Cloridrato de Nortriptilina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nortriptyline Structural Formula V1.svg

Nortriptilina, também conhecido pelo nome comercial PAMELOR,[1] é um medicamento antidepressivo[2] tricíclico[1] que Inibe a ação dos neurotransmissores Histamina, Serotonina e Acetilcolina. Aumenta o efeito vasoconstritor da Noradrenalina, mas bloqueia a resposta vasoconstritora da Feniletilamina. Estudos sugerem que a Nortriptilina interfere no transporte, na liberação e no armazenamento das Catecolaminas. Nortriptilina é o principal metabólito da amitriptilina.

Dose[editar | editar código-fonte]

Existem diversas apresentações: 10, 25, 50 e 75mg. A dose média recomendada é 150mg/dia.[3]

Farmacologia[editar | editar código-fonte]

Nortriptilina tem menos efeitos anticolinérgicos (como boca seca, constipação, visão turva, etc. ), anti-histamínicos (como sedação e possivelmente ganho de peso ), anti- adrenérgicos (como uma queda na pressão sanguínea após a suspensão ) e cardiotóxicos (tóxicos para o coração, ou seja, capacidade destes medicamentos para interferir com o ritmo cardíaco normal) do que osAntidepressivo tricíclicos de primeira geração.

Nortriptilina é o principal metabolito ativo da amitriptilina , uma ADT de primeira geração. É o metabolito N- desmetilo da amitriptilina. Como a amitriptilina, ela funciona inibindo a recaptação de serotonina e Norepinefrina , aumentando assim a sinalização sináptica através desses neurotransmissores. Também antagoniza vários receptores de serotonina, acetilcolina e histamina, e nem um (conhecido) de dopamina. Ele inibe preferencialmente a recaptação da norepinefrina sobre a serotonina, que é o oposto da amitriptilina.

Nortriptilina também pode ter um efeito melhorador do sono devido ao antagonismo do H 1 e 5-HT 2A receptores. No curto prazo; no entanto, a nortriptilina pode perturbar o sono devido ao efeito de ativação.

Em um estudo, a nortriptilina apresentou a maior afinidade para o transportador de dopamina entre os TCAs (K D = 1.140 nM), além da amineptina (um inibidor da recaptação de norepinefrina-dopamina ), embora sua afinidade para este transportador ainda fosse 261 e 63 vezes menor do que para os transportadores de norepinefrina e serotonina (K D = 4,37 e 18 nM, respectivamente).[4]

Considerações importantes[editar | editar código-fonte]

O Pamelor é o medicamento de referência desta classe de fármacos.

De acordo com o site "ABDA", a Nortriptilina é uma opção alternativa de tratamento para TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade) nos casos em que os pacientes - por algum motivo - não toleram estimulantes (principalmente quando há comorbidade de "tiques motores" - Síndrome de Tourette)

Os efeitos colaterais são basicamente os mesmos que outros antidepressivos Tricíclicos: boca seca, visão borrada, sonolência, e fraqueza. Esses efeitos tendem a amenizar ou desaparecer após as primeiras semanas de tratamento.

Pode causar também: constipação intestinal[5], disgeusia, ageusia, gosto metálico e ulcerações bucais acompanhadas de queimação.[6][7]

O estado de equilíbrio é atingido em 5 dias e sua vida média de eliminação é de 13 a 88 horas.[5]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Universo da depressao». Google Books. 76 páginas. Consultado em 28 de abril de 2014 
  2. «Recolhimento e descarte dos medicamentos das farmácias caseiras no município de Caçador - SC» (PDF). Revista interdisciplinar. 2013. 125 páginas. Consultado em 28 de abril de 2014 
  3. «Nortriptilina». www.psicosite.com.br. Consultado em 9 de dezembro de 2017 
  4. «Nortriptyline». Wikipedia (em inglês). 2 de dezembro de 2017 
  5. a b «USO DE FIBRAS ALIMENTARES NA CONSTIPAÇÃO INTESTINAL CAUSADA POR ANTIDEPRESSIVOS» (PDF). pp. 1,5,13. Consultado em 28 de abril de 2014 
  6. «ALTERAÇÕES GUSTATIVAS NO ENVELHECIMENTO» (PDF). KAIRÓS REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SAÚDE. 2008. 225 páginas. Consultado em 28 de abril de 2014 
  7. «INTERFERÊNCIA DOS MEDICAMENTOS ANTI-HIPERTENSIVOS NA PALATABILIDADE DO SABOR SALGADO» (PDF). Universidade Federal do Paraná. 2011. 53 páginas. Consultado em 28 de abril de 2014