Apollo Miguel Rezk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Apollo Miguel Rezk
Nascimento 09 de fevereiro de 1918
Rio de Janeiro, RJ
Morte 21 de janeiro de 1999 (80 anos)
País  Brasil
Anos em serviço 1939-1957
Hierarquia Major
Unidade 1º Regimento de Infantaria (Regimento Sampaio) - Força Expedicionária Brasileira - FEB.
Batalhas/Guerras Monte Castelo
La Serra
Condecorações BRA Cruz de Combate - 1a classe.png Cruz de Combate de 1ª Classe
BRA Medalha Sangue do Brasil.png Medalha Sangue do Brasil
BRA War Medal.png Medalha de Guerra
Medalha de Campanha
Distinguished Service Cross ribbon.svg Distinguished Service Cross
Silver Star ribbon.svg Silver Star.


Distintivo da FEB.PNG
Força Expedicionária Brasileira

Apollo Miguel Rezk (Rio de Janeiro, 9 de fevereiro de 191821 de janeiro de 1999). Ex-combatente, Oficial R/2 do Exército Brasileiro, pertenceu à Força Expedicionária Brasileira (FEB), contingente militar brasileiro que participou da Segunda Guerra Mundial. Participou de combates na Itália, mais precisamente em Monte Castelo e La Serra. Por sua bravura e destacada atuação nos campos de batalha da Itália recebeu diversas condecorações do Brasil, e também dos Estados Unidos.

Origens[editar | editar código-fonte]

Filho do Dr. Miguel Jorge Rezk, médico, dentista e farmacêutico, e da Sra. Suraya Mussalli Rezk, ambos imigrantes, ele do Líbano e ela da Síria.

Estudou no Colégio Pedro II, onde bacharelou-se em 1935. Seu ideal era a carreira militar, mas o sonho frustrou-se ao ser reprovado no exame de saúde para a escola Militar do Realengo. Ingressou, então, na escola Superior de Comércio, onde formou-se Perito-Contador. Posteriormente, concluiu o curso de Ciências Econômicas. Em 1939, foi declarado Aspirante-a-oficial da Arma de Infantaria, pelo CPOR/RJ. Com a entrada do Brasil na II Guerra Mundial, o Ten Apollo foi convocado para o serviço ativo embarcando para a Itália, incorporado ao Regimento Sampaio, no 2º Escalão da FEB, agora como 1º Tenente.

Monte Castelo e La Serra[editar | editar código-fonte]

Em 12/12/1944 em Monte Castelo, comandando seu pelotão, o Ten Apollo conquistou importante posição alemã, após violenta batalha. Pela bravura demonstrada nessa ação, o Ten Apollo foi agraciado com a Medalha "Silver Star", pelo alto comando americano. Entretanto, o Ten Apollo viria a demonstrar, novamente, sua coragem, determinação e desprendimento quando em 24 de fevereiro de 1945, conquistou La Serra, à frente de seu pelotão, atravessando extenso campo minado e sob pesada resistência inimiga.

Ferido e em posição vulnerável, conseguiu suportar os contra-ataques dos alemães e, apesar do poder de fogo inimigo, logrou repeli-los e ainda infligir-lhes severas baixas. Por essa magnífica atuação, o Ten Apollo, já no hospital de campanha, ouviu pela rádio BBC de Londres a seguinte notícia:

"O Comando Aliado na Itália resolveu louvar um Oficial da Força Expedicionária Brasileira pelos seguintes motivos: cada ação em combate é um pretexto para evidenciar suas belas qualidades de soldado e sua excelência no comando do pelotão, conduzindo a sua tropa ao objetivo com o exemplo da sua própria coragem.

Conquistou La Serra, em cujas ruínas se manteve até ser evacuado, ainda lutando, algumas horas depois de gravemente ferido. Sua posição estava cercada de metralhadoras inimigas, a esquerda, à frente e a direita, seis ao todo, as mais próximas distavam cerca de 15 metros do objetivo alcançado e as mais afastadas, 80 metros.

Suportou contra-ataques e esteve cercado durante quase toda a primeira noite. Fez cinco prisioneiros.

Ferido em combate às 23 horas do dia 23, só pôde ser evacuado na manhã seguinte, às 10 horas, devido ao intenso bombardeio da artilharia e morteiros a que estava sujeita a posição.Sua audácia em marchar para o objetivo fixado, que sabia fortemente defendido, completou-se com a decisão de manter o objetivo conquistado.

Mesmo ferido, contra-atacado e cercado, em momento algum pensou em retrair.

Revelou bravura, firmeza e acerto de decisão, excepcional calma em presença do inimigo, exata noção dos seus deveres em combate, a par de elevado sentimento de honra militar e superior capacidade de sacrifício”.

Foi condecorado com a Medalha de Campanha, a Cruz de Combate de 1ª. classe, a Medalha de Sangue do Brasil e a Medalha de Guerra, do Governo Brasileiro.

Em virtude de sua destacada ação na batalha de La Serra, o Ten Apollo recebeu do Governo dos Estados Unidos a Medalha "Cruz de Serviços Notáveis", considerada uma das mais importantes condecorações americanas. Foi o maior herói da FEB, na condição de Oficial R/2, sendo um dos poucos combatentes, em todo o mundo, distinguido com tão importante condecoração.

Pós-Guerra[editar | editar código-fonte]

Após o término da Guerra, o Ten Apollo prosseguiu em sua carreira militar, sendo promovido a Capitão em 3 de setembro de 1951. Casou-se com a Sra. Ivette Antunes Rezk, de cuja união teve dois filhos: Nelson e Nádia. Além do Regimento Sampaio, serviu no Batalhão de Guardas, quando, por ocasião da inauguração do Panteon de Caxias, em 1949, apresentou a Guarda do então Ministério da Guerra ao Presidente da República, Gen Eurico Gaspar Dutra. Serviu, também, em Curitiba, como Ajudante-de-ordens do Gen Mário Perdigão. Em 1957, foi reformado no posto de Major.

Destaques[editar | editar código-fonte]

  • Até hoje, o Major Apollo foi o único militar brasileiro a receber do governo dos Estados Unidos a medalha militar Distinguished Service Cross (Cruz de Serviços Notáveis), a mais alta condecoração antes da Medalha de Honra.
  • Com exceção da Cruz de Combate de 2ª Classe, o Major Apollo recebeu todas as condecorações entregues a militares da FEB.
  • O governo dos Estados Unidos enviou um representante (oficial da Marinha) ao funeral do Major Apollo, em 1999.
  • O governo brasileiro não enviou representantes ao seu funeral.

Fonte[editar | editar código-fonte]

Monteiro, Sérgio P.; Frizanco,Orlando - O Resgate do Tenente Apollo - Ed. CNOR - 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]