Ponte de Hong Kong-Macau-Zhuhai

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ponte de Hong Kong-Macau-Zhuhai
Nome oficial 港珠澳大橋
Arquitetura e construção
Início da construção 15 de dezembro de 2009
Término da construção 6 de fevereiro de 2018
Data de abertura 23 de outubro de 2018
Comprimento total 55 000 m
Tráfego Veículos privados com autorização especial.
Geografia
Cruza Delta do Rio das Pérolas
Localização Guizhou,  China

A Ponte de Hong Kong-Macau-Zhuhai (chinês: 港珠澳大橋) é a mais extensa ponte marítima do mundo.[1] Os valores originais do projeto da ponte chegaram a 1,9 mil milhões de euros.[2] Segundo outras fontes, os custos da construção chegaram a 126,9 mil milhões de ienes (aproximadamente dezoito mil milhões de dólares, 6,4 mil milhões de euros ou vinte e mil milhões de reais).[3]

Percurso da ponte marítima

A estrutura principal mede 29,6 quilómetros, sendo que a principal estrutura mede 22,9 quilómetros, juntamente de um túnel subaquático de 6,7 quilómetros, ligando duas ilhas artificiais e fazendo a integração económica de nove cidades chinesas localizadas no delta do Rio das Pérolas as duas regiões administrativas especiais do país: Hong Kong e Macau,[3] tendo assim, uma extensão total de cerca de 55 quilómetros.[2]

Após nove anos de construção (o projeto começou a ser construído em dezembro de 2009 e estava originalmente planeado para se terminado em 2016[3]), a cerimónia de inauguração aconteceu na Zona Económica Especial de Zhuhai, que é fronteiriça à Região Administrativa Especial de Macau, pelo presidente chinês, Xi Jinping, que fez a travessia no seu carro oficial à prova de balas indo até Hong Kong.[4]

Apesar da extensão, inovação e facilidade de acessos que irá proporcionar - a ponte irá interligar a cidade chinesa com as duas regiões em apenas quarenta e cinco minutos, algo que até agora demorava entre sessenta a setenta minutos por meio do serviço de balsa e entre três a quatro horas de carro. A ponte tornou-se alvo de diversas críticas e problemas durante a execução da sua obra, a começar, desde logo, pelo número de operários mortos e feridos durante o período. Pelo menos sete trabalhadores morreram e outros duzentos e setenta e cinco ficaram feridos, segundo números da “CNN” (outros jornais, como o espanhol “El País”, falam em dez vítimas mortais e em mais de seiscentos feridos em trezentos acidentes).[2]

Outra discussão por parte da opinião pública das duas regiões especiais, é o facto de que a ponte não é acessível ao transporte público devido a questões aduaneiras (a ponte envolve três territórios). Com isso apenas os veículos privados e com autorização especial por parte das três entidades estatais poderão transitar na ponte.[2]

Referências

  1. «A maior ponte do mundo abre esta terça-feira mas nem todos a podem utilizar». Público. Consultado em 23 de outubro de 2018 
  2. a b c d «Maior ponte do mundo entre Hong Kong, Macau e Zhuhai é inaugurada esta terça-feira». Expresso. Consultado em 23 de outubro de 2018 
  3. a b c «China inaugura maior ponte marítima do mundo». Globo. Consultado em 23 de outubro de 2018 
  4. «Câmaras que vigiam bocejos e outras curiosidades da (nova) maior ponte do mundo». Observador. Consultado em 23 de outubro de 2018 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma ponte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.