Leonardo Coimbra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Leonardo Coimbra
Nome completo Leonardo José Coimbra
Nascimento 30 de dezembro de 1883
Borba de Godim, Lixa
Morte 2 de janeiro de 1936 (52 anos)
Porto
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Ocupação Filósofo e professor

Leonardo José Coimbra (Borba de Godim, Lixa, 30 de Dezembro de 1883Porto, 2 de Janeiro de 1936) foi um filósofo, professor e político português. Enquanto Ministro da Instrução Pública de um dos governos de Primeira República Portuguesa, lançou as Universidades Populares e a Faculdade de Letras do Porto. Como pensador fundou o movimento Renascença Portuguesa, e evoluiu do criacionismo para um intelectualismo essencialista e idealista, reconhecendo a necessidade de reintegrar o saber das "mais altas disciplinas espirituais", como a metafísica e a religião.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aos 14 anos Leonardo Coimbra deixou o Colégio de Nossa Senhora do Carmo, em Penafiel, para se matricular na Escola Naval de Coimbra em 1898. Em 1905 iniciou, na Academia Politécnica do Porto o curso superior de Letras que concluiu em Lisboa quatro anos depois, com média elevada.

Em 1907 fundou e dirigiu, com Jaime Cortesão, Cláudio Basto e Álvaro Pinto, a Nova Silva [1] (1907) (de orientação anarquista), e no ano seguinte fundou a Sociedade dos Amigos do ABC de inspiração huguesca, para combater o analfabetismo. Constitui depois com Jaime Cortesão, Rodrigo Solano, Gil Ferreira e Correia de Sousa, o grupo político-literário "Nova Seara", e fundou em 1912 a Renascença Portuguesa, com as suas "Universidades Populares", tendo por órgão a revista A Águia. Em 1913 apresentou a sua tese "Criacionismo" ao concurso de assistente de Filosofia, e no ano seguinte iniciou a sua carreira de político, filiando-se no Partido Republicano Português. Em 1915 leccionou no liceu Gil Vicente, em Lisboa. Ainda no universo das publicações periódicas, colaborou com a Serões [2] (1901-1911) Atlantida[3] (1915-1920), e Contemporânea[4] ([1915]-1926.

Foi duas vezes ministro de Instrução Pública (1919 e 1923), criou as Escolas Primárias Superiores, reformou a Biblioteca Nacional, fundou a Faculdade de Letras da Universidade do Porto -- onde foi director e professor --, defendeu, apesar de toda a polémica gerada, a liberdade do ensino religioso nas escolas particulares fiscalizadas pelo Estado.

Foi um dos maiores impulsionadores do Espiritismo em Portugal, tendo feito parte da mesa do I Congresso Espírita Português, realizado em Lisboa, nos dias 15, 16, 17 e 18 de Maio de 1925.

Incompatibilizando-se com a facção tradicional do seu partido que acabou por abandonar, devido à sua defesa do ensino religioso particular, ingressou na Esquerda Democrática.

Converteu-se ao Catolicismo em 1935, vindo a falecer, pouco depois, num acidente de automóvel.

Obras Literárias[editar | editar código-fonte]

  • Camões e a Fisionomia Espiritual da Pátria (eBook)
  • A Alegria, a Dor e a Graça

Referências

  1. Álvaro de Matos (21 de Dezembro de 2011). «Ficha histórica: Nova silva : revista ilustrada» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 03 de Dezembro de 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. Rita Correia (24 de Abril de 2012). «Ficha histórica: Serões, Revista Mensal Ilustrada (1901-1911).» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 23 de Setembro de 2014 
  3. Rita Correia (19 de Fevereiro de 2008). «Ficha histórica: Atlantida: mensário artístico, literário e social para Portugal e Brasil» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 17 de Junho de 2014 
  4. Contemporânea (1915-1926) cópia digital, Hemeroteca Digital


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Leonardo Coimbra, Obras de Leonardo Coimbra, ed. Lello e Irmão, 2 volumes, Porto, 1983 (Vol. I: Criacionismo - Esboço de um Sistema Filosófico; Criacionismo - Síntese Filosófica; A Alegria, a Dor e a Graça; Do Amor e da Morte; A Questão Universitária; A Rússia de Hoje e o Homem de Sempre. Vol. II: Pensamento Criacionista; A Morte; Luta pela Imortalidade; O Pensamento Filosófico de Antero; Problema da Indução; A Razão Experimental; Notas sobre a abstracção científica e o silogismo; Jesus; S. Francisco de Assis; Problema da Educação Nacional; S. Paulo de Teixeira de Pascoaes, O Homem às Mãos com o Destino).
  • Leonardo Coimbra, Dispersos I - Poesia Portuguesa, Lisboa, 1984.
  • Leonardo Coimbra, Dispersos II - Filosofia e Ciência, Lisboa, 1987.
  • Leonardo Coimbra, Dispersos III - Filosofia e Metafísica, Lisboa, 1988.
  • Alfredo Ribeiro dos Santos, Perfil de Leonardo Coimbra, Lisboa, 1998.
  • Álvaro Ribeiro, Leonardo Coimbra. Apontamentos de Biografia e Bibliografia, Lisboa, 1945.
  • Álvaro Ribeiro, Memórias de um Letrado, Lisboa, 1977.
  • Ângelo Alves, O Sistema Filosófico de Leonardo Coimbra. Idealismo Criacionista, Porto, 1962.
  • António de Magalhães, "A perenidade do pensamento filosófico de Leonardo Coimbra" in Revista Portuguesa de Filosofia, n.º 12, 1956.
  • Delfim Santos, "Actualidade e valor do pensamento filosófico de Leonardo Coimbra", in Obra Completa, vol. II, Lisboa, 1973, p. 225-237.
  • Eduardo Abranches de Soveral, "Análise de «O Criacionismo» de Leonardo Coimbra", Lisboa, 1989.
  • Eduardo Abranches de Soveral, "Sobre o criacionismo - a propósito de Leonardo Coimbra", 1997.
  • Eduardo Abranches de Soveral, "O pensamento dialéctico de Leonardo Coimbra - reflexão sobre o seu valor antropológico", 1997.
  • José Marinho, O Pensamento Filosófico de Leonardo Coimbra, Porto, 1945.
  • José Marinho, "Leonardo Coimbra e o magistério do Amor e da Liberdade" in Verdade, Condição e Destino no Pensamento Português Contemporâneo, Porto, 1976.
  • Manuel Cândido Pimentel, Filosofia Criacionista da Morte: meditação sobre o problema da morte no pensamento filosófico de Leonardo Coimbra, Ponta Delgada, 1994.
  • Manuel Cândido Pimentel, A Ontologia Integral de Leonardo Coimbra, Lisboa, 2003.
  • Manuel Ferreira Patrício, A Pedagogia de Leonardo Coimbra - Ensaio sobre a intuição do ser e a visão enigmática, Porto, 1992.
  • Miguei Spinelli, A Filosofia de Leonardo Coimbra, Braga, 1981.
  • Manuel Freitas, O Pensamento criacionista de Leonardo Coimbra, Braga, 1957.
  • Manuel Freitas, "Aspectos do Saudosismo em Leonardo Coimbra", in Itinerarium, 4, 1958.
  • Sant'Anna Dionísio, Valor da Ciência para Leonardo Coimbra, Porto, 1956.
  • Sant'Anna Dionísio, Leonardo Coimbra. Contribuição para o conhecimento da sua personalidade e seus problemas, Porto, 1983.
  • Sant'Anna Dionísio, Leonardo Coimbra, O Filósofo e o Tribuno, Lisboa, 1985.
  • Vários autores, Leonardo Coimbra Filósofo do Real e do Ideal. Colectânea de Estudos, Lisboa, 1985.
  • Vários autores, "Filosofia e Ciência na Obra de Leonardo Coimbra", in Actas do Simpósio realizado no Centro Regional do Porto da Universidade Católica Portuguesa, Porto, 1992.