Museu de Paleontologia de Santana do Cariri

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Museu de Paleontologia

O Museu de Paleontologia Santana do Cariri situado na cidade de mesmo nome,[1] foi criado em 18 de abril de 1985, pelo professor Plácido Cidade Nuvens, então prefeito do município, e inaugurado no dia 26 de julho de 1988, e no mesmo ato, doado por contrato de comodato a URCA, que desde então passou a administrá-lo, se tornando referência para pesquisadores de todo o mundo, no setor da paleontologia, sedimentologia e estratigrafia.

Com um acervo de mais de 3000 peças, o museu expõe fósseis do período cretáceo, cerca de 110 milhões de anos atrás,[1] narrando a vida pré-histórica da região do Cariri. Possui fósseis de dinossauros, pterossauros, lagartos, peixes, tartarugas, rãs, mosquitos, libélulas, aranhas, borboletas, escorpiões, plantas e troncos silicificados. A fossilização se deu pelas mudanças climáticas e geológicas ocorridas na terra ao longo de eras e períodos, deixando o solo com alto teor de salinidade e o ar com pouca presença de oxigênio.

Fósseis de Peixes

Numa das escavações, os pesquisadores encontraram fósseis de ossos e tecidos moles do Santanaraptor placidus, nome científico dado ao jovem dinossauro de cerca de 110 milhões de anos e que media 1,6m de comprimento por 80cm de altura. Apesar de pequeno era um predador ágil e veloz.

O museu também dispõe de biblioteca com inúmeros exemplares nas mais diversas áreas do conhecimento, dispões ainda de centro de pesquisa e laboratório para estudo e investigação científica.

O Museu de Paleontologia da Universidade Regional do Cariri (URCA) de Santana do Cariri foi fundado em 1985 pela prefeitura municipal de Santana do Cariri.

A visitação do museu já ultrapassou as mais de 300.000 pessoas, tendo média de visitação mensal estimada em 2.500 visitantes que ao chegarem ao museu, são recepcionados pelo grupo de monitores que tem entre 13 e 17 anos que são selecionados nas escolas da cidade e que transmitem aos visitantes o conhecimento adquirido sobre a paleontologia da região.

Referências

  1. a b «Museu de Paleontologia de Santana do Cariri». viajeaqui.abril. Consultado em 3 de agosto de 2013