Jairo do Nascimento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Jairo
Jairo
Em 4 de fevereiro de 2018, dia em que foi homenageado
pela diretoria do Coritiba, no Estádio Couto Pereira.
Informações pessoais
Nome completo Jairo do Nascimento
Data de nasc. 23 de outubro de 1946
Local de nasc. Joinville,
Nacionalidade brasileiro
Falecido em 6 de fevereiro de 2019 (72 anos)
Altura 1,89
Apelido Pantera Negra
Informações profissionais
Posição Goleiro
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1965-1968
1969-1971
1972-1976
1977-1980
1981
1982-1987
1988
1987-1988
1989
Caxias de Joinville
Fluminense
Coritiba
Corinthians
Náutico
Coritiba
América Mineiro
Atletico Três Corações
Trespontano
?
17
440
189 00(144)
Seleção nacional
1976 Brasil Brasil 1

Jairo do Nascimento, conhecido como Pantera Negra (Joinville, 23 de outubro de 1946 - Curitiba, 6 de fevereiro de 2019), foi um futebolista brasileiro.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Foi o terceiro goleiro do Fluminense na conquista do Campeonato Brasileiro de 1970 e durante os anos de 1969 a 1971, como reserva de Félix e Jorge Vitório. Pelo Fluminense disputou 17 jogos, com 8 vitórias, 7 empates e 2 derrotas, sofrendo 12 gols, média de 0,71 por partida, e por falta de mais oportunidades no Flu, seguiu a sua carreira no Coritiba no segundo semestre de 1971, fazendo a sua última partida pelo Fluminense em 10 de julho, no empate por 3 a 3 contra o Bangu.[1]

O goleiro notabilizou-se por ser o atleta que mais defendeu as cores do Coritiba na história, com 440 partidas,[2] a partir de 1972, indicado ao Coritiba por Almir de Almeida, então supervisor do Fluminense.[3] No Coritiba, também, Jairo tornou-se o recordista do clube em tempo sem sofrer gols - 933 minutos, em 1973.

Quando goleiro do "Coxa", foi convocado algumas vezes para defender a Seleção Brasileira, mas foi titular em apenas uma ocasião: no jogo de volta da Copa Rio Branco 1976, vencida pelo Brasil.[4] Na ocasião, Jairo se tornou o primeiro goleiro negro titular da Seleção Brasileira desde Veludo, seu ídolo de infância, duas décadas antes.[5]

Seu último jogo pelo Coritiba ocorreu no dia 31 de maio de 1987.[6]

Também jogou com destaque pelo Corinthians, onde fez parte do elenco que conquistou o título paulista após 23 anos de jejum, alcançando o segundo título estadual em 1979.[7] Foi pelo Corinthians que obteve o recorde de invencibilidade de um goleiro no Campeonato Brasileiro: 1.132 minutos, equivalentes a pouco mais de 12 jogos, na edição de 1978.

Após sair do Corinthians, ainda jogou em clubes que estão entre os que mais conquistaram títulos estaduais em seus estados, como América Mineiro e Náutico, antes de encerrar a carreira em clubes do interior de Minas Gerais.[7]

Morte[editar | editar código-fonte]

Seus últimos meses de vida foram na luta contra um câncer nos rins. Em virtude desta doença, em janeiro de 2019 foi internado no Hospital Erasto Gaertner, na capital paranaense. Foi neste hospital, que morreu na manhã do dia 6 de fevereiro de 2019.[8][9]

Principais títulos[editar | editar código-fonte]

Pelo Fluminense
Pelo Coritiba
Pelo Corínthians

Referências