Étude de femme

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Étude de femme
Autor(es) Honoré de Balzac
Idioma Francês
País  França
Série Scènes de la vie privée
Editora La Mode
Lançamento 1830
Cronologia
Madame Firmiani
La Fausse Maîtresse

Étude de femme (em português, Estudo de mulher[1]) é um conto de Honoré de Balzac publicado em 1830 na revista francesa La Mode. Foi editado em volume em 1831, com o mesmo texto, nos romances e contos filosóficos pela editora Gosselin. Depois passa, em 1835, aos Estudos de costumes sob o título de Perfil de marquesa. Muito frequentemente revisto, reaparece então sob o mesmo título nas Cenas da vida parisiense, antes de receber o título Étude de femme nas Cenas da vida privada da edição Furne de 1842 da Comédia Humana.

Excelente retratista, Balzac dá aqui um brilhante exemplo de seu talento de fabulista. À maneira dos Caractères de La Bruyère, ele descreve com poucas palavras uma personagem complexa (a marquesa de Listomère). Vê-se aparecer pela segunda vez o muito célebre Eugène de Rastignac, que ainda está se iniciando no mundo, mas já demonstra uma desenvoltura sedutora.

Em Estudo de Mulher Balzac exerce seu máximo poder de síntese. O tema, que nem sequer original é, tendo sido frequente "nos melodramas e nos maus romances" da época,[2], pela pena de Balzac se torna um sutil estudo psicológico.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Esta narrativa muito curta retrata com sutileza uma mulher irrepreensível, a marquesa de Listomère, que jamais deixaria que um galante lhe fizesse a corte, por menor que fosse. Mas o muito jovem e muito belo Eugène de Rastignac (Eugênio na edição brasileira organizada por Paulo Rónai), que tem o rosto de um anjo, atrai sua atenção sem buscar seduzi-la. No dia seguinte, Rastignac envia duas cartas, uma a seu advogado, a outra à sua amante, Delphine de Nucingen. Por descuido, ele troca o endereço e é a marquesa de Listomère quem recebe uma carta ardente de amor de quatro páginas. Aparentemente chocada, mas em verdade radiante, a marquesa faz com que Rastignac seja retido à sua porta, impedindo-lhe a entrada em sua mansão. Só então Eugène se dá conta de seu erro e restabelece a verdade junto à marquesa, que, decepcionada com o esclarecimento do fato, se cala e finge uma gastrite.

O narrador da história é Horace Bianchon, o famoso médico da Comédia, o que permite a Balzac testemunhar as coisas do mundo entrando na pele de um de seus personagens. É igualmente Bianchon com Henri de Marsay, Rastignac e Frédéric de Nucingen que se alternarão nas narrativas de Autre étude de femme (sendo reservado a Bianchon o empolgante episódio de La Grande Bretèche).

Referências

  1. Honoré de Balzac. A comédia humana. Org. Paulo Rónai. Porto Alegre: Editora Globo, 1954. Volume II
  2. Paulo Rónai, Introdução a Estudo de Mulher, op.cit.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]