Plínio Pitaluga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2016). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Plínio Pitaluga (Cuiabá-MT, 13 de janeiro de 1910 - Rio de Janeiro-RJ, 17 de dezembro de 2002) foi um general e pracinha brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do Major Octávio Pitaluga e Maria Nina Moreira Pitaluga, casou-se com Maria Terezinha Vaz Pitaluga. Iniciou a carreira militar ingressando na Escola Militar de Realengo em 1928. Foi declarado Aspirante a Oficial da Cavalaria em 1934 atingiu o generalato em agosto de 1968. Todas as promoções, a partir do posto de Major, foram por merecimento.

Integrante da Força Expedicionária Brasileira, onde comandou o 1º Esquadrão de Reconhecimento Mecanizado (1944). A 1ª Divisão de Infantaria Expedicionária teve no Esquadrão de Reconhecimento uma unidade à altura das responsabilidades nesta campanha da Itália, em que participaram vitoriosamente as Armas Brasileiras. Unidade de escolta, atuou com galhardia nas operações divisionárias desenvolvidas nos Apeninos, do Reno, ao Panaro e, depois, no vale do Pó, cujo rio atravessou em cumprimento de missão, finalizando a Campanha no sopé das Cordilheiras Alpinas, em ligação com as forças francesas que operavam a noroeste da importante cidade de Turim.

O General Pitaluga era detentor de muitas medalhas e condecorações nacionais e estrangeiras: Cruz de Combate da 1ª Classe, Medalha de Campanha e de Guerra, Ordem do Mérito Tamandaré, Ordem do Mérito Santos Dumont, Medalha do Mérito Humanitário de 1ª Classe, Medalha do Tempo de Serviço Militar de Ouro, Ordem do Mérito Militar - Itália, Ordem do Mérito Militar - Argentina, Cruz de Combate com Palma - França, Medalha de Valor Militar - Itália e Medalha de Bronze - Estados Unidos.

Desempenhou o cargo de Adido Militar na Argentina, entre 1967 e 1969. Depois, entre 1969 e 1972, comandou a 4ª Divisão de Cavalaria, quando passou para a reserva.

Eleito, desde 1972, Presidente do Conselho Nacional da Associação dos Ex-Combatentes do Brasil, defendeu os interesses dos ex-integrantes da F.E.B. Integrou a Comitiva Presidencial por ocasião das Comemorações do 50º Aniversário do término da 2ª Guerra Mundial, realizada em Londres.

Em sua homenagem, o 15º Regimento de Cavalaria Mecanizado (Escola), comandado por ele entre 1964 e 1966, possui a denominação histórica de "Regimento General Pitaluga". Os formandos da Escola de Sargentos das Armas de 2005 e os da Escola Preparatória de Cadetes do Exército de 2011 o homenagearam intitulado seu nome: Turma General Plínio Pitaluga.

Em Valença/RJ foi criado o Museu Capitão Pitaluga, homenagem realizada quando ainda era presidente do Conselho Nacional, tendo sido inaugurado em 13 de novembro de 2002, durante a XXIXª Convenção Nacional do Conselho Nacional da Associação dos Ex-Combatentes do Brasil, sediado em Valença-RJ. Sua criação foi resultados dos esforços em conjunto da Associação dos Ex-Combatentes do Brasil - Seção Valença e o 1º Esquadrão de Cavalaria Leve, na época comandado pelo Major Douglas, e principalmente pelos esforços pessoais do então Sgt Brandão, Cb Brandão (militares da unidade citada) e da Senhorita Elen Cristiane Guida Vasconcellos(historiadora da AECB-SV).

Faleceu no Rio de Janeiro-RJ em 17/12/2002 aos 92 anos de idade (e próximo de completar 93 anos em 13/01/2003).

Museu Capitão Pitaluga[editar | editar código-fonte]

Instalado nas dependências do prédio conhecido como “Castelinho” que no início de sua história fazia parte da Vila Leonor, antiga chácara Dr Marciano de Mello, construída em meados de 1910 e que mais tarde após a instalação do Esqd em Valença, funcionaram diversas seções e alojamentos do Esqd por muitos anos e que, após uma rigorosa reforma realizada pelos integrantes do pelotão de obras e com recursos da unidade, de colaboradores e todo o comercio valenciano o sonho se tornou realidade.

Com a intenção de homenagear todos os integrantes do Esqd na II GM e em particular o Cap Pitaluga, seu comandante, em combate na FEB, elevar o nome do Exército na região e contribuir culturalmente com o município de Valença com reflexos nos campos turístico e sócio-econômico, o museu hoje possui diversos materiais como fotos, documentos, livros, armamentos,videoteca e equipamentos originais e algumas réplicas que foram utilizados no teatro de operações da Itália.

Seus principais objetivos são destacar os feitos históricos da Unidade, mostrar a evolução da arma de cavalaria, estimular a vocação para a carreira militar na juventude e incentivar o interesse pela preservação, conservação e guarda da memória da Unidade e sobre tudo valorizar a participação dos “pracinhas” neste conflito mundial.

Andar Inferior[editar | editar código-fonte]

1ª Sala – Sala da 1º Esqd Rec e FEB Está em exposição material utilizado pelos nossos pracinhas, materiais originais.

2ª Sala – Sala Gen Pitaluga Está em exposição material pessoal do Gen Pitaluga, desde o tempo da Escola Militar de Realengo.

3ª Sala – Sala Cap Bertha Moraes Está em exposição material de saúde, da capitã e 1º Batalhão de saúde

4ª Sala – Dos Inimigos Está em exposição material Alemão e Italiano

Andar Superior[editar | editar código-fonte]

1ª Sala – Sala de armamentos Está em exposição armamentos utilizados pela FEB

2ª Sala – Material Radio Está em exposição material de comunicação

3ª Sala – Sala em homenagem a FAB Está em exposição fotos e documentos da atuação da FAB na II Guerra Mundial

4ª Sala – Biblioteca Acervos de diversos livro

Medalha General Plínio Pitaluga[editar | editar código-fonte]

Medalha

Estatuto da Medalha General Plínio Pitaluga[editar | editar código-fonte]

CAPITULO I

Da Finalidade da Honraria


Art 1º - A medalha General Plínio Pitaluga, criada pela Associação dos Ex-Combatentes do Brasil Seção Valença – RJ, em 19 de abril de 2005, constante do Almanaque do Exército com o nº 240, será concedida anualmente:

§ 1º - Aos militares e civis que tenham prestado relevantes serviços aos Ex-Combatentes e as Associações e que trabalhem com boa vontade em elevar os nomes dos Ex-Combatentes;
§ 2 º - Aos próprios Ex-Combatentes;
§ 3 º - Aos Estandartes Históricos ou Bandeiras das Unidades Militares ou das Associações dos Ex-Combatentes do Brasil.

CAPITULO II

Da concessão e entrega


Art 2º - A medalha General Plínio Pitaluga será concedida da seguinte maneira:

§1º- As Unidades Febianas, abaixo escritas, terão direito 03 (três) condecorações anuais no máximo, preferencialmente disposta da seguinte maneira; 02 (duas) para oficiais 01 (uma) para praças;
- 1ª Divisão de Exército – Divisão Mascarenhas de Moraes
- Artilharia Divisionária da 1ª DE – AD Cordeiro Farias
- 1º Batalhão de Infantaria Motorizado – Regimento Sampaio
- 6º Batalhão de Infantaria Leve – Regimento Ipiranga
- 11º Batalhão de Infantaria de Montanha – Regimento Tiradentes
- 1º Grupo de Artilharia Campanha Alto Propulsado – Regimento Floriano
- 11º Grupo de Artilharia Campanha – Grupo Montese
- 21º Grupo de Artilharia Campanha – Grupo Monte Bastione
- 20º Grupo de Artilharia Campanha Leve – Grupo Bandeirantes
- 1º Batalhão da Polícia do Exército – Batalhão Zenóbio da Costa
- 19º Batalhão Logístico – Batalhão Marechal Bittencourt
- 9º Batalhão de Engenharia de Combate – Batalhão Carlos Camissão
- 1º Batalhão de Comunicação do Exército - Batalhão Barão de Capanema
- 1º Esquadrão de Cavalaria Leve – Esquadrão Tenente Amaro
- 1º Grupo de Caça
- 1º Esquadrão do 13º Grupo de Aviação - ELO
§ 2º - O 15º R C Mec – Regimento Gen Pitaluga, terá direito a 04 (quatro) condecorações anuais no máximo, preferencialmente dispostas da seguinte maneira; 02 (duas) para oficiais e 02 para praças;
§ 3º - As Unidades de Cavalaria, Escolas Militares e outras Organizações Militares terão direito a 15 (quinze) condecorações anuais no máximo entre todas essas organizações militares;

Art. 3º - A medalha General Plínio Pitaluga será entregue anualmente na solenidade de aniversário da Unidade ou Sub-Unidades, ou caso de ser Unidade ou Sub- Unidades Febianas cujos feitos principais foram por elas feitos, como por exemplo, dia 14 Abril, Batalha de Montese (11º RI – Regimento Tiradentes); 21 de Fevereiro, Batalha de Monte Castelo (1º RI – Regimento Sampaio); 27 Abr, Tomada de Collechio (1º Esqd Rec - Esqd Tenente Amaro); 29 Abril, Rendição incondicional das tropas alemãs (6º RI – Regimento Ipiranga);

Art. 4º - Serão entregues anualmente pela Associação dos Ex-Combatentes do Brasil – Seção Valença medalhas que forem indicadas pela mesma, excetuando as entregues nos parágrafos 1º, 2º e 3º do Art. 2º deste Estatuto.

Art. 5º - Poderão receber prioritariamente a medalha General Plínio Pitaluga, os militares da ativa e inativo de carreira e excepcionalmente militar temporários;

CAPITULO III

Das Propostas


Art 6º - As propostas deverão ser encaminhadas a Associação dos Ex- Combatentes do Seção Valença até o dia 31 de janeiro, conforme anexo 1 e mais curriculum vitae do proposto conforme anexo II e a data de entrega das condecorações se possível com o programa da solenidade.

CAPITULO IV

Das Comissões de Avaliação das Propostas


Art 7º - As propostas poderão ser encaminhadas para a Comissão de Avaliação de Propostas através:

- Do Presidente do Conselho Nacional das Associações dos Ex-Combatentes do Brasil;
- Dos Presidentes das Associações dos Ex-Combatentes do Brasil filiadas ao Conselho Nacional das Associações dos Ex-Combatentes do Brasil;
- Dos sócios efetivos da Associação dos Ex-Combatentes do Brasil – Seção Valença;
- Dos comandantes das Organizações Militares mencionadas no § 1º, § 2º e § 3º do Art. 2º deste Estatuto.
-

Art. 8º- O Presidente da Associação dos Ex-Combatentes do Brasil Seção Valença, será o Presidente das comissões.

Art 9° - Ao Presidente da Comissão compete:

-Presidir as sessões
-Marcar a data das sessões, que deverá ocorrer na primeira semana de fevereiro;
-Decidir nos casos em que a comissão não tenha chegado a um veredicto;

Art. 10º - A comissão será composta por membros da diretoria da Associação dos Ex-Combatentes do Brasil – Seção Valença;

Art. 11º - Incube a comissão, o julgamento em sessão plena das propostas, verificando se as mesmas atende aos artigos 5º e 6º;

Art. 12º - O julgamento da proposta é feito em sessão ordinária da comissão e as decisões tomadas pelo voto da maioria dos membros;

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.