Cabeceiras de Basto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cabeceiras de Basto
Brasão de Cabeceiras de Basto Bandeira de Cabeceiras de Basto
Brasão Bandeira
Localização de Cabeceiras de Basto
Gentílico Cabeceirense
Área 241,82 km2
População 16 710 hab. (2011)
Densidade populacional 69,1 hab./km2
N.º de freguesias 12
Presidente da
Câmara Municipal
Francisco Alves (PS)
Fundação do município
(ou foral)
1514
Região (NUTS II) Norte
Sub-região (NUTS III) Ave
Distrito Braga
Antiga província Minho
Orago São Miguel[1]
Feriado municipal 29 de setembro (S. Miguel)
Código postal 4860
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg

Cabeceiras de Basto é uma vila portuguesa no Distrito de Braga, região Norte e sub-região do Ave, com cerca de 4 600 habitantes.

É sede de um município com 241,82 km² de área[2] e 16 710 habitantes (2011[3] ), subdividido em 12 freguesias.[4] O município é limitado a norte pelo município de Montalegre, a nordeste por Boticas, a leste por Ribeira de Pena, a sueste por Mondim de Basto, a sul por Celorico de Basto, a oeste por Fafe e a noroeste por Vieira do Minho.

População[editar | editar código-fonte]

Número de habitantes [5]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
15 154 15 804 15 235 16 284 17 524 16 312 17 273 19 234 21 888 21 141 19 247 18 997 16 368 17 846 16 710

(Número de habitantes que tinham a residência oficial neste concelho à data em que os censos se realizaram.)

Número de habitantes por Grupo Etário [6]
1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
0-14 Anos 5 547 6 042 5 631 6 168 7 280 7 464 7 842 7 090 6 194 4 057 3 534 2 723
15-24 Anos 2 927 3 046 2 942 2 925 3 009 3 974 3 042 2 870 3 683 3 083 2 954 2 161
25-64 Anos 6 728 7 319 6 815 7 196 7 657 8 507 8 629 7 010 6 820 6 859 8 208 8 605
= ou > 65 Anos 1 044 1 024 893 986 1 169 1 357 1 628 1 980 2 300 2 369 3 150 3 221
> Id. desconh 27 17 17 35 44

(Obs: De 1900 a 1950 os dados referem-se à população presente no concelho à data em que eles se realizaram Daí que se registem algumas diferenças relativamente à designada população residente)

Freguesias[editar | editar código-fonte]

Freguesias do concelho de Cabeceiras de Basto.

O concelho de Cabeceiras de Basto está dividido em 12 freguesias:

A Lenda do Basto[editar | editar código-fonte]

O Basto - estátua de um guerreiro galaico-lusitano do século I a.C.

A estátua de um guerreiro lusitano a quem os seus habitantes lhe chamam "O Basto" personifica a "raça" das gentes da região, a sua alma e as suas tradições. Nela, os habitantes de Cabeceiras revêem a sua coragem e a sua honradez. Daí o nascimento de uma lenda que, na actualidade, lhe está indelevelmente ligada e com a qual o povo "explica" o nome da região.[7]

O Império Visigodo não resistiu aos ataques dos Mouros comandados por Tarik. Espalhando o terror, estes avançaram “ávidos de glória”, através da Galiza. Os ecos dos seus ataques chegaram ao Mosteiro de S. Miguel de Refojos, mas não mereceram crédito.

Bracara Augusta caiu também nas suas mãos. Então acreditaram e preparam-se para a defesa com uma centúria de servos e homens de armas, comandados por D. Gelmiro, o venerando abade do Mosteiro. Hermígio Romarigues, parente do fundador do Mosteiro, era o guerreiro-monge que mais se destacava pelo seu porte avantajado de grandes e possantes membros e com o rosto retalhado por mil golpes das escaramuças passadas.

Postado junto à ponte que dava acesso ao Mosteiro, ao aproximar das tropas de Tarik estendeu a mão possante, assegurando: "Até ali, por S. Miguel, até ali, basto eu!"

E bastou! Três vezes arremeteram os mouros contra as débeis defesas do Mosteiro. Mas por três vezes foram repelidos pela espada de Hermígio Romarigues. A ponte sobre a ribeira ficou atulhada de corpos e os chefes infiéis tiveram de tratar com D. Gelmiro de igual para igual, gorando-se, deste modo, a suposta intenção de arrasarem o Mosteiro e decapitarem os monges.

Posteriormente o monge-guerreiro ter-se-á integrado no reduto cristão situado nas Astúrias, de onde irradiava já a Reconquista a partir de Covadonga, sob o comando de Pelágio.

Hermígio Romarigues “O Basto” foi imortalizado através da estátua que erigiram em sua homenagem, como reconhecimento pelos serviços prestados a El-Rei Pelágio.

Património[editar | editar código-fonte]

Geminações[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://www.cabeceirasdebasto.pt/index.php?oid=3697&op=all
  2. Instituto Geográfico Português, Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2013 (ficheiro Excel zipado)
  3. INE (2012) – "Censos 2011 (Dados Definitivos)", "Quadros de apuramento por freguesia" (tabelas anexas ao documento).
  4. Diário da República, Reorganização administrativa do território das freguesias, Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro, Anexo I.
  5. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  6. INE - http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=censos_quadros
  7. «Património Cultural». cabeceirasdebasto.pt. Consultado em 2015-07-24. 
  8. http://www.anmp.pt/anmp/pro/mun1/gem101l0.php?cod_ent=M4860
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cabeceiras de Basto

== == ==