Daniel Ortega

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Daniel Ortega Saavedra)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde junho de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Daniel Ortega
Presidente da Nicarágua
Período 10 de janeiro de 1985
a 25 de abril de 1990
Vice-presidente Sergio Ramírez
Antecessor(a) Junta de Reconstrução Nacional
Sucessor(a) Violeta Chamorro
Presidente da Nicarágua
Período 10 de janeiro de 2007
a atualidade
Vice-presidente Jaime Morales Carazo
Antecessor(a) Enrique Bolaños
Sucessor(a) -
Dados pessoais
Nome completo José Daniel Ortega Saavedra
Nascimento 11 de novembro de 1945 (71 anos)
La Libertad, Nicarágua
Cônjuge Rosario Murillo
Partido Frente Sandinista de Libertação Nacional
Religião Católica
Profissão economista

José Daniel Ortega Saavedra (La Libertad, 11 de novembro de 1945) é um ex-guerrilheiro e político nicaragüense.[1] Foi presidente de seu país entre 1985 e 1990. Voltou ao cargo em 2006. tendo sido reeleito em 2011 e 2016. É membro da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) desde 1962.

Com o triunfo da Revolução Sandinista contra o ditador Anastasio Somoza Debayle em 17 de julho de 1979, integrou a Junta do Governo de Reconstrução Nacional, onde assumiu os cargos de coordenador, chefe do Governo e ministro da Defesa. Em 1984, foi eleito presidente da República.[1] Seu primeiro mandato foi caracterizado por uma controversa política de reforma agrária e distribuição de riquezas, além da atuação dos Contras, grupos contrários a seu governo financiados indiretamente pelos Estados Unidos da América, conforme ficaria mais tarde evidenciado no escândalo Irã-Contras.

Ortega foi derrotado por Violeta Barrios de Chamorro nas eleições de 1990,[2] mas continuou sendo uma figura importante no cenário político da Nicarágua. Disputou outras duas eleições sem sucesso, em 1996 e 2001, antes de ser novamente eleito presidente em 2006.[3]

Em 2011 foi reeleito presidente, e novamente em 2016 com mais de 70% dos votos.[4][5] No país não há limite de mandatos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ortega nasceu em uma família de classe média da cidade de La Libertad, no departamento de Chontales. Seus pais, Daniel Ortega e Lidia Saavedra, eram opositores do regime de Anastasio Somoza. Sua mãe foi presa pela Guarda Nacional de Somoza por estar com posse cartas de amor que, de acordo com a polícia, eram mensagens políticas codificadas. Ortega tem dois irmãos: Humberto, ex-general e escritor, e Camilo, morto em combate em 1978.

Ortega iniciou cedo na luta política. Ele só cursou até a sexta série do ensino fundamental e aos 15 anos já havia sido preso por subversão política.[6] Logo entrou para a então organização clandestina Frente Sandinista de Libertação Nacional e em 1965 já fazia parte da direção do movimento.[7] Em 1967 Ortega foi preso pelo assalto à mão armada de uma filial do Bank of America. Foi solto em 1974 junto com outros prisioneiros sandinistas em troca de somozistas que eram mantidos reféns pela organização. Durante o período em que esteve preso na penitenciária El Modelo, no subúrbio de Manágua, ele escreveu vários poemas, um dos quais é intitulado "Nunca Vi Manágua Quando as Mini-saias Estavam na Moda".[8] Também durante sua prisão, Ortega foi severamente torturado.[9] Após a soltura, Ortega se exilou em Cuba, onde recebeu treinamento de guerrilha por vários meses. Mais tarde retornou secretamente à Nicarágua.[10]

Ortega se casou com Rosario Murillo em 1979 numa cerimônia secreta[11] realizada por um padre espanhol transformado em guerrilheiro e se mudou para a Costa Rica com os três filhos dela de um casamento anterior.[12] Ortega se casou novamente com Murillo em 2005 para que o casamento fosse oficialmente reconhecido pela Igreja Católica Romana. O casal tem oito filhos,[13] três deles mesmos.[6] Ela é atualmente porta-voz do governo, também no governo possui outras posições.[14][15]

Referências

  1. a b «Daniel Ortega» (em inglês). Consultado em 28 de abril de 2012 
  2. «Daniel Ortega». Consultado em 28 de Abril de 2012 
  3. "Ortega wins Nicaraguan election", BBC News, 8 de novembro de 2006.
  4. MippCI (7 de novembro de 2016). «El líder Sandinista, Daniel Ortega es reelecto a la Presidencia de Nicaragua con el 72,1% de los votos». VTV (em espanhol) 
  5. «Daniel Ortega é reeleito presidente na Nicarágua». Mundo. 7 de novembro de 2016 
  6. a b Bitchg/thenews/newsdesk/N01359367.htm «Five facts about Nicaragua's Daniel Ortega» Verifique valor |url= (ajuda). Reuters. Consultado em 15 de janeiro de 2008 
  7. «Daniel Ortega Saavedra, candidato presidencial del FSLN». La Prensa. 10 de maio de 2007. Consultado em 11 de maio de 2007 
  8. Vulliamy, Ed. «Nicaragua's Daniel Ortega; In the Lions' Den Again». Consultado em 15 de janeiro de 2008 
  9. Bernard Diederich, Somoza and the Legacy of U.S. Involvement in Central America, p. 85.
  10. «Hispanic Heritage in the Americas: Ortega, Daniel». Encyclopædia Britannica. Consultado em 11 de maio de 2007 
  11. Reuters, 1 de novembro de 2006, FACTBOX-Five facts about Nicaragua's Daniel Ortega
  12. Vulliamy, Ed (2 de setembro de 2001). «Nicaragua's Daniel Ortega; In the Lions' Den Again». London: The Observer. Consultado em 15 de janeiro de 2008 
  13. «Cardenal Obando caso a Daniel Ortega y poetisa Rosario Murillo». Cardinal Rating. 28 de setembro de 2005. Consultado em 11 de maio de 2007 
  14. «Iran and Nicaragua in barter deal». BBC News. London. 5 de agosto de 2007. Consultado em 5 de outubro de 2007 
  15. «Nicaragua-Venezuela Talk Cooperation». Prensa Latina. Consultado em 15 de janeiro de 2008. ... Government minister and first lady, Rosario Murillo. 
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.