Tarzan dos Macacos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Tarzan of the Apes)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: "Tarzan of the Apes" redireciona para este artigo. Para o filme, veja Tarzan of the Apes (1918).
Tarzan of the Apes
Tarzan filho das selvas (PT)
Tarzan dos Macacos
Tarzan: O filho das selvas[1]
 (BR)
Ilustração da sobrecapa
Autor(es) Edgar Rice Burroughs
País  Estados Unidos
Género Aventura
Série Tarzan
Ilustrador Fred J Arting
Arte de capa Fred J Arting
Editora A. C. McClurg
Páginas 400
Edição portuguesa
Tradução Vasco Belmonte
Editora Portugal Press
Lançamento 1958
Formato 19 cm
Páginas 266
Edição brasileira
Tradução Monteiro Lobato[2]
Thiago Lins[3]
Editora Companhia Editora Nacional[2]
Jorge Zahar Editor
Cronologia
The Return of Tarzan

Tarzan of the Apes (Tarzan, O Filho das Selvas (título no Brasil) ou Tarzan dos Macacos (título em Portugal)) é um romance escrito por Edgar Rice Burroughs, o primeiro de uma série de livros sobre o personagem-título Tarzan. Ele foi publicado na revista pulp All-Story Magazine em outubro de 1912; a primeira edição em livro saiu em junho de 1914. O personagem tornou-se tão popular que Burroughs continuou a série até a década de 1940. No total, foram lançadas vinte e quatro obras, sendo duas delas póstumas.[4][5]

Resumo da história[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Após um motim no navio em que se encontravam, os nobres britânicos Lord e Lady Greystoke são abandonados em algum ponto da costa ocidental da África. O casal constrói uma cabana e aprende a sobreviver naquele ambiente hostil. Logo, nasce o filho, que recebe o mesmo nome do pai -- John Clayton.

Um ano depois, Lord e Lady Greystoke são mortos por Kerchak, o chefe da tribo local de macacos. O pequeno órfão passa a ser criado pela macaca Kala, que lhe dá um novo nome -- Tarzan, que na [língua dos grandes símios significa "Pele Branca".

À medida que cresce, Tarzan aprende a língua dos manganis e descobre a cabana onde seus pais viveram. De posse de uma cartilha, aprende sozinho a ler e escrever na língua inglesa. Aos poucos, graças à sua inteligência e habilidades, impõe-se sobre os outros habitantes da selva. Ele acaba por matar Kerchak, o que o torna líder dos macacos. Àquela altura, já declarara guerra a uma tribo de canibais, responsável pela morte de Kala, sua mãe adotiva.

Certo dia, Tarzan descobre um grupo de visitantes de além-mar, entre eles a jovem Jane Porter, seu pai Archimedes, e também William Cecil Clayton, na realidade seu próprio primo, o presumido herdeiro do título Greystoke. Tarzan protege a comitiva dos perigos que a ronda e inicia um idílio com Jane, mas sua dificuldade em falar como um humano não lhe permite revelar sua verdadeira identidade.

Um navio francês leva o grupo de volta para a civilização, porém o Tenente Paul D'Arnot é feito prisioneiro pelos canibais. Tarzan o salva e, em troca, D'Arnot lhe ensina a linguagem dos homens. Em seguida, eles partem para a Europa, pois Tarzan deseja reunir-se novamente com Jane, sua amada.[5]

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

A primeira quadrinização foi feita por Hal Foster, com roteiro de R. W. Palmer. Foram sessenta tiras diárias, sem balões (com texto ao pé de cada ilustração), publicadas nos jornais entre 7 de janeiro e 15 de março de 1929.[5] A obra foi publicada em capítulos no Brasil, a partir de 10 de outubro de 1934, nas páginas do Suplemento Juvenil. Com o sucesso, poucos meses depois foi lançado o Álbum de Tarzan com a história completa.[6] Em 1975, a EBAL relançou o álbum numa "Edição Comemorativa do Centenário de Nascimento de Edgar Rice Burroughs 1875-1975".[7]


A primeira adaptação feita diretamente para revista em quadrinhos, extremamente resumida, foi publicada nos Estados Unidos pela Gold Key Comics (selo da Western Publishing), em dezembro de 1965, com desenhos de Russ Manning e roteiro de Gaylord Du Bois.[5] No Brasil, a história saiu pela EBAL em 1968, dentro da coleção "Lança de Prata", tendo sido republicada na revista Tarzan, em 1986.[8]

Em 1972, Burne Hogarth, afastado das histórias do herói desde agosto de 1950, retorna às bancas com uma versão luxuosa do romance, sem balões de diálogo e farto texto distribuído entre as ilustrações. No Brasil, a aventura foi lançada também pela EBAL, em 1973, numa edição em capa dura e sobrecapa com o mesmo título do livro --Tarzan, O Filho das Selvas.[6]

Outra edição de luxo foi lançada nos EUA pela DC Comics, também em 1972, com desenhos de Joe Kubert.[5] Novamente, a EBAL encarregou-se de editar a obra no Brasil, em 1973, com o título de A Origem de Tarzan.[9] Essa mesma história foi relançada pela Devir em maio de 2010, com o título alterado para A Origem do Homem-Macaco.[10]

Em 1984, a primeira metade do romance foi editada pela Marvel Comics em forma de minissérie de dois números, ilustrada por Mark Spiegel e roteirizada por Mark Evanier. A edição acompanhou a estreia do filme Greystoke - A Lenda de Tarzan, o Rei da Selva.[5]

Dynamite Entertainment adaptou a história para as seis primeiras edições de Lord of the Jungle, ainda que vagamente; por exemplo, a tribo canibal foi substituída por uma vila de homens-macacos literais.

Outras[editar | editar código-fonte]

Em 1933, a Withman, selo da Western Publishing publicou uma adaptação para a série de livros ilustrados Big Little Books com desenhos de Juanita Bennett.[11]

Cinema[editar | editar código-fonte]

O romance foi adaptado para o cinema em Tarzan of the Apes, estrelado por Elmo Lincoln e Enid Markey. Ambos se tornaram, assim, os primeiros Tarzan e Jane da tela grande. O filme estreou em 27 de janeiro de 1918, em Nova Iorque, e foi um extraordinário sucesso de público e crítica, um dos primeiros a ter uma bilheteria superior a um milhão de dólares.[12]

Alguns elementos do livro podem ser encontrados, ainda, em Greystoke: The Legend of Tarzan, King of the Apes, de 1984, e Tarzan, animação dos Estúdios Disney, de 1999.[5]

  1. «Tarzan: edição comentada e ilustrada». Jorge Zahar Editor 
  2. a b Alice Mitika Koshiyama (2006). Monteiro Lobato: intelectual, empresário, editor. [S.l.]: EdUSP. 182 páginas. 9788531407802 
  3. Ruy Castro (12 de abril de 2014). «Crítica: Só é preciso ser criança para apreciar peripécias de Tarzan no livro». Folha Online 
  4. Popeye faz 85 anos; você conhece outros personagens octogenários? Folha de S.Paulo 17/01/214
  5. a b c d e f g GRIFFIN, Scott Tracy, Tarzan: The Centennial Celebration, Londres: Titan Books, 2012, ISBN 9781781161692 (em inglês)
  6. a b HOGARTH, Burne, Tarzan, O Filho das Selvas, tradução de Cláudio G. Hasslocher, Rio de Janeiro: EBAL, 1973
  7. FOSTER, Harold H., A Primeira Aventura de Tarzan em Quadrinhos, Rio de Janeiro: EBAL, 1975
  8. MANNING, Russ, Tarzan, O Filho das Selvas, in Tarzan no. 14 (12a. série), Rio de Janeiro: EBAL, 1986
  9. KUBERT, Joe, A Origem de Tarzan, Rio de Janeiro: EBAL, 1973
  10. KUBERT, Joe, Tarzan -- A Origem do Homem-Macaco e Outras Histórias, tradução de Marquito Maia, São Paulo: Devir, 2010, ISBN 9788575324141
  11. Lawrence F. Lowery (2007). The Golden Age of Big Little Books. [S.l.]: Educational Research and Applications LLC. 224 páginas. ISBN 9780976272489 
  12. ESSOE, Gabe, Tarzan of the Movies, sexta impressão, Secaucus, EUA: The Citadel Press, 1968, ISBN 0806502959 (em inglês)

Bibliografia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]