Patrícia Campos Mello

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Patrícia Campos Mello
Nascimento 6 de abril de 1975 (44 anos)
São Paulo
Cidadania Brasil
Alma mater Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo
Ocupação jornalista
Prêmios Troféu Mulher Imprensa

Patrícia Toledo de Campos Mello (São Paulo, 6 de abril de 1974) é uma jornalista brasileira de origem portuguesa. É repórter e colunista da Folha de S.Paulo; por sua atuação, recebeu em 2016 o Troféu Mulher Imprensa.[1] Em 2017, recebeu o Prêmio Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV). E em 2018, recebeu o Prêmio Internacional de Jornalismo Rei de Espanha e o V Prêmio Petrobras de Jornalismo. É comentarista da Band e Band News.[2] Foi enviada especial em áreas de conflito, como a Síria e a Serra Leoa.[3]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Tem formação em Jornalismo pela USP e mestrado em Business and Economic Reporting pela Universidade de Nova York, com bolsa de estudos. É autora de Lua de Mel em Kobane, livro publicado pela Companhia das Letras e Índia - da miséria à potência pela Editora Planeta.[2] Foi a única repórter brasileira que, em 2014 e 2015, cobriu a epidemia de ebola em Serra Leoa.[2]

De 2006 a 2010, foi correspondente em Washington pelo Estado de S. Paulo. Cobriu a crise econômica americana, a guerra do Afeganistão, as eleições de 2008, 2012, 2016. Na Casa Branca, entrevistou o presidente George W Bush. Cobriu os atentados de 11 de setembro de 2001. Também foi repórter do jornal Valor Econômico e correspondente na Alemanha pela Gazeta Mercantil, em 1999. É falante fluente de alemão, espanhol e inglês. Tem um filho de 5 anos, Manuel.[2]

A jornalista ganhou destaque no contexto da eleição presidencial no Brasil em 2018 ao assinar uma reportagem sobre supostos crimes eleitorais na campanha do candidato Jair Bolsonaro.[4] Ela publicou que havia financiamentos ilegais à campanha de Bolsonaro em redes sociais realizados por empresários partidários. Por sua reportagem, foi alvo de perseguições e ataques de ódio. [5] Foi citada na escolha de Pessoa do Ano da revista Time como jornalista vítima de perseguição.[6][7] A reportagem também sofreu críticas por não apresentar evidências do financiamento ilegal.[carece de fontes?] Posteriormente, em resposta a um questionamento do Tribunal Superior Eleitoral, comunicados das principais redes sociais alegaram que a campanha de Bolsonaro não comprou impulsionamento de conteúdo.[8][9] No entanto, essas mesmas redes sociais se negaram a fornecer informações quanto ao financiamento de impulsionamento de conteúdo por parte de empresários e empresas ligadas a Bolsonaro, objeto da matéria realizada por Mello. [10]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Repórter especial da Folha vence Troféu Mulher Imprensa». Folha de S.Paulo. 23 de Março de 2016. Consultado em 20 de Outubro de 2018 
  2. a b c d «Agencia Riff - Autor - Patrícia Campos Mello». www.agenciariff.com.br. Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  3. «Conheça Patrícia: Uma Mulher Empresária Inspiradora | Facebook #ElaFazHistória». Facebook She Means Business: Celebrating Women Entrepreneurs. Consultado em 20 de outubro de 2018 
  4. «Empresários bancam campanha contra o PT pelo WhatsApp». Folha de S.Paulo. 18 de outubro de 2018 
  5. Braziliense, Correio (19 de outubro de 2018). «Após reportagem, jornalista da Folha é atacada e colegas saem em sua defesa». Correio Braziliense. Consultado em 20 de Outubro de 2018 
  6. «Escolha da Time para Pessoa do Ano cita repórter da Folha». Folha de S.Paulo. 11 de dezembro de 2018. Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  7. Vick, Karl. «TIME Person of the Year 2018: The Guardians». Time (em inglês). Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  8. Pontes, Felipe (12 de novembro de 2018). «Facebook e Twitter dizem que Bolsonaro não pagou por impulsionamento». Agência Brasil. Consultado em 2 de dezembro de 2018 
  9. Richter, André (13 de novembro de 2018). «WhatsApp diz ao TSE que não foi contratado por campanha de Bolsonaro». Agência Brasil. Consultado em 2 de dezembro de 2018 
  10. Alves, Cintia (13 de novembro de 2018). «Gigantes da internet não fornecem dados sobre caixa 2 de Bolsonaro». Jornal GGN 
  11. «Vencedora do Prêmio CICV: É uma iniciativa que reconhece o trabalho de mostrar pessoas por trás dos conflitos». Comitê Internacional da Cruz Vermelha. 26 de outubro de 2017. Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  12. «Equipe da "Folha de S.Paulo" se coloca na pele do outro para derrubar muros». www.efe.com. Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  13. «Prêmio Petrobras de Jornalismo - V Prêmio Petrobras de Jornalismo». www.premiopetrobras.com.br. Consultado em 24 de dezembro de 2018 
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.