Dazaranha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Adauto Luiz Charnesky)
Ir para: navegação, pesquisa
Dazaranha
Show de 20 anos do Daza no CIC em 14/12/2012.
Informação geral
Nome completo Dazaranha
Também conhecido(a) como Daza
Origem Florianópolis (SC)
País  Brasil
Gênero(s) Reggae rock, alternativo
Período em atividade 1992 – atualmente
Gravadora(s) -RBS Discos
-Atração Fonográfica
-Antídoto
-Universal Music
-Paravox
Afiliação(ões) Daniel Lucena
Influência(s) Expresso Rural
Influenciado(s) Iriê
John Bala Jones
Tijuquera
Integrantes Adauto
Chico Martins
Fernando
Gerry
Moriel
Ex-integrantes Adriano Barvik
Gazu
Zé Caetano
Página oficial www.dazaranha.com.br

Dazaranha (também conhecida somente por Daza) é uma banda brasileira de reggae rock— nativa de Florianópolis, Santa Catarina. É formada por seis músicos que produzem letras as quais remetem à cultura popular florianopolitana e que se utilizam usualmente do som do violino e da percussão. Sua discografia é composta por seis álbuns de estúdio e um DVD gravado ao vivo, além de participação em uma coletânea.

É considerada a banda com maior expressão no cenário musical do estado de Santa Catarina.[1]

História[editar | editar código-fonte]

O começo (1992-1997)[editar | editar código-fonte]

O Dazaranha iniciou suas atividades no ano de 1992, por pouco tempo atendendo pelo nome de Almirante Mirinda, atuando em bares e casas noturnas da Grande Florianópolis.[2] Devido a sempre ótima qualidade de som, a banda Dazaranha começou a ser reconhecida na região, lotando os locais de suas apresentações e cativando muitos fãs.

Logo em seguida, dois anos após o início, a banda lança o seu primeiro trabalho fonográfico, com a participação da música Retroprojetor na coletânea Ilha de Todos os Sons lançada em 1994 pela RBS Discos. Dois anos depois vem o lançamento do primeiro álbum Seja Bem Vindo, também pela RBS Discos, que alcança o status de clássico e vira sucesso de vendas. As músicas deste CD, produzido pelo baixista Adauto Charnesky e pelo violinista Fernando Sulzbacher, são lembradas até hoje pelo público nos shows da banda e reproduzidas em palco. Logo após o percussionista Gerry deixa a banda, que segue como sexteto. Em 2001 o álbum é relançado com cinco faixas bônus, entre elas, O Cubo, Mario Cesar e uma nova roupagem para Galheta e Novos Ditados.[3]

A consagração (1998-2000)[editar | editar código-fonte]

Em 1998 chega a consagração do trabalho do Dazaranha. A banda lança o disco Tribo da Lua que contém, entre outros clássicos, o grande hit Vagabundo Confesso além da grande participação especial de Jorge Ben Jor na faixa Te Liga e da produção de Luiz Carlini. Com este trabalho, várias portas se abrem para a banda e os leva a ganhar um prêmio de disco de ouro, o primeiro da história de uma banda catarinense, após uma vendagem superior a 50 mil cópias.

No ano seguinte, a segunda baixa. O então baterista Zé Caetano deixa a banda e da lugar ao novo integrante Adriano Barvik, que segue os trabalhos junto ao grupo.[3]

Caixa d’água (2004-2007)[editar | editar código-fonte]

Com tamanho reconhecimento no seu trabalho, a banda resolve construir o seu próprio estúdio chamado Caixa d’Água, aonde seria gravado no ano de 2004 o CD Nossa Barulheira produzido pelo violinista Fernando Sulzbacher e pela banda. O CD teve como single a música Salão de Festa a Vapor, mantendo o mesmo nível nas composições mas com guitarras mais marcantes e pesadas nas músicas, o qual levaria o Dazaranha a mais um feito inédito, vencer o Prêmio Claro de Música Independente em 2006 como melhor álbum pop . Com toda a bagagem e conhecimento musical alcançados ao longo de 15 anos de carreira mais o retorno do percussionista Gerry, em 2007 o Dazaranha alça voos mais altos na produção da sua mais nova obra, o disco Paralisa produzido por Ricardo Vidal (O Rappa) e que conta com uma modernização no já consagrado estilo da banda, maior sofisticação e a maciça participação do Trio Santo Amaro nos metais que desde então, passam a acompanhar a banda nos shows. Destaque para as faixas Carolina, Durma Bem e Ô Mané (com participação especial de vários nomes da música local).[3]

O DVD (2008-2011)[editar | editar código-fonte]

Show do Dazaranha em 2013.

No ano de 2008, mais uma mudança de integrantes. O baterista Adriano larga as baquetas e dá lugar a João Basañez, ex-integrante da banda catarinense Mary Black.

Após muita espera, um antigo sonho dos fãs do Dazaranha é enfim realizado. Em um memorável show realizado em dezembro de 2008 no Teatro Ademir Rosa (CIC), nasce o primeiro DVD lançado em 2010 pela Universal Music com os maiores sucessos da história do Daza (como a banda é carinhosamente conhecida pelos fãs). Destaque para a participação especial do cantor Armandinho na faixa Salão de Festa a Vapor e faixas inéditas como Dia Lindo, Pra Ficar e Motoboy, além do making-of e um documentário gravado no estúdio Caixa d'Água onde os integrantes contam um pouco da história da banda.

Uma grande equipe de profissionais unida para realizar o DVD: realização e produção de Dazaranha e Orth Produções, Vídeo de Heron Domingues (HD), áudio de Ricardo Vidal (Studio55) e mais o documentário assinado por Mártin Carvalho (Cristal Broadcast).[3]

20 anos (2012-2015)[editar | editar código-fonte]

O ano de 2012 marcou a comemoração de 20 anos de história do Daza. A banda que iniciou sua carreira no ano de 1992, comemorou seus aniversário com o lançamento de um box contendo toda a discografia da banda, inclusive o DVD ao vivo gravado em 2008[4] e um show comemorativo no CIC com a participação especial de músicos convidados como Daniel Lucena e os ex-integrantes Zé Caetano e Adriano Barvik. O show foi transmitido ao vivo pela TVCOM.[5][6]

No ano de 2014, após quatro anos sem lançar uma nova obra, o Dazaranha lança "Daza", o seu sexto álbum (o quinto gravado em estúdio). Produzido por Carlos Trilha, este disco marcou uma mudança em relação aos outros pois deixou um pouco de lado o sotaque mané marcante dos vocais, além de contar com músicas mais sentimentais, com o clima marcante do "amor e esperança".[7]

Saída do Gazu (2016-presente)[editar | editar código-fonte]

No dia 10 de fevereiro de 2016 a banda Dazaranha anunciou a saída de Gazu, frontman do grupo desde sua fundação. Foram 23 anos a frente dos vocais e de contribuições com algumas composições de muito sucesso ao longo do tempo. Nem a banda nem Gazu divulgaram o motivo da saída do vocalista, mas já eram conhecidos a bastante tempo os trabalhos solos de Sandro Costa em paralelo com o Dazaranha. Após a saída, Chico e Moriel assumiram os vocais, e a banda passou a ter cinco integrantes em seu quadro principal.[8][9][10]

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

Formação[editar | editar código-fonte]

Ex-integrantes[editar | editar código-fonte]

Músicos contratados[editar | editar código-fonte]

Trio Santo Amaro

Trio Santo Amaro[editar | editar código-fonte]

No ano de 2007, na produção e gravação do disco Paralisa, o Dazaranha moderniza e inova o já consagrado estilo da banda ao marcar em suas músicas a forte presença dos metais do Trio Santo Amaro, que desde então passou a fazer parte da sequência da banda.[2]

O Trio Santo Amaro recebeu esta nomenclatura dos integrantes do Dazaranha, devido aos músicos integrantes serem residentes na cidade de Santo Amaro da Imperatriz e formados musicalmente na Sociedade Musical e Cultural Santo Amaro.

Discografia[editar | editar código-fonte]

# Título Ano de lançamento Participações externas Gravadora
Ilha de Todos os Sons 1994 Participação da música Retroprojetor na coletânea RBS Discos
Seja Bem Vindo 1996 RBS Discos
Tribo da Lua 1998 Jorge Ben Jor, Luiz Carlini, Baixinho Atração Fonográfica
Nossa Barulheira 2004 Atração Fonográfica
Paralisa 2007 Rô Conceição, Guilherme Ribeiro, Macarrão,
Daniel Lucena, Valdir Agostinho
Antídoto
Ao Vivo 2010 Armandinho Universal Music
Daza 2014 Carlos Trilha Paravox
Afinar as Rezas 2016 Carlos Trilha Paravox

Videografia[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • 2006: Prêmio Claro de Música Independente - Melhor Álbum Pop[11]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]