Orfeão Universitário do Porto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Orfeão Universitário do Porto
(OUP)
Fundação 6 de Março de 1912
Tipo Associação de estudantes
Sede Porto
Membros 200
Presidente André Lello
Sítio oficial http://www.oup.up.pt

O Orfeão Universitário do Porto (OUP) ComM ComIP é uma Instituição de Utilidade Pública constituída apenas por alunos da Universidade do Porto com fins culturais, beneméritos e académicos. Originalmente fundado em 6 de Março de 1912, sob a designação de Orfeão Académico do Porto, é das poucas associações a reunir estudantes de todas as Faculdades da Universidade do Porto. Conheceu reorganizações em 1937 e em 1942, datando deste último ano a designação que perdura.

Entre outras músicas, tem no seu repertório de originais aquele que é considerado por muitos como o hino dos estudantes em Portugal, a música "Amores de Estudante", de 1937, de Paulo Pombo e Aureliano da Fonseca (antigos orfeonistas). Durante longos anos, foi seu hino a Proposição d'"Os Lusíadas", de Hermínio Nascimento. O OUP foi o primeiro grupo coral universitário a incluir naipes do sexo feminino nos anos 40 do séc. XX e, devido a esse facto, acabou por estandardizar a versão feminina do traje académico português. Em 1987 o OUP cria o primeiro festival de tunas de Portugal - Festival Internacional de Tunas Universitárias - "Cidade do Porto" - e em 1988 vê nascer no seu seio a primeira tuna académica feminina do país: a Tuna Feminina do OUP.

História[editar | editar código-fonte]

O Orfeão Académico do Porto foi fundado em 6 de março de 1912, nas Comemorações do primeiro aniversário da Universidade do Porto, por um grupo de estudantes entusiastas, conscientes da necessidade de completar a ação formativa que devia ter a sua universidade. Torna-se assim o primeiro organismo de cariz extracurricular da Universidade do Porto a reunir estudantes de todas as Faculdades.

A Direção Artística foi atribuída a Fernando Moutinho, sucedendo-lhe posteriormente por ordem cronológica, Futuro Barroso, Clemente Ramos, João Antunes e novamente Futuro Barroso. As circunstâncias sóciopolíticas da época, muito adversas, conduziram a frequentes hiatos na sua atividade.

Nas Comemorações do Centenário da Academia Politécnica e da Escola Médico-Cirúrgica do Porto, em março de 1937, o Maestro Afonso Valentim assume o cargo de regente do então chamado Orfeão Académico da Universidade do Porto que, depois de reformulado, foi o primeiro grupo coral universitário a apresentar naipes femininos.

O Orphéon Académico de 1912

Apesar da sua existência atribulada, a ideia de um ORFEÃO ACADÉMICO persistiu e em 1942, reorganizado, ressurge em novos moldes com o nome de Orfeão Universitário do Porto. É por esta altura, 1945, que pela pela primeira vez as universitárias passam a envergar o ainda atual traje académico, posteriormente adotado noutras universidades.

É também ao longo da década de 40 que o Orfeão passa a incluir regularmente nos seus espetáculos a Tuna Universitária do Porto, o fado académico, a orquestra de tangos, entreatos e rábulas humorísticas. Surgem também Grupos de Bailados e Cantares Regionais, passando o Orfeão a dedicar o maior interesse à divulgação do folclore nacional, através de recolhas etnográficas junto das diversas regiões do nosso país, procurando melhorar e aprofundar o reportório e a qualidade de cada grupo, dispondo hoje em dia de um valioso espólio de trajes regionais.

O Maestro Afonso Valentim manteve-se como regente até 1967, sucedendo-lhe os Maestros Gunther Argled (1967/1969), Fernando Jorge Azevedo (1969/1973) e Mário Mateus (1973/2006), sendo o Maestro António Sérgio Ferreira o atual regente.

Regentes Artísticos[editar | editar código-fonte]

No período até 1937 foram seus Regentes Artísticos Fernando Moutinho, Futuro Barroso, Pe. Clemente Ramos, João Antunes e novamente Futuro Barroso (já engenheiro). Posteriormente, assumiram a regência o Maestro Afonso Valentim (em 1937 e de 1942 a 1967), o Maestro Gunther Arglebe (de 1967 a 1969), o Prof. Fernando Jorge Azevedo (de 1969 a 1973), o Prof. Mário Mateus (de 1973 a 2005) e o Maestro António Sérgio Ferreira (a partir de Janeiro de 2006).

Grupos[editar | editar código-fonte]

O OUP é actualmente constituído pelos grupos:

Entre os grupos já desactivados contam-se a Orquestra de Tangos, o Grupo Cénico, Orquestra de Câmara, o grupo de Mornas e Coladeras, de Canções Napolitanas, de Cantares Espirituais Negros, Madrigalistas, Música Popular Brasileira e Orquestra Ligeira. E muitos outros como, Orquestra Feminina, Dança Moderna, de Danças de Israel e até, o tradicional, Jogo do Pau .

Condecorações e Reconhecimentos[editar | editar código-fonte]

  • Medalha de Ouro de Mérito Artístico da Cidade do Porto - 1950
  • Comendador da Ordem de Instrução Pública - 1952
  • Sócio Honorário da Casa do Distrito do Porto de Luanda - 1956
  • Comendador da Ordem de Benemerência - 1960
  • Sócio Honorário do Orfeão Portugal do Rio de Janeiro - 1961
  • Medalha de Reconhecimento dos Bombeiros V. Portuenses
  • Ordem de Mérito Infante D. Henrique da Casa de Portugal de S. Paulo
  • Medalha de Gratidão da Casa do Porto no Rio de Janeiro
  • Sócio Honorário do Sport Club Português, Newark, EUA - 1968
  • Membro Benemérito da Portuguese American S. Foundation de Newark - 1968
  • Sócio Honorário da Tertullians de Newark - 1968
  • Sócio Honorário da Academia Musical de Angra do Heroísmo
  • Membro Benemérito da Associação Humanitária Bombeiros Voluntários Bragança
  • Sócio Honorário da Tuna Musical "A Vencedora de Vilar de Andorinho"
  • Medalha de Prata da Associação Humanitária Bombeiros Voluntários Ermesinde

Digressões[editar | editar código-fonte]

Verão[editar | editar código-fonte]

2016 - Açores

2015 - Espanha, França, Suíça, Luxemburgo

2005 - Brasil

2003 - Madeira

2002 - Grécia

2001 - Cabo-Verde

1998 - Brasil

1996 - Açores

1995 - Malásia, Tailândia, Macau

1994 - África do Sul, Angola, Cabo-Verde

1993 - Índia, China, Macau

1992 - Estados Unidos da América

1991 - Brasil

1989 - Açores

1988 - Inglaterra

1987 - Suiça, Alemanha, Polónia

1986 - Grécia

1985 - Suiça, Alemanha

1983 - Madeira

1982 - França

1981 - França

1980 - Grécia

1978 - Itália

1977 - Madeira

1976 - Açores

1973 - Venezuela

1971 - Angola

1970 - Açores

1969 - Moçambique, África do Sul, Angola

1968 - Estados Unidos da América

1967 - França

1965 - Brasil

1962 - Angola

1959 - Moçambique

1956 - Angola

1955 - Espanha

1953 - Espanha

1951 - Espanha

1949 - Madeira

1947 - Espanha

1928 - Espanha

1924 - Espanha

1922 - Espanha

1913 - Espanha

Páscoa[editar | editar código-fonte]

2017 - Viana do Castelo

2016 - Évora

2015 - Buarcos

2014 - Valença

2013 - Castelo Branco

2012 - Santa Marta de Penaguião

2011 - Tomar

2010 - Guimarães

2009 - Alentejo (Évora)

2008 - Nordeste Transmontano

2007 - Cantanhede

2006 - Vila Nova de Cerveira

2005 - Nelas

2004 - Alentejo (Beja)

2003 - Miranda do Douro (Sendim)

2002 - Celorico da Beira

2001 - Peniche

2000 - Seia

1999 - Fafe

1998 - Alto Alentejo

1997 - Vila Praia de Âncora

1996 - Vila Real

1995 - Alentejo e Algarve

1994 - Mirandela

1993 - Tortosendo

1992 - Lourinhã

1991 - Nazaré

1990 - Bragança

1989 - Moncorvo

1988 - Beja

1987 - Chamusca. Golegã

1986 - Figueira da Foz

1982 - Portalegre

1967 - França

1965 - Espanha

1962 - Espanha

Outras Deslocações[editar | editar código-fonte]

Outra importante marca da agenda anual do OUP são igualmente as deslocações parciais de grupos. Quer organizadas pelo OUP, quer por convite exterior, o OUP já teve grupos presentes em:

2017 - Espanha (Santiago de Compostela, Fado Académico)

2017 - Namíbia (Windhoek, TUP)

2016 - Marrocos (Agadir, Fado Académico)

2016 - Espanha (Murcia, TUP)

2015 - França (Confolens, Pauliteiras de Miranda)

2015 - Espanha (Valladolid, Fado Académico)

2013 - México (TUP)

2012 - Madeira (Funchal, Fado Académico)

2012 - Grécia (Lefkas, Danças)

2012 - Espanha (Murcia, TUP)

2012 - França (Bordéus, Fado Académico)

2011 - Espanha (Murcia, TUP)

2011 - Turquia (Istambul, Pauliteiros de Miranda)

2011 - Madeira (TUNAF)

2011 - Venezuela (TUP)

2011 - Espanha (Corunha, Fado Académico)

2010 - Venezuela (TUP)

2010 - Espanha (Granada, TUP)

2010 - Tunísia (Fado Académico)

2010 - França (Paris, Pauliteiros de Miranda)

2009 - Líbia (Fados de Lisboa)

2009 - Espanha (Boiro, Pauliteiros de Miranda e Maçadeiras)

2009 - Venezuela (TUP)

2009 - França (Condom, TUNAF)

2009 - Espanha (Granada, TUP)

2009 - Madeira (TUP)

2008 - Espanha (Almeria, TUP)

2008 - Alentejo (Grupo de Cante Alentejano)

2006 - Espanha (Murcia, TUP)

2005 - Espanha (Alcalá de Henares, TUP)

2004 - Argentina (TUP e Fado Académico)

2003 - Espanha (Murcia, TUP)

2003 - Alemanha (Wewelsburg, Pauliteiros de Miranda)

2002 - Espanha (Hinojosa, TUP)

2001 - Espanha (Murcia, TUP)

2001 - França e Suiça (TUP)

2000 - Espanha (Murcia, TUP)

2000 - Espanha (Las Palmas Gran Canaria, TUP)

1999 - Espanha (Jaen, TUP)

1998 - Argentina (Buenos A., S.S. de Jujuy. TUP e Fado Lisboa)

1998 - Espanha (Murcia, TUP)

1997 - Espanha (San Sebastian, TUP)

1997 - Espanha (Murcia, TUP)

1997 - Espanha (Almeria, TUP)

1996 - Espanha (Granada, TUP)

1995 - Espanha (Granada, TUP)

1995 - Espanha (Murcia, TUP e TUNAF)

1995 - Espanha (Santiago de Compostela, Pauliteiros)

1994 - Espanha (Murcia, TUP e TUNAF)

1994 - França (Rodez. Pauliteiros, Douro, Minho e Fado Acad.)

1994 - Holanda (Eindhoven, TUP)

1994 - Espanha (Burgos, TUP)

1993 - Espanha (Murcia, TUP e TUNAF)

1992 - Espanha (Vigo, TUP)

1992 - Madeira (TUP)

1992 - Espanha (Murcia, TUP)

1992 - Bélgica (Bruxelas, TUP e TUNAF)

1991 - França (Belfort, Fado Académico)

1991 - França (Condom-en-Armagnac, TUNAF)

1991 - Espanha (Murcia, TUP)

1990 - França (Belfort, Fado Académico)

1987 - Espanha (Burgos, TUP)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]