Instituto Federal do Rio Grande do Sul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul
IFRS
Lema Ensino Público, Gratuito e de Qualidade
Fundação 29 de dezembro de 2008
Tipo de instituição pública federal
Localização Bento Gonçalves (Reitoria)

Canoas
Caxias do Sul
Erechim
Farroupilha
Feliz
Ibirubá
Osório
Porto Alegre
Restinga
Sertão
, Rio Grande do Sul

Docentes 840
Reitor(a) Osvaldo Casares Pinto
Total de estudantes 15000
Cores da escola Verde, vermelho e branco
Afiliações RENEX, CONIF
Orçamento anual R$ 305.000.000,00 - (2015)
Página oficial http://www.ifrs.edu.br/

Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS) foi criado pela Lei 11.892, de 29 de dezembro de 2008, a partir da integração do Centro Federal de Educação Tecnológica de Bento Gonçalves, da Escola Técnica Federal de Canoas, da Escola Agrotécnica Federal de Sertão, da Escola Técnica da UFRGS e do Colégio Técnico Industrial Professor Mário Alquati da FURG. É uma instituição integrante da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica.

Conforme dados divulgados em março de 2017, pelo Ministério da Educação (MEC), o IFRS possui conceito quatro no Índice Geral de Cursos (IGC), em uma escala que vai até 5. O indicador refere-se à avaliação do ano de 2015.

Atualmente, o IFRS conta com cerca de 18 mil alunos, em mais de  200 opções de cursos técnicos e superiores de diferentes modalidades. Oferece também cursos de especialização e mestrado e dos programas do governo federal e de Formação Inicial Continuada (FIC).

Inserção Regional[editar | editar código-fonte]

Um dos objetivos dos institutos federais é promover cursos, ações de pesquisa, ensino e extensão que atentem para as necessidades e as demandas regionais. Nesse sentido, o IFRS apresenta uma das características mais significativas que enriquecem a sua ação: a diversidade. Os campi atuam em áreas distintas como agropecuária, de serviços, área industrial, vitivinicultura, turismo, moda e outras.

Campi[editar | editar código-fonte]

O Instituto Federal é formado pelos campi de Alvorada, Bento GonçalvesCanoasCaxias do SulErechimFarroupilhaFelizIbirubáOsório, Porto Alegre, Restinga,  Rio Grande, Rolante, Sertão, Vacaria, Veranópolis e Viamão.  A Reitoria localiza-se na cidade de Bento Gonçalves.

Alvorada[editar | editar código-fonte]

Histórico[editar | editar código-fonte]

O Campus Alvorada iniciou as atividades em 2013, com a oferta de cursos dos programas Mulheres Mil, Pronatec e Educação de Jovens e Adultos (EJA) e durante dois anos funcionou no Centro de Educação Profissional Professor Florestan Fernandes. No segundo semestre de 2016, o Campus Alvorada passou a funcionar em sua sede própria, localizada na Rua Professor Darcy Ribeiro, 121, bairro Campos Verdes, Alvorada, estado do Rio Grande do Sul.

Caxias do Sul[editar | editar código-fonte]

Histórico[editar | editar código-fonte]

O Campus Caxias do Sul entrou em funcionamento em 2010, na sede provisória localizada no bairro Floresta. Em 2014, passou a funcionar na sede definitiva localizado bairro Nossa Senhora de Fátima, num espaço de mais de 7.000m² de área construída, que conta com salas de aula, laboratórios de informática, química, física, matemática, línguas, metrologia, biologia/microbiologia, ensaios mecânicos, instrumentação, tratamentos térmicos, metalografia, preparação mecânica, fundição e conformação, laboratório de corte, soldas e usinagem, caracterização e processos de transformação de polímeros, hidráulica e pneumática, laboratório de processos de fabricação mecânica, além de biblioteca, salas de conveniência e sala dos professores. Atualmente, mais de mil alunos estudam nos três turnos em que ocorrem os cursos.

Canoas[editar | editar código-fonte]

O Campus Canoas está estabelecido na cidade de Canoas, no bairro Igara. Oferece Cursos Técnicos Integrados ao Ensino Médio, cursos de Ensino Superior e PROEJA.

Bento Gonçalves[editar | editar código-fonte]

Histórico[editar | editar código-fonte]

O Campus Bento Gonçalves do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul é uma instituição federal de ensino público e gratuito instalada em uma área de 843.639 m², dividida entre a sede (76.219,13m²), localizada em área central no Município de Bento Gonçalves, e a Estação Experimental Tuiuty (767.420 m²), distante 12 km da sede.

A Instituição foi criada pela Lei nº 3.646 de 22 de outubro de 1959 como Escola de Viticultura e Enologia de Bento Gonçalves, vinculada ao Ministério da Agricultura, e passou a funcionar de forma efetiva a partir de 27 de março de 1960.

Em 13 de Fevereiro de 1964 foi publicado o Decreto nº 53.558, o qual alterou a denominação de todas as escolas agrícolas para colégios. Consequentemente passou a denominar-se Colégio de Viticultura e Enologia de Bento Gonçalves. Posteriormente, a sigla CVE tornou-se marca dos produtos que são produzidos e comercializados pela Instituição até hoje.

Por meio do Decreto nº 60.731, de 19 de maio de 1967, foram transferidos para a Coordenação Nacional de Ensino Agropecuário (Coagri), órgão vinculado à Secretaria de Ensino de 1º e 2º Graus do Ministério da Educação e Cultura, todas as instituições relacionadas ao ensino que integravam o Ministério da Agricultura e em 4 de setembro de 1979, por meio do Decreto nº 83.935, todos os estabelecimentos de ensino subordinados à Coagri passaram a receber a denominação uniforme de Escola Agrotécnica Federal, seguida do nome da cidade em que se localizava.

A Lei nº 7.390, de 25 de março de 1985, alterou a denominação da Escola Agrotécnica Federal de Bento Gonçalves para Escola Agrotécnica Federal Presidente Juscelino Kubitschek.

Em 26 de dezembro de 1994, através de Decreto, foi autorizado o funcionamento do primeiro curso superior ofertado pela Instituição, o Curso Superior de Tecnologia em Viticultura e Enologia, o qual teve o primeiro ingresso de alunos em 1995.

Por meio do Decreto de 16 de agosto de 2002 foi implantado o Centro Federal de Educação Tecnológica de Bento Gonçalves (Cefet-BG), "mediante transformação e mudança de denominação da autarquia Escola Agrotécnica Federal Presidente Juscelino Kubitschek".

Em 29 de dezembro de 2008 o Presidente da República sancionou a Lei n° 11.892, a qual reorganizou a Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica, com a criação de 38 Institutos Federais, três deles no Rio Grande do Sul. Nesse ato foi criado o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), "mediante integração do Centro Federal de Educação Tecnológica de Bento Gonçalves, da Escola Técnica Federal de Canoas e da Escola Agrotécnica Federal de Sertão". Na mesma ocasião, o Colégio Técnico Industrial Prof. Mário Alquati, então vinculado à Universidade Federal do Rio Grande (Furg), e a Escola Técnica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) passaram a integrar o IFRS.

Dessa forma, o Cefet-BG passou a denominar-se Campus Bento Gonçalves do IFRS e atualmente integra a estrutura multicampi desse Instituto com outros 16 campi.

CARDOSO, Áureo V. Síntese histórica do Campus Bento Gonçalves do IFRS. Bento Gonçalves, dez. 2016. Disponível em: <http://bento.ifrs.edu.br/site/conteudo.php?cat=26>. Acesso em: 06 outubro. 2017.

Contato[editar | editar código-fonte]

  • Endereço:Avenida Osvaldo Aranha, 540 | Bairro Juventude da Enologia | CEP: 95700-206 | Bento Gonçalves/RS.
  • E-mail: comunicacao@bento.ifrs.edu.br
  • Telefone: (54) 3455-3200
  • Fax: (54) 3455-3246
  • Site: http://bento.ifrs.edu.br

Cursos[editar | editar código-fonte]

Cursos Técnicos concomitantes ao Ensino Médio:[editar | editar código-fonte]

Técnico em Viticultura e Enologia:[editar | editar código-fonte]

Duração: 3 anos e estágio de 360 horas;

Turno: integral (manhã e tarde).

Cursos Técnicos integrados ao Ensino Médio:[editar | editar código-fonte]

Técnico em Agropecuária:[editar | editar código-fonte]

Duração: 3 anos e estágio de 360 horas;

Turno: integral (manhã e tarde).

Técnico em Viticultura e Enologia:[editar | editar código-fonte]

Duração: 3 anos e estágio de 360 horas;

Turno: integral (manhã e tarde).

Técnico em Informática para Internet:[editar | editar código-fonte]

Duração: 3 anos e estágio de 360 horas;

Turno: manhã e tarde.

Cursos Técnicos subsequentes ao Ensino Médio:[editar | editar código-fonte]

Técnico em Administração:[editar | editar código-fonte]

Duração: 1 ano e meio (total de 1.000 horas);

Turno: Noite.

Técnico em Hospedagem:[editar | editar código-fonte]

Duração: 1 ano e meio (total de 809 horas);

Turno: Tarde (entre 15h30 e 19h).

Cursos superiores[editar | editar código-fonte]

BACHARELADO[editar | editar código-fonte]

Agronomia:[editar | editar código-fonte]

Turno de funcionamento: Integral (o curso possuirá atividades divididas entre os turnos matutino e vespertino);

Carga horária: 4.670 horas;

Duração: 5 anos ou 10 semestres;

Modalidade: Presencial.

LICENCIATURAS:[editar | editar código-fonte]

Física:[editar | editar código-fonte]

Período: noturno;

Carga horária: 2.870 horas;

Duração: 4 anos (8 semestres);

Modalidade: Presencial.

Letras - Língua Portuguesa:[editar | editar código-fonte]

Turno: Noite

Número de vagas: 35;

Periodicidade da oferta: Anual;

Carga Horária Total: 3.206 horas;

Duração: 4 anos ou 8 semestres;

Modalidade: Presencial.

Matemática:[editar | editar código-fonte]

Período: Noturno;

Carga horária: 2.810 horas;

Duração: 4 anos;

Modalidade: Presencial.

Pedagogia:[editar | editar código-fonte]

Turno de funcionamento: Noite (segunda à sexta);

Nº de vagas: 40 (turma regular);

Periodicidade de oferta: anualmente;

Carga horária total: 3.310 horas;

Tempo regular de integralização do curso: 8 (oito) semestres.

TECNOLOGIAS:[editar | editar código-fonte]

Tecnologia em Viticultura e Enologia:[editar | editar código-fonte]

Duração: 8 semestres.

Tecnologia em Alimentos:[editar | editar código-fonte]

Período: tarde e noite;

Carga horária: 2.400 horas + 450 horas de estágio;

Duração: 3 anos;

Vagas: 30 vagas, seriado semestral com única entrada.

Tecnologia em Horticultura:[editar | editar código-fonte]

Tecnologia em Logística:[editar | editar código-fonte]

Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas:[editar | editar código-fonte]

Carga horária: 2.110 horas;

Duração: 6 semestres.

Pós-Graduações[editar | editar código-fonte]

O Campus Bento Gonçalves do IFRS oferece atualmente três cursos de Pós-Graduação Lato Sensu:

  • Especialização em Viticultura;
  • Especialização em Educação, Ciência e Sociedade;
  • Especialização em Ensino de Matemática para a Educação Básica.


Linha do tempo da Instituição[editar | editar código-fonte]

   1959 - Foi criada a Escola de Viticultura e Enologia de Bento Gonçalves
   1960 - Iniciou as atividades letivas
   1964 - Passou a denominar-se Colégio de Viticultura e Enologia de Bento Gonçalves
   1979 - Foi transformada em Escola Agrotécnica Federal de Bento Gonçalves
   1985 - Alterou o nome para Escola Agrotécnica Federal Presidente Juscelino Kubitschek
   1995 - Aconteceu o primeiro ingresso de estudantes no Curso Superior de Tecnologia em Viticultura e Enologia
   2002 - Foi implantado o Centro Federal de Educação Tecnológica de Bento Gonçalves (Cefet-BG)
   2008 - Passou a compor o IFRS como Campus Bento Gonçalves

Relação de ex-diretores[editar | editar código-fonte]

função:Diretor substituto]]


Osório[editar | editar código-fonte]

O Campus Osório tem por objetivo promover educação científica, tecnológica e humanística de qualidade, visando à formação de cidadãos críticos, conscientes e atuantes, competentes técnica e eticamente, comprometidos efetivamente com as transformações sociais, políticas, culturais e ambientais. Atende toda a região do Litoral Norte do Rio Grande do Sul, composta por 23 municípios, que somam mais de 300 mil habitantes. Está localizado na Rua Santos Dumont, 2127, no Bairro Albatroz.

As atividades letivas iniciaram em 2 de agosto de 2010, em sede provisória. A inauguração oficial do Campus Osório ocorreu em 9 de agosto de 2013.

O Campus Osório oferece atualmente cursos técnicos de nível médio, nas modalidades Integrado ao Ensino Médio e Subsequente ao Ensino Médio, entre as quais um EaD, cursos superiores de Tecnologia e em Licenciatura e um curso de Especialização. Além das atividades de Ensino, a escola proporciona a seus estudantes forte envolvimento em atividades de Pesquisa e Extensão.

A Pesquisa e Inovação é responsável por apontar possíveis soluções para problemas e/ou desafios da nossa cidade, estado ou país, em prol do desenvolvimento científico, tecnológico e cultural. É por meio dela que os estudantes pesquisadores e seus orientadores produzem e difundem os conhecimentos desenvolvidos em articulação com o ensino e a extensão, ao longo de toda a formação profissional. Já a Extensão tem o importante papel de difundir o conhecimento produzido dentro da instituição pelas áreas do Ensino e da Pesquisa, socializado-o e democratizado-o. É por meio dela que o IFRS contribui de forma efetiva para o desenvolvimento socioeconômico e cultural da região, articulando teoria e prática e produzindo novos saberes. Ao apontar ações transformadoras para a sociedade, possibilita também a formação de profissionais aptos a exercerem a sua cidadania e a humanizarem o mundo do trabalho.

Estudam no campus em torno de 1000 alunos nos turnos da manhã, da tarde e da noite. A equipe de servidores é composta por 100 pessoas em média, entre professores e técnico-administrativos.


Porto Alegre[editar | editar código-fonte]

Sede do IFRS Campus Porto Alegre

O campus Porto Alegre é uma unidade de ensino criada em 2008 a partir da estrutura da então Escola Técnica da UFRGS. Dados de novembro de 2009, apontavam que a instituição possuía 1361 alunos.

Ingresso[editar | editar código-fonte]

O ingresso de novos alunos ocorre duas vezes por ano, através de classificação nos Exames de Seleção. Para ingressar nos cursos é necessário ter concluído o Ensino Médio regular.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A história da Escola Técnica tem início com o surgimento da Escola de Comércio de Porto Alegre, vinculada a Faculdade Livre de Direito, em 1909. Fez parte da Universidade de Porto Alegre, criada em 1934 e desvinculou-se da Faculdade de Direito.

Com a federalização da Universidade em 1950 passa a ser denominada Escola Técnica de Comércio. E na década de 60, passa a ter uma direção autônoma, desvinculando-se da Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS (FCE) . Mesmo assim, funcionou no prédio da FCE até 1994, quando o prédio próprio ficou pronto e em 1996, quando já possui diversos cursos fora da área comercial, passa a ser denominada Escola Técnica da UFRGS.

Em 30 de dezembro de 2008 com a publicação da Lei 11892/2008, que cria 38 Institutos Federais no País, a Escola Técnica, até então vinculada à UFRGS, deixa de existir e passa a ter sua nova denominação como Campus Porto Alegre do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul.

Relação de ex-diretores[editar | editar código-fonte]

Restinga (Porto Alegre)[editar | editar código-fonte]

Histórico[editar | editar código-fonte]

O Campus Restinga está estabelecido no extremo sul da cidade de Porto Alegre, no bairro Restinga. Se caracteriza pelo papel preponderante da comunidade na sua criação, com a participação ativa de uma comissão comunitária na sua implantação desde o ano de 2006.

A busca da comunidade pela "Escola Técnica Federal de Porto Alegre na Restinga" iniciou em 08 de maio de 2006 com a criação da Comissão Pró-implantação. Esse grupo foi composto por movimentos sociais como militantes da educação, da economia solidária e de organizações não-governamentais (ONGs).

A mobilização da comunidade pela construção da escola coincidiu com um contexto nacional de grande valorização da formação profissional e também com investimentos expressivos do Governo Federal.

O Campus Restinga foi contemplado pela chamada Pública 01/2007 SETEC-MEC, que inaugurou o Plano de Expansão da Rede Federal Fase II, cujo objetivo era implantar 150 novas unidades em todo o país até o final de 2010. Esta conquista constituiu uma grande vitória para o município e para a Restinga, garantindo o fortalecimento de políticas públicas para a educação e para a inclusão social.

Em abril de 2008, o então CEFET-BG assumiu a coordenação da implantação do que seria mais uma de suas Unidades de Ensino Descentralizadas. A valorização do diálogo com a comunidade foi fundamental para o início das atividades de implantação. Parte desta conversação resultou na realização de um seminário e, posteriormente, de uma audiência pública para a definição de cursos a serem oferecidos pela instituição.

Com a Lei Nº 11.892/08, que criou os Institutos Federais de Educação Ciência e Tecnologia, a unidade da Restinga passou a ser um Campus do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), um dos três IF's gaúchos.

No ano de 2009 foram realizados seminários e audiências públicas para definir as áreas de atuação do Campus Restinga, constituindo-se uma nova perspectiva para a qualificação e geração de emprego e renda na região da Restinga. Além disso, através da verticalização de seus cursos possibilita à comunidade local perspectivas de estudo em diferentes níveis de ensino, gerando novas oportunidades profissionais.

O dia 26 de junho de 2010 é o marco oficial de início das atividades do campus, em sede provisória alugada, localizada na Estrada João Antnio da Silveira, enquanto o complexo de prédios de sua sede definitiva permaneceia em obras, no Distrito Industrial da Restinga.

Os cursos que deram origem ao campus, no segundo semestre de 2010, são os técnicos subsequentes ao ensino médio em Administração, Informática para Internet e Guia de Turismo, oferecendo um total de 220 vagas, nos turnos da manhã e noite para toda a comunidade do bairro e região metropolitana de Porto Alegre. Este é o início de uma caminhada rumo ao objetivo de oferecer mais de mil vagas em uma educação profissional qualificada. Em 2011, dois cursos integrados iniciaram no campus: Eletrônica e Informática para Internet. Em 2012, houve a abertura do primeiro curso de nível superior, o Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Outro diferencial foi a oferta do Proeja - Técnico em Recursos Humanos.

Em meados de 2012, com o primeiro dos seis prédios liberado, o campus mudou-se para a sede definitiva. Novos desafios em função da localização, mobilidade, segurança e etc. passaram a fazer parte do dia a dia da instituição. Também passamos a contar com o dobro de salas de aula, biblioteca, laboratórios de eletrônica e informática e sala de desenho técnico.

Desde o início de suas atividades, o Campus promove ações buscando a articulação entre de ensino, pesquisa e extensão.

Rio Grande[editar | editar código-fonte]

História

O Campus Rio Grande nasceu em 1964 como Colégio Técnico Industrial - CTI, junto à Escola de Engenharia Industrial do Rio Grande, uma das instituições que deram origem a Universidade Federal do Rio Grande - FURG, instituição a qual a escola foi vinculada a partir de 1969. Originalmente eram oferecidos os cursos de Refrigeração e Eletrotécnica, atendendo as demandas locais da época. Em 1994, na ocasião do Jubileu de Prata da FURG foi dado o nome de "Professor Mário Alquati" ao Colégio, em homenagem a um de seus idealizadores e diretor durante oito anos.

A implantação da Reforma da Educação Profissional iniciada em 1998 separou o Ensino Médio da Educação Profissional e criou a modalidade subsequente para os cursos noturnos. Os cursos técnicos de Enfermagem e Geomática foram criados em 2000, de acordo com esta modalidade e atendendo as novas demandas que se apresentavam. Dando continuidade à Reforma e atendendo as Diretrizes Curriculares do Ensino Médio, em 2001 foram implantados os novos curso subsequentes ao ensino médio, estruturados em módulos, e o Ensino Médio passou a ser oferecido de forma independente do técnico.

Em 2007, após nova alteração da legislação, o CTI voltou a oferecer cursos integrados ao Ensino Médio, e abriu a primeira turma de ensino integrado da modalidade Educação de Jovens e Adultos (Proeja). Em 29 de dezembro de 2008, com a criação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, o CTI foi integrado ao IFRS, como Câmpus Rio Grande. A nova institucionalidade possibilitou uma grande expansão, e consequente criação de novos cursos. Em sintonia com a alteração do arranjo produtivo local em função da implantação do Polo Naval, em 2010 passou a ser oferecido o curso Técnico de Automação Industrial, com ênfase em Instrumentação Industrial, uma das maiores demandas do novo setor. Ainda neste mesmo ano, entrou em funcionamento o primeiro curso de Licenciatura do Câmpus Rio Grande, em Educação Profissional e Tecnológica, visando suprir uma antiga carência na preparação de professores para atuação em cursos técnicos, em especial na Rede Federal. Em 2011, passou a ser oferecido o curso de Fabricação Mecânica, com ênfase em processos de soldagem, também demanda do Polo Naval.

Atualmente, são oferecidos seis cursos de educação profissional Integrados ao Ensino Médio, seis Subsequentes ao Ensino Médio, cinco Integrados à Educação de Jovens e Adultos, três cursos superiores de tecnologia em parceria com a FURG, uma Licenciatura, e um curso técnico na modalidade a distância. 


Rolante[editar | editar código-fonte]

Histórico[editar | editar código-fonte]

o Campus Rolante iniciou as atividades em 2013, com a oferta de cursos de Formação Inicial Continuada (FIC) por meio do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Em 2016, tiveram início as primeiras turmas de ensino regular do Campus, com o ingresso de estudantes nos cursos Técnicos subsequentes em Administração e posteriormente em Agropecuária e em Qualidade. Desde julho de 2017, o campus está funcionando em sua sede definitiva localizada na rodovia RS 239, distante 4 km do Centro da cidade de Rolante no estado do Rio Grande do Sul.


Vacaria[editar | editar código-fonte]

Histórico

O Campus Vacaria é oriundo da antiga Escola Agrotécnica Federal de Sertão, que a partir de 2008, passou a denominar-se Instituto Federal Rio Grande do Sul, Campus Sertão. Em 2009 o Polo Vacaria passou a integrar o Instituto Federal Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves e, em 2012, Vacaria conquistou, através do Plano de Expansão da Rede de Ensino Técnico e Tecnológico, o Campus Vacaria. No entanto, a autorização de funcionamento do Campus Vacaria ocorreu somente em 22 de janeiro de 2015, através da portaria número 27 de vinte e um de janeiro de dois mil e quinze, publicada no Diário Oficial da União.

Com sede na estrada Vitérbo de Oliveira, no 3061, Área Rural, distante 6 km do centro da cidade. Este empreendimento comporta um bloco administrativo que também inclui a biblioteca, sete salas de aula, sendo uma com capacidade para receber 50 alunos e as demais para atender 35 alunos, dois laboratórios de informática, sala de professores, sala da direção, setor administrativo e uma área rural.

Veranópolis[editar | editar código-fonte]

O Campus Veranópolis iniciou as atividades letivas em junho de 2014, ofertando cursos de curta duração, como cursos de Formação Inicial Continuada (FIC) e de extensão. No ano de 2016, passou a ofertar os primeiros cursos técnicos subsequentes ao Ensino Médio (para quem já concluiu o Ensino Médio). Está implantado em uma área de 4,7 hectares localizada na BR-470, Km 172, 6.500, bairro Sapopema, Veranópolis, estado do Rio Grande do Sul, onde funcionava o Colégio Agrícola do município.

Imagens[editar | editar código-fonte]

Reitoria do IFRS[editar | editar código-fonte]

Bento Gonçalves - RS

IFRS Reitoria
Reitoria do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS)

Campus Caxias do Sul[editar | editar código-fonte]

Campus Osório[editar | editar código-fonte]

Campus Porto Alegre[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre instituições de ensino superior é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.