Mendigo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Mendigo (desambiguação).
Mendigos procurando comida no lixo

Mendigo, mendicante, pedinte, indigente, esmoleiro, esmoler,[1] morador de rua, sem-teto ou sem-abrigo é o indivíduo que vive em extrema carência material, não conseguindo obter as condições mínimas de salubridade e conforto com meios próprios. Tal situação de indigência material força o indivíduo a viver na rua, perambulando de um local para o outro.

O estado de indigência ou mendicância é um dos mais graves dentre as diversas gradações da pobreza material. Muitas das situações de indigência estão associadas a problemas relacionados com toxicodependência, alcoolismo, ou patologias do foro psiquiátrico. Os mendigos obtêm normalmente os seus rendimentos através de subsídios de sobrevivência estatais ou através da prática da mendicância à porta de igrejas, em semáforos ou em locais bastante movimentados como os centros das grandes metrópoles.

A grande carência material na qual essas pessoas vivem pode levá-las à morte em algumas situações, como em ondas de frio.[2]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Mendigo" provém do latim mendicu. "Mendigo" provém do latim mendicante.[3] "Pedinte" provém do latim petiente, através de petinte.[4]

Países lusófonos[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

Morador de rua

No Brasil, numa tentativa de abordar de forma mais politicamente correta a questão dos que vivem em carência material absoluta, criaram-se as expressões "pessoas em situação de rua" e "sem-teto" para denominar este grupo social. Segundo a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), em 2003 havia cerca de 10 700 moradores de rua na cidade de São Paulo[5] Até 2009, a mendicância era considerada uma contravenção penal no Brasil: nesse ano, este artigo da Lei de Contravenções Penais foi revogado pela Lei 11 983, de 2009.[2]

No Brasil, existem muitos casos de "falsos mendigos", uma vez que parte da população possui moradia, porém apenas dorme na rua, devido à impossibilidade de pagar por transporte público diário para retornar ao seu lar devido a seus parcos rendimentos. Também existem diversos casos de "mendigos profissionais", pessoas que escolheram a mendicância como forma de vida, por acharem mais fácil e lucrativo mendigar do que exercer um emprego normal. [6]

Portugal[editar | editar código-fonte]

Indigente junto à Gare do Oriente, em Lisboa

Em Portugal, foi criada a expressão "sem-abrigo" para designar os membros pertencentes ao grupo social que integra as pessoas que vivem em carência material absoluta. Em Portugal, existe uma série de instituições e meios que visam a sanar ou diminuir a indigência ou a mendicância, tais como o Banco Alimentar contra a Fome, a Mitra de Lisboa, diversas instituições de solidariedade social, ou o próprio Estado social, através do Rendimento Social de Inserção da Segurança Social.

Segundo um levantamento feito em dezembro de 2013 em Portugal, existem cerca de 2 200 sem-abrigo, cuja grande maioria são homens com baixas qualificações académicas. Destes, cerca de 90% está concentrada em Lisboa e no Porto. Metade dos sem-abrigo em Portugal têm problemas relacionados com toxicodependência ou álcool e 1/4 tem problemas de saúde.[7][8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 118, 697.
  2. Pinhoni, Marina (21 de maio de 2018). «Dois moradores de rua morrem em SP na madrugada mais fria do ano». G1 
  3. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 118.
  4. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 292.
  5. .[1]
  6. Ministério Público denuncia "mendigos profissionais" em Uberlândia
  7. http://www.publico.pt/sociedade/noticia/cerca-de-5-dos-semabrigo-de-lisboa-tem-um-curso-superior-1623375
  8. http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Vida/Interior.aspx?content_id=1722937

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ARAÚJO, Maria Neyara de Oliveira - Miséria e os dias (História social da mendicância no Ceará) São Paulo, 1996
  • CHIAVERINI, Tomás - Cama de Cimento - Uma Reportagem sobre o Povo das Ruas. Rio de Janeiro: Ediouro, 2007
  • FRAGA FILHO, Walter - Mendigos, moleques e vadios na Bahia do século XIX. São Paulo/Salvador: Hucitec/Edufba, 1996
  • MARTINS, Silva Helena Zanirato - Artífices do ócio: mendigos e vadios em São Paulo. Assis: S.N., 1996
  • STOFFELS, Marie-Ghislaine - Os mendigos na cidade de São Paulo: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mendigo
Ícone de esboço Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.