O Jeca e a Égua Milagrosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Jeca e a Égua Milagrosa
 Brasil
1980 •  cor •  102 min 
Direção Pio Zamuner
Roteiro Kleber Afonso
Amácio Mazzaropi[1]
Elenco Amácio Mazzaropi
Paulo Pinheiro
Turíbio Ruiz
Geny Prado
Gênero comédia
Cinematografia Pio Zamuner
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

O Jeca e a égua milagrosa é um filme de comédia brasileiro de 1980, dirigido por Pio Zamuner. Foi o último filme de Amácio Mazzaropi, considerando-se que Maria Tomba Homem, planejado para ter a produção no mesmo ano, não foi iniciado devido ao câncer que o matou em 1981.[2] Na realidade, a "Égua Milagrosa" era o cavalo Silver, de propriedade do comediante. O Centro de Umbanda Pai Ferreira de Aruanda recebeu donativos para a sua construção, em troca de cenas gravadas. A obra faz uma crítica à maneira tradicional de se fazer eleições, com o fim da ditadura militar.[3]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Dois fazendeiros, Libório e Afonso, disputam votos para vencer a eleição para a prefeitura de uma pequena cidadezinha do interior. Os dois têm terreiros de umbanda e candomblé, utilizando os espaços para arregimentar frequentadores e votos. O simplório Raimundo, personagem de Mazzaropi, é amigo do coronel Afonso. O rival de Afonso, Libório, tem uma égua, à qual as pessoas atribuem poderes milagrosos de cura, que indispõem os dois fazendeiros. Raimundo gosta da égua, mas sua amizade com o coronel Afonso o afasta de Libório. Raimundo se envolve em confusões enquanto as eleições se aproximam e acaba sendo obrigado a se casar com a égua. Para piorar, o espírito da falecida mulher de Raimundo volta do além para atormentá-lo.[4][5]

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Amácio Mazzaropi - Raimundo
  • Paulo Pinheiro - Coronel Afonso
  • Turíbio Ruiz - Coronel Libório
  • Geny Prado - Falecida
  • Gilda Valença - Mulher de Libório
  • Márcia Deffonso - filha do Coronel Libório
  • Augusto César Ribeiro
  • Pirolito
  • Roberval de Paula
  • Francisco Tadeu Alves
  • André Luiz de Toledo
  • Wilson Damas
  • José Velloni
  • Guiomar Pimenta
  • José Minelli Filho
  • Carlos Aníbal (Júlio César)
  • Élcio Rosa
  • Francos Alves Monteiro
  • Luiz Ricardo Monteiro

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Cinema Clássico. «O Jeca e a égua milagrosa». Consultado em 24 de junho de 2011 
  2. O Estado de S. Paulo (14 de junho de 1981). «Aos 69 anos, morre Mazzaropi, o maior sucesso do cinema nacional». Museu Mazzaropi. Consultado em 24 de junho de 2011 
  3. «FILMOGRAFIA - O JECA E A ÉGUA MILAGROSA». bases.cinemateca.gov.br. Consultado em 30 de janeiro de 2020 
  4. Araken Campos Pereira Júnior, Cinema Brasileiro (1908-1978). «O Jeca e a égua milagrosa». Museu Mazzaropi. Consultado em 24 de junho de 2011 
  5. O Jeca e a Égua Milagrosa | Cine Mazzaropi | TV Brasil | Cultura, 22 de janeiro de 2014, consultado em 30 de janeiro de 2020 
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.