B-1 Lancer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Wiki letter w.svg
Por favor melhore este artigo, expandindo-o. Mais informação pode ser encontrada no artigo «Rockwell B-1 Lancer» na Wikipédia em inglês e também na página de discussão. (agosto de 2015)
B-1 Lancer
Airplane silhouette.png
Um B-1B sobre o Oceano Pacífico.
Descrição
Tipo / Missão Bombardeiro estratégico pesado supersônico, com motores turbofan, quadrimotor monoplano de geometria variável
País de origem  Estados Unidos
Fabricante North American Rockwell/Rockwell International
Boeing
Período de produção 1973-74, 1983-88
Quantidade produzida B-1A: 4 unidade(s)
B-1B: 100 unidade(s)
Custo unitário B-1B: US$283,1 milhões (1998)
Primeiro voo em 23 de dezembro de 1974 (40 anos)
Introduzido em 1 de outubro de 1986
Variantes
  • B-1A
  • B-1B
  • B-1R
Tripulação 4 - piloto comandante, co-piloto, oficial de sistemas defensivos e oficial de sistemas ofensivos
Notas
Dados:' Ver seção "Especificações"

O Rockwell B-1 Lancer é um bombardeiro estratégico norte-americano quadrimotor de geometria variável. Concebido na década de 1960 como um bombardeiro supersônico com carga e alcance suficientes para substituir o Boeing B-52 Stratofortress, evoluiu como um penetrador de baixa altitude e longo alcance, com capacidade de velocidade supersônica a grande altitudes.

O desenvolvimento do B-1 foi longo, dificultado pelas mudanças nas doutrinas de balanço estratégico entre as superpotências, variando entre respostas flexíveis e destruição mútua assegurada. A versão inicial B-1A foi desenvolvida no início da década de 1970, mas foi cancelada após a construção de apenas quatro protótipos. Com o surgimento da demanda por uma nova plataforma no início da década de 1980, a aeronave ressurgiu como versão B-1B, priorizando a missão de bombardeio por penetração a baixa altitude. O B-1B entrou em serviço em 1986 com o Comando Aéreo Estratégico da USAF, com a função de bombardeiro nuclear.

Na década de 1990 o B-1B foi convertido para bombardeiro com munição convencional, tendo seu primeiro uso em combate na Operação Desert Fox em 1998 e novamente durante a operação da OTAN no Kosovo, no seguinte. O B-1B tem participado em missões de combate em apoio às forças dos EUA e da OTAN no Afeganistão e Iraque. O Lancer é o componente supersônico da força de bombardeiros de longo alcance da USAF, ao lado dos subsônicos B-52 and Northrop Grumman B-2 Spirit. Com a retirada de serviço do General Dynamics/Grumman EF-111A Raven em 1998 do Grumman F-14 Tomcat em 2006, o B-1B é a única aeronave militar norte-americana de geometria variável que se encontra em serviço ativo. Há planos do B-1B permanecer em atividade até a década de 2020, quando será suplementado pelo projeto Next Generation Bomber.


Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 1957, a USAF começou a desenvolver um novo bombardeiro pesado para substituir o venerável B-52, concedendo à North American Aviation Inc. um contrato para projetar e construir dois protótipos XB-70. Mas quatro anos antes da entrega do primeiro protótipo, o XB-70 já estava condenado. Quando o Lockheed U-2B de Francis Gary Powers foi derrubado pelos primeiros mísseis terra-ar soviéticos SA-2 Guideline, ficou claro que os dias dos bombardeiros que voavam a grande altitude estavam contados.

Projetos iniciais[editar | editar código-fonte]

Reconhecendo a necessidade urgente de desenvolver um avião capaz de penetrar as defesas soviéticas, a USAF deu início a uma série de estudos que, finalmente, levaram ao Rockwell B-1A, em 5 de junho de 1970. Foram encomendados 7 aviões: 5 para testes de vôo e 2 para testes estáticos e de fadiga de materiais. Logo ficou claro que o B-1A era na época a prioridade número um da USAF no que se referia à alocação de verbas de orçamento: "Nada será obstáculo ao B-1", declarou um político. Suas palavras eram dirigidas a críticos que, embora não duvidassem do poderio do avião, mostravam-se receosos quanto à informações de que o B-1 seria o aparelho mais caro da história da aviação. Acabou não sendo: esse título cabe ao B-2 Spirit (por volta de 2 bilhões de dólares). Em dezembro de 1971 ficou pronto um modelo do B-1 A em tamanho natural. Neste já se apresentavam algumas das características notáveis do avião: um sistema de ejeção baseado numa cápsula, asas de geometria variável e um elaborado radar de mapeamento. O primeiro B-1 A (n° 74-158) saiu da fábrica 42 da Rockwell em Palmdale, Califórnia em 26 de outubro de 1974. Era todo pintado de branco; um longo tubo de Pitot listrado de branco e vermelho projetava-se do nariz. O vôo inaugural ocorreu em 23 de dezembro de 1971, sob o comando de Charles Bock. O Comando Aéreo Estratégico passou à fase de planejar a compra de 240 exemplares do avião, que se tornariam operacionais em 1982.

Avanços e recuos[editar | editar código-fonte]

No entanto, o projeto continuava a ser duramente criticado pelo Comitê das Forças Armadas do Senado dos Estados Unidos. Eles argumentavam que com alguns melhoramentos, os velhos B-52 poderiam continuar a ser usados até à década de 1990 (o que aconteceu). Conforme tais críticos, os B-52 não precisariam penetrar as defesas soviéticas, apenas disparar mísseis a partir de posições distantes das fronteiras do inimigo. O golpe mais forte veio em 30 de junho de 1977, quando o recém-eleito presidente Jimmy Carter anunciou que o governo não investiria mais na produção do B-1 A. Ao mesmo tempo, porém, Carter ordenou que se continuassem a realizar testes com o aparelho. Um extenso programa de testes e avaliação levantou valiosos dados sobre o desempenho do avião, reatores, sistemas ofensivos, defensivos e seu poder de penetração. O programa terminou formalmente e 29 de abril de 1981, com o último vôo do quarto protótipo, de n° 76-174. Antes disso, em 5 de outubro de 1978, o segundo protótipo (n° 74-159) havia atingido a velocidade de Mach 2.2.

A extinção do projeto coincidiu com a eleição de Ronald Reagan para a presidência dos Estados Unidos. Logo após a sua tomada de posse o programa foi revigorado, sob a condição de que o avião fosse extensivamente modificado e passasse a se chamar B-1 B.

B-1B durante uma demonstração em 2004.

Estruturalmente mais avançado, o B-1 B emprega uma configuração asas/fuselagem desenvolvida originalmente para um projeto da Rockwell derrotado na disputa que levou à produção do McDonnell Douglas F-15 Eagle, as entradas de ar tornaram-se fixas, ao invés das variáveis no projeto inicial. Ao contrário das instalações apertadas do B-52, o B-1 B tem beliches para descanso da tripulação em missões intercontinentais e até um toilette. O B-1 usa, até um certo ponto, as tecnologias stealth: sua RCS é equivalente a 1% da RCS do B-52.

O primeiro B-1 B de série (82-0001) saiu da fábrica da Rockwell no dia 4 de setembro de 1984. Passaram 14 anos até o B-1 B ser testado em combate real, no final de 1990 com seu "batismo de fogo" durante a operação Tempestade no Deserto.

O radar do B-1B é um Northrop Grumman APQ-164 com capacidade multímodo de varredura eletrônica que fornece mapeamento do terreno com alta resolução e permite, modo de seguimento do terreno, dados de velocidade e posicionamento além de informações meteorológicas. Um fato interessante sobre o B-1B é que ele possui uma suíte de guerra eletrônica extremamente avançada que lhe permite uma alta imunidade contra sistemas de defesa antiaérea. Essa suíte é o sistema EDO Corporation AN/ ALQ-161, que produz interferências contra os radares inimigos e atua de forma integrada ao lançador de iscas infravermelhas (IR) AN/ALE-49 que representa o maior sistema de lançamento de iscas IR instalados num avião, atualmente. Para despistar mísseis guiados por radar, o B-1B usa o sistema AN/ALE-50 Towed Decoy System que lança iscas magnéticas shaff que embaralham o radar do missil impossibilitando a ele distinguir o que é o avião alvo dos outros ecos radar produzido pelas iscas. O sistema de alerta de radar (RWR) A N/ALR-56 alerta ao piloto quando o B-1B foi rastreado por algum radar hostil permitindo que o piloto e o navegador tomem as medidas necessárias para se evadir de um ataque.

Especificações (B-1B)

Dados de: USAF,[nota 1] Jenkins,[nota 2] Pace,[nota 3] Lee,[nota 4]

B-1A Orthographic.PNG

Cockpit do B-1B.
Baia de lançamento de bombas giratório frontal de um B-1B.
Descrições gerais
Motorização
Performance
Armamentos
  • Número de pilones: externos 3x
  • Capacidade dos pilones (kg): 56 700 kg (125 000 lb)
  • Bombas dos pilones:
    Bombas:
  • 84x Mark 82
  • 81x Mark 82 (LDGP - low drag general purpose)
  • 24x Mark 84
  • 24x Mark 65 minas navais
  • 30x CBU-87/89/CBU-97
  • 30x CBU-103/104/105
  • 24x GBU-31 JDAM
  • 63x GBU-38 JDAM
  • 48x GBU-54 LaserJDAM
  • 12x AGM-154 Joint Standoff Weapon
  • 96x ou 144x GBU-39 SDB
  • 24x AGM-158 JASSM
  • 24x B61 ou B83 nucleares
Equipamentos de orientação
  • Aviônicos: 1x AN/APQ-164
    1x AN/ALQ-161
    1x AN/ASQ-184
    1x Sniper Advanced Targeting Pod (opcional)

Notas das especificações

  1. B-1B Especificações USAF (em inglês).
  2. Jenkins, Dennis R (1999). B-1 Lancer: The Most Complicated Warplane Ever Developed. New York: McGraw-Hill. ISBN 0-07-134694-5.
  3. Pace, Steve (1998). Boeing North American B-1 Lancer. North Branch, MN: Specialty Press. ISBN 1-58007-012-4.
  4. Lee, Tae-Woo (2008). Military Technologies of the World 1. Santa Barbara, CA: ABC-CLIO. ISBN 0-275-99535-6.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre B-1 Lancer


Ícone de esboço Este artigo sobre um avião, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.