Saarauís

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saarauís ou saaráuis
الصحراويون
Flag of the Sahrawi Arab Democratic Republic.svg
Bandeira da República Árabe Saaraui Democrática
Sahrawi&camel.jpg
Saharaui com seu camelo, no campo de refugiados de Dakhla, província de Tindouf (Argélia).
População total

250 000 pessoas

Regiões com população significativa
Saara Ocidental, Marrocos, Argélia
Línguas
árabe hassani,[1] espanhol, marroquino[2]
Religiões
islamismo[1][2]
Etnia
Árabes Berberes[1]

Os saarauís,[3][4] saaráuis, [5] sarauís,[6] ou saráuis [7] (também sarauitas[8] ou sarauítas[9]) constituem um povo autóctones do Saara Ocidental.

O termo 'saarauí' (ou 'saráui') vem do árabe الصحراويون‎, transliterado al-ṣaḥrāwī ou al-ṣaḥrāwi, que significa "povo do deserto" ("ou povo do Saara").

O Saara Ocidental oficialmente é território não governado e, embora esteja sob a custódia da Organização das Nações Unidas,[2] está ocupado militarmente pelo Marrocos, na sua quase totalidade, desde 1976, desde que a antiga potência colonial, Espanha, ao se retirar, cedeu o território ao Marrocos e à Mauritânia. A maioria dos indivíduos dessa etnia habita na parte do Saara ocupado por Marrocos e nos acampamentos de refugiados, em Tindouf, na Argélia. O restante encontra-se disperso pelo mundo, principalmente na Espanha, França, Mauritânia e Mali. Os saarauis falam hassani, uma forma dialetal derivada do árabe clássico .

O território tem fronteiras terrestres com Marrocos, Argélia e Mauritânia, sendo banhado pelo Oceano Atlântico, a oeste. Na região encontra-se uma das maiores reservas mundiais de fosfatos,[10][11] cuja extração é controlada pela estatal marroquina Office Chérifien des Phosphates (OCP), controlada por Mohammed VI, rei do Marrocos.[12] Além disso, a região conta com reservas de minério de ferro [2] e especula-se sobre a existência de reservas de petróleo e gás natural. Sua costa é particularmente rica em recursos pesqueiros.[13]

Estima-se que a população saaráui esteja em torno de 250 000 pessoas (em 1974 seriam cerca de 70 000), das quais aproximadamente 175 000 vivem, desde 1975, nos campos de refugiados de Tindouf, onde formaram a República Árabe Saaraui Democrática (RASD, também conhecida como República Saarauí), estando divididos em quatro assentamentos (vilaietes) que são a base da Frente Polisário. São assistidos pela ONU, por meio do Programa Mundial de Alimentos (PMA), dada a escassez de água e alimentos, na região.[14][15][16]

História[editar | editar código-fonte]

De 1884 são os primeiros registros da colonização espanhola no Saara Ocidental, entre a então região de Tarfaya (atual sul do território do Marrocos) e a então Villa Cisneros (atual cidade de Dakhla), ao sul do Saara, situação que seguiu até o ano de 1976.<[2] Durante este período colonial houve revoltas de tribos locais contra a metrópole, muitas sem sucesso.[2] Em 1898, o povo saarauí iniciou uma resistência contra os espanhóis na cidade de Smara, a qual foi abafada em 1912 com apoio francês.[2] Mas a paz ainda não estava plena, então na década de 1930 a Espanha e a França conduziram operações militares combinadas, com a finalidade de conter as manifestação.[2] Em 1956, ocorreu outra revolta contra Espanha por tribos locais, porém mais uma vez, com apoio francês em uma ação militar combinada, denominada Operação Écouvillon, para debelar as iniciativas contrárias à dominação europeia.[2]

Em 1934, as fronteiras do Saara Ocidental foram confirmadas pela Espanha e França, mas a partir de 1956 o Marrocos reivindicou o território, culminando em enfrentamento (impasse que dura até hoje).[2] A partir de 1965, ocorreram iniciativas de descolonização planejadas pela Organização das Nações Unidas, declararando o Saara Ocidental um território não-governado, em virtude de ainda ser uma colônia espanhola e com base na resolução 1514, todas as pessoas teriam o direito à autodeterminação,[2] o que deveria ser exercido por meio de um referendo.[2] Na ocasião, o Rei Hassan II do Marrocos clamou à ONU a anexação da parte norte do território e a Mauritânia, a parte sul.[2]

Paralelamente, movimentos saarauis começaram a se organizar em prol da independência e da criação do Estado-Nacional Saara Ocidental.[2] O primeiro, denominado Harakat Tahrir, surgiu em 1967 [2] e foi dizimado um ano depois. Em 1973, surgiu um novo movimento, mais consistente, com uma atuação política e militar bem definida: a Frente para a Liberação de Saguia-el-Hamra e Río de Oro, ou Frente Polisário.[2]

Crianças refugiadas saarauis

Em 1974, a Espanha estava pronta para realizar o referendo e organizou um recenseamento da população no território, como medida preliminar à realização da proposta da ONU, solicitando à Corte Internacional de Justiça parecer sobre o estado do Saara Ocidental. A Corte considerou que nem Marrocos, nem a Mauritânia poderiam estabelecer qualquer vínculo de soberania com o território.[2] A decisão da Corte estimulou uma reação de Marrocos, que anunciou uma marcha “pacífica” de 350 mil marroquinos, em direção ao Saara Ocidental. O episódio, ocorrido em 1974, ficou conhecido como Marcha Verde[2] e contou com o apoio do Exército Real Marroquino, iniciando-se assim o conflito com a Frente Polisário. Após a assinatura do Acordo Tripartite de Madrid (novembro de 1975), estabeleceu-se uma administração temporária, constituída por Espanha, Marrocos e Mauritânia, sendo que, conforme o acordo, a Espanha cedia dois terços do norte do território ao Marrocos e um terço do sul, à Mauritânia. O acordo foi considerado inválido pela ONU, pois foi feito sem uma ampla consulta à população.[2]

Em 1976, a Frente Polisário passou a combater as forças armadas do Marrocos e da Mauritânia. O conflito provocou um grande êxodo de refugiados para Tindouf.[2] Em fevereiro de 1976, a presença colonial espanhola chegou ao fim. A Djemma, uma assembleia consultiva de líderes tribais subsaarianos, criada pela Espanha, votou pela integração do Saara Ocidental ao Marrocos e à Mauritânia.[2] No entanto, dias depois, um grupo formado por ex-membros da Djemma e outros sheiks pró-Polisário proclamaram a República Árabe Saaraui Democrática (RASD), juntamente com os líderes da Frente Polisário, nomeados para o seu governo.[2]

Referências

  1. a b c «Memória histórica saaraui». Organização Ritimo. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v Migon, Eduardo Xavier Ferreira Glaser; Ferreira, Sylvio de Souza (13 de outubro de 2015). «A Estratégia de uma Guerra Esquecida: fundamentos estratégicos aplicados à questão do Saara Ocidental». Revista Política Hoje. 24 (2): 193–224. ISSN 0104-7094 
  3. «Itamaraty (Ministério das Relações Exteriores do Brasil)». Arquivado do original em 26 de maio de 2015 
  4. Infopédia: saarauí
  5. Dicionário Houaiss: saaráui
  6. Infopédia: sarauí
  7. Dicionário Houaiss: 'saráui'
  8. Infopédia: 'sarauita'
  9. Dicionário Houaiss: 'sarauíta'
  10. Pereira, Pascoal Santos. Saara Ocidental: um processo de não-autodeterminacão nacional?. Ciência e Cultura, vol.64 nº 4. São Paulo, outubro-dezembro de 2012
  11. Quarante, Olivier. Peixes, vegetais gourmet e fosfatos... A quem pertencem as riquezas do Saara Ocidental?. Le Monde diplomatique Brasil, ed 80, 6 de março de 2014.
  12. Giovanaz, Daniel. Fertilizantes produzidos no Brasil contêm fosfato roubado do Saara Ocidental. Brasil de Fato, 28 de janeiro de 2021.
  13. Duque Estrada, Rodrigo. Geopolítica e o conflito do Saara Ocidental. As rendas estratégicas do reino marroquino e a fabricação de terroristas do deserto Ritimo, 11 de abril de 2016.
  14. «Visita do Ministro de Assuntos Exteriores e Cooperação da Espanha, José Manuel García-Margallo – Brasília, São Paulo e Salvador, 17 a 19 de junho de 2015». www.itamaraty.gov.br. Consultado em 1 de outubro de 2015 
  15. Verbete 'saaraui', Dicionário Houaiss.
  16. «Anexo A5: Lista dos Estados, territórios e moedas». Código de Redacção Interinstitucional. Serviço das Publicações da União Europeia. Consultado em 18 de janeiro de 2012 
Ícone de esboço Este artigo sobre etnologia ou sobre um(a) etnólogo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre o Saara Ocidental é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.