Museu da Cidade (Lisboa)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Museu da Cidade
Inauguração 15 de julho de 1909 (106 anos)
Diretor Joana Sousa Monteiro
Website www.museudelisboa.pt
Geografia
País  Portugal
Cidade Lisboa
Localidade Palácio Pimenta, Campo Grande

O Museu da Cidade localiza-se no Campo Grande, na cidade e Distrito de Lisboa, em Portugal. Encontra-se instalado nas dependências e jardins do Palácio Pimenta.

O Museu da Cidade é um dos cinco núcleos que constituem o novo Museu de Lisboa (a par com o Museu de Santo António, o Teatro Romano, a Casa dos Bicos e o Torreão Poente do Terreiro do Paço).[1]

História[editar | editar código-fonte]

O palácio foi erguido por iniciativa do rei João V de Portugal, em meados do século XVIII, para a sua amante Madre Paula, uma freira do Mosteiro de São Dinis, em Odivelas.

O Museu da Cidade foi criado a 15 de Julho de 1909, data da aprovação da proposta do vereador republicano Tomás Cabreira. Inicialmente instalado nos Paços do Concelho, passou pelo Carmo e pelos palácios Galveia e Mitra até que, em 1979, foi finalmente instalado no Palácio Pimenta, no Campo Grande.

Espólio[editar | editar código-fonte]

Terreiro do Paço em 1662, por Dirk Stoop

O seu espólio apresenta em exposição permanente a história da cidade de Lisboa, desde os tempos pré-históricos, passando pelos Romanos, os Visigodos e os Mouros, até aos nossos dias. Conta com azulejos, desenhos, pinturas, maquetas e documentos históricos.

Entre as peças destacam-se pinturas que representam a cidade antes do terramoto de 1755, uma óleo do século XVII de Dirk Stoop que representa o Terreiro do Paço. O tema do terramoto é representado por pinturas da cidade devastada e vários planos da reconstrução. Há também um grande cartaz colorido celebrando a Revolução de 1910 e a proclamação da República, e uma maqueta detalhada da cidade na década de 1950.

Algumas das antigas dependências do palácio também podem ser visitadas, incluindo a cozinha, decorada com painéis de azulejos azuis e brancos que representam peixes, flores e animais de caça.

Uma das salas é dedicada ao Aqueduto das Águas Livres, com detalhes dos planos arquitectónicos para a sua construção e gravuras e aguarelas da construção terminada.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  1. http://www.cm-lisboa.pt/noticias/detalhe/article/abriu-o-novo-museu-de-lisboa