Histoire des Treize

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Histoire des Treize
História dos treze (BR)
Autor(es) Honoré de Balzac
Idioma Francês
País  França
Série Scènes de la vie parisienne
Editora Urbain
Lançamento 1833-1839
Edição brasileira
Editora L&PM
Lançamento 2008
Páginas 417
ISBN 9788525417565
Cronologia
Illusions perdues
Ferragus

Histoire des Treize (em português, A história dos treze[1]) é uma série de três romances publicada por Honoré de Balzac entre 1833 e 1839. Faz parte das Cenas da vida parisiense da Comédia Humana.

Sob este título, com uma breve introdução especial, Balzac agrupou:

Os Treze, de acordo com a introdução de Balzac, são:

Treze homens imbuídos pelo mesmo sentimento, todos dotados de uma grande energia para serem fiéis à mesma ideia, muito prontos para cometerem traição, mesmo que seus interesses fossem opostos, muito profundamente políticos para dissimular as ligações sagradas que lhes unem, muito fortes para se colocarem acima de todas as leis, muito ousados para tudo empreender, e muito felizes para ter quase sempre sucesso em seus desígnios (...). Enfim, para que nada escape à sombria e misteriosa poesia desta história, estes treze homens continuam desconhecidos, ainda que todos tenham realizado as mais bizarras idéias que sugere à imaginação o poder atribuído aos Manfredo, aos Fausto, aos Melmoth; e todos hoje estão divididos, dispersados, ao menos[1].

Trata-se, de fato, de uma sociedade secreta que leva a Comédia humana a um universo fantástico, o famoso "fantástico social" tal qual o definia Charles Nodier, um gênero em que Eugène Sue era excelente, com seus Mistérios de Paris

A sociedade secreta estava no centro do sonho de muitos escritores do século XIX. O próprio Balzac, entusiasta das ciências ocultas, tentou fundar uma franco-maçonaria literária, com a ideia de um poder sem limite. Sua associação tinha o nome de Cheval Rouge (Cavalo Vermelho), pois ele concebia a reunião de seus membros como um grupo de talentos fogosos que acabariam por obter os postos chave do mundo literário, teatral e jornalístico. León Gozlan e Théophile Gautier se juntaram a ela, mais por amizade que convicção.

Esse diabo de homem, dizia ele, tinha um tal poder de visão que ele nos descrevia a cada um, nos menores detalhes, a vida esplêndida e gloriosa que a associação lhe permitiria[2].

Balzac não teve muito sucesso com esse grupo, que acabou por se dissolver.

Referências

  1. a b Honoré de Balzac. A comédia humana. Org. Paulo Rónai. Porto Alegre: Editora Globo, 1954. Volume VIII
  2. Théophile Gautier. Honoré de Balzac, edição de Auguste Poulet-Malassis e Eugène de Broise, 1859, p. 89-90.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • (fr) Richard B. Grant, « Terrorism and Terror in Balzac’s Histoire des Treize », The Play of Terror in Nineteenth-Century France, Newark ; London, U of Delaware P; Associated UP, 1997, p. 234-41.
  • (fr) David Harvey, « The Cartographic Imagination: Balzac in Paris », Cosmopolitan Geographies: New Locations in Literature and Culture, New York, Routledge, 2001, p. 63-87.
  • (fr) Rosmerin Heidenreich, « Hubert Aquin’s Prochain épisode », Revue de l’Université d’Ottawa, Apr.-June 1987, n° 57 (2), p. 39-54.
  • (fr) M. Laugaa, « Système des marques graphiques et du nom propre : à partir d’un récit de Balzac », Recherches en sciences des textes, Grenoble, PU de Grenoble, 1977, p. 189-218.
  • (fr) Guy Rooryck, « Pour une préface narratoriale : à propos de l’Histoire des Treize de Balzac », Neophilologus, July 1992, n° 76 (3), p. 364-69.
  • (fr) Fernand Roy, « Représentation et focalisation : lecture de Histoire des treize », Le Roman de Balzac : Recherches critiques, méthodes, lectures, Montréal, Didier, 1980, p. 109-15.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]