streaming em 10 de setembro de 2021.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Aaliyah gravou seu segundo álbum One in a Million com os produtores e compositores Timbaland e Missy Elliott, sendo lançado em 1996, alcançando sucesso comercial, e se formou no ensino médio no ano seguinte. Ela alcançou mais sucesso ainda com seus sucessos presentes em trilhas sonoras de filmes, incluindo o single "Are You That Somebody?", lançado em 1998. Gravando novamente com Timbaland para a música. Aaliyah experimentou sons mais avant-garde na sua música R&B e pop, enquanto canta num registro baixo e num estilo minimalista, distinta de suas contemporâneas.[1] Depois de se tornar o maior hit da sua carreira naquele momento, a cantora quis manter-se discreta e evitar superexposição.[2]


Um terceiro álbum foi planejado para fevereiro de 1999, mas Aaliyah adiou sua gravação para desenvolver uma carreira na atuação, o que a levou para seu papel no filme de 2000, Romeu tem que Morrer.[3] O filme elevou seu perfil significativamente, enquanto o single da trilha sonora, "Try Again", se tornou sua primeira canção a alcançar o topo das paradas de música pop.[4] Sua gravadora Blackground Records usou o filme e sua trilha sonora para adquirir um acordo de distribuição com a Virgin Records America, que iria distribuir todos os lançamentos subsequentes da Blackground numa escala global, incluindo seu terceiro álbum auto-intitulado.[5]

Gravação e produção[editar | editar código-fonte]

Aaliyah começou as gravações do álbum em 1998.[6] Ela gravou algumas músicas, incluindo duas com seu produtor e parceiro de longa data, Timbaland, antes de trabalhar em Romeu tem que Morrer.[7] Em 1999, enquanto trabalhava no álbum, em Nova York, Aaliyah ligou e pediu à Trent Reznor, um de seus ídolos musicais, para produzir uma música, porém não conseguiram marcar uma sessão de gravação, tendo em vista o cronograma de ambos.[8] Ela planejou terminar o álbum em 2000, e retomou as gravações enquanto filmava A Rainha dos Condenados (2002), na Austrália. Ela filmava pela manhã, e pela noite ela gravava as músicas.[9] Ela contou em entrevista à Billboard, "tinha noites que eu não ia para o estúdio. Eu ficava muito cansada. Nos finais de semana, eu sempre conseguia."[10] Jomo Henkerson, presidente da Blackground e primo de Aaliyah, disse que ele teve que "subornar o produtores", que não queriam "viajar para o outro lado do mundo". Ele adicionou, portanto, que eles tiveram "um momento mágico... fazendo músicas iradas."[11]

Manhattan Center, um dos vários estúdios onde o álbum foi gravado.

A maioria das músicas do álbum foram gravadas no Sony Studios na cidade de Nova York ou no Sing Sing Studios em Melbourne, como por exemplo, a faixa "Loose Rap", feita em ambos os estúdios. Aaliyah gravou "More Than a Woman" no Manhattan Center Studios, "U Got Nerve" no Soundtrack Studios em Nova York e "We Need a Resolution" no Westlake Studios.[12] A faixa "I Care 4 U", foi a primeira faixa gravada entre todas as presentes no álbum. A canção foi escrita pela amiga e parceira de trabalho de longa data, Missy Elliott, e foi gravada primeiramente em 1996, para o álbum One in a Million, porém, foi descartada com a conclusão do mesmo.[13] Aaliyah trabalhou com a equipe de musicistas, produtores e compositores da Blackground Records, incluindo os novatos Bud'da, Rapture e Eric Seats.[14] O empresário musical Jimmy Henchman, amigo do empresário e tio de Aaliyah, Barry Henkerson, ajudou a coordenar a produção do álbum, conseguindo, também, produtores e escritores para trabalhar com a cantora.[15]

Grande parte das letras do álbum foram escritas por Static Major, da banda de R&B Playa.[16] Enquanto os integrantes da banda seguiam seus próprios caminhos, ele foi convidado, pela Blackground, para ser o principal compositor do álbum, após ter escrito "Are You That Somebody?" e "Try Again". Static era parte do grupo de amigos próximos de Aaliyah, que incluía Missy Elliott e Timbaland, e compartilhava um grande afeto com a cantora.[17] Ele achava Aaliyah ideal para seu estilo de compor, assim como ela acreditava que ele podia descrever seus sentimentos com precisão.[18] Um compositor sexual sútil, ele escreveu "Rock the Boat" para ela em 1999, mas a Blackground Records sentiu que ela ainda não estava pronta para a música. Barry Henkerson falou sobre suas composições, "Nós éramos bem superprotetores quanto às letras[...] Mas ele fazia coisas pelas quais você nunca se ofenderia. Você sentia que tinha ouvido seus pensamentos[...] ele era esperto[...] Aaliyah dependia dele e ele dependia dela." Elliott disse que ele era "um pilar essencial no amadurecimento e crescimento lírico de Aaliyah."[19] Enquanto ela debatia as letras com Static, a cantora consultava Bud´da sobre o direcionamento musical e sonoro do álbum.[20] Ela estava interessada em saber sobre o gênero UK garage, na época.[21]

Em março de 2001, Aaliyah terminou de gravar o álbum após terminar de gravar suas partes em A Rainha dos Condenados por quatro meses, fator que atrasou o lançamento do álbum.[22] Aaliyah foi masterizado por Bernie Grundman em seu estúdio, em Los Angeles.[23] Na Austrália, ela também participou de ensaios fotográficos para Aaliyah com os fotógrafos Jeff Dunas, Jonathan Mannion, David LaChapelle e Albert Watson.[24] A cantora lidou com cinco pítons no ensaio e desenvolveu uma afinidade por cobras, achando-as "perigosas, mas interessantemente bonitas" e representantes dela no álbum. Ela revisitou a temática de cobra em seu clipe para a música "We Need a Resolution", em abril, e disse à MTV, "Elas moram na solidão, e há alguns momentos em minha vida que eu quero simplesmente ficar sozinha. Há momentos que eu nem consigo entender a mim mesma. Eu sinto que elas são criaturas bem complexas, mas ao mesmo tempo, também são sexy. Por isso elas representam Aaliyah tão bem." Ele descreveu o álbum como "uma boa reflexão de mim mesma e da pessoa que eu sou hoje", dizendo em uma entrevista à revista Jet, "Eu sou uma jovem adulta agora, e eu acho que esse álbum mostra meu crescimento vocalmente."[25]

Músicas e letras[editar | editar código-fonte]

Um álbum R&B e neo soul, Aaliyah contém faixas funks midtempo, faixas uptempo com elementos hip hop e faixas lentas inspiradas pelo soul antigo.[26] Em conjunto com os sons urbanos, as músicas do álbum incorporam influências do Oriente Médio, rock alternativo e timbres latinos.[27] "Never No More" mescla o soul antigo com sons do hip hop moderno, com arranjos de instrumentos de cordas pelo produtor Bud´da, enquanto "Read Between the Lines" é uma samba digital, rítmico com percussão latina.[28] Aaliyah incorpora melodias com sintetizadores, batidas fragmentadas, guitarras distorcidas, vocais excentricamente manipulados e estruturas musicais.[29] John Mulvey, da NME, acha seu som sutil e carente de "bombástico e histriônico", enquanto Alex Needham compara sua produção de alta frequência "sobrenatural" ao reggae dub e à música dançante sombria e espaçosa de Dr. Dre e Massive Attack.[30] Na opinião de Thomas Erlewine, o álbum é distinto das aproximações ao antigo soul de Macy Gray e Jill Scott, tendo em vista que suas músicas soam inconvencionais porém modernas, "produzindo uma variedade multi-cultural de sons, estilos e emoções".[31]

As batidas de Aaliyah foram produzidas de maneira que soassem fragmentadas, exibindo texturas techno e electro. Faixas como "Loose Rap", "Extra Smooth" e "What If" apresentam estruturas sonoras incomuns experimentadas com resolução.[32] "I Can Be" e "What If" incorporam elementos do 2-step e do rock, ressaltando a influência particular do techno de Detroit e do rock industrial.[33] Em "More Than a Woman", Aaliyah canta sobre sintetizadores e sons de guitarra, enquanto em "Loose Rap" há a presença de barulhos subaquáticos, eletrônica no estilo dos The Neptunes, e vocais harmonicamente suaves, declarando que isso "não é só rhythm e blues".[34] Ernest Hardy, da Rolling Stone, compara a experimentação do álbum aos sons presentes em Stankonia (2000) de Outkast, Lovers Rock (2000) de Sade e Miss E... So Addictive (2001) de Missy Elliott.[35] De acordo com Sal Cinquemani, da Slant Magazine, "assim como a mistura de gênero de Elliott em So Addictive, Aaliyah fornece uma conexão entre hip-hop e eletrônica".[36]

As canções pop são lutas, conscientes ou não, entre o desejo da artista de fazer suas próprias coisas e o desejo do público por satisfações familiares. Quantos tiques estilísticos antes do grande refrão? Quanto apelo individual versus quanto apelo de massa? É magnético quando você pode ouvir a luta - o drama da sedução, de se você se entrega ao ouvinte e o que acontece então. Esse é o drama que Aaliyah representa sem parar em seu terceiro álbum.
— Joshua Clover (Spin, 2001)

As letras em Aaliyah exploram as complexidades do amor romântico e suas fases num relacionamento como paixão frívola, problemas no que tange o fim de um relacionamento, e coração partido.[37] Sutileza, humor alegre e efeitos sonoros espirituosos, como manipulação vocal cômica, intercalam os temas de decepção amorosa e erotismo.[38] De acordo com Justin Hartung, do Citysearch, o álbum "transforma a confusão da jovem vida adulta em uma liberdade estimulante", enquanto Rashaun Hakk, da Billboard, afirma que cada música possui uma identidade emocional única que acompanha a variação sônica.[39] Bob Waliszewski, da Plugged In, observa músicas com a temática de empoderamento feminino que demonstram um "amor próprio saudável" da Aaliyah, que "não aceita lidar com caras infiéis ('U Got Nerve'), jogos mentais ('I Refuse'), caras com auto-estima muito elevada ('Extra Smooth'), fofoca e inveja ('Loose Rap'), ou abuso físico ('Never No More')".[40] "Extra Smooth", que contém mudança de tom, com influência de bateria e baixo, dirige-se a um namoro entusiástico e é inspirada por uma conversa entre Aaliyah e Static sobre como homens tentam agir suavemente, ao passo que "Loose Rap" é intitulada devido à gíria de mesmo nome e dispensa os admiradores românticos que usam as mesmas velhas cantadas.[41] "Those Were the Days" despede-se desapaixonadamente de um cara, enquanto "What If" furiosamente ameaça um amante infiel, abrangendo homens que agem da mesma forma. Em "I Care 4 U", a narradora tenta consolar um amigo que está com o coração partido, mas se encontra angustiada pelos sentimentos não correspondidos que tem por ele.[42][43]

Os vocais de Aaliyah são cantados em um estilo soprano contido ao longo do álbum.[44] Hyun Kim, da revista Vibe, afirma que suas músicas focam mais no seu canto do que nos álbuns anteriores, "trazendo-o para a frente, ao invés de escondê-lo atrás da produção em camadas".[45] "Rock the Boat" é cantada com vocais sem fôlego de Aaliyah, que instrui seu amante em como a agradá-la sexualmente e igual sua euforia erótica a uma dose de drogas.[46] Baladas como "I Care 4 U", "Never No More" e "I Refuse" são cantadas de uma forma mais emotiva, expressando qualidades melancólicas e dor.[47] Em "I Can Be", Aaliyah canta da perspectiva da amante de um homem adúltero que quer ser sua melhor namorada.[48] Alex Macpherson, do The Guardian, escreveu que "a entrega vazia e entorpecida na Aaliyah" na faixa "faz ser a outra mulher parecer uma forma emocionalmente masoquista de automedicação".[49] O biógrafo Christopher John Farley diz que ela "detalha emocionalmente as músicas", diferentemente de seus álbuns anteriores onde "sua voz gentil agora parece algo elementar, um vento gentil soprando pelos galhos de uma grande árvore."[42] De acordo com Joshua Clover, Aaliyah empurra notas musicais "em estranhos cantos da arquitetura instável de sincopação" nas faixas mais "desafiadoras". No geral, "ela faz os sons contarem a história, criando significado fora das letras, prazer além dos refrões."[50]

Marketing e vendas[editar | editar código-fonte]

Aaliyah foi originalmente lançado pela Blackground e pela Virgin no Japão em 7 de julho de 2001, antes de ser lançado no Reino Unido em 16 de julho e nos Estados Unidos em 17 de julho.[51] Nos EUA, estreou na segunda posição da parada de álbuns, Billboard 200, atrás de Songs in A Minor de Alicia Keys, vendendo 187,000 cópias na semana de 4 de agosto.[52] Foi a semana de maior vendas na carreira de Aaliyah.[53] A cantora planejava embarcar no que seria a maior turnê de sua carreira para promover o álbum, enquanto a Blackground e a Virgin, com altos investimentos no sucesso do disco, queriam um single com uma posição mais alta nas paradas, visando aumentar mais ainda as vendas.[54] "We Need a Resolution" foi lançada como primeiro single em 13 de abril, mas não recebeu uma significativa atenção nas rádios e atingiu a 59ª posição da Billboard Hot 100, ao passo que alcançou a 15ª posição da parada de Hip-Hop/R&B dos EUA.[55]

O álbum é representado pela logo "/•\".

Em agosto de 2001, Aaliyah gravou um clipe para "More Than a Woman" em Los Angeles e, então, viajou para as Bahamas para filmar um clipe para "Rock the Boat".[56] Mas, após sua conclusão, ela e alguns membros da equipe que estavam retornando para os EUA morreram num acidente de avião em 25 de agosto.[57] Os executivos da Blackground não tinham certeza de quando lançariam o próximo single e vídeo do álbum.[58]

As vendas do álbum dispararam após a morte de Aaliyah.[59] As notícias sobre sua morte foram divulgadas no último dia da semana de acompanhamento de vendas da Nielsen SoundScan, durante a qual Aaliyah vendeu 62,000 cópias, um aumento de 41,5% em relação às vendas da semana anterior.[60] Na semana seguinte, vendeu 305,000 cópias e ascendeu da 19ª posição para o topo da Billboard 200, sendo essa a maior semana de vendas do álbum.[61] Foi o primeiro álbum de Aaliyah a alcançar a primeira posição da parada e marcou a primeira vez que um artista subiu postumamente para a primeira posição desde John Lennon em 1980 com seu álbum Double Fantasy.[62] Em 19 de setembro, Aaliyah ultrapassou a marca de um milhão de cópias vendidas.[63] Em novembro, "Rock the Boat" foi lançada como single e atingiu a segunda posição da parada de Hip-Hop/R&B dos EUA, naquele mesmo mês.[64] Nos EUA, Aaliyah passou 69 semanas na Billboard 200, alcançando 2.6 milhões de cópias em 25 de fevereiro de 2002.[65]

Blackground, que havia encerrado seu contrato com a Virgin em novembro de 2001, queria mandar o clipe de "More Than a Woman" (lançado em 29 de outubro) para os outlets domésticos, mas para isso, era necessário com que ambas as gravadoras trabalhassem juntas. Consequentemente, Blackground mudou-se para a Universal Records, e o vídeo foi estreado primeiramente na Europa.[66] No Reino Unido, "More Than a Woman" foi lançada como single em 7 de janeiro de 2002, e alcançou a primeira posição da parada de singles.[67] Duas semanas após "More Than a Woman" ter alcançado o topo da parada, o álbum pulou 17 posições, atingindo a 5ª posição em 27 de janeiro de 2002.[68] Aaliyah passou 31 semanas nas paradas britânicas.[69] De acordo com o Official Charts Company, o álbum vendeu um total de 303,000 cópias no Reino Unido.[70] O álbum também alcançou a 9ª posição nas paradas da França, Alemanha e nos Países Baixos, aonde esteve presente por 33, 41 e 46 semanas, respectivamente.[71] Segundo a International Federation of the Phonographic Industry (IFPI), Aaliyah foi o 34º álbum mais vendido no mundo em 2001.[72] Em agosto de 2012, o escritor Tom Goodwyn, da revista NME, reportou que o álbum vendeu mais de 13 milhões de cópias mundialmente.[73]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Avaliações profissionais contemporâneas
Pontuações agregadas
Fonte Avaliação
Metacritic 76/100[74]
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 5 de 5 estrelas.[75]
Entertainment Weekly B+[76]
The Guardian 4 de 5 estrelas.[77]
Los Angeles Times 3.5 de 4 estrelas.[78]
The New Zealand Herald 4.5 de 5 estrelas.[79]
NME 7/10[80]
Q 3 de 5 estrelas.[81]
Rolling Stone 4 de 5 estrelas.[82]
Slant Magazine 4 de 5 estrelas.[83]
Spin 8/10[84]

Aaliyah foi recebido com críticas altamente positivas pela maioria dos críticos.[85] Michael Odell, do The Guardian, o chamou de uma impecável mesclagem de pop e R&B, "um folheto para o estado atual das instalações de produção de R&B", tendo em vista que é uma bela demonstração do canto de Aaliyah. Ele achou as texturas musicais "cintilantes" e acreditou que sua característica distintiva era "uma reformulação lúdica e confiante do cânone [R&B]".[86] No Chicago Tribune, Brad Cawn escreveu que Aaliyah demonstra a graciosidade de Sade e o neo soul fashion de Missy Elliott que "iguala atitude e harmonia, e tudo resultando numa perfeição de música urbana", enquanto Russell Baillie, do The New Zealand Herald, considerou a música dance-pop inovadora no que ele chamou de "um álbum coeso, detalhado e irresistivelmente atraente".[87] Simon Price, escrevendo para o The Independent, citou o álbum como uma "clara evidência de que o black pop é avant garde".[88] Numa review para o The A.V. Club, Nathan Rabin argumentou que o álbum estabelece Aaliyah como uma artista significativa não obscurecida por seus colaboradores, enquanto Hardy da Rolling Stone chamou de "uma declaração quase perfeita de força e independência" na qual Aaliyah explora suas "fantasias e forças".[89] Escrevendo para a Spin, Clover viu o álbum como o trabalho mais profunda que ela fez e comentou que ela fez "arte" da "sutileza formal" de Timbaland e Static, "investindo esquemas sonoros com urgência e complexidade emocional".[90]

Aaliyah foi nomeado o melhor álbum de 2001 pela Slant Magazine e um dos dez melhores álbuns do anos pelo The Atlanta Journal-Constitution e pela revista Time.[91] NME classificou-o na 39ª posição da sua lista de fim de ano. O álbum esteve na 73ª posição do Pazz & Jop, uma votação anual de críticos estadunidenses publicados pela The Village Voice. Christgau, que criou e supervisionou a votação, disse em sua redação anexa que Aaliyah finalmente "desenvolveu um material que ninguém pode negar" em ser "um bom álbum".[92] O álbum também esteve presente na 37ª posição da votação anual da revista musical alemã Spex.[93] Pelo álbum, Aaliyah recebeu postumamente o prêmio da NAACP Image Awards na categoria de Artista Feminina Excepcional.[94] No American Music Awards de 2002, ganhou na categoria de Melhor Álbum R&B/Soul.[95] Em 2002, Aaliyah recebeu uma indicação ao Grammy, na categoria de Melhor Álbum R&B, ao passo que "Rock the Boat" foi indicada para Melhor Performance Vocal Feminina de R&B.[96] "More Than a Woman" foi indicada na mesma categoria em 2003.[97]

Legado e influência[editar | editar código-fonte]

Ao lado da florescente carreira de Aaliyah no cinema, o álbum foi uma parte de seu crescente sucesso mainstream em 2001.[98] Numa review retrospectiva, Steve Huey do AllMusic chamou-o de seu álbum mais consumado e disse que "completou a reformulação da imagem da cantora em uma adulta sensual, mas sensível".[99] Erlewine, editor sênior do site, considerou o álbum "uma declaração de maturidade e um impressionante salto artístico à frente", enquanto Daryl Easlea da BBC Music sentiu que fez os dois álbuns anteriores de Aaliyah "parecidos com exercícios juvenis".[100] De acordo com o jornalista do PopMatters Quentin B. Huff, ela nunca havia usado seu canto para complementar a produção inovadora de sua música com tanta variedade, convicção e sucesso como em Aaliyah, que ele disse também ser conhecido como "The Red Album" por causa de sua arte vermelha. Huff acredita que o álbum mostra o relacionamento crescente entre a cantora e seus colaboradores, enquanto refuta as perguntas sobre como ela continuará gravando música enquanto amplia seu perfil.[101] Em The New Rolling Stone Album Guide (2004), Keith Harris escreveu que "Aaliyah cresceu de fantoche de estúdio para um poderoso arquétipo de R&B - um Ronnie Spector mais autoconsciente por um tempo que requer mais autoconsciência de seus jovens adultos."[102]

Timbaland (centro direito), um dos produtores do álbum, em 2012.

O ressurgimento de Aaliyah com o álbum em meados de 2001 coincidiu com um período de pico de atividade no R&B contemporâneo, bem como com a popularidade do neo soul.[103] De acordo com Erlewine, Aaliyah foi "um dos mais fortes registros de soul urbano de seu tempo", enquanto o The Guardian o citou como o auge da idade de ouro do R&B na "virada do século".[104] Alexis Petridis, o principal crítico do jornal, acreditava que Aaliyah havia gravado sua música mais envolvente em um ano, quando o R&B e o hip hop demonstraram mais criatividade na música popular.[105] Em 2005, o álbum Aaliyah classificou-se em 66º na lista de "100 Álbuns Mais Irados do Mundo" da GQ, enquanto a Stylus Magazine o colocou em 47º lugar no 50 Melhores Álbuns de 2000-2005"; David Drake da publicação classificou-o em oitavo lugar em sua própria lista.[106] Alguns anos depois, foi nomeado um dos "150 Álbuns Essenciais da Era Vibe" da revista Vibe e, no final da década, ficou em 72º lugar na lista dos Melhores Álbuns dos Anos 2000 da Slant Magazine.[107] Escrevendo para a lista da Vibe, Jon Caramanica acreditava que Aaliyah "pode ​​ser o melhor álbum de soul do jovem milênio" e ainda "redefine a categoria" com uma música que é "ousada em construção, linda desde a concepção ... perto do pós-R&B".[108]

Avaliações profissionais retrospectivas
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 5 de 5 estrelas.[109]
Encyclopedia of Popular Music 4 de 5 estrelas.[110]
The Great Rock Discography 7/10[111]
The New Rolling Stone Album Guide 4 de 5 estrelas.[112]
Pitchfork 9.3/10[113]

Aaliyah ajudou a estabelecer o som do R&B baseado na batida durante os anos 2000. Como escreveu Micha Frazer-Carroll do The Independent, atos como Destiny's Child, Ashanti, Amerie e Cassie capitalizaram o sucesso do "som idiossincrático" do álbum, enquanto o "fraseado vocal reduzido" de Aaliyah estabeleceu um arquétipo para uma "cantora de R&B mais estoica" que influenciaria vocalistas como Ciara e Rihanna.[114] O sucesso comercial de Timbaland com cantores influenciados pelo R&B como Justin Timberlake e Nelly Furtado durante a década foi posteriormente atribuído por Rebecca Nicholson do The Guardian à sua experiência na produção de Aaliyah, escrevendo que "não chegou perto de criar algo tão sonoramente impressionante desde então".[115] A jornalista da Q, Eve Barlow, creditou o álbum em 2011 por "criar um blueprint que pode ser escutado através de toda a música pop atual" em atos como os cantores de R&B Beyoncé e The Weeknd, e a banda pop indie The xx.[116] De acordo com Rawija Kameir do Pitchfork, as harmonias de múltiplas partes características de Aaliyah no álbum prenunciaram as de Solange Knowles.[117]

As sessões de gravação do álbum Aaliyah produziram muitas faixas não usadas que foram postumamente arquivadas pela Blackground e, em sua maioria, não lançadas por causa de conflitos internos e complicações legais entre a gravadora, a família de Aaliyah e os produtores. Seis dessas gravações foram lançadas em 2002 no álbum de compilação I Care 4 U.[118] O declínio subsequente do Blackground e a má gestão do catálogo da cantora resultaram na indisponibilidade do álbum Aaliyah em serviços de streaming na década seguinte, levando Kameir a dizer em 2019 que, "paradoxalmente quanto ao seu significado, o legado de Aaliyah agora está diminuído".[119] Naquele ano, o The Guardian o classificou em 28º lugar em uma lista dos 100 Melhores Álbuns do Século 21, tornando-o o único álbum da lista que se encontrava ausente dos serviços de streaming. O editor de música do jornal, Ben Beaumont-Thomas, escreveu em uma sinopse: "Este álbum é elogiado pelas três obras-primas que Aaliyah fez com Timbaland - Try Again, More Than a Woman e We Need a Resolution - que emprestam uma serpentina malevolência a voz dela, mas também há hinos fortes da old school e baladas lânguidas. Poucas estrelas do R&B combinam suas vozes com a batida - o gênio de Aaliyah, tragicamente interrompido quando ela morreu em um acidente de avião, foi se esgueirar por ela com um sentido quase latino de ritmo."[120]

Em agosto de 2021, foi anunciado que o álbum e os outros trabalhos gravados por Aaliyah para a Blackground (agora renomeada Blackground Records 2.0) seriam re-lançados nos formatos físico, digital e de streaming, num acordo entre a gravadora dela e a Empire Distribution.[121] No entanto, o espólio de Aaliyah emitiu um comunicado em resposta ao anúncio da Blackground 2.0, denunciando o "esforço inescrupuloso para lançar a música de Aaliyah sem qualquer transparência ou prestação de contas completa ao espólio".[122] Em 10 de setembro, Aaliyah foi lançado nas plataformas de download e streaming, através da Blackground e da Empire.[123] Nas semanas seguintes, o álbum re-entrou na Billboard 200, na 13ª posição, e na parada de álbuns R&B do Reino Unido, na 7ª posição.[124][125]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Indicação Resultado Ref.
2001 Rolling Stone Melhor Álbum de R&B Aaliyah 1º Lugar [126]
2002 American Music Awards Álbum Feminino Favorito de R&B/Soul Venceu [127]
Juno Awards Álbum Mais Vendido por Artista Internacional Indicado [128]
Grammy Awards Melhor Álbum de R&B Indicado [129]
Melhor Performance Vocal Feminina de R&B "Rock the Boat" Indicado [129]
BET Awards Videoclipe do Ano Indicado [130]
MTV Video Music Awards Melhor Clipe de R&B Indicado [131]
Soul Train Music Awards Melhor Single Feminino de R&B/Soul Venceu [132]
MOBO Awards Clipe do Ano "More Than a Woman" Venceu [133]
Pakistan Music Awards Melhor Clipe de Dança Feminino Indicado [128]
2003 Grammy Awards Melhor Performance Vocal Feminina de R&B Indicado [129]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

Aaliyah – Edição padrão
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
1. "We Need a Resolution" (feat. Timbaland)Stephen GarrettTimbaland 4:02
2. "Loose Rap" (feat. Static Major)Garrett
  • Eric Seats
  • Rapture Stewart
3:50
3. "Rock the Boat"  Garrett
  • Seats
  • Stewart
4:34
4. "More Than a Woman"  GarrettTimbaland 3:49
5. "Never No More"  GarrettBud'da 3:56
6. "I Care 4 U"  Missy ElliottTimbaland 4:33
7. "Extra Smooth"  Garrett
  • Seats
  • Stewart
3:55
8. "Read Between the Lines"  GarrettBud'da 4:20
9. "U Got Nerve"  Benjamin Bush
  • Seats
  • Stewart
3:43
10. "I Refuse"  GarrettJ. Dub 5:57
11. "It's Whatever"  Garrett
  • Seats
  • Stewart
4:08
12. "I Can Be"  Durrell BabbsBud'da 2:59
13. "Those Were the Days"  Garrett
  • Seats
  • Stewart
3:24
14. "What If"  BabbsJ. Dub 4:24
Duração total:
57:44
Aaliyah – Faixa escondida da edição estadunidense e canadense
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
15. "Messed Up"  Bush
  • Seats
  • Rapture
3:34
Duração total:
61:10
Aaliyah – Faixa bônus da edição internacional e lançada para streaming
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
15. "Try Again"  GarrettTimbaland 4:43
Duração total:
62:19
Aaliyah – Faixas bônus da edição especial limitada de 2004
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
15. "Try Again"  GarrettTimbaland 4:43
16. "Miss You"  Johntá AustinTeddy Bishop 4:06
17. "Don't Know What to Tell Ya"  GarrettTimbaland 5:02
18. "Erica Kane"  Garrett
  • Seats
  • Stewart
4:36
Duração total:
76:05

Equipe e colaboradores[editar | editar código-fonte]

As informações foram retiradas dos créditos do álbum.[134]

  • Aaliyah – produção executiva, vocais
  • Jonathan Adler – assistente de engenharia (faixas 7, 8)
  • The Black Orchestra – cordas (faixa 5)
  • Stevie Blacke – cordas
  • Ron Blake – trompa (faixa 8)
  • Chandler Bridges – assitente de engenharia (faixas 2, 3, 9)
  • Bud'da – mixagem, produção (faixas 5, 8, 12)
  • Michael Conrader – engenharia (faixas 2, 5, 8, 9)
  • Sean Cruse – guitarra (faixa 12)
  • J. Dub – instrumentação, programação, produção (faixas 10, 14)
  • Jimmy Douglass – engenharia, mixagem (faixas 1, 4, 6)
  • Jeff Dunas – fotografia
  • Missy Elliott – composição
  • Warren Fu – direção de arte
  • Ben Garrison – mixagem (faixas 2, 3, 7-9, 11)
  • Bernie Grundman – masterização
  • Barry Hankerson – produção executiva
  • Jomo Hankerson – produção executiva
  • Richard "Segal" Huredia – mixagem
  • Dino "The Cut" Johnson – mixagem (faixa13)
  • Acar Keys – engenharia (faixas 2, 3, 7, 11, 13)
  • David LaChapelle – fotografia
  • Michelle Lynn-Forbes – assistente de engenharia (faixas 5, 12)
  • Jonathan Mannion – fotografia
  • Tim Olmstead – assistente de engenharia (faixa 11)
  • Steve Penny – assistente de engenharia (faixa 4)
  • Renzo Pryor – teclados (faixa 5)
  • Pat Sajack – assistente de engenharia (faixas 10, 14)
  • Eric Seats – instrumentação, produção, composição (faixas 2, 3, 7, 9, 11, 13)
  • Richard Segal-Huredia – mixagem (faixas 5, 12)
  • Static – vocais, composição
  • Rapture – instrumentação, produção, composição (faixas 2, 3, 7, 9, 11, 13)
  • Timbaland – mixagem, produção (faixas 1, 4), vocais
  • Roberto "Gary" Walker – assistente de engenharia (faixa 2)
  • Albert Watson – fotografia
  • Scott Wolfe – engenharia, mixagem (faixas 10, 12, 14)
  • Michael Zainer – assistente de engenharia (faixa 4)

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

Tabelas semanais[editar | editar código-fonte]

Tabelas musicais (2001-2002) Melhor posição
 Austrália (ARIA)[135] 41
 Áustria (Ö3 Austria)[136] 21
 Bélgica (Ultratop Flanders)[137] 11
 Bélgica (Ultratop Wallonia)[138] 10
 Canadá (Billboard)[139] 6
 Dinamarca (Hitlisten)[140] 34
União Europeia Europa (Music & Media)[139] 18
 Finlândia (Suomen virallinen lista)[139] 33
 França (SNEP)[141] 9
 Alemanha (Offizielle Top 100)[71] 9
 Irlanda (IRMA)[135] 38
 Itália (FIMI)[71] 40
 Japão (Oricon)[142] 17
 Países Baixos (Album Top 100)[143] 9
 Nova Zelândia (RMNZ)[136] 25
 Noruega (VG-lista)[136] 30
 Suécia (Sverigetopplistan)[71] 23
África do Sul (RISA)[71] 1
Suíça (Schweizer Hitparade)[135] 6
 Reino Unido - UK Albums (OCC)[144] 5
 Reino Unido - UK R&B Albums (OCC)[145] 1
Estados Unidos EUA - Billboard 200[124] 1
Estados Unidos EUA - Billboard Top R&B/Hip-Hop Albums[124] 2
Desempenho de Aaliyah com seu lançamento para streaming (2021)
Tabela musical (2021) Melhor posição
 Reino Unido - UK Digital Albums (OCC)[69] 22
 Reino Unido - UK R&B Albums (OCC)[69] 7
 Estados Unidos - Billboard 200[124] 13
 Estados Unidos - Billboard Top R&B/Hip-Hop Albums[124] 7
 Estados Unidos - Billboard Independent Albums[124] 1
 Estados Unidos - Billboard R&B Albums[146] 2
 Estados Unidos - Billboard Catalog Albums[147] 2
 Estados Unidos - Billboard Top Album Sales[124] 4


Tabelas musicais de fim de ano[editar | editar código-fonte]

Tabelas musicais (2001) Melhor posição
 Bélgica (Ultratop Flanders)[148] 100
 Países Baixos Album Top 100)[143] 94
 França (SNEP)[140] 76
 Alemanha (Offizielle Top 100)[71] 77
Suíça (Schweizer Hitparade)[135] 86
Estados Unidos EUA - Billboard 200[149] 51
Estados Unidos EUA - Billboard R&B/Hip-Hop Albums (2003)[149] 15
Desempenho de Aaliyah na tabela musical do fim de 2002
Tabelas musicais (2002) Melhor Posição
 Reino Unido - UK Albums[150] 98
 Estados Unidos - Billboard 200[151] 69
 Estados Unidos - Billboard R&B Hip-Hop Albums[152] 27

Tabelas musicais de fim de década[editar | editar código-fonte]

Tabelas musicais (2000-2009) Melhor posição
Estados Unidos EUA - Billboard 200[153] 181
Estados Unidos EUA - Billboard R&B/Hip-Hop Albums[154] 41

Certificações[editar | editar código-fonte]

Certificados de Aaliyah
Região Certificado Unidades certificadas/vendas
Austrália (ARIA)[143] Ouro 35,000^
Canadá (Music Canada)[135] Platina 100,000^
França (SNEP)[135] Ouro 100,000*
Alemanha (BVMI)[155] Ouro 150,000^
Japão (RIAJ)[156] Ouro 100,000^
Holanda (NVPI)[157] Ouro 40,000^
África do Sul (RISA)[135] 3× Platina 150,000*
Suíça (IFPI Switzerland)[158] Ouro 20,000^
Reino Unido (BPI)[159] Platina 303,000[160]
Estados Unidos (RIAA)[161] 2× Platina 2,000,000^
* Valores de vendas baseados apenas na certificação.

^ Números de remessa baseados apenas na certificação.

Histórico de lançamento[editar | editar código-fonte]

Datas de lançamento de Aaliyah
Região Data Gravadora(s) Ref.
Japão 7 de julho de 2001 Blackground, Virgin [162]
Reino Unido 16 de julho de 2001
Estados Unidos 17 de julho de 2001
França 24 de julho de 2001 [136]

Referências

  1. «'R&B was never the same': The life and legacy of Aaliyah». The Independent (em inglês). 6 de julho de 2021. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  2. Group, Vibe Media (agosto de 2001). Vibe (em inglês). [S.l.]: Vibe Media Group 
  3. «Ebony - Google Books». web.archive.org. 5 de janeiro de 2014. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  4. Inc, Nielsen Business Media (21 de julho de 2001). Billboard (em inglês). [S.l.]: Nielsen Business Media, Inc. 
  5. Inc, Nielsen Business Media (26 de agosto de 2000). Billboard (em inglês). [S.l.]: Nielsen Business Media, Inc. 
  6. Group, Vibe Media (agosto de 2001). Vibe (em inglês). [S.l.]: Vibe Media Group 
  7. «dotmusic - reviews - albums - Aaliyah». web.archive.org. 31 de outubro de 2003. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  8. Staff, MTV News. «Trent Reznor, Aaliyah Ponder Collaboration». MTV News (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  9. Group, Vibe Media (agosto de 2001). Vibe (em inglês). [S.l.]: Vibe Media Group 
  10. Inc, Nielsen Business Media (8 de setembro de 2001). Billboard (em inglês). [S.l.]: Nielsen Business Media, Inc. 
  11. Group, Vibe Media (novembro de 2001). Vibe (em inglês). [S.l.]: Vibe Media Group 
  12. «Aaliyah». Wikipedia (em inglês). 22 de novembro de 2021. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  13. «dotmusic - reviews - albums - Aaliyah». web.archive.org. 31 de outubro de 2003. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  14. «Blues & Soul». Wikipedia (em inglês). 30 de outubro de 2021. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  15. Group, Vibe Media (dezembro de 2005). Vibe (em inglês). [S.l.]: Vibe Media Group 
  16. Reid, Shaheem. «Aaliyah Makes Love And War On New Album». MTV News (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  17. Group, Vibe Media (dezembro de 2008). Vibe (em inglês). [S.l.]: Vibe Media Group 
  18. Group, Vibe Media (dezembro de 2008). Vibe (em inglês). [S.l.]: Vibe Media Group 
  19. Group, Vibe Media (dezembro de 2008). Vibe (em inglês). [S.l.]: Vibe Media Group 
  20. «Exclusive: The Producers of "Aaliyah" Take Us Behind the Scenes Into Making of This Classic - YouKnowIGotSoul.com». YouKnowIGotSoul.com | New R&B Music, Songs, Podcast, Interviews (em inglês). 17 de julho de 2011. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  21. «NME». Wikipedia (em inglês). 12 de novembro de 2021. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  22. Archive-GideonYago. «Aaliyah Finishes New Album During Break From Movies». MTV News (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  23. Archive-GideonYago. «Aaliyah Finishes New Album During Break From Movies». MTV News (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  24. «Aaliyah». Wikipedia (em inglês). 22 de novembro de 2021. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  25. Company, Johnson Publishing (23 de julho de 2001). Jet (em inglês). [S.l.]: Johnson Publishing Company 
  26. Werner, Craig Hansen (2006). A change is gonna come : music, race & the soul of America. Internet Archive. [S.l.]: Ann Arbor : University of Michigan Press 
  27. Easlea, Daryl. «BBC - Music - Review of Aaliyah - Aaliyah». www.bbc.co.uk (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  28. Cinquemani, Sal (17 de julho de 2001). «Review: Aaliyah, Aaliyah». Slant Magazine (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  29. «Aaliyah: Aaliyah». The A.V. Club (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  30. Mulvey, John (14 de julho de 2001). «Aaliyah: Aaliyah». NME. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  31. Aaliyah - Aaliyah | Songs, Reviews, Credits | AllMusic (em inglês), consultado em 24 de novembro de 2021 
  32. «Artists beginning with A». the Guardian (em inglês). 19 de novembro de 2007. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  33. «RollingStone.com: Recordings: Aaliyah, Aaliyah, 4 Stars». web.archive.org. 6 de junho de 2002. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  34. Cinquemani, Sal (17 de julho de 2001). «Review: Aaliyah, Aaliyah». Slant Magazine (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  35. «RollingStone.com: Recordings: Aaliyah, Aaliyah, 4 Stars». web.archive.org. 6 de junho de 2002. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  36. Cinquemani, Sal (17 de julho de 2001). «Review: Aaliyah, Aaliyah». Slant Magazine (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  37. «Aaliyah: Aaliyah». The A.V. Club (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  38. «RollingStone.com: Recordings: Aaliyah, Aaliyah, 4 Stars». web.archive.org. 6 de junho de 2002. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  39. Inc, Nielsen Business Media (28 de julho de 2001). Billboard (em inglês). [S.l.]: Nielsen Business Media, Inc. 
  40. Waliszewski, Bob. «Aaliyah». Plugged In. Consultado em 23 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2012 
  41. Cinquemani, Sal (17 de julho de 2001). «Review: Aaliyah, Aaliyah». Slant Magazine (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  42. a b Farley, Christopher John (2001). Aaliyah: More Than a Woman. [S.l.]: Simon & Schuster. p. 151. ISBN 0-7434-5566-5 
  43. Macpherson, Alex (2011). «Aaliyah's true legacy is her rare gift for nuance». The Guardian. Consultado em 23 de novembro de 2001. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2012 
  44. Sanneh, Kelefa (2 de setembro de 2001). «A Pioneer, Briefly, Of a New Sound». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  45. Group, Vibe Media (agosto de 2001). Vibe (em inglês). [S.l.]: Vibe Media Group 
  46. Hubbard, Michael (29 de abril de 2002). «Aaliyah - Rock the Boat». Consultado em 23 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2012 
  47. «RollingStone.com: Recordings: Aaliyah, Aaliyah, 4 Stars». web.archive.org. 6 de junho de 2002. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  48. «Killer Queen». Yahoo! Music. 5 de julho de 2001. Consultado em 23 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2012 
  49. «Aaliyah's true legacy is her rare gift for nuance». the Guardian (em inglês). 25 de agosto de 2011. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  50. LLC, SPIN Media (agosto de 2001). SPIN (em inglês). [S.l.]: SPIN Media LLC 
  51. «Happy 20th Anniversary to Aaliyah's Eponymous Third & Final Studio Album 'Aaliyah' Originally Released July 17, 2001». Albumism (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  52. Brown, Janelle (6 de setembro de 2001). «Death of a pop princess in the making». Salon (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  53. Inc, Nielsen Business Media (4 de agosto de 2001). Billboard (em inglês). [S.l.]: Nielsen Business Media, Inc. 
  54. Farley, Christopher John (2002). Aaliyah: More Than a Woman. [S.l.]: Simon & Schuster. pp. 166–167. ISBN 0-7434-5566-5 
  55. Inc, Nielsen Business Media (7 de abril de 2001). Billboard (em inglês). [S.l.]: Nielsen Business Media, Inc. 
  56. Archive-Eric-Schumacher-Rasmussen. «Aaliyah's Final Video 'Very Special,' Director Says». MTV News (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  57. «Aaliyah Biography, Songs, & Albums». AllMusic (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  58. «Newsweek Archives». web.archive.org. 4 de março de 2014. Consultado em 24 de novembro de 2021 
  59. Brown, Janelle (6 de setembro de 2001). «Death of a pop princess in the making». Salon (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  60. Inc, Nielsen Business Media (8 de setembro de 2001). Billboard (em inglês). [S.l.]: Nielsen Business Media, Inc. 
  61. Dansby, Andrew; Dansby, Andrew (5 de setembro de 2001). «Aaliyah Reaches No. 1». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  62. Inc, Nielsen Business Media (15 de setembro de 2001). Billboard (em inglês). [S.l.]: Nielsen Business Media, Inc. 
  63. Dansby, Andrew; Dansby, Andrew (19 de setembro de 2001). «Jay-Z Number One Again». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  64. «Trove - Archived webpage» (PDF). Trove (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  65. «Trove - Archived webpage» (PDF). Trove (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2021 
  66. «Chicago Tribune: Chicago news, sports, weather, entertainment». chicagotribune.com. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  67. «AALIYAH'S NUMBER ONE». NME (em inglês). 13 de janeiro de 2002. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  68. «Iglesias Jr tops Harrison's hit» (em inglês). 27 de janeiro de 2002. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  69. a b c «Aaliyah | full Official Chart History | Official Charts Company». www.officialcharts.com. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  70. «Albums turning 20 years old in 2021». www.officialcharts.com (em inglês). Consultado em 25 de novembro de 2021 
  71. a b c d e f «Aaliyah - Aaliyah - ultratop.be». www.ultratop.be. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  72. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 17 de novembro de 2008. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  73. «Drake unveils new Aaliyah duet 'Enough Said' – listen». NME (em inglês). 6 de agosto de 2012. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  74. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome MC
  75. https://www.metacritic.com/music/aaliyah  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  76. https://www.webcitation.org/6CP5cLTLO?url=http://www.ew.com/ew/article/0,,255526,00.html  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  77. https://www.theguardian.com/lifeandstyle/2001/jul/13/shopping.artsfeatures2  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  78. https://www.webcitation.org/6CRXRuZpP?url=http://articles.latimes.com/2001/jul/29/entertainment/ca-27750  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  79. https://www.webcitation.org/6dfFUe9yS?url=http://www.nzherald.co.nz/lifestyle/news/article.cfm?c_id=6&objectid=205903  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  80. https://www.webcitation.org/6CQcP2Y4m?url=http://www.nme.com/reviews/5400  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  81. https://en.wikipedia.org/wiki/Q_(magazine)  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  82. https://web.archive.org/web/20020606031046/http://www.rollingstone.com/recordings/review.asp?aid=2042779&cf=1967  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  83. https://www.slantmagazine.com/music/review/aaliyah-aaliyah/1  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  84. https://books.google.com/books?id=f4iBwoaNrbcC&pg=PT10  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  85. Brown, Janelle (6 de setembro de 2001). «Death of a pop princess in the making». Salon (em inglês). Consultado em 25 de novembro de 2021 
  86. Staff, Guardian (13 de julho de 2001). «Pop CD releases». the Guardian (em inglês). Consultado em 25 de novembro de 2021 
  87. «Chicago Tribune: Chicago news, sports, weather, entertainment». chicagotribune.com. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  88. «The Independent». Wikipedia (em inglês). 19 de novembro de 2021. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  89. «The A.V. Club». Wikipedia (em inglês). 4 de novembro de 2021. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  90. LLC, SPIN Media (agosto de 2001). SPIN (em inglês). [S.l.]: SPIN Media LLC 
  91. Cinquemani, Sal (15 de dezembro de 2001). «Top 10 Albums, Singles, and Music Videos of 2001». Slant Magazine (em inglês). Consultado em 25 de novembro de 2021 
  92. «Robert Christgau: Pazz & Jop 2001: Not Just Your Old Man's Takeover». www.robertchristgau.com. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  93. «Spex (magazine)». Wikipedia (em inglês). 25 de outubro de 2021. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  94. Inc, The Crisis Publishing Company. The Crisis (em inglês). [S.l.]: The Crisis Publishing Company, Inc. 
  95. Orecklin, Michele (21 de janeiro de 2002). «People». Time. Consultado em 24 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2012 
  96. «Archives | The Dallas Morning News, dallasnews.com». web.archive.org. 9 de janeiro de 2014. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  97. Tom, Moon (2003). «Grammy Bag Grab in a year of multiple nominations, eight artists lead with five chances apiece for an award. This year's field of nominees also has more diversity than usual". The Philadelphia Inquirer». Consultado em 16 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2012 
  98. «Aaliyah: 10 years later, impact holds without posthumous releases». LA Times Blogs - Pop & Hiss (em inglês). 25 de agosto de 2011. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  99. «Aaliyah Biography, Songs, & Albums». AllMusic (em inglês). Consultado em 25 de novembro de 2021 
  100. Aaliyah - Aaliyah | Songs, Reviews, Credits | AllMusic (em inglês), consultado em 25 de novembro de 2021 
  101. Quentin B., Huff (15 de agosto de 2011). «My Favorite Aaliyah Things». PopMatters. Consultado em 9 de julho de 2013. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2012 
  102. «The Rolling Stone Album Guide». Wikipedia (em inglês). 18 de novembro de 2021. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  103. So Blu - Blu Cantrell | Songs, Reviews, Credits | AllMusic (em inglês), consultado em 25 de novembro de 2021 
  104. Aaliyah - Aaliyah | Songs, Reviews, Credits | AllMusic (em inglês), consultado em 25 de novembro de 2021 
  105. «2001 review: The year in rock and pop». the Guardian (em inglês). 21 de dezembro de 2001. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  106. Staff (18 de janeiro de 2005). «The Top 50 Albums: 2000–2005». Consultado em 23 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2012 
  107. Group, Vibe Media (março de 2007). Vibe (em inglês). [S.l.]: Vibe Media Group 
  108. Group, Vibe Media (março de 2007). Vibe (em inglês). [S.l.]: Vibe Media Group 
  109. https://www.allmusic.com/album/aaliyah-mw0000005957  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  110. https://en.wikipedia.org/wiki/Encyclopedia_of_Popular_Music  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  111. https://en.wikipedia.org/wiki/Aaliyah_(album)#cite_ref-122  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  112. https://en.wikipedia.org/wiki/The_Rolling_Stone_Album_Guide  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  113. https://pitchfork.com/reviews/albums/aaliyah-aaliyah/  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  114. «'R&B was never the same': The life and legacy of Aaliyah». The Independent (em inglês). 6 de julho de 2021. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  115. «Aaliyah: still rocking the boat». the Guardian (em inglês). 25 de agosto de 2011. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  116. Barlow, Eve (2011). «Column – Aaliyah still shaping pop music 10 years after her death». Q. Consultado em 9 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 20 de novembro de 2012 
  117. «Aaliyah: Aaliyah: Aaliyah». Pitchfork (em inglês). Consultado em 25 de novembro de 2021 
  118. «Aaliyah: 10 years later, impact holds without posthumous releases». LA Times Blogs - Pop & Hiss (em inglês). 25 de agosto de 2011. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  119. «Aaliyah: Aaliyah: Aaliyah». Pitchfork (em inglês). Consultado em 25 de novembro de 2021 
  120. «The 100 best albums of the 21st century». the Guardian (em inglês). 13 de setembro de 2019. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  121. McIntyre, Hugh. «20 Years After Her Passing, Aaliyah's Music Is Finally Coming To Streaming Services». Forbes (em inglês). Consultado em 25 de novembro de 2021 
  122. CNN, Lisa Respers France. «Aaliyah's estate releases statement over 'unauthorized projects'». CNN. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  123. Legaspi, Althea; Legaspi, Althea (10 de setembro de 2021). «Stream Aaliyah's Self-Titled Album». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 25 de novembro de 2021 
  124. a b c d e f g «Billboard 200». Billboard (em inglês). 2 de janeiro de 2013. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  125. «Official Hip Hop and R&B Albums Chart Top 40 | Official Charts Company». www.officialcharts.com (em inglês). Consultado em 25 de novembro de 2021 
  126. «Rolling Stone's Best R&B Albums of 2001». Album of The Year (em inglês). Consultado em 28 de novembro de 2021 
  127. «American Music Awards of 2002». Wikipedia (em inglês). 5 de setembro de 2021. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  128. a b «Awards – Aaliyah» (em inglês). Consultado em 28 de novembro de 2021 
  129. a b c «Aaliyah». GRAMMY.com (em inglês). 19 de novembro de 2019. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  130. «BET Awards 2002». Wikipedia (em inglês). 28 de junho de 2021. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  131. «MTV Video Music Awards de 2002». Wikipédia, a enciclopédia livre. 27 de julho de 2021. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  132. «2002 Soul Train Music Awards». Wikipedia (em inglês). 26 de setembro de 2019. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  133. «Mobos 2002: The winners» (em inglês). 1 de outubro de 2002. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  134. «Aaliyah». Wikipedia (em inglês). 22 de novembro de 2021. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  135. a b c d e f g «Aaliyah - Aaliyah - ultratop.be». www.ultratop.be. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  136. a b c d «Aaliyah - Aaliyah - ultratop.be». www.ultratop.be. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  137. «Aaliyah - Aaliyah - ultratop.be». www.ultratop.be. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  138. «Aaliyah - Aaliyah - ultratop.be». www.ultratop.be. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  139. a b c «Album performance». AustrianCharts. Consultado em 9 de maio de 2007. Arquivado do original em 27 de setembro de 2007 
  140. a b «Aaliyah - Aaliyah - ultratop.be». www.ultratop.be. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  141. «Aaliyah - Aaliyah - ultratop.be». www.ultratop.be. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  142. «アリーヤ | アリーヤ». ORICON NEWS. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  143. a b c «Aaliyah - Aaliyah - ultratop.be». www.ultratop.be. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  144. «Aaliyah | full Official Chart History | Official Charts Company». www.officialcharts.com. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  145. «Official Hip Hop and R&B Albums Chart Top 40 | Official Charts Company». www.officialcharts.com (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2021 
  146. «Billboard 200». Billboard (em inglês). 2 de janeiro de 2013. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  147. «Billboard 200». Billboard (em inglês). 2 de janeiro de 2013. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  148. «Australia Top 100 - 2001». Consultado em 4 de setembro de 2010 
  149. a b «Billboard Top - 2003». Consultado em 4 de setembro de 2010 
  150. «End of Year Album Chart Top 100 - 2002 | Official Charts Company». www.officialcharts.com (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2021 
  151. Inc, Nielsen Business Media (28 de dezembro de 2002). Billboard (em inglês). [S.l.]: Nielsen Business Media, Inc. 
  152. Inc, Nielsen Business Media (28 de dezembro de 2002). Billboard (em inglês). [S.l.]: Nielsen Business Media, Inc. 
  153. «Billboard.BIZ». web.archive.org. 4 de fevereiro de 2011. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  154. «Billboard.BIZ». archive.ph. 21 de julho de 2012. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  155. «Bundesverband Musikindustrie». Wikipedia (em inglês). 1 de outubro de 2021. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  156. «Recording Industry Association of Japan». Wikipedia (em inglês). 25 de novembro de 2021. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  157. «NVPI». Wikipedia (em inglês). 20 de novembro de 2021. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  158. «Die Offizielle Schweizer Hitparade - hitparade.ch». www.swisscharts.com. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  159. «Award». BPI (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2021 
  160. «Albums turning 20 years old in 2021». www.officialcharts.com (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2021 
  161. «Gold & Platinum». RIAA (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2021 
  162. «Happy 20th Anniversary to Aaliyah's Eponymous Third & Final Studio Album 'Aaliyah' Originally Released July 17, 2001». Albumism (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2021