Temporada de furacões no oceano Atlântico de 2020

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Temporada de furacões no oceano Atlântico de 2020
Mapa resumo atual da temporada
Mapa resumo atual da temporada
Datas
Início da atividade Arthur
16 de maio de 2020
Fim da atividade 18 de novembro de 2020
Danos
Prejuízos > $41 mil milhões
(estimativa0,202 0) USD
Fatalidades confirmadas 436 total
Factos marcantes
O mais intenso Iota
255 km/h (160 mph) (1-min)
917 mbar (27.1 inHg)
Número de eventos
Depressão tropical ou subtropical Tempête tropical ou subtropical Furacão de categoria 1 Furacão de categoria 2 Furacão de categoria 3 Furacão de categoria 4 Furacão de categoria 5 Total
31 30 (número recorde) 4 3 1 4 1 13
ECA Total: 178,8 (unidades)
Número de sistemas1 que atingiram terras emersas: 12
1Inclui depressões tropicais e depressões subtropicais
Cronologia

A temporada de furacões no Atlântico de 2020 foi a mais ativa já registrada e a sétima mais cara já registrada. Além disso, foi a quinta temporada consecutiva de furacões no Atlântico acima da média de 2016 em diante, embora tenha sido a primeira temporada extremamente ativa desde 2017. A temporada apresentou um total de 31 depressões (sub) tropicais, todas exceto uma das quais se tornou uma tempestade nomeada. Das 30 tempestades nomeadas, 13 se transformaram em furacões e seis se intensificaram ainda mais em grandes furacões, com um, o furacão Iota, atingindo a categoria 5 de força na escala Saffir-Simpson.[2] Foi a segunda temporada a usar o sistema de nomenclatura de tempestade com letras gregas, sendo a primeira em 2005. Das 30 tempestades nomeadas, 12 atingiram a região contígua dos Estados Unidos, quebrando o recorde de nove estabelecido em 1916. A temporada também foi a quinta consecutiva temporada em que pelo menos um furacão de categoria 5 se formou. Durante a temporada, 27 tempestades tropicais quebraram o recorde de formação inicial por número de tempestades. Esta temporada também apresentou um recorde de 10 ciclones tropicais que sofreram uma rápida intensificação, amarrando-o a 1995.[3] Esta atividade sem precedentes foi alimentada por um La Niña que se desenvolveu nos meses de verão de 2020.

A temporada começou oficialmente a 1 de junho e finalizou oficialmente a 30 de novembro de 2020; no entanto, a formação de ciclones tropicais é possível em qualquer momento, como o ilustram as formações de tempestades tropicais Arthur e Bertha, a 16 e 27 de maio, respectivamente. Isto marcou o sexto ano consecutivo com sistemas de pré-temporada. Cristobal formou-se no primeiro dia de junho e causou 15 fatalidades. No final de julho, Hanna, o primeiro furacão da temporada, atingiu o sul do Texas. Isso foi seguido pelo furacão Isaias, que atingiu as Bahamas e a Carolina do Norte, ambas as vezes como um furacão de categoria 1, causando um total de US $ 4,725 mil milhões em danos.[4] No final de agosto, Laura atingiu a Luisiana como um furacão categoria 4, tornando-se o mais forte ciclone tropical já registrado em termos de velocidade do vento para atingir a costa da Luisiana, junto com o [Furacão Last Island de 1856]].[5] Laura causou pelo menos US $ 14,1 mil milhões em danos e 77 mortes. Setembro foi o mês mais ativo já registrado no Atlântico, com dez tempestades nomeadas, começando com Furacão Nana, que atingiu Belize como um furacão de categoria 1. O Paulette atingiu as Bermudas, a primeira tempestade a atingi-lo desde 2014, antes de se transformar em uma tempestade extratropical. Em seguida, reformou perto dos Açores e mudou-se erraticamente antes de se dissipar em 23 de setembro. O furacão Sally impactou a costa do Golfo dos Estados Unidos, causando graves inundações, enquanto o furacão Teddy impactou as Bermudas antes de afetar o Canadá Atlântico como um ciclone extratropical. O alfabeto grego foi usado apenas pela segunda vez, começando com a tempestade subtropical Alpha, que atingiu Portugal. Outubro começou com a Tempestade tropical Gamma e o furacão Delta, que ambas atingiram a península de Iucatã no México com dias de diferença. Delta impactaria posteriormente a Luisiana, tornando-se a décima tempestade a atingir o continente americano nesta temporada. O furacão Zeta também passou pela Península de Iucatã antes de se tornar a quinta tempestade recorde da temporada a atingir a costa da Luisiana. Ele então se tornou o primeiro ciclone tropical desde o furacão Sandy em 2012 a produzir neve acumulada.[6] No último dia de outubro, o furacão Eta se formou e atingiu a América Central com força de categoria 4.[7] Depois que a tempestade subtropical Theta se tornou a 29ª tempestade com o nome recorde da temporada, em 16 de novembro o furacão Iota se formou no Caribe e se intensificou rapidamente para a intensidade da categoria 5, a última já registrada no Oceano Atlântico. Isso também fez de 2020 a única temporada com dois grandes furacões em novembro.[8] No final das contas, Iota atingiu o continente na mesma área geral da América Central que Eta havia feito apenas algumas semanas antes.

Cedo na temporada e devido à actual pandemia de COVID-19, as autoridades nos Estados Unidos expressaram a sua preocupação para os residentes do litoral dos Estado Unidos.[9][10] Como expressado numa artigo co-editorado do Journal of the American Medical Association, "existe uma incompatibilidade inerente entre as estratégias de proteger a população dos perigos de furacões: evacuações e abrigo (i.e., transportar e juntar pessoas em grupos)," e "métodos eficazes para abrandar de espalhar o COVID-19: distanciamento físico e confinamento (i.e., separar e manter as pessoas distanciadas)."[11]

Previsões da temporada[editar | editar código-fonte]

Predições da atividade tropical na temporada de 2020
Fonte Data Tempestades
nomeadas
Furacões Furacões
maiores
Ref
Média (1981–2010) 12.1 6.4 2.7 [12]
Recorde de actividade alta 28 15 7 [13]
Recorde de activide baixa 4 2 0 [13]
–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––
TSR 19 de dezembro de 2019 15 7 4 [14]
CSU 2 de abril de 2020 16 8 4 [15]
TSR 7 de abril de 2020 16 8 3 [16]
UA 13 de abril de 2020 19 10 5 [17]
TWC 15 de abril de 2020 18 9 4 [18]
NCSU 17 de abril de 2020 18–22 8–11 3–5 [19]
PSU 21 de abril de 2020 15–24 n/a n/a [20]
SMN 20 de maio de 2020 15–19 7–9 3–4 [21]
UKMO* 20 de maio de 2020 13* 7* 3* [22]
NOAA 21 de maio de 2020 13–19 6–10 3–6 [23]
TSR 28 de maio de 2020 17 8 3 [24]
CSU 4 de junho de 2020 19 9 4 [25]
UA 12 de junho de 2020 17 11 4 [26]
CSU 7 de julho de 2020 20 9 4 [27]
TSR 7 de julho de 2020 18 8 4 [28]
TWC 16 de julho de 2020 20 8 4 [29]
CSU 5 de agosto de 2020 24 12 5 [30]
TSR 5 de agosto de 2020 24 10 4 [31]
NOAA 6 de agosto de 2020 19–25 7–11 3–6 [32]
–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––
Actividade atual
30 13 6
* Apenas Junho–Novembro
† Mais recente de alguns eventos.

Os prognósticos da atividade de furacões são emitidos antes da cada temporada de furacões pelos destacados experientes em furacões Philip J. Klotzbach e seus sócios na Universidade Estadual do Colorado; e por separado pelos prognosticadores da NOAA.

A equipa de Klotzbach (anteriormente dirigido por William M. Gray) definiu o número média de tempestades por temporada (entre 1981 e 2010) como 12.1 tempestades tropicais, 6.4 furacões, 2.7 furacões maiores (tempestades que atingem ao menos a categoria 3 na escala de furacões de Saffir-Simpson) e a Energia ciclônica acumulada num índice 106 unidades.[15] NOAA define a temporada como acima do normal, perto de normal, ou abaixo do normal por uma combinação do número de tempestades, o número que chega a força de furacão, o número que chega a força superior de furacão, e o índice ACE.[33]


Previsões de pré-temporada[editar | editar código-fonte]

Em 19 de dezembro de 2019, o Tropical Storm Risk (TSR), um consórcio público composto por especialistas em seguros, gerenciamento de riscos e previsão climática sazonal na University College London, emitiu uma previsão de longo alcance prevendo uma temporada de furacões um pouco acima da média. Em no seu relatório, a organização nomeou 15 tempestades, 7 furacões, 4 furacões principais e um índice ECA de 105 unidades. Essa previsão foi baseada na previsão de ventos alísios próximos da média e temperaturas da superfície do mar (SSTs) ligeiramente mais quentes do que o normal no Atlântico tropical, além de uma fase neutra El Niño-Oscilação Sul (ENSO) no Pacífico equatorial.[14] Em 2 de abril de 2020, os analistas da Colorado State University ecoaram as previsões de uma temporada acima da média, prevendo 16 tempestades nomeadas, 8 furacões, 4 furacões maiores e um índice ECA de 150 unidades. A organização divulgou probabilidades significativamente maiores de furacões que percorrem o Caribe e furacões que atingem a costa dos EUA.[15] A TSR atualizou a sua previsão em 7 de abril, prevendo 16 tempestades nomeadas, 8 furacões, 3 furacões maiores e um índice ECA de 130 unidades.[16] Em 13 de abril, a Universidade do Arizona (UA) previu uma temporada de furacões potencialmente hiperativa: 19 tempestades com nome, 10 furacões, 5 grandes furacões e índice de energia ciclônica acumulada de 163 unidades.[17] Uma previsão semelhante de 18 tempestades nomeadas, 9 furacões e 4 grandes furacões foi divulgada pela The Weather Company em 4 de abril.[18] Depois disso, a Universidade Estadual da Carolina do Norte divulgou uma previsão semelhante em 17 de abril, também pedindo uma temporada possivelmente hiperativa, com 18 a 22 tempestades, 8 a 11 furacões e 3 a 5 furacões maiores.[19] Em 21 de abril a Universidade Estadual da Pensilvânia Earth Science System Center também fez a predição de números altos, 19.8 +/- total de tempestades nomeadas, entre 15 a 24, melhor estimativa de 20.[20]

Em 20 de maio, o Servicio Meteorológico Nacional do México divulgou as suas previsões para uma temporada acima da média, com 15 a 19 tempestades, 7 a 9 furacões e 3 a 4 furacões maiores.[21] O UK Met Office divulgou as suas perspectivas no mesmo dia, prevendo atividade média com 13 tempestades tropicais, 7 furacões e 3 furacões maiores que se espera que se desenvolvam entre junho e novembro de 2020. Eles também previram um índice ECA de cerca de 110 unidades.[22] NOAA emitiu a sua previsão em 21 de maio, exigindo 60% de chance de uma temporada acima do normal, com 13 a 19 tempestades nomeadas, 6 a 10 furacões, 3 a 6 furacões maiores e um índice de ECA entre 110% e 190% da mediana. Eles citaram a fase quente em andamento da Oscilação Multidecadal do Atlântico e a expectativa de condições ENSO neutras ou mesmo La Niña durante o pico da temporada como fatores que aumentariam a atividade.[23]

Previsões na média temporada[editar | editar código-fonte]

A 4 de junho, a Universidade Estadual do Colorado publicou um prognóstico actualizado, com 19 tempestades nomeadas, 9 furacões e 4 furacões maiores.[25] Em 7 de julho, a Universidade Estadual do Colorado publicou um prognóstico actualizado, com 20 tempestades nomeadas, 9 furacões e 4 furacões maiores.[27] No mesmo dia, o Tropical Storm Risk divulgou um prognóstico actualizado, com 18 tempestades nomeadas, 8 furacões e 4 furacões maiores.[28] Em 16 de julho a The Weather Channel publicou um prognóstico actualizado, com 20 tempestades nomeadas, 8 furacões e 4 furacões maiores.[29]

Em 5 de agosto, a Colorado State University divulgou uma previsão adicional atualizada, a final para 2020, pedindo uma temporada quase recorde, prevendo um total de 24 tempestades nomeadas, 12 furacões e 5 grandes furacões, citando o cisalhamento do vento anormalmente baixo e pressões de superfície na bacia durante o mês de julho e substancialmente mais quentes do que a média do Atlântico tropical e condições em desenvolvimento La Niña.[34] Em 5 de agosto, o Tropical Storm Risk divulgou uma previsão atualizada, final para 2020, também previndo uma temporada quase recorde, prevendo um total de 24 tempestades nomeadas, 10 furacões e 4 furacões maiores, citando os ventos alísios favoráveis ​​de julho, vento baixo de cisalhamento, um Atlântico tropical mais quente do que a média e o antecipado La Niña.[35] No dia seguinte, a NOAA divulgou sua segunda previsão para a temporada, enquanto previa uma temporada "extremamente ativa" contendo 19–25 tempestades nomeadas, 7–11 furacões e 3–6 furacões maiores. Esta foi uma das previsões mais ativas já divulgadas pela NOAA para uma temporada de furacões no Atlântico.[36]

Resumo sazonal[editar | editar código-fonte]

Furacão IotaFuracão Eta#Furacão ZetaFuracão DeltaTempestade tropical Gamma (2020)Tempestade subtropical Alpha (2020)Tempestade tropical Beta (2020)Furacão TeddyFuracão SallyFuracão PauletteFuracão Nana (2020)Furacão Marco (2020)Furacão LauraFuracão IsaiasFuracão Hanna (2020)Tempestade tropical Fay (2020)Tempestade tropical Cristobal (2020)Tempestade tropical Bertha (2020)Tempestade tropical Arthur (2020)Escala de furacões de Saffir-Simpson
Tempestade tropical / subtropical registo de nomes
marcados durante a temporada de furacões no Atlântico de 2020
Número
tempestade
Temporão Próximo temporão
Nome Data da nomeação Nome Data da nomeação
3 Cristobal 2 de junho de 2020 Colin June 5, 2016
5 Edouard 6 de julho de 2020 Emily July 11, 2005
6 Fay 9 de julho de 2020 Franklin 21 de julho de 2005
7 Gonzalo 22 de julho de 2020 Gert 24 de julho de 2005
8 Hanna 24 de julho de 2020 Harvey 3 de agosto de 2005
9 Isaias 30 de julho de 2020 Irene 7 de agosto de 2005
10 Josephine 13 de agosto de 2020 Jose 22 de agosto de 2005
11 Kyle 14 de agosto de 2020 Katrina 24 de agosto de 2005
12 Laura 21 de agosto de 2020 Luis 29 de agosto de 1995
13 Marco 22 de agosto de 2020 Maria 2 de setembro de 2005
Lee 2 de setembro de 2011
14 Nana 1 de setembro de 2020 Nate 5 de setembro de 2005
15 Omar 1 de setembro de 2020 Ophelia 7 de setembro de 2005
16 Paulette 7 de setembro de 2020 Philippe 17 de setembro de 2005
17 Rene 7 de setembro de 2020 Rita 18 de setembro de 2005
18 Sally 12 de setembro de 2020 Stan 2 de outubro de 2005
19 Teddy 4 de setembro de 2020 "Açores" 4 de outubro de 2005
20 Vicky 14 de setembro de 2020 Tammy 5 de outubro de 2005
21 Wilfred 18 de setembro de 2020 Vince 8 de outubro de 2005
22 Alpha 18 de setembro de 2020 Wilma 17 de outubro de 2005
23 Beta 18 de setembro de 2020 Alpha 22 de outubro de 2005
24 Gamma 2 de outubro de 2020 Beta 27 de outubro de 2005
25 Delta 5 de outubro de 2020 Gamma 15 de novembro de 2005
26 Epsilon 19 de outubro de 2020 Delta 22 de novembro de 2005
27 Zeta 25 de outubro de 2020 Epsilon 29 de novembro de 2005
28 Eta 1 de novembro de 2020 Zeta 30 de dezembro de 2005
29[37] Theta 10 de novembro de 2020 Formação por virtude
sendo o primeiro com esse número
30[38] Iota 13 de novembro de 2020

A ciclogênese tropical começou no mês de maio, com as tempestades tropicais Arthur e Bertha. Esta foi a primeira ocorrência de duas tempestades tropicais de pré-temporada no Atlântico desde 2016. A terceira tempestade tropical da temporada chamada Cristobal formou-se a 1 de junho, coincidindo com o início oficial da temporada de furacões no Atlântico. Mais tarde, a tempestade tropical Dolly formou-se a 22 de junho e não foi nomeada até ao dia seguinte. A 4 de julho, a depressão tropical Cinco desenvolveu-se para perto das Bermudas. A depressão tropical converteu-se na tempestade tropical Edouard a 6 de julho, convertendo-se na quinta tempestade com nome mais temporã de uma temporada registada, superando o furacão Emily em 2005 por cinco dias. A 9 de julho, um vórtice convectivo de mesoescala que tinha sido rastreado durante quase uma semana foi designado como a tempestade tropical Fay, se convertendo na sexta tempestade com o nome mais temporão numa temporada em doze dias, superando à tempestade tropical Franklin desde 2005. A 21 de julho, uma tempestade tropical teve suficiente organização para ser designado depressão tropical Sete pelo Centro Nacional de Furacões (NHC), que mais tarde se converteu na tempestade tropical Gonzalo, superando a Gert desde 2005 por dois dias. Uma oitava depressão tropical formou-se pouco depois da formação de Gonzalo. A temporada viu o desenvolvimento de sete tempestades tropicais que não conseguiram atingir o estado de furacão, a primeira ocorrência de tal fenómeno desde 2013, já que Hanna se converteu no primeiro furacão da temporada a 25 de julho e se converteu na oitava tempestade registada mais temporã, superando a Harvey desde 2005 Por dez dias. Pouco depois, o furacão Isaias converteu-se na nona tempestade mais recente registada, superando ao furacão Irene de 2005 por 9 dias. Isaías converteu-se no segundo furacão da temporada e causou danos generalizados em partes das Caraíbas e Estados Unidos. A depressão tropical Dez também se formou no final de julho em frente à costa da África Oriental, e ainda que não atingiu o estado de tempestade tropical, superou o 2005 para o julho mais activo registado na bacia em termos de sistemas formados.[39][40] Agosto viu a formação das tempestade tropicais Josephine e Kyle, e os furacões Laura e Marco. Marco depois tornou-se o terceiro furacão da temporada, mas enfraqueceu rapidamente antes de desembarcar no sul da Luisiana. Laura depois tornou-se o quarto furacão, e o primeiro furacão maior da temporada, antes de chegar a terra no sudoeste da Luisiana com força de categoria 4 com ventos de 240 km/h (150 mph). O mês conclui com a formação da Depressão tropical Quinze, que se intensificou para a Tempestade tropical Omar em 1 de setembro.

Cinco ciclones tropicais ativos no Atlântico em 14 de setembro: Sally (esquerda), Paulette (centro esquerda), Rene (centro direita), Teddy (abaixo direita), e Vicky (extrema direita). As ondas que mais tarde produziram a Beta e Wilfred são localizadas respectivamente à esquerda de Sally e abaixo direita de Vicky, e o ciclone extratropical que mais tarde seria o Alpha é visível ao norte da Europa

Setembro destacou as formações das tempestade tropicais Rene, Vicky, Wilfred, e Beta, Tempestade subtropical Alpha, e furacões Nana, Paulette, Sally, e Teddy. Este enxame de tempestades coincidiu com o máximo da temporada de furacões e o desenvolvimento das condições La Niña.[41][42] O furacão Sally desembarcou perto de Miami, Florida como uma depressão tropical antes de causar estragos extremos através do sudoeste dos Estados Unidos, como um furacão de categoria 2. Teddy, o oitavo furacão da época e o segundo furacão maior, formou-se inicialmente em 12 de setembro, enquanto a Tempestade tropical Vicky formou-se dois dias mais tarde. Com a formação de Vicky, cinco ciclones tropicais estavam ativos simultaneamente na bacia do oceano Atlântico pela primeira vez desde 1995. Paulette tornou-se a primeira tempestade a atingir a Bermuda desde o Furacão Gonzalo em 2014, enquanto Sally atingiu Gulf Shores no Alabama no mesmo dia e local onde o Furacão Ivan fez landfall em 2004. Entretanto, o Furacão Teddy seguiu a assolar o Canadá Atlântico como um ciclone extremamente grande em 23 de setembro. Alem disso, Paulette brevemente reformou-se outra vez como um tempestade tropical antes de novamente tornar-se pós-tropical. Em 18 de setembro num período de seis horas, Wilfred, Alpha, e Beta tornaram-se sistemas nomeados, um evento apenas registado na 1893.[43] Alpha impactou a Península Ibérica, e foi a primeira tempestade nomeada a fazer landfall em Portugal. A intensificação de Beta a tempestade tropical fez de setembro de 2020 o mais ativo nos registos com 10 ciclones a serem nomeados. Beta depois impactou o Texas, Luisiana, e Mississippi antes de transitar para uma baixa remanescente sobre o Alabama, marcando um fim abrupto a 18 dias contínuos de atividade.[44]

Emitiram-se alertas e avisos tropicais nos Estados Unidos até 15 de novembro. Foram emitidos alertas e avisos para todos os condados do litoral excepto os condados de Wakulla e Jefferson na Flórida

A Tempestade tropical Gamma formou-se em 2 de outubro antes de impactar a Península de Iucatã dois dias mais tarde. Uns dias mais tarde o Furacão Delta desenvolveu-se no Mar do Caribe ao sul da Jamaica e tornou-se o nono furacão da temporada. Em 7 de outubro Delta intensificou-se explosivamente num forte furacão categoria 4 antes de enfraquecer e desembarcar na Península de Iucatã como furacão categoria 2 alta. Ele mante a categoria 3 no Golfo do México antes de novamente enfraquecer e fazer um segundo landfall em Luisiana em 9 de outubro. Depois de mais 14 dias de inatividade, a Tempestade tropical Epsilon formou-se a meados de outubro e tornou-se o décimo furacão da temporada em 20 de outubro, fazendo a temporada de 2020 a quinta temporada de furacões na era de satélites (desde 1966) a ter ao menos 10 furacões até 20 de outubro, em soma a 1969, 1995, 2005 e 2017.[45][46][nb 1] Depois nesse mês, o furacão Zeta formou-se ao sudoeste das Ilhas Cayman e tomou uma rota quase idêntica a Delta, assolando a Península de Icatã no final de 26 de outubro ante de virar para noroeste, acelerar, e embater no sudoeste da Luisiana em 28 de outubro como um furacão de categoria 2. O sistema moveu-se rapidamente através do Leste dos Estados Unidos, e apenas dois dias depois trouxe neve acumulada pesada para parte da Nova Inglaterra antes de se mover novamente para o Atlântico.

Lista de furacões mais caros no Atlântico
Posição Custo Temporada
1 ≥ $294,703 mil milhões 2017
2 $172,297 mil milhões 2005
3 ≥ $72,341 mil milhões 2012
4 $61,148 mil milhões 2004
5 ≥ $50,126 mil milhões 2018
6 ≥ 48,855 mil milhões 2008
7 ≥ $41 mil milhões 2020
8 $27,302 mil milhões 1992
9 $21,579 mil milhões 1998
10 ≥ $17,485 mil milhões 2016


O Furacão Eta tornou-se no quinto furacão maior da temporada em 3 de novembro.[50] Depois de atingir o pico como furacão de categoria 4 alto, enfraqueceu ligeiramente devido aos ciclos de reposição da parede do olho antes de chegar a terra em Nicarágua.[51][52][53] Eta depois moveu-se de volta ao Caribe e reintensificou-se novamente em tempestade tropical antes de tomar um percurso errático que passou por Cuba e Florida Keys antes de parar no sul do Golfo do México. Ele depois mudou-se para norte-nordeste em direcção à Flórida, temporariamente fortalecendo num furacão minímo no caminho. Em 10 de novembro, a tempestade subtropical Theta formou-se de uma área de baixa pressão não tropical no Atlântico noroeste, antes de mais tarde nesse dia transacionar para uma tempestade tropical. Pouco depois de Eta se tornar extra-tropical fora da costa leste dos E.U.A., o [[Furacão Iota formou-se sobre o Caribe Central em 13 de novembro, empatando com 2005 para o maior número de ciclones tropicais ou subtropicais num ano. Iota fortaleceu-se rapidamente num furacão de categoria 5, tornando-se a tempestade mais forte da temporada.; isso marcou a quinta temporada consecutiva desde 2016 com pelo menos um furacão categoria 5. Ele depois assolou as mesmas áreas na América Central que Eta tinha devastado apenas duas semanas antes.

A temporada de 2020 destacou atividade num ritmo recorde. A terceira tempestade nomeada da temporada e todas as tempestades nomeadas desde a quinta para a frente tinham-se formado mais cedo na temporada que qualquer outra temporada desde que se iniciaram registos fiáveis desde 1851. O índice de energia acumulada de ciclone (ACE) da temporada do oceano Atlântico de 2020, desde as 21:00 UTC de 17 de Novembro, é 178.8 unidades.[nb 2] Em termos gerais o ACE é medido da força da tempestade tropical ou subtropical multiplicado por o tempo de existiu. Ele apenas é calculado para avisos completos em tempestade tropicais específicos e sistema subtropicais que chegam ou excedem a velocidade de 63 km/h (39 mph).

Sistemas[editar | editar código-fonte]

Tempestade tropical Arthur[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Tempestade tropical Arthur (2020)

Tempestade tropical Arthur
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 16 de maio – 19 de maio
Intensidade máxima 95 km/h (60 mph) (1-min)  991 hPa (mbar)

A 14 de maio, o Centro Nacional de Furacões (NHC) observou um área de baixa pressão que se esperava desenvolver nos dias seguintes ao largo do norte da Cuba. A interação de um cavado e um frente estacionária conduziu à formação de uma área de baixa pressão sobre essa região em 15 de maio. A perturbação depois curvou-se para o norte à medida que passava fora da costa pela península da Flórida pelas 18:00 UTC em 16 de maio antes de um avião de reconhecimento da Força Área encontrar que se tinha formado na tempestade tropical Artur seis horas depois. Arthur vageou pela Corrente do Golfo e alterou-se pouco em intensidade enquanto encontrava um aumento de cisalhamento. Depois de passar a este da Carolina do Norte, o sistema chegou à intensidade de ventos máximos de 97 km/h (60 mph) como um depressão profunda com o centro parcialmente coberto. Depois disso, Arthur interagiu com outra frente e tornou-se um ciclone extratropical às 12:00 UTC de 20 de maio. A baixa virou-se para o sudeste antes de se dissipar perto da Bermuda no dia seguinte.[54]

Destacando a formação de tempestade tropical pré-temporada, a temporada de furacões no oceano Atlântico de 2020 tornou-se a sexta temporada consecutiva com um ciclone tropical ou subtropical oficial antes de 1 de junho.[55] Passando a cerca de 20 milhas náuticas de Outer Banks, Arthur causou ventos com rajadas de força de tempestade tropical e um único relato de ventos sustentados de força de tempestade tropical em Alligator River Bridge.[56] Arthur causou prejuízos de $112,000 na Florida.[57] Nenhuns danos foram reportados na Carolina do Norte, apesar de rajadas fortes nas Bahamas causaram danos em tendas montadas como abrigos temporários depois da passagem do Furacão Dorian.[54]

Tempestade tropical Bertha[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Tempestade tropical Bertha (2020)

Tempestade tropical Bertha
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 27 de maio – 28 de maio
Intensidade máxima 85 km/h (50 mph) (1-min)  1005 hPa (mbar)

Em 24 de maio desenvolveu-se uma baixa pressão sobre o sudoeste do Golfo do México. A convecção generalizada acompanhou o sistema, apesar da sua estrutura geral ficar desorganizada enquanto se movia noroeste através do Golfo. Um aumento na convecção do sistema sobre a Flórida desenvolveu uma baixa pressão distinta, mas o sistema manteve-se desorganizado enquanto se movia paralelo à costa Leste em 26 de maio. Depois em 27 de maio uma área pequena mas bem definida de baixa com um a convecção centralizada desenvolveu-se ao largo da costa da Carolina do Sul e o sistema foi classificado como tempestade tropical. Baseado em dados de radar Doppler do NWS de Charleston e dados de boia, o sistema atingiu ventos máximos de 80 km/h (50 mph) pouco depois de se mover dentro de terra perto Isle of Palms na Carolina do Sul. Movendo-se para norte e acelerando, o sistema rapidamente degradou-se e transacionou para um ciclone extratropical sobre a Virgínia. Em 29 de maio Bertha foi absorvida para uma baixa maior extratropical sobre o Quebéc.[58]

A perturbação precursora da tempestade tropical Bertha causou um importante evento de chuva de vários dias em todo o sul da Flórida, com acumulações de 200–250 mm (8–10 in)) em vários lugares, e com uma acumulação máxima de 72 horas de 360 mm (14.19 in) em Miami.[59] Os danos foram limitado às inundações localizadas, especialmente perto dos canais, e um tornado EF1 causou danos menores no sul de Miami.[60][61] Algumas inundações repentinas e danos em árvores ocorreram perto do local de desembarque na Carolina do Sul, mas no geral com efeitos mínimos.[58][62] 1 pessoa afogou-se devido às contra correntes ao longo da costa de Myrtle Beach na Carolina do Sul. No geral, Bertha causou dano e pelo menos $133,000.[63][64]

Tempestade tropical Cristobal[editar | editar código-fonte]

Tempestade tropical Cristobal
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 1 de junho – 10 de junho
Intensidade máxima 95 km/h (60 mph) (1-min)  992 hPa (mbar)

Em 31 de maio, o NHC começou a notar que a Depressão tropical Dois-E no Pacífico Oriental, mais tarde conhecida como Tempestade tropical Amanda, teria o potencial de se reconstruir na Baía de Campeche.[65] Depois de desembarca, os remanescente de Amanda mudaram-se para norte noroeste para a Baía de Campeche e subsequentemente começaram a se desenvolver novamente.[66] Às 21:00 UTC de 1 de junho, os remanescentes de Amanda reconstruíram-se na Depressão tropical Três, na Baía de Campeche. A depressão se moveu muito lentamente para o oeste sobre a Baía de Campeche e intensificou-se em uma tempestade tropical às 15:15 UTC de 2 de junho, e recebeu o nome de Cristobal. Isso marcou a terceira tempestade nomeada mais temporã no Atlântico, batendo o antigo recorde marcado pela Tempestade tropical Colin que tornou-se uma tempestade tropical em 5 de junho de 2016.[67] Durante o restante do dia, o campo eólico de Cristobal tornou-se mais simétrico e bem definido[68] e gradualmente fortaleceu-se com a queda da pressão barométrica à medida que a tempestade serpenteava em direção à costa mexicana.[69] Cristobal atingiu a terra como uma forte tempestade tropical, a oeste de Ciudad del Carmen, às 13:35 UTC de 3 de junho, na sua intensidade máxima de 97 km/h (60 mph). Cristobal se moveu muito lentamente para o interior e enfraqueceu de volta ao status de depressão tropical, à medida que a estrutura geral da tempestade se deteriorava. A tempestade começou a acelarar para norte em 5 de junho.[70] e pelas 18:00 UTC desse dia, apesar de estar situado em terra sobre a Península de Iucatã, Cristobal reintensificou-se de volta a status de tempestade tropical. Enquanto Cristobal se movia mais para norte sobre o Golfo do México, ar seco e a interação com um cavado de alto nível para o este iniciou a degradação de convecção central, com a maior parte da convecção a ser mudada para este e norte do centro.[71][72] Mais tarde em 7 de junho Cristobal desembarcou sobre o sudoeste da Luisiana. Ele enfraqueceu no dia seguinte para uma depressão tropical enquanto se movia sobre o estado. A tempestade sobreviveu como depressão enquanto se movia para norte sobre Vale do Rio Mississippi, até finalmente tornar-se extratropical às 03:00 UTC em 10 de junho sobre o sul de Wisconsin. Em 12 de junho Cristobal tornou-se numa baixa remanescente e dissipou-se totalmente em 13 de junho.[73][74]

A 1 de junho, o governo do México emitiu uma advertência de tempestade tropical desde Campeche para o oeste até ao porto de Veracruz. Os residentes em risco nas comunidades do Bosque Rovirosa e La Costeñita foram evacuados. 9,000 membros da Guarda Nacional Mexicana foram convocados para ajudar nos preparativos e reparos.[75] Chuvas significativas caíram em grande parte do sul do México e América Central. Com ondas de até 3 m (9.8 ft) de altura e os portos fechados durante vários dias. Até 243 mm (9.6 in) de chuva caíram na península de Iucatã, inundando secções de uma estrada. As inundações das ruas ocorreram tão longe como Nicarágua.[75] A 5 de junho, enquanto Cristobal ainda era uma depressão tropical, o governo do México emitiu uma alerta de tempestade tropical desde Ponta Ferreiro até Rio Lagartos, bem como para outra área desde Intracoastal City, Luisiana até à fronteira Flórida-Alabama, emitida pelo Serviço Meteorológico Nacional. Estas áreas actualizaram-se mais tarde a avisos e para a costa do Golfo, o aviso estendeu-se à linha Okaloosa/condado de Walton.[73] Fortes chuvas e danos foram reportados dentro da áreas dos avisos durante a passagem de Cristobal e a tempestade causou prejuízos estimados em US$665.

Tempestade tropical Dolly[editar | editar código-fonte]

Tempestade tropical Dolly
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 22 de junho – 24 de junho
Intensidade máxima 75 km/h (45 mph) (1-min)  1002 hPa (mbar)

A 19 de junho, o Centro Nacional de Furacões (NHC) começou a monitorar um área de clima perturbado em frente à costa sudeste dos Estados Unidos. Para um possível desenvolvimento subtropical em curto prazo.[76] Nessa altura, a baixa pressão não era considerada a desenvolver-se devido às temperatura desfavoráveis da superfície do mar.[77] Contrariamente às previsões, a circulação do sistema lentamente fez-se mais definida ao longo do dia e algumas tempestades começaram a desenvolver-se para perto da circulação, mas o sistema saiu das águas mais quentes da Corrente do Golfo mais tarde essa mesma noite e começou a perder qualquer convecção que se desenvolveu.[78] A atividade convectiva da baixa rapidamente voltou-se mais definida e bem organizada durante o dia, enquanto a circulação se fechou, o que levou ao Centro Nacional de Furacões (NHC) a atualizar o sistema à depressão subtropical Quatro ao redor das 21:00 UTC de 22 de junho. Em 23 de junho o sistema tinha contraído o seu campo de vento de maneira significativa (se voltando mais característico de um ciclone tropical) e ao mesmo tempo confirmando que a tempestade se tinha fortalecido ainda mais com ventos furacanados, permitindo que o Centro Nacional de Furacões (NHC) proporcione uma atualização do sistema e o designar Dolly de tempestade tropical aproximadamente às 16:15 UTC com ventos de 72 km/h (45 mph)

A formação de Dolly marcou o terceiro aparecimento mais cedo da quarta tempestade nomeada na temporada de furacões, só por trás da tempestade tropical Debby de 2012.[nb 3] e a Tempestade tropical Danielle de 2016.[13][79]

Tempestade tropical Edouard[editar | editar código-fonte]

Tempestade tropical Edouard
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 4 de julho – 6 de julho
Intensidade máxima 75 km/h (45 mph) (1-min)  1007 hPa (mbar)

A 1 de julho, um grupo de tempestades elétricas conhecidas como vórtice convectivo de mesoescala formou-se sobre o norte do vale de Tennessee em associação com um padrão frontal estancado e moveu-se lentamente para o sudeste.[80] Para o 2 de julho, o remanescente mesolow emergiu da costa da Georgia,[81] e o (NHC) começou a monitorar por volta das 00:00 UTC em 4 de julho.[82] Apenas quatro horas mais tarde, a circulação da baixa posteriormente definiu-se melhor e fechou-se,[83] e por às 15:00 UTC de 4 de julho, o NHC emitiu o seu primeiro aviso sobre o sistema como depressão tropical Cinco. O sistema deslocou-se gradualmente para o norte-nordeste para as Bermudas, enquanto se notou pouca alteração da intensidade quando passou a cerca de 110 km (70 mi) ao norte das Bermudas às 9:00 UTC de 5 de julho.[84][85] Uma grande explosão de convecção como resultado do forçamento baroclínico permitiu o sistema à tempestade tropical Edouard às 3:00 UTC de 6 de julho. Isso fez Edouard a quinta tempestade nomeada mais temporã registada no Oceano Atlântico Norte, superando o recorde do furacão Emily, que se converteu em tempestade tropical a 11 de julho.[86] Edouard intensificou-se ainda mais a uma intensidade máxima de 1007 mb (29.74 inHg) e com ventos máximos sustentados de 72 km/h (45 mph) às 18:00 UTC nesse dia. Três horas mais tarde tornou-se extratropical enquanto se encontrava a umas 450 milhas ao sudeste de Cape Race, Terra Nova.[86]

O Serviço Meteorológico das Bermudas emitiu uma advertência de vendaval para toda a corrente de ilhas antes do sistema a 4 de julho.[87] Posteriormente produziu-se um clima instável com tempestades elétricas, e a depressão causou rajadas de vento com força de tempestade tropical e chuvas moderadas na ilha a princípios de 5 de julho, mas os impactos foram relativamente menores.[87][88]

Tempestade tropical Fay[editar | editar código-fonte]

Tempestade tropical Fay
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 9 de julho – 11 de julho
Intensidade máxima 95 km/h (60 mph) (1-min)  998 hPa (mbar)
Ver artigo principal: Tempestade tropical Fay (2020)

Às 0:00 UTC de 5 de julho, pouco depois da formação da tempestade tropical Edouard, o Centro Nacional de Furacões (NHC) começou a rastrear um área de nebulosidade e chuvas desorganizadas em relação com um canal de superfície quase estacionário no Golfo do México, ao sudeste da Luisiana.[89] Depois de serpentear pelo Golfo, o distúrbio moveu-se para o noroeste em direção à costa da Flórida Panhandle, e subsequentemente mudar-se para terra pelas 12:00 UTC de 6 de julho.[90] Dois dias depois, o sistema re-emergiu sobre a costa da Geórgia.[91] Uma vez offshore, o sistema começou a organizar-se à medida que a conveção profunda florescia sobre as águas quentes da Corrente do Golfo.[92] Três horas depois, o centro reformou-se perto da borda da massa primária de convecção o que provocou que o NHC iniciasse avisos na tempestade tropical Fay às 21:00 UTC, localizado a apenas 40 milhas este-nordeste do cabo Hatteras.[93][94] Fay intensificou-se enquanto se movia quase a norte, chegando à sua intensidade barometrica máxima de 999 mbar.[95] Fay depois fez landfall a este-nordeste de Atlantic City, Nova Jérsia às 21:00 UTC de 10 de julho.[96] Depois rapidamente perdeu intensidade em terra, e pelas 06:00 UTC de 11 de julho, tinha enfraquecido para depressão tropical enquanto localizado a cerca de 80 km (50 mi) da cidade de Nova Iorque.[97] A tempestade transacionou para um ciclone pós-tropical três horas depois enquanto localizada a 48 km (30 mi) a sul de Albany, Nova Iorque.[98]

Imediatamente após a formação, avisos de tempestade tropical foram emitidos para as costas de Nova Jersia, Nova Iorque e Connecticut, enquanto o sistema movia-se para norte a 11 km/h (7 mph).[93] Seis pessoas morreram diretamente devido às correntes de ressaca e a maré de tempestade. Em geral o prejuízos da tempestade na Costa Leste dos Estados Unidos causaram pelo menos US$350 milhões, baseado em danos de ventos e marés de tempestade sobre propriedade residênciais, comerciais industriais.[99] A formação de Fay em 9 de julho superou o recorde estabelecido pela tempestade tropical Franklin de 2005 de 21 de julho como a sexta tempestade nomeada mais temporã no Atlântico.[100]

Tempestade tropical Gonzalo[editar | editar código-fonte]

Tempestade tropical Gonzalo
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 21 de julho – 25 de julho
Intensidade máxima 100 km/h (65 mph) (1-min)  997 hPa (mbar)

A princípios de 20 de julho, o Centro Nacional de Furacões (NHC) começou a monitorar uma onda tropical sobre o Atlântico tropical central para o possível desenvolvimento de ciclones tropicais.[101] Ainda que numa área de condições pouco propícias,[102] A onda rapidamente organizou-se enquanto se movia rápido para oeste. Pelas 21:00 UTC de 21 de julho, imagens de satélite e dados de scatterometer indicava que a pequena área de baixa pressão tinha adquirido uma circulação bem definida assim como uma conveção para ser designada Tempestade tropical Sete.[103] Pelas 12:50 UTC de 22 de julho, o NHC atualizou a depressão para Tempestade tropical Gonzalo. Gonzalo continuou a intensificar-se durante o dia, com um olho sobre uma camada densa central e vestígios de um olho em desenvolvimento evidente. Gonzalo depois chegava à intensidade máxima de ventos de 105 km/h (65 mph) e pressão central miníma de 997 mbar às 09:00 UTC do dia seguinte. Mesmo assim, o fortalecimento foi travado como a sua nuvem central densa foi significativamente perturbada quando a tempestade infiltrou ar muito seco na sua circulação de camada de ar do deserto do Sahara ao norte. A convecção depois redesenvolveu sobre o centro de Gonzalo enquanto o sistema tentou misturar o ar seco da sua circulação, mas a tempestade tropical não fortaleceu mais devido às condições desfavoráveis. Depois de chegar a terra na ilha de Trinidad como uma tempestade tropical fraca, Gonzalo enfraqueceu para uma depressão tropical pelas 18:00 UTC de 25 de julho. Três horas depois, Gonzalo abriu-se a uma onda tropical enquanto chegava a terra no norte da Venezuela.[104]


Gonzalo é o sétimo ciclone tropical nomeado mais temporão a formar-se na bacia do Atlântico. O anterior detentor desta distinção foi a tempestade tropical Gert, que se formou a 24 de julho de 2005.[105] Em 23 de julho, foram emitidos alertas de furacão para Barbados, São Vincente e as Grenadines, e um alerta de tempestade tropical foi emitido para Grenada e Trinidad e Tobago.[106] Depois em 24 de julho de Gonzalo falhar de se fortalecer para um furacão, os avisos de furacão e tempestade tropical foram substituídos por alertas de tempestade tropical.[107] Em 25 de julho a tempestade tropical Gonzalo trouxe tempo ventoso para Trinidad e Tobago e parte do sul de Grenada e norte da Venezuela.[108] Depois, o impacto da tempestade foi bastante menor que originalmente esperado.[109] A Agência de Gestão de Emergência de Tobago apenas recebeu dois relatórios de danos na ilha: uma árvore caída numa instalação de saúde em Les Coteaux e danos numa paragem de autocarro em Argyle.[110]

Furacão Hanna[editar | editar código-fonte]

Furacão Hanna
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 23 de julho – 27 de julho
Intensidade máxima 150 km/h (90 mph) (1-min)  973 hPa (mbar)
Ver artigo principal: Furacão Hanna (2020)

Em 06:00 UTC de 19 de julho, o NHC notou uma onda tropical sobre o este de São Domingos para o seu possível desenvolvimento.[111] No Golfo do México, onde as condições eram mais favoráveis para o desenvolvimento,[112] o sistema começou a organizar-se enquanto uma área larga de baixa pressão formou-se dentro dele.[113] As observações de superfície e dados de um avião Hurricane Hunter da Força Área mostravam que a área de baixa pressão tinha desenvolvido uma circulação fechada assim com um centro bem definido, levando a NHC a emitir avisos sobre a Depressão tropical Oito em 03:00 UTC 23de julho.[114] A depressão continuou a ficar mais bem organizada durante o resto do dia, e 24 horas depois da formação, fortaleceu-se para uma tempestade tropical, recebendo o nome de Hanna.[115] Com a intensificação do sistema em 24 de julho para tempestade tropical, ele bateu o recorde para a 8ª tempestade nomeada mais temporã por 10 dias do registo anterior de 3 de agosto, marcada pela tempestade tropical Harvey em 2005.[116] O sistema moveu-se para oeste e fortaleceu-se.[117] Nas seguintes 24 horas, Hanna teve uma intensificação explosiva quando o centro e convecção ficaram mais bem organizados.[118] Pelas 12:00 UTC de 25 de julho, dados de radar e dados de outro Avião Hurricane Hunter mostravam que Hanna tinha-se intensificado no primeiro furacão da temporada.[119] Hanna continuou o fortalecimento, chegando à máxima intensidade de ventos de 140 km/h (90 mph) pelas 21:00 UTC em 25 de julho, antes um hora depois chegar a terra em Padre Island, Texas. Depois de fazer o seu segundo landfall em Condado de County, Texas na mesma intensidade às 23:15 UTC, o sistema depois começou um enfraquecimento rápido, baixando para status de depressão tropical pelas 22:15 UTC do dia seguinte depois de cruzar para o Noroeste do Northeastern México.[120][121]

Depois que o sistema tinha sido classificado como depressão tropical, emitiram-se alertas para quase toda a costa do Texas.[122] Pelas 21:00 UTC de 24 de julho, foi emitido um aviso de furacão para Baffin Bay até Mesquite Bay, Texas, devido à previsão de Hanna se tornar um furacão antes do landfall.[123] Enquanto o furacão se aproximava de terra, entidades locais realçaram a realidade do coronavirus quando avisam residentes que residem em bairros sujeitos a inundações sobre a possibilidade de evacuação. O governador do Texas Greg Abbott anunciou a assistência de 17 equipas de teste COVID-19 para os abrigos e 100 elementos médicos da Guarda Nacional do Texas.[124] Hanna trouxe ao sul do Texas e noroeste do México inundações de marés de tempestade, ventos destrutivos, chuvas torrenciais, inundações repentinas e tornados isolados; três fatalidades foram reportadas em Reynosa, Tamaulipas.[125]

Furacão Isaias[editar | editar código-fonte]

Furacão Isaias
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração Desconhecido – 5 de agosto
Intensidade máxima 140 km/h (85 mph) (1-min)  987 hPa (mbar)
Ver artigo principal: Furacão Isaias

O Centro Nacional de Furacões (NHC) começou a rastrear uma vigorosa onda tropical na costa da África a 23 de julho.[126] A onda organizou-se gradualmente e definiu-se melhor, desenvolvendo uma área ampla de baixa pressão.[127] Ainda que a circulação era ampla e desorganizada, a convecção continuou aumentando sobre o sistema. Ainda que o sistema ainda carecia de um centro bem definido, a sua ameaça de ventos com força de tempestade tropical em áreas terrestres provocou a sua designação como Ciclone tropical potencial Nove às 15:00 UTC de 28 de julho.[128] O sistema moveu-se ao sul da Dominica a 29 de julho e às 03:00 UTC do dia seguinte, organizou-se o suficiente como para converter num ciclone tropical. Como a sua perturbação precursora já tinha ventos de força de furacão, imediatamente se declarou tempestade tropical e se lhe deu o nome de Isaias.[129] Ao dia seguinte, Isaias continuou movendo-se geralmente para o noroeste passando ao sul de Porto Rico e sobre partes do este de Ilha de São Domingos, isto é, a República Dominicana. Às 03:40 UTC de 31 de julho, Isaías converteu-se num furacão enquanto afastava-se das Antilhas Maiores.[130] A tempestade fluctuou em intensidade depois com ventos de 137 km/h (85 mph) e a sua pressão a diminuir para 987 mbar (29.1 inHg). Às 15:00 UTC de 1 de agosto, Isaias tocou terra no norte de Andros, Bahamas, com ventos de 130 km/h (80 mph), após o qual o sistema se debilitou a uma tempestade tropical às 21:00 UTC.[131][132] Depois girou para o norte-noroeste, em paralelo à costa leste da Flórida e Geórgia, enquanto o vento fluctuava entre 105–113 km/h (65–70 mph) de velocidade. À medida que a tempestade acelerou-se para o nordeste e acercou-se à costa da Carolina, a cisalhamento do vento relaxou-se, permitindo que a tempestade se intensifique rapidamente num furacão de categoria 1 às 00:00 UTC de 4 de agosto,[133][134] e às 03:10 UTC, Isaias tocou terra em Ocean Isle Beach , Carolina do Norte, com ventos sustentados de 1 minuto de 137 km/h (85 mph).[135] Após tocar terra, Isaias acelerou e só se debilitou lentamente, caindo por abaixo do estado de furacão às 07:00 UTC sobre a Carolina do Norte.[136] A tempestade passou pelos estados do Atlântico médio e Nova Inglaterra antes de passar a um ciclone extratropical para perto de a fronteira entre Estados Unidos e Canadá, e posteriormente debilitar-se progredindo para Quebec.[137]

Quando Isaias se formou como uma tempestade tropical, tornou-se na nona tempestade nomeada mais temporã registada, rompendo o recorde do furacão Irene de 2005 em oito dias. Com a sua chegada a terra a 4 de agosto, converteu-se na quinta tempestade com o primeiro nome em tocar terra nos Estados Unidos. O recorde anterior da quinta tempestade mais temporã em tocar terra nos Estados Unidos foi a 18 de agosto, estabelecido durante a temporada de 1916.[138] Emitiram-se numerosos alertas e avisos de tempestade tropical, bem como alertas de furacão e advertências de furacão para as Pequenas Antilhas, as Antilhas Maiores, Bahamas, Cuba e toda a costa leste dos Estados Unidos. Isaías causou devastadoras inundações e danos por ventos em Porto Rico e República Dominicana. Vários aldeias ficaram sem eletricidade e água potável em Porto Rico, o que provocou uma declaração de desastre por parte do presidente Donald Trump. Na República Dominicana, duas pessoas morreram pelo dano do vento. Uma mulher morreu em Porto Rico depois de ser arrastada pelas inundações. Emitiram-se 109 avisos de tornado em 12 estados, incluído um para Hampton Roads. Duas pessoas foram mortas no condado de Bertie, Carolina do Norte, a 4 de agosto devido a um tornado EF3 que golpeou um parque de casas móveis. Leste foi o tornado gerado por um ciclone tropical mais forte desde que o furacão Rita produziu um tornado F3 em Clayton, Luisiana, a 24 de setembro de 2005.[139] Ocorreram mais cinco mortes no condado de St. Mary's, Maryland; Milford, Delaware; Naugatuck, Connecticut; North Conway, Nova Hampshire; e a cidade de Nova Iorque devido à queda de árvores. Uma mulher morreu quando o seu veículo foi arrastado rio abaixo numa zona inundada do condado de Lehigh, Pensilvânia,[140] e uma criança foi encontrada morta em Lansdale, Pensilvânia, após desaparecer durante o apogeu da tempestade.[141] Um homem afogou-se devido às fortes correntes em Cape May, Nova Jérsia.[142] A empresa de fornecimento de eletricidade da cidade de Nova Iorque disse que viu mais apagões de Isaias de que qualquer outra tempestade excepto o Furacão Sandy em 2012. O prejuízos estimados eram em excesso de US$4.725 mil milhões também fizeram de Isaias o ciclone tropical mais caro a atingir o Noroeste dos E.U. desde Sandy.[143]

Depressão tropical Dez[editar | editar código-fonte]

Depressão tropical Dez
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 31 de julho – 2 de agosto
Intensidade máxima 55 km/h (35 mph) (1-min)  1007 hPa (mbar)

A partir de 9:00 UTC de 30 de julho, o Centro Nacional de Furacões (NHC) começou a monitorar uma área ampla de baixa pressão associada com uma onda tropical ao sudeste das Ilhas de Cabo Verde.[144] Ao longo do dia, a atividade de tempestades elétricas aumentou em associação com o sistema e organizou-se melhor, o que levou ao Centro Nacional de Furacões (NHC) a aumentar as possibilidades de desenvolvimento do sistema até um 50% às 18:00 UTC desse dia.[145] No entanto, a atividade da tempestade desorganizou-se e ao dia seguinte, a suas possibilidades de desenvolvimento tinham diminuído significativamente.[146] Contrariamente ao previsto, o sistema reorganizou-se rapidamente durante o resto do dia e às 21:00 UTC, o Centro Nacional de Furacões (NHC) emitiu avisos sobre a depressão tropical Dez.[147] Inicialmente, esperava-se que a tempestade se convertesse numa tempestade tropical, e os dados do dispersómetro para perto de as 23:00 UTC encontraram ventos de tempestade tropical ao noroeste do centro do sistema.[148] No entanto, o Centro Nacional de Furacões (NHC) decidiu manter o estado do sistema como depressão tropical devido à preocupação de que os dados podem ter sido distorcidos por fortes chuvas, e assinalou que o sistema pôde ter atingido brevemente o estado de tempestade tropical durante umas poucas horas.[149] Após manter a sua intensidade durante 12 horas, o ciclone começou a debilitar-se ao entrar em águas mais frias ao norte das ilhas de Cabo Verde.[150] Dissipou-se às 03:00 UTC de 2 de agosto.[151]

Tempestade tropical Josephine[editar | editar código-fonte]

Tempestade tropical Josephine
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 11 de agosto – 16 de agosto
Intensidade máxima 75 km/h (45 mph) (1-min)  1004 hPa (mbar)

A 7 de agosto, o Centro Nacional de Furacões (NHC) começou a monitorar uma onda tropical sobre o Atlântico tropical.[152] À deriva lentamente para o oeste, a onda inicialmente lutou por organizar-se, já que encontrava-se num meio relativamente desfavorável.[153] No entanto, a circulação da onda foi-se definindo lentamente enquanto os sinais de organização convectiva fizeram-se evidentes nas imagens de satélite. Muito cedo, a circulação deixou de alongar-se e o sistema foi designado depressão tropical às 21:00 UTC da 11 de agosto.[154][155] A intensificação foi lenta para a depressão já que o ar seco e a cisalhamento do vento impediram muito desenvolvimento.[156] Após 2 dias de poucas mudanças na intensidade, a depressão passou a condições mais favoráveis e intensificou-se na tempestade tropical Josephine às 15:00 UTC de 13 de agosto.[157] Josephine converteu-se na décima tempestade com nome mais antiga registada na bacia, superando à tempestade tropical José de 2005.[157] Josephine fluctuou em intensidade devido a uma pequena mudança na cisalhamento vertical do vento que deslocou ligeiramente a circulação da convecção profunda.[158] Os caçadores de furacões pesquisou o sistema mais tarde a 14 de agosto e descobriu que o centro da tempestade provavelmente se tinha transladado mais ao norte nas horas da tarde.[159] Não obstante, Josephine continuou movendo-se para condições a cada vez mais hostis quando começou a passar ao norte das ilhas de Sotavento.[160] Como resultado, a tempestade se debilitou mais tarde e se converteu numa depressão tropical a princípios de 16 de agosto, justo ao norte das Ilhas Virgens.[161] O debilitamento da circulação do ciclone voltou-se a cada vez mais mal definido, e Josephine eventualmente degenerou num vale de baixa pressão mais tarde nesse dia.[162]

Tempestade tropical Kyle[editar | editar código-fonte]

Tempestade tropical Kyle
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 14 – 16 de agosto
Intensidade máxima 85 km/h (50 mph) (1-min)  1000 hPa (mbar)

A 13 de agosto de 2020, o Centro Nacional de Furacões (NHC) começou a rastrear um área de baixa pressão localizada sobre o este da Carolina do Norte.[163] As temperaturas quentes da água no Atlântico permitiram que o sistema se organizasse rapidamente e, às 21:00 UTC de 14 de agosto, o Centro Nacional de Furacões (NHC) designou ao sistema como tempestade tropical Kyle. Foi a décima-primeira tempestade nomeada do Atlântico Norte mais temporã, batendo o recorde do furacão Katrina em 2005 por 10 dias.[164] Ao meio dia de 15 de agosto, Kyle tinha atingido a sua intensidade máxima com ventos máximos sustentados de 50 mph (80 km/h) e uma pressão mínima de 1000 mb (29,53 inHg), ao mesmo tempo que a circulação começou a se alongar rapidamente.[165] Como resultado, o sistema começou a perder rapidamente as suas características tropicais e sua circulação se voltou muito alongada e esticada, o que finalmente levou a que Kyle se convertesse num ciclone postropical a princípios da 16 de agosto.[166]

Furacão Laura[editar | editar código-fonte]

Furacão Laura
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 20 de agosto – 29 de agosto
Intensidade máxima 240 km/h (150 mph) (1-min)  937 hPa (mbar)
Ver artigo principal: Furacão Laura

Em 16 de agosto, o National Hurricane Center (NHC) começou a rastrear uma grande onda tropical que emergiu da costa da África Ocidental e começou a cruzar a Zona de Convergência Intertropical (ITCZ) em direção às Ilhas de Windward.[167] A caminho das Ilhas Windward, imagens de satélite revelaram que o sistema começou a fechar seu centro de circulação de baixo nível (LLCC) com a convecção disparando em torno dele e, posteriormente, o NHC começou a emitir avisos sobre a Depressão tropical Treze em 20 de agosto.[168] No dia seguinte, a depressão se fortaleceu na Tempestade tropical Laura, mas não foi capaz de se fortalecer ainda mais, devido ao congestionamento do ar seco do nível superior, bem como à interação da terra.[169] Isso fez de Laura a décima segunda tempestade nomeada mais cedo, batendo o recorde anterior do furacão Luis de 1995 por oito dias. Enquanto Laura se mudava para o litoral de Porto Rico, uma possível reforma do centro ocorreu ao sul de Porto Rico,[170] permitindo que Laura começasse a se fortalecer.[171] No mesmo dia, uma mudança para o leste na previsão da tempestade tropical Marco indicou que Laura e Marco podem fazer ondas grandes consecutivos na área ao redor da Louisiana. [197] No início de 23 de agosto, Laura atingiu a costa perto de San Pedro de Macorís, República Dominicana, com ventos de 45 milhas por hora (72 km/h).[172] Em 23 de agosto, Laura atingiu grandes quantidades de convecção, mas ainda parecia irregular nas imagens de satélite, com o terreno montanhoso da Ilha de São Domingo impedindo-o de se fortalecer.[173] Mais tarde naquele dia, porém, Laura conseguiu retomar o fortalecimento.[174]

Quando Laura passou pelas ilhas Leeward, trouxe fortes chuvas para as ilhas de Guadalupe e Dominica, conforme capturado no radar.[175] A tempestade levou ao fechamento de todos os portos nas Ilhas Virgens Britânicas.[176] Em Porto Rico, Laura causou árvores derrubadas e inundações em Salinas.[177] Laura matou 13 pessoas em Sao Domingo; incluindo 4 na República Dominicana e 9 no Haiti.

Em 25 de agosto, o furacão se tornou categoria 2 e começou a aumentar rapidamente. Nesse momento ele também se tornou o maior furacão da temporada.[178] Em 26 de agosto, o furacão se tornou categoria 4 e continua se aproximando do sul dos Estados Unidos, sem previsão de se tornar categoria 5. O furacão chegou na costa americana na mesma madrugada.[179] E rapidamente enfraqueceu, e se tornou uma depressão tropical que foi ao atlântico norte.

Furacão Marco[editar | editar código-fonte]

Furacão Marco
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 20 de agosto – 25 de agosto
Intensidade máxima 120 km/h (75 mph) (1-min)  991 hPa (mbar)

O NHC começou a rastrear uma onda tropical localizada sobre o Atlântico Tropical central às 00:00 UTC de 16 de agosto.[180] Inicialmente prejudicada por sua velocidade e pelas condições desfavoráveis ​​no Caribe oriental, a onda começou a se organizar assim que atingiu o Caribe central em 19 de agosto.[181] Às 15:00 UTC do dia 20 de agosto, o NHC designou a onda como Depressão tropical Quatorze.[182] A intensificação foi inicialmente lenta, mas a depressão se intensificou na tempestade tropical Marco às 03:00 UTC de 22 de agosto, tornando-se a primeira tempestade do Atlântico nº 13, batendo o recorde anterior do furacão Maria de 2005 e da tempestade tropical Lee de 2011 em 11 dias.[183] Como resultado das condições atmosféricas favoráveis, Marco rapidamente se intensificou para um pico inicial de 65 milhas por hora (100 km/h) e uma pressão de 992 mb, com um olho característico começando a se formar no radar.[184] Ao contrário das previsões anteriores, a trilha de Marco foi deslocada para o leste no aviso das 17:00 EDT em 22 de agosto, conforme o sistema se movia para norte-nordeste em vez de norte-noroeste, introduzindo a possibilidade de sucessivas ondas grandes ao redor da Louisiana de Laura e Marco.[184][185] Pouco depois, um aumento no cisalhamento fez com que o sistema se tornasse assimétrico e sua pressão aumentasse ligeiramente antes de começar a se fortalecer novamente, embora sua aparência permanecesse desorganizada.[186][187] Depois que um voo dos Hurricane Hunters encontrou evidências de ventos sustentados acima da força do furacão, Marco foi atualizado para um furacão de categoria 1 às 11h30 CDT em 23 de agosto, tornando-o o terceiro furacão da temporada.[188] Apesar disso, o cisalhamento do vento vertical no nordeste criado por um vale situado a noroeste de Marco deslocou sua convecção, expondo seu centro de baixo nível, o que fez com que o sistema começasse a enfraquecer significativamente no início de 24 de agosto.[189][190] Às 23:00 UTC, Marco atingiu a costa perto da foz do rio Mississippi como uma tempestade tropical fraca com ventos a 40 milhas por hora (64 km/h) e uma pressão de 1006 mb.[191] Marco degenerou em uma baixa remanescente ao sul de Louisiana às 09:00 UTC em 25 de agosto.[192]


Ao contrário das previsões anteriores, a trajetória de Marco foi deslocada significativamente para o leste no final de 22 de agosto, conforme o sistema se movia para o norte-nordeste em vez de para o norte-noroeste, introduzindo a possibilidade de sucessivos landfalls ao redor da Louisiana de Laura e Marco.[184][185] No entanto, Marco enfraqueceu mais rápido do que o previsto, e seu desembarque na Louisiana foi muito menos prejudicial do que inicialmente temido. A tempestade matou indiretamente 1 pessoa em Chiapas, México.[193]

Tempestade tropical Omar[editar | editar código-fonte]

Tempestade tropical Omar
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 31 de agosto – activo
Intensidade máxima 65 km/h (40 mph) (1-min)  1007 hPa (mbar)

Nos últimos dias de agosto, a frente fria pós-tropical de Laura gerou um vale sobre o norte da Flórida e, eventualmente, uma área de baixa pressão formada ao largo da costa do sudeste dos Estados Unidos. A baixa se organizou rapidamente à medida que flutuava no topo da Corrente do Golfo e foi classificada como Depressão tropical Quinze às 21:00 UTC em 31 de agosto.[194] Movendo-se geralmente para nordeste, longe da Carolina do Norte, a depressão lutou para se intensificar em um ambiente marginalmente favorável com as águas quentes da Corrente do Golfo sendo compensadas por forte cisalhamento do vento.[195] Eventualmente, estimativas de satélite revelaram que a depressão estava se intensificando e o sistema se consolidou o suficiente para ser atualizado para uma tempestade tropical e, como resultado, foi dado o nome de Omar às 21:00 UTC do dia 1 de setembro.[196] Este evento marcou a formação mais precoce da décima quinta tempestade com nome registrado no Atlântico Norte, excedendo o registro do furacão Ophelia em 2005 em aproximadamente 6 dias..[196] Após manter sua intensidade por 24 horas, vento noroeste de 50 nós enfraqueceram a tempestade de volta a uma depressão tropical.[197][198] Embora o cisalhamento do vento continuasse a assolar o sistema, Omar conseguiu permanecer um ciclone tropical até setembro 4 à medida que a convecção continuou a disparar perto ou sobre seu centro.[199]

Embora ainda fosse uma depressão se afastando dos Estados Unidos, a tempestade trouxe correntes e ondas com risco de vida para a costa das Carolinas.[200]

Furacão Nana[editar | editar código-fonte]

Furacão Nana
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 1 de setembro – 4 de setembro
Intensidade máxima 120 km/h (75 mph) (1-min)  994 hPa (mbar)
Ver artigo principal: Furacão Nana (2020)

Em 27 de agosto o NHC começou a monitorar uma onda tropical sobre o Atlântico.[201] A onda atingiu o sul do Caribe, onde as condições eram mais favoráveis ao desenvolvimento. O sistema conseguiu atingir ventos fortes e, às 15:00 UTC do dia 1º de setembro, os avisos sobre o Ciclone Tropical Potencial Dezesseis foram iniciados.[202] Uma circulação fechada foi encontrada e uma hora depois o sistema foi atualizado para a tempestade tropical Nana, o que a tornou a 14.ª tempestade com nome mais antiga registada no Atlântico, ultrapassando o furacão Nate de 2005.[203] A tempestade se intensificou um pouco mais, obtendo ventos sustentados de 1 minuto de 95 km /h às 03:00 UTC de 2 de setembro. Depois, cisalhamento norte moderado de 15 nós interromperam a tendência e expuseram parcialmente o centro de circulação.[204] Em 2 de setembro a pressão central de Nana oscilou entre 996 e 1000 mbars ao longo do dia, enquanto os ventos sustentados permaneceram estáveis em 95 km/h.[205] No dia seguinte, uma pequena reforma do centro e uma explosão de convecção permitiram que Nana se intensificasse rapidamente para um furacão às 03:00 UTC de 3 de setembro. Simultaneamente, atingiu o seu pico de intensidade com ventos sustentados de 1 minuto de 120 km/h e uma pressão central mínima de 994 mbars.[206] Três horas depois, Nana atingiu a costa entre Dangriga e Placencia, em Belize, perto do pico de intensidade.[207] Nana então começou a enfraquecer rapidamente, caindo abaixo do status de furacão três horas depois de atingir o continente,[208] e enfraquecendo para uma depressão tropical às 21:00 UTC.[209] O centro de baixo nível de Nana então se dissipou e o NHC emitiu seu parecer final sobre a tempestade às 03:00 UTC de 4 de setembro.[210]

Nana causou inundações mínimas nas ilhas da baía de Honduras ao passar por perto.[211] Centenas de acres de banana e plantações foram destruídas em Belize, onde um pico de rajada de vento de 98 km/h foi relatado em uma estação meteorológica em Carrie Bow Cay.[212] Grandes quantidades de precipitação também ocorreram no norte da Guatemala.[213] Felizmente, nenhuma morte foi relatada em associação com Nana.

Furacão Paulette[editar | editar código-fonte]

Furacão Paulette
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 7 de setembro – 16 de setembro
Intensidade máxima 165 km/h (105 mph) (1-min)  965 hPa (mbar)

Em 30 de agosto o NHC começou a monitorar uma onda tropical localizada sobre a África.[214] Em 6 de setembro a onda organizou-se e formou-se numa área de baixa pressão mas a atividade convectiva manteve-se desorganizada.[215][216] Cedo no dia 7 de setembro, a organização melhorou, e o NHC emitiu alertas para a Depressão tropical Dezassete às 03:00 UTC desse dia.[217] Antes de se tornar uma depressão tropical, a tempestade anteriormente tinha lutado para se organizar devido aos episódios convectivos curtos com pouca consistência.[218] Ás 15:00 UTC de 7 de setembro, a NHC atualizou o sistema para a Tempestade tropical Paulette, a décima-sexta tempestade nomeada mais temporã registada, batendo por 10 dias o registo anterior pelo Furacão Philippe de 2005.[219][220] Ele moveu-se sobre o Atlântico quente em geral para oeste-noroeste e intensificou-se gradualmente. Em 8 de setembro pelas 15:00 UTC, Paulette atingiu a sua intensidade máxima com ventos de 1 minuto sustentados de 100 km/h com um pressão miníma de 995 mbar (29.39 inHg).[221] Ele manteve essa intensidade por 12 horas antes de um aumento do cisalhamento do vento enfraqueceu o sistema.[222][223] Depois cedo em 11 de setembro a tempestade rapidamente aumentou de intensidade.[224]

Tempestade tropical Rene[editar | editar código-fonte]

Tempestade tropical Rene
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 7 de setembro – 14 de setembro
Intensidade máxima 85 km/h (50 mph) (1-min)  1000 hPa (mbar)

Em 3 de setembro, o NHC notou a possibilidade de outra onda tropical a desenvolver-se numa depressão tropical.[225] Em 6 de setembro, a onda emergiu para fora da costa da África e depois começou a organizar-se rapidamente, e às 09:00 UTC de 7 de setembro, ele foi atualizado para a Depressão tropical Dezoito, a cerca de meia distância entre a África e Cabo Verde.[226] A depressão depois aumentou de intensidade ao largo do leste de Cabo Verde, tornando-se a Tempestade tropical Rene 12 horas depois da última atualização.[227] Rene tornou-se a décima-sétima tempestade nomeada mais temporã do Atlântico, batendo o registo anterior de 2005 por 11 dias do Furacão Rita.[228] Três horas depois, Rene chegou a terra em Ilha de Boa Vista com ventos de 1 minuto de 65 km/h e a pressão de 1001 mbar (29.56 inHg).[229] Apesar de a tempestade ter perdido alguma organização enquanto se movia nas ilhas de Cabo Verde, ele manteve-se uma tempestade tropical miníma antes de enfraquecer para uma depressão tropical às 03:00 UTC de 9 de setembro.[230][231] O sistema algumas horas mais tarde aumentou de intensidade para uma tempestade tropical e doze horas depois continuava a lutar contra o cisalhamente de vento de leste.[232] Ele intensificou-se mais, com vento de 1 minuto de 85 km/h e uma pressão miníma a baixar para 1000 mbar (29.53 inHg) às 15:00 UTC de 10 de setembro.[233] Passadas 12 horas o efeitos continuados do cisalhamento do vento enfraqueram novamente a tempestade.[234]

Um aviso de tempestade tropical foi emitido para as ilhas de Cabo Verdes às 09:00 UTC de 7 de setembro.[235] Rene produziu rajadas de vento e fortes chuvas nas ilhas, mas não se relataram prejuízos.[236] O aviso foi cancelado às 21:00 UTC de 8 de setembro.

Furacão Sally[editar | editar código-fonte]

Furacão Sally
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 11 de setembro – 17 de setembro
Intensidade máxima 165 km/h (105 mph) (1-min)  965 hPa (mbar)

Às 00:00 UTC em setembro 10, o NHC começou a monitorar uma área de perturbado tempo sobre As Bahamas para o desenvolvimento possível.[237] Durante o dia seguinte, convecção aumentado rapidamente, tornou-se mais organizado e formaram uma ampla área de baixa pressão em setembro 11.[238] Às 21:00 UTC, o sistema tinha organizado o suficiente para ser designado como Depressão tropical Dezenove.[239] Às 06:00 UTC em setembro 12, a depressão desabou, logo ao sul de Miami, Flórida, com ventos de 35 mph (55 km/h) e uma pressão de 1007 mbar (29.74 inHg).[240] Pouco depois de se mudar para o Golfo do México,[241] o sistema foi atualizado em Tempestade tropical Sally às 18:00 UTC do mesmo dia, e tornou-se o nome 18 de tempestade do Atlântico mais temporã, superando o recorde anterior do Furacão Stan, em 2005, por 20 dias.[242] Um cisalhamento de noroeste causada por um nível superior de baixa causou o sistema para ter um cortado aparência, mas ele continuou a se fortalecer como se gradualmente norte-noroeste.[243]

Sally começou a passar por um período de rápida intensificação volta do meio-dia em 14 de setembro. O seu centro reformou-se em apenas um hora e meia sob uma grande explosão de convecção profunda e consolidou-se a partir de 65 mph (105 km/h), a tempestade tropical 90 mph (140 km/h) furacão de categoria 1.[243] Ele continuou a ganhar força e mais tarde naquela noite e tornou-se uma furacão de categoria 2.[244] No entanto cedo no dia seguinte, ocorreu a ressurgência devido ao seu lento movimento, como também aumento do cisalhamento do vento enfraquecido trouxe Sally de volta para baixo para força de categoria 1.[243] Ele continuou a enfraquecer progressivamente como ele se moveu lentamente para noroeste, em seguida, para o norte, embora a sua pressão continuou a cair.[243] No entanto, como Sally aproximou-se da costa, o seu olho rapidamente se tornaram mais definidos e ele abruptamente começou a reintensificar. Às 05:00 UTC em 15 de setembro, tornou-se novamente um furacão de categoria de 2.[245] Às 05:00 UTC de 15 de setembro ele tornou-se novamente um furacão de categoria 2.[246] Depois por volta das 09:45 UTC, o sistema fez landfall no pico de intensidade perto de Gulf Shores, Alabama, com ventos de 105 mph (165 km/h) e uma pressão de 965 mbars (28.50 inHg).[247][248] A tempestade à medida que se moveu lentamente para o interior, rapidamente ficou enfraquecida a um furacão de categoria 1, às 13:00 UTC e para uma tempestade tropical às 18:00 UTC.[243]

Um alerta de tempestade tropical foi emitida para a área metropolitana de Miami, quando a tempestade formava-se inúmeros alertas e avisos foram emitidos quando Sally se aproximou da Costa do Golfo dos EUA. Vários concelhos e freguesias ribeirinhos, na Costa do Golfo foram evacuados. No Sul da Flórida, chuva intensa levou a inundações localizadas, enquanto o resto da península viu chuva contínua e temporal da atividade, devido à estrutura assimétrica de Sally. A tempestade desabou, em Gulf Shores, Alabama, no 16 ° aniversário do Furacão Ivan de fazer landfall no mesmo local em 2004. A área entre Mobile, Alabama e Pensacola, Flórida tomou o impacto da tempestade, com a generalização de danos do vento, surtos de tempestades, inundações, e mais de 20 polegadas (51 cm) de chuva que atingiu o pico em 30 polegadas em Pensacola Nav. Também podem ter ocorrido vários tornados.[249][243]

Furacão Teddy[editar | editar código-fonte]

Furacão Teddy
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 12 de setembro – 23 de setembro
Intensidade máxima 220 km/h (140 mph) (1-min)  945 hPa (mbar)

O NHC começou a monitorar uma onda tropical na África às 00:00 UTC em 7 de setembro[250] A onda entrou no Oceano Atlântico em 10 de setembro, e começou a se organizar.[251] Às 21:00 UTC em 12 de setembro, o NHC designou o distúrbio como Depressão tropical Vinte.[252] Ele lutou para se organizar por mais de um dia devido ao seu grande tamanho e vento moderado.[253] Depois que o cisalhamento diminuiu, o sistema ficou melhor organizado e fortalecido em Tempestade tropical Teddy às 09:00 UTC em 14 de setembro, tornando-se a 19ª tempestade nomeada do Atlântico mais antiga registada, superando a tempestade subtropical não nomeada dos Açores em 20 dias.[254][255] Ele continuou a se intensificar à medida que se tornou mais organizado, com um olho começando a se formar no final de 15 de setembro. Em seguida, intensificou-se rapidamente para um furacão por volta das 06:00 UTC no dia seguinte.[256] A tempestade continuou a se intensificar, tornando-se um furacão de categoria 2 mais tarde naquele dia.[257] No entanto, um leve cisalhamento do vento oeste interrompeu brevemente a intensificação e enfraqueceu brevemente a tempestade para uma categoria 1 às 03:00 UTC em 17 de setembro. No entanto, como o cisalhamento relaxou, a tempestade rapidamente se reintensificou para o segundo grande furacão às 15:00 UTC naquele dia.[258] Teddy se fortaleceu ainda mais em um furacão de categoria 4 seis horas depois.

Tempestade tropical Vicky[editar | editar código-fonte]

Tempestade tropical (SSHWS)
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 11 de setembro – 17 de setembro
Intensidade máxima 85 km/h (50 mph) (1-min)  1000 hPa (mbar)

Nas primeiras horas de setembro de 11, uma onda tropical movido ao largo da costa da África Ocidental.[259] A perturbação organizou-se, e o NHC emitiu uma assessoria especial para designar o sistema como Depressão tropical, Vinte e Um, às 10:00 UTC em 14 de setembro.[260] A depressão foi atualizada a Tempestade tropical Vicky cinco horas mais tarde, com base em dados scatterometer, tornando-se a primeira tempestade tropical do Atlântico vinte no registo, superando o recorde estabelecido pela Tempestade tropical Tammy, em 2005, por 21 dias.[261][262][263] Apesar de extremamente forte cisalhamento remoção de todos, mas um pequeno cluster convectivo para o nordeste de seu centro, Vicky se intensificou ainda mais, atingindo o seu pico de intensidade, com 1 minuto de ventos sustentados de 50 mph (85 km/h e uma pressão de 1000 mbar (29.53 inHg) às 03:00 UTC em 15 de setembro.[264][265] Seis horas mais tarde, a pressão subiu, mas os seus ventos mantiveram-se em 50 km/h no dia seguinte, apesar de 50-60 nós de vento de cisalhamento.[266][267][268] Eventualmente, a tesoura começou a tomar o seu pedágio em Vicky, e os ventos começaram a cair.[269] Depois enfraqueceu para uma depressão tropical, às 15:00 UTC de 17 de setembro, antes de se degenerar em um remanescente de baixa, seis horas mais tarde.[270]

A onda tropical que gerou a Tempestade tropical Vicky produziu inundações nas Ilhas de Cabo Verde menos de uma semana após a Tempestade tropical René passou pela região. Uma pessoa foi morta na Praia a 12 de setembro.[271][272]

Tempestade tropical Beta[editar | editar código-fonte]

Tempestade tropical (SSHWS)
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 18 de setembro – 23 de setembro
Intensidade máxima 95 km/h (60 mph) (1-min)  994 hPa (mbar)

A tempestade tropical Beta foi um ciclone tropical relativamente fraco que trouxe chuvas fortes, inundações e clima severo para o sudeste dos Estados Unidos em 20 de setembro20. A vigésima segunda depressão tropical e a vigésima terceira tempestade nomeada da temporada de furacões no Atlântico de 2020, Beta originalmente se formou de um vale de baixa pressão que se desenvolveu no nordeste do Golfo do México em 10 de setembro A baixa moveu-se lentamente para sudoeste, com o desenvolvimento inicialmente prejudicado pelo desenvolvimento do furacão Sally. Depois que Sally se mudou para o interior sobre o sudeste dos Estados Unidos e enfraqueceu, a perturbação tornou-se quase estacionária no sudoeste do Golfo, onde começou a se organizar. Em 16 de setembro, a tempestade ganhou um centro de circulação de baixo nível e organização suficiente para ser designada como Depressão Tropical Vinte e Dois. O sistema manteve sua intensidade por um dia sob a influência de forte cisalhamento do vento e do ar seco antes de se fortalecer na Tempestade Tropical Beta, tornando-se o primeiro dia 23 chamada de tempestade do Atlântico de sempre, derrotando a tempestade tropical Alpha de 2005 por 34 dias. Ele moveu-se lentamente para o norte e se intensificou para uma tempestade tropical de médio alcance antes que o ar seco e o vento cortante parassem sua intensificação. Beta então ficou quase estacionário em 19 de setembro, antes de começar a se mover para o oeste em direção à costa do Texas no dia seguinte, enfraquecendo à medida que se aproximava. Em 21 de setembro, Beta atingiu a costa perto da Península de Matagorda, Texas, como uma tempestade tropical fraca marcando a primeira vez que um ciclone tropical chamado grego atingiu o continente dos EUA.[273] Beta posteriormente enfraqueceu para uma depressão tropical no dia seguinte antes de se tornar um tropical no início de 23 de setembro Os remanescentes moveram-se para o nordeste antes do centro se alongar e se fundir com uma frente fria no início de 25 de setembro

A natureza extensa da tempestade e seu movimento lento fizeram com que várias áreas ao longo da Costa do Golfo fossem atingidas por ondas fortes e ondas altas por vários dias, enquanto chuvas torrenciais e ondas de tempestade afetaram áreas que já estavam lutando para se recuperar de ciclones tropicais anteriores, como os furacões Laura e Sally. Várias ruas, rodovias e até mesmo interestaduais em Houston foram fechadas devido a enchentes. Louisiana, Mississippi, Alabama, Geórgia, as Carolinas foram afetadas por enchentes, rajadas de vento e clima severo também. Uma fatalidade no Texas devido aos impactos de Beta foi confirmada.

Tempestade tropical Wilfred[editar | editar código-fonte]

Tempestade tropical (SSHWS)
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 18 de setembro – 21 de setembro
Intensidade máxima 65 km/h (40 mph) (1-min)  1007 hPa (mbar)

Em 13 de setembro, o NHC começou a monitorar uma onda tropical na África para um possível desenvolvimento.[274] Posteriormente, emergiu sobre o Atlântico oriental e começou a se organizar lentamente conforme se movia para o oeste, embora continuamente falhasse em obter uma circulação de baixo nível (LLC) bem definida.[275] Porém, às 15:00 UTC do dia 18 de setembro, foi encontrada uma LLC e, por já possuir ventos fortes, o sistema foi denominado Tempestade tropical Wilfred.[276] Wilfred é a 21ª tempestade com nome mais antiga registrada, vencendo o furacão Vince de 2005 por 20 dias,[277] e é apenas a segunda tempestade com o nome "W" no Atlântico (juntando-se ao furacão Wilma de 2005) desde que a nomeação começou em 1950.[278] Localizada a uma altitude relativamente baixa, Wilfred manteve-se fraco e alterou-se pouco na sua imagem devido ao cisalhamento do vento e condições desfavoráveis causadas pela saída de ventos próximos do furacão Teddy.[279] Como resultado, Wilfred começou a enfraquecer ainda mais, enfraquecendo para depressão tropical às 15:00 UTC de 20 de setembro.[280] Eventualmente Wilfred degenerou para um frente às 03:00 UTC de 21 de setembro.[281]

Tempestade subtropical Alpha[editar | editar código-fonte]

Tempestade subtropical Alpha
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 18 de setembro – 19 de setembro
Intensidade máxima 85 km/h (50 mph) (1-min)  996 hPa (mbar)

Às 06:00 UTC de 15 de setembro, o NHC, juntamente com a Météo-France, começou a rastrear uma área não tropical de baixa pressão ao norte de 48° N, várias centenas de milhas ao norte dos Açores.[282] Foi dada uma baixa chance de desenvolvimento conforme se movia para sudeste.[283] Nos dias que se seguiram, organizou-se enquanto o sistema extratropical ao seu redor enfraquecia gradativamente, embora sua proximidade e o rápido movimento em direção ao litoral fizessem com que o NHC diminuísse suas chances de desenvolvimento.[284] No início de 18 de setembro, o sistema começou a se tornar rapidamente mais bem definido e o NHC o designou como Tempestade subtropical Alpha às 16:30 UTC,[285] uma ocorrência rara, embora não sem precedentes, de um ciclone tropical ou subtropical dentro de um ciclone extratropical.[286] A famosa Tempestade Perfeita de 1991 foi citada como exemplo de tal ocorrência.[287] É a 22ª tempestade nomeada mais antiga, batendo Wilma de 2005 por 29 dias, e marcou a segunda vez na história registrada (juntando-se a 2005) que a lista de nomes principal se esgotou e as letras gregas foram usadas. Além disso, Alfa ultrapassou a tempestade tropical Christine de 1973 como o ciclone tropical ou subtropical de formação mais oriental já registrado no Atlântico. Alfa atingiu a costa logo ao norte de Lisboa, Portugal, às 18:30 UTC, tornando-se o primeiro ciclone tropical ou subtropical registrado a atingir o continente em Portugal continental, bem como o terceiro ciclone tropical ou subtropical confirmado a atingir o continente europeu, após um furacão na Espanha em 1842 e o furacão Vince (como uma depressão tropical) em 2005.[288] Após a chegada, a tempestade enfraqueceu rapidamente, tornando-se uma baixa remanescente sobre o distrito de Viseu em Portugal às 03:00 UTC de 19 de setembro.[289]

Em preparação para o Alpha em 18 de setembro, alertas laranja foram emitidos para vento forte e chuva forte no Distrito de Coimbra e Distrito de Leiria, em Portugal.[290] Alfa e sua baixa associada produziram extensos danos causados ​​pelo vento, geraram pelo menos dois tornados e causaram inundações extremas nas ruas.[291][292] Na Espanha, a frente associada ao Alfa provocou o descarrilamento de um trem em Madrid, embora ninguém tenha ficado gravemente ferido, enquanto as tempestades na Ilha Ons causaram um incêndio florestal. Uma mulher morreu em Calzadilla depois que um telhado caiu em cima dela.[292]

Tempestade tropical Gamma[editar | editar código-fonte]

Tempestade tropical Gamma
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 2 de outubro – 6 de outubro
Intensidade máxima 110 km/h (70 mph) (1-min)  980 hPa (mbar)
Ver artigo principal: Tempestade tropical Gamma (2020)

Em 29 de setembro, o NHS começou para controlar uma onda tropical sobre as Pequenas Antilhas para desenvolvimento potencial quando se movia para o Caraíbas Ocidental.[293] Continuou depois à deriva devagar para o oeste e ficou muito largo e desorganizado para um par de dias.[294] Quando se aproximava a costa de Honduras em 1 de outubro, a onda ganhou uma área de pressão baixa larga e começou depressa a organizar-se sobre as águas atipicamente mornas do Ocidentais Caribenhos.[295] Às 15:00 UTC em 2 de outubro, a organização obteu suficiente baixa pressão para ser designado como Depressão tropical Vinte e cinco no norte das Honduras.[296] A depressão desenvolveu-se a Tempestade tropical Gamma em 00:00 UTC em 3 de outubro,[297] sendo a 24.ª tempestade Atlântica nomeada mais cedo oficialmente, superando a marca posta por Furacão Beta em 2005 em 24 dias.[298] Gama começou intensificar depressa após a formação, conseguindo justo abaixo de força de furacão às 15:00 UTC em 3 de outubro.[299]

Furacão Delta[editar | editar código-fonte]

Furacão Delta
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 5 de outubro – 10 de outubro
Intensidade máxima 230 km/h (145 mph) (1-min)  954 hPa (mbar)
Ver artigo principal: Furacão Delta

Em 1 de outubro, o NHC começou a monitorar uma onda tropical que se movia para o Caribe Oriental para um potencial desenvolvimento.[300] Ele se moveu continuamente para o oeste a 15–20 mph (24–32 km/h) e começou a organizar-se no final de 3 de outubro.[301] Embora não tivesse ainda organização suficiente para ser considerado um ciclone tropical, a sua ameaça iminente à terra e a provável ciclogênese levaram o NHC a iniciar alertas sobre o distúrbio, classificando-o como Ciclone Tropical Potencial Vinte e Seis às 21:00 UTC em 4 de outubro.[302] Às 03:00 UTC em 5 de outubro, o sistema organizou-se na Depressão tropical Vinte e Seis.[303] Ele continou a organizar-se e nove horas depois, a depressão se intensificou em uma tempestade tropical, à qual recebeu o nome de Delta.[304][305] Isso marcou a primeira ocorrência da 25ª tempestade nomeada de uma temporada, ultrapassando a tempestade tropical Gamma de 2005 em 44 dias.[306] Continuando para o oeste, desafiando as previsões que previam repetidamente que a Delta iria virar para o noroeste, a Delta iniciou um período de rápida intensificação, tornando-se um furacão de categoria 1, 12 horas depois de ser nomeado.[307] Delta finalmente começou a virar para noroeste no início de 6 de outubro. A tempestade continuou a se intensificar rapidamente, alcançando o status de categoria 2 apenas 9 horas depois às 09:00 UTC;[308] a sua intensificação foi descrita como a mais rápida em um período de 24 horas desde o furacão Wilma de 2005.[309] Às 12:30 UTC, a Delta começou a desenvolver um pequeno olho de furacão de apenas 6 milhas náuticas de diâmetro. A intensificação rápida continuou e às 15:00 UTC, Delta foi atualizado para status de categoria 3, antes de atingir a categoria 4 apenas vinte minutos depois, após uma aeronave Caçadora de furacões NOAA indicar que a velocidade do vento sustentado de 1 minuto da tempestade era de 130 mph (210 km/h).[309][310][311][312][313]

Furacão Epsilon[editar | editar código-fonte]

Furacão Epsilon
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 19 de outubro – 26 de outubro
Intensidade máxima 185 km/h (115 mph) (1-min)  951 hPa (mbar)

No final de 15 de outubro o NHC começou a monitorar uma baixa não tropical. O distúrbio lentamente organizou-se e ganhou conveção apesar de existir um cisalhamento moderado enquando vagueava lentamente ao sudoeste da Bermuda. Cedo em 19 de outubro o NHC emitiu um aviso especial sobre o sistema enquanto ele ganhava maior definição, nomeando a Depressão tropical Vinte e Sete quando este estava quase estacionário.[314] Apenas algumas horas depois, o status do sistema foi atualizado para o nome de Epsilon.[315] Ele quebrou o recorde da 26.ª tempestade nomeada mais temporã dos registos no Atlântico, sendo a 23.ª tempestade da temporada a faze-lo, batendo a antiga data de 22 de novembro, estabelecida pela Tempestade tropical Delta em 2005.[316] Epsilon gradualmente aumentou de força no dia seguinte no Atlântico central. O serviço de meteorologia da Bermuda emitiu um alerta de Tempestade tropical para a ilha às 1500 UTC em 20 de outubro enquanto Epsilon ganhava velocidade em direção à ilha. A tempestade tropical começou a intensificar-se rapidamente, chegando ao status de furacão pelas 0300 UTC do dia seguinte chegando a ter ventos de 137 km/h (85 mph) apenas 6 horas depois.[317]

Furacão Zeta[editar | editar código-fonte]

Furacão Zeta
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 24 de outubro – 29 de outubro
Intensidade máxima 175 km/h (110 mph) (1-min)  970 hPa (mbar)

Desde meados de outubro, o NHC seguia várias zonas de convecção que tem um potencial desenvolvedor no Mar do Caribe.[318] Às 21 h UTC, em 24 de outubro, o NHC emitiu o seu primeiro parecer com relação à depressão tropical Vinte e oito, localizada a 405 km ao sul-sudeste da ponta oeste de Cuba[319]

Às h UTC em 25 de outubro, Vinte e oito intensificou-se em tempestade tropical, que o NHC nomeou Zeta, a 415 km ao leste-sudeste de Cozumel.[320] Seis horas mais tarde, Zeta era sempre quase-estacionária, a 445 km ao sudeste de Cozumel.[321] A 19 h 10 UTC, em 26 de outubro, o relatório de um avião de reconhecimento permite estabelecer que a tempestade estava resultado o décimo primeiro furacão da temporada de 2020, enquanto se encontrava a 170 km ao sudeste de Cozumel[322]

Em h 10 UTC de 27, Zeta tocou a costa cerca de Tulum com ventos estimados de 130 km/h.[323] O furacão atravessou a península do Iucatã e em realçado ao leste de Progresso para 12 h UTC, que tem perdido uma pouca intensidade e estar recaído a tempestade tropical.[324] Não obstante, as condições de temperatura da superfície do golfo do México e de um fluxo cisalhamento ele têm permitido redevenir um furacão durante a noite seguinte, superando inclusive a sua intensidade anterior à manhã da 28 de outubro.[325][326] Às 18 h UTC, Zeta atingiu a categoria 2, a 235 km ao sul-oeste do delta do Mississippi.[327] Às 21 h UTC, o furacão tocou a costa da Luisiana para perto de Cocodrie a 100 km ao sul-sul oeste da Nova Orleans com ventos constantes de 175 km/h e uma pressão central de 970 hPa[328]

Uma vez entrado nas terras, Zeta dirigiu-se rapidamente para o nordeste e está baixado ao nível de tempestade tropical a h UTC em 29 de outubro localizdo na Alabama.[329] Às 18 h UTC, a tempestade torna-se um ciclone extratropical no centro da Virgínia com ventos constantes de ainda 85 km/h[330] Esta depressão deslocou-se depois para Atlântico Norte, passando ao sul de Nova Iorque e de Terra Nova trazendo neve acumulada pesada, para depois se dirigir para o norte da Europa.

O percursor de Zeta deixou fortes chuvas e fez 2 mortes na Jamaica.[331] Dos ventos violentos e a maré de tempestade causaram deteriorações na península do Iucatã mas nenhum óbito. Assim mesmo, as intempéries têm golpeado o sudeste dos Estados Unidos e fizeram pelo menos 6 mortes[332] Enquanto o remanescente de Zeta moveu-se fora da costa do Estados Unidos continentais, deixou para trás neve acumulada em partes da Nova Inglaterra.[333]

Furacão Eta[editar | editar código-fonte]

Furacão Eta
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 31 de outubro – 13 de novembro
Intensidade máxima 240 km/h (150 mph) (1-min)  923 hPa (mbar)

O Furacão Eta foi um furacão devastador de categoria 4 que causou estragos em partes da América Central no início de novembro de 2020. Igualou o recorde da vigésima oitava tempestade nomeada, décimo segundo furacão e quinto furacão maior da extremamente ativa temporada de furacões no Atlântico de 2020, Eta originou de um vigorosa onda tropical no leste do Mar do Caribe em 31 de outubro. O sistema organizou-se rapidamente à medida que avançava para oeste, com o ciclone se tornando um furacão categoria 4 em 3 de novembro. Com intensidade máxima de 240 km/h (150 mph) e 923 mbar (hPa; 27,26 inHg), foi o terceiro furacão mais intenso no Atlântico de novembro, atrás apenas do furacão de Cuba de 1932 e do furacão Iota, apenas duas semanas depois. No final do mesmo dia, algum enfraquecimento ocorreu quando o sistema atingiu a costa perto de Porto Cabezas, Nicarágua. Eta enfraqueceu rapidamente para uma depressão tropical enquanto serpenteava pela América Central por dois dias antes de se mover para o norte sobre as águas. Posteriormente em 7 de novembro, ele se reorganizou no Caribe enquanto acelerava em direção a Cuba. Nos cinco dias seguintes, o sistema se moveu de forma irregular, movendo-se através das Florida Keys e parando no sul do Golfo do México, a sua intensidade flutuando ao longo do caminho. Depois de recuperar brevemente a força do furacão, ele enfraqueceu mais uma vez e acelerou pelo sudeste dos Estados Unidos em 12 de novembro. Depois tornou-se extratropical e dissipou-se no leste dos Estados Unidos no dia seguinte.

Conforme o Eta se aproxima-va, Avisos e Alertas de furacões e tempestades tropicais foram emitidos ao longo da costa de Honduras e do nordeste da Nicarágua. Mais de 10.000 pessoas procuraram refúgio em abrigos em Puerto Cabezas e aldeias vizinhas. Eta derrubou linhas de energia e árvores enquanto danificava telhados e causava inundações em Puerto Cabezas. No geral foram atribuídas à tempestade, pelo menos 178 mortes em toda a América Central incluindo 74 em Honduras, 53 na Guatemala, 27 no México, 19 no Panamá, duas na Nicarágua e na Costa Rica e uma em El Salvador. Nas Ilhas Cayman, assim que o sistema começou a se reorganizar no Caribe, em 5 de novembro foram emitidos alertas de tempestade tropical. Mais alertas foram emitidos em partes de Cuba, no noroeste das Bahamas e no sul da Flórida. O Eta trouxe chuvas fortes e ventos fortes para as Ilhas Cayman e Cuba, esta última já lidando com o transbordamento dos rios que provocaram evacuações. Chuvas fortes e ventos com força de tempestade tropical foram registrados em toda a Florida Keys, no sul da Flórida e na metade sul da Flórida Central, causando inundações generalizadas. A segunda abordagem do Eta e o landfall trouxeram tempestades e ventos fortes para a costa oeste da Flórida Central e chuvas suplementares para o norte da Flórida. Uma pessoa foi morta na Flórida após ser eletrocutada nas enchentes de Eta. A humidade da tempestade também se combinou com uma frente fria mais ao norte, trazendo fortes chuvas e enchentes nas Carolinas e na Virgínia, matando outras cinco pessoas nesses estados. Ao todo, 11 mortes foram atribuídas à tempestade nos EUA.

Os esforços de socorro para as pessoas afetadas pela tempestade foram extensos e generalizados, envolvendo vários países. Aproximadamente 2,5 milhões foram afectados pela tempestade, incluindo 1,7 milhões em Honduras. Muitas unidades de resposta a emergências deveriam ser enviadas globalmente para ajudar a apoiar as pessoas afetadas. Cerca de 98 toneladas de alimentos e água foram doadas à Nicarágua e Honduras do Panamá. Pessoas que ficaram desabrigadas foram transferidas para vários abrigos depois que a tempestade passou. Doações no valor de milhões de dólares foram feitas aos países afetados para ajudar na recuperação. No entanto, apenas duas semanas depois, todos os esforços foram prejudicados pelo furacão Iota.

Tempestade tropical Theta[editar | editar código-fonte]

Tempestade tropical Theta
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 10 de novembro – 15 de novembro
Intensidade máxima 110 km/h (70 mph) (1-min)  989 hPa (mbar)

Em 6 de novembro, o NHC começou a rastrear uma área potencial para o desenvolvimento de um sistema de baixa pressão no Atlântico Nordeste.[334] Uma baixa não tropical subsequentemente se formou em 8 de novembro e tornou-se mais bem organizada à medida que começou a se desprender de um limite frontal.[335] Às 03:00 UTC de 10 de novembro, ela se transformou em Tempestade Subtropical Theta, a primeira 29ª tempestade nomeada em uma temporada de furacões no Atlântico, quebrando o recorde estabelecido em 2005.[336] Às 13:55 UTC, as estimativas de imagens de satélite revelaram que Theta havia se fortalecido até à sua intensidade máxima com ventos sustentados de 110 km/h (70 mph) e uma pressão de 989 mb (29,21 inHg).[337] Theta manteu a sua intensidade enquanto se tornou totalmente tropical às 21:00 UTC.[338] No entanto, os efeitos do forte cisalhamento do sudoeste e das águas mais frias começaram a afetar Teta e a tempestade tropical começou a enfraquecer lentamente em 11 de novembro às 09:00 UTC.[339] Naquela noite, Theta começou a se reorganizar devido a condições ligeiramente melhores e, no dia seguinte, havia se fortalecido ligeiramente.[340] A convecção continuou a aumentar e diminuir em torno do centro enquanto flutuava em intensidade nos dois dias seguintes, antes que o sistema começasse a enfraquecer novamente no início de 14 de novembro.[341][342] Continuou para o leste, desacelerando, pois mal se manteve como um ciclone tropical. Às 09:00 UTC do dia seguinte, Theta enfraqueceu para uma depressão tropical antes de degenerar em uma depressão remanescente seis horas depois.r.[343][344]

Furacão Iota[editar | editar código-fonte]

Furacão Iota
Imagem satélite
Imagem de satélite
Trajetória
Trajetória
Duração 13 de novembro – 18 de novembro
Intensidade máxima 260 km/h (160 mph) (1-min)  917 hPa (mbar)

O furacão Iota foi apenas o segundo furacão de categoria 5 no Atlântico a existir no mês de novembro - o outro foi o furacão de Cuba de 1932 - e causou graves danos a áreas semelhantes da América Central devastadas pelo furacão Eta apenas duas semanas antes. O trigésimo primeiro ciclone tropical, a trigésima tempestade nomeada, o décimo terceiro furacão, o sexto grande furacão e o primeiro furacão de categoria 5 da temporada de furacões do Atlântico de 2020, Iota originou-se como uma onda tropical que se mudou para o Caribe Oriental em 10 de novembro. No final de 11 de novembro, a onda começou a se organizar melhor e em 13 de novembro, desenvoveu-se numa depressão tropical ao norte da Colômbia. A depressão se intensificou na tempestade tropical Iota seis horas depois. A tempestade foi inicialmente impactada por algum cisalhamento do vento, mas uma realocação do centro e um cisalhamento relaxado permitiram que Iota se transformasse rapidamente em furacão em 15 de novembro, após o qual se aprofundou explosivamente, tornando-se um furacão categoria 5 no dia seguinte. Isso fez de 2020 a quinta temporada consecutiva desde 2016 a apresentar pelo menos uma furacão categoria 5, sendo Ioata o sétimo nessa sequência. Iota alcançou a intensidade de categoria 5 no final do ano, mais tarde do que qualquer outro furacão registado no Atlântico. Depois de enfraquecer ligeiramente, Iota atingiu a costa do nordeste da Nicarágua como um furacão de categoria 4 alta. Isso fez de Iota o furacão mais forte a atingir a Nicarágua em novembro nos registos. Iota então enfraqueceu rapidamente enquanto se movia para o interior e se dissipou em 18 de novembro.

A onda precursora de Iota gerou inundações repentinas na maioria das ilhas do Caribe. Avisos e alertas de ciclones tropicais foram emitidos pela primeira vez em 14 de novembro em partes da Colômbia, Nicarágua e Honduras. Fortes chuvas associadas a uma onda tropical e Iota trouxeram fortes chuvas para partes da Colômbia, levando a enchentes e deslizamentos de terra. Conforme Iota se movia sobre a Nicarágua, chuvas extremamente fortes foram registadas, juntamente com muitas inundações repentinas causadas pela alta tempestade do furacão. Deslizamentos de terra causaram grandes danos, bem como a morte de possivelmente muitas pessoas. Pelo menos 31 pessoas foram mortas devido a Iota: 16 na Nicarágua, 7 na Colômbia, 6 em Honduras, 1 em El Salvador e 1 no Panamá.[345][346][347]

O planejamento dos esforços de socorro logo em seguida, incluindo a colocação de tendas, a abertura de hospitais temporários e a entrega de alimentos e água aos necessitados. Numerosos cortes de energia foram restaurados nos dias após a destruição de Iota. O presidente da Colômbia, Iván Duque Márquez, foi criticado por não ter evacuado os residentes do país antes da tempestade.

Estatísticas de temporada[editar | editar código-fonte]

Esta é uma tabela de todos os sistemas que se formaram na temporada de furacões de 2020. Inclui a sua duração, nomes, áreas afetada(s), indicados entre parêntese, danos e mortes totais. As mortes entre parênteses são adicionais e indiretas, mas ainda estavam relacionadas com essa tempestade. Os danos e as mortes incluem totais enquanto a tempestade era extratropical, uma onda ou um baixa, e todos os valores do prejuízo estão em USD de 2020.

Escala de Furacões de Saffir-Simpson
DT TS TT 1 2 3 4 5


Temporada de furacões no Atlântico de 2020
Nome Datas ativo Categoria de tempestade
em intensidade máxima
Ventos
máx. (km/h)
Pressão
min (hPa)
ECA Áreas afectadas Danos
(em milhões USD)
Mortos
Lugar Data Ventos (km/h)
Arthur 16 – 20 de maio Tempestade tropical 95 (60) 991 1.7525 Nenhum $112.000 0[348][349]
Bertha 27 – 28 de maio Tempestade tropical 85 (50) 1005 0.3625 Carolina do Sul 28 de maio 85 (50) ≥ $130.000 1[350]}}
Cristobal 1 – 10 de junho Tempestade tropical 95 (60) 992 3.1275 Ciudad del Carmen, México 3 de junho 75 (45) ≥ $675 milhões 15[351][352][353][354]
[355][356]
Sudeste de Luisiana 7 de junho 85 (50)
Dolly 22 – 24 de junho Tempestade tropical 75 (45) 1002 0.2825 Nenhum N/A 0
Edouard 4 – 6 de julho Tempestade tropical 75 (45) 1007 0.405 Nenhum Mínimos 0
Fay 9 – 11 de julho Tempestade tropical 95 (60) 998 1.0975 Atlantic City, Nova Jérsia 10 de julho 85 (50) ≥ $350 milhões 6
[357][358][359]
[360]
Gonzalo 21 – 25 de julho Tempestade tropical 100 (65) 997 2.7025 Nenhum Mínimos 0
Hanna 23 – 27 de julho Furacão categoria 1 150 (90) 973 3.2325 Ilha Padre, Texas 25 de julho 150 (90) ≥ $875 milhões 5
[361][362][363]
[364][99]
Isaias 30 de julho – 5 de agosto Furacão categoria 1 140 (85) 987 8.79 Andros, Bahamas 31 de julho 130 (80) $4.725 mil milhões 18
[365][366][367]
[368][369][370]
[371][372][373]
[143]
Ocean Isle Beach, Carolina do Norte 4 de agosto 130 (80)
Dez 31 de julho – 2 de agosto Depressão tropical 55 (35) 1007 0 Nenhum N/A 0
Josephine 11 – 16 de agosto Tempestade tropical 75 (45) 1004 1.77 Nenhum N/A 0
Kyle 14 – 16 de agosto Tempestade tropical 85 (50) 1000 1.0075 Carolina do Norte, Carolina do Sul 16 de agosto 85 (50) N/A 0
Laura 20 – 29 de agosto Furacão categoria 4 240 (150) 937 12.0975 San Pedro de Macorís, República Dominicana 23 de agosto 75 (45) $ 14.1 mil milhões 77
[374][375][376]
[377][378][379]
[380][381][382]
[383][384][385]
Santiago de Cuba, Cuba 23 de agosto 95 (60)
Luisiana, Estados Unidos 27 de agosto 240 (150)
Marco 20 – 25 de agosto Furacão categoria 1 120 (75) 991 3.2675 Luisiana, Estados Unidos 24 de agosto 65 (40) $35 milhões 1
Omar 31 de agosto – 5 de setembro Tempestade tropical 65 (40) 1003 0.49 Nenhum 0 0
Nana 1 – 4 de setembro Furacão categoria 1 120 (75) 994 2.1450 Belize, Honduras, Guatemala, Sudeste do México, Nicarágua 3 de setembro 120 (75) ≥ $20 milhões 0
Paulette 7 – 23 de setembro Furacão categoria 2 165 (105) 965 15.7425 Bermudas 14 de setembro 150 (90) $50 milhões 1
Rene 7 – 14 de setembro Tempestade tropical 85 (50) 1000 2.3175 Cabo Verde 7 de setembro 65 (40) Mínimos 0
Sally 11 – 17 de novembro Furacão categoria 2 165 (105) 965 6.9225 Sudoeste dos Estados Unidos 16 de setembro 165 (105) ≥ $5 mil milhões 8
[386][387][388]
[389][390]
Teddy 12 - 23 de setembro Furacão categoria 4 220 (140) 945 27.385 Nenhum > $35 milhões 3[391][392][393]
Vicky 14 – 17 de setembro Tempestade tropical 85 (50) 1000 1.9825 Nenhum Mínimos 1[394]
Beta 17 – 23 de setembro Tempestade tropical 95 (60) 994 3.22 Texas 22 de setembro 95 (60) $400 milhões 1[393]
Wilfred 18 – 21 de setenbro Tempestade tropical 65 (40) 1007 0.98 Nenhum N/A 0
Alpha 18 – 19 de setembro Depressão tropical 85 (50) 996 0.16 Península Ibérica, Portugal 18 de setembro 75 (45) > $1 milhão 1[292][390]
Gamma 2 – 6 de outubro Tempestade tropical 110 (70) 980 2.5525 Tulum, Isla Cozumel, Playa del Carmen 3 de outubro 110 (70) > $100 milhões 7[395][393]
Delta 5 – 10 outubro Furacão categoria 4 230 (145) 953 15.76 Ilha Cozumel, Cancún, Puerto Morelos 7 de outubro 175 (110) $4.1 mil milhões 6[396]
Luisiana 9 de outubro 155 (100)
Epsilon 19-26 de outubro Furacão categoria 3 185 (115) 951 12,6075 Nenhum Minímos Nenhum
Zeta 24-29 de outubro Furacão categoria 2 175 (110) 970 6.77 Tulum, Ilha Cozumel, Playa del Carmen 26 de outubro 130 (80) $3.21 mil milhões 8
[397][398]
Sudeste de Luisiana, Mississippi, Alabama, Atlántico medio, Nova Inglaterra 28 de outubro 175 (110)
Eta 31 de outubro-13 de novembro Furacão categoria 4 240 (150) 923 17,4925 Puerto Cabezas, Nicarágua, Honduras, Guatemala, El Salvador 3 de novembro 220 (140) > $6.59 mil milhões 189
[399][400][401][402]
[403][404][405]
Sancti Spíritus, Cuba 8 de novembro 100 (65)
Sul Flórida 8 de novembro 100 (65)
Cedar Key, Flórida 12 de novembro 85 (50)
Theta 10 -15 de novembro Tempestade tropical 110 (70) 989 5.19 Nenhum Nenhum Nenhum
Iota 13-18 novembro Furacão categoria 5 260 (160) 917 12.59 Sul de Puerto Cabezas, Nicarágua 16 de novembro 250 (155) N/A 84
Totais da temporada
31 ciclones 16 de maio–presente   260 (160) 917 178.8 Várias >$40,256 mil milhões 429

Nomes dos ciclones tropicais[editar | editar código-fonte]

Os seguintes nomes serão usados para os ciclones tropicais que se formem no oceano Atlântico norte em 2020. Os nomes não usados estão marcados com cinza, e os nomes em negrito são das tempestades formadas. Os nomes retirados, em caso, serão anunciados pela Organização Meteorológica Mundial na primavera de 2021 (em participação com qualquer nome do ano de 2019). Os nomes que não foram retirados serão usados de novo na temporada de 2026. Esta é a mesma lista utilizada na ano do 2014, já que não se retiraram nomes desse ano.[406]

Lista Auxiliar
  • Eta
  • Theta
  • Furacão Iota
  • Kappa (sem ser usado)
  • Lambda (sem ser usado)
  • Mu (sem ser usado)

Energia Ciclónica Acumulada (ECA)[editar | editar código-fonte]

ACE (104kt²) (Fonte) — Ciclone tropical:
1 27.385 Teddy 2 17.4925 Eta
3 15.76 Delta 4 15.7425 Paulette
5 12.6075 Epsilon 6 12.0975 Laura
7 8.79 Isaias 8 6.9225 Sally
9 6.77 Zeta 10 3.2675 Marco
11 3.2325 Nana 12 3.22 Beta
13 3.1275 Cristobal 14 2.7025 Gonzalo
15 2.5525 Gamma 16 2.3175 Rene
17 2.145 Hanna 18 1.9875 Vicky
19 1.77 Josephine 20 1.7525 Arthur
21 1.0975 Fay 22 1.0075 Kyle
23 0.98 Wilfred 24 0.49 Omar
25 0.405 Edouard 26 0.3625 Bertha
27 0.2825 Dolly 28 0.16 Alpha
29 5.19 Theta 30 12.59 Iota
Total: 174,2025

A Energia ciclônica acumulada (ECA ou ACE, pela suas siglas em inglês) é uma medida da energia do furacão multiplicado pela longitude do tempo em que existiu; as tempestades de longa duração, bem como furacões particularmente fortes, têm ECA alto. O ECA calcula-se somente a sistemas tropicais que excedem os 34 nós (39 mph, 63 km/h), ou seja, força de tempestade tropical.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. O 10º furacão em 2010[47] e em 2012[48][49] também formado em outubro, apesar em ambas circunstâncias a tempestade fortaleceu em furacão depois de 20 de outubro.
  2. Os totais representam a soma dos quadrados de todas as intensidades das tempestades (sub)tropical com mais de 33 kn (61 km/h), dividido por 10,000. Os calcúlos são fornecidos em en:Talk:2020 Atlantic hurricane season/ACE calcs.
  3. Dolly e Debby de 2012 ambas formaram-se em 23 de junho; mas Debby tornou-se tempestade tropical por volta das 12:00 UTC, cerca de quatro horas antes de Dolly.

Referências

  1. «Saffir-Simpson Hurricane Wind Scale». Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 13 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 20 de junho de 2020 
  2. Furacões que atingem a categoria 3 (179 km/h (111 mph)) ou maior na escala de 5 escala de velocidade de vento de Saffir–Simpson são considerados furacões maiores.[1]
  3. https://twitter.com/splillo/status/1327853652858470400
  4. Todos os valores monetários são em 2020 dólar dos Estados Unidos a não ser declarados.
  5. philklotzbach (27 de agosto de 2020). «Table of 11 strongest hurricanes to make landfall in Louisiana on record (since 1851) based on maximum sustained wind. Hurricane Laura is tied with Last Island (1856) for strongest Louisiana landfalling hurricane on record - 150 mph max winds.» (Tweet). Consultado em 27 de agosto de 2020 – via Twitter 
  6. Day, Cindy (2 de novembro de 2020). «WEATHER U: The science behind the snowicane». The Chronicle Herald. Halifax, Nova Scotia. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  7. Philip Klotzbach [philklotzbach] (8 de novembro de 2020). «Tropical Storm #Eta has made landfall in Lower Matecumbe Key, FL» (Tweet). Consultado em 12 de novembro de 2020 – via Twitter 
  8. Philip Klotzbach [philklotzbach] (16 de novembro de 2020). «For the first time on record, the Atlantic has had two major #hurricane formations in November» (Tweet). Consultado em 16 de novembro de 2020 – via Twitter 
  9. Miller, Kimberly; McGrath, Gareth (6 de abril de 2020) [02-04-2020]. «Hurricanes in a pandemic: 'Absolutely that's our nightmare scenario'». usatoday.com. USA TODAY Network. Consultado em 4 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 3 de abril de 2020 
  10. Shepherd, Marshall (22 de julho de 2020). «Coronavirus And An Active Hurricane Season Are Bad News – 3 Concerns As Gonzalo Forms». forbes.com. Forbes Media. Consultado em 4 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 25 de julho de 2020 
  11. Schultz, James M.; Fugate, Craig; Galea, Sandro (12 de agosto de 2020). «Cascading Risks of COVID-19 Resurgence During an Active 2020 Atlantic Hurricane Season» (PDF). Journal of the American Medical Association. 324 (10): 935. doi:10.1001/jama.2020.15398. Consultado em 4 de outubro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 15 de agosto de 2020 
  12. «Background Information: The North Atlantic Hurricane Season». Climate Prediction Center. National Oceanic and Atmospheric Administration. 9 de agosto de 2012. Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  13. a b c «Atlantic hurricane best track (HURDAT version 2)» (Base de dados). United States National Hurricane Center. 25 de maio de 2020 
  14. a b Mark Saunders; Adam Lea (19 de dezembro de 2019). «Extended Range Forecast for Atlantic Hurricane Activity in 2020» (PDF). University College London. Tropical Storm Risk. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  15. a b c Phil Klotzbach; Michael Bell; Jhordanne Jones (2 de abril de 2020). Extended Range Forecast of Atlantic Seasonal Hurricane Activity and Landfall Strike Probability for 2020 (PDF) (Relatório). Colorado State University. Consultado em 2 de abril de 2020 
  16. a b Mark Saunders; Adam Lee (7 de abril de 2020). «April Forecast Update for North Atlantic Hurricane Activity in 2020» (PDF). University College London. Tropical Storm Risk. Consultado em 8 de abril de 2020 
  17. a b Kyle Davis; Xubin Zeng (14 de abril de 2020). «University of Arizona (UA) April Forecast for North Atlantic Hurricane Activity in 2020» (PDF). University of Arizona. University of Arizona. Consultado em 14 de abril de 2020 
  18. a b Brian Donegan; Jonathan Belles (16 de abril de 2020). «2020 Atlantic Hurricane Season Expected to Be More Active Than Usual, The Weather Company Outlook Says». The Weather Channel. Consultado em 16 de abril de 2020 
  19. a b Tracey Peake; Lian Xie (17 de abril de 2020). «2020 Hurricane Season Will Be Active, NC State Researchers Predict». North Carolina State University. Consultado em 17 de abril de 2020 
  20. a b Michael E. Mann; Daniel J. Brouillette; Michael Kozar (21 de abril de 2020). «The 2020 North Atlantic Hurricane Season: Penn State ESSC Forecast». Pennsylvania State University. Consultado em 28 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 2 de maio de 2020 
  21. a b «Pronóstico de Ciclones Tropicales 2020». SMN. 20 de maio de 2020. Consultado em 20 de maio de 2020 
  22. a b «North Atlantic tropical storm seasonal forecast 2020». Met Office. 20 de maio de 2020. Consultado em 20 de maio de 2020 
  23. a b «NOAA 2020 Atlantic Hurricane Season Outlook». Climate Prediction Center. 21 de maio de 2020. Consultado em 21 de maio de 2020 
  24. «Pre-Season Forecast for North Atlantic Hurricane Activity in 2020» (PDF). Tropical Storm Risk. 28 de maio de 2020. Consultado em 28 de maio de 2020 
  25. a b «EXTENDED RANGE FORECAST OF ATLANTIC SEASONAL HURRICANE ACTIVITY AND LANDFALL STRIKE PROBABILITY FOR 2020» (PDF). Colorado State University. 4 de junho de 2020. Consultado em 4 de junho de 2020 
  26. Kyle Davis; Xubin Zeng (12 de junho de 2020). «University of Arizona (UA) June Forecast for North Atlantic Hurricane Activity in 2020». University of Arizona. Consultado em 13 de junho de 2020 
  27. a b «EXTENDED RANGE FORECAST OF ATLANTIC SEASONAL HURRICANEACTIVITY AND LANDFALL STRIKE PROBABILITY FOR 2020» (PDF). Colorado State University. 7 de julho de 2020. Consultado em 7 de julho de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 7 de julho de 2020 
  28. a b «July Forecast for North Atlantic Hurricane Activity in 2020» (PDF). Tropical Storm Risk. 7 de julho de 2020. Consultado em 7 de julho de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2020 
  29. a b «Active Atlantic Hurricane Season Outlook Update». The Weather Channel. 16 de julho de 2020. Consultado em 16 de julho de 2020. Cópia arquivada em 18 de julho de 2020 
  30. «FORECAST OF ATLANTIC SEASONAL HURRICANE ACTIVITY AND LANDFALL STRIKE PROBABILITY FOR 2020» (PDF). Colorado State University. 5 de agosto de 2020. Consultado em 5 de agosto de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 6 de agosto de 2020 
  31. «August Forecast Update for North Atlantic Hurricane Activity in 2020» (PDF). Tropical Storm Risk. 5 de agosto de 2020. Consultado em 7 de agosto de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 13 de setembro de 2020 
  32. «'Extremely active' hurricane season possible for Atlantic Basin». Climate Prediction Center. 6 de agosto de 2020. Consultado em 6 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2020 
  33. «NOAA's Atlantic Hurricane Season Classifications». National Oceanic and Atmospheric Administration. National Hurricane Center. 22 de maio de 2008. Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  34. Klotzbach, Philip J.; Bell, Michael M.; Jones, Jhordanne (5 de agosto de 2020). Forecast of Atlantic Seasonal Hurricane Activity and Landfall Strike Probability for 2020 (PDF) (Relatório). Fort Collins, Colorado: Department of Atmospheric Science Colorado State University. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 2 de setembro de 2020 
  35. Saunders, Mark; Lea, Adam (5 de agosto de 2020). August Forecast Update for North Atlantic Hurricane Activity in 2020 (PDF) (Relatório). London, England, UK: Department of Space and Climate Physics, University College London. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 13 de setembro de 2020 
  36. Gache, Lauren. «'Extremely active' hurricane season possible for Atlantic Basin». noaa.gov. Washington, D.C.: National Oceanic and Atmospheric Administration. Consultado em 6 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2020 
  37. Cappucci, Matthew (9 de novembro de 2020). «The 2020 Atlantic hurricane season is busiest on record as Subtropical Storm Theta forms». The Washington Post. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  38. Rice, Doyle (13 de novembro de 2020). «Eta, Theta and now Iota: Tropical storm forecast to approach Central America as a hurricane next week». usatoday.com. USA Today. Consultado em 13 de novembro de 2020 
  39. stevebowenwx (30 de julho de 2020). «2020 joins 2005 as the most active July in the official record for named storm formation in the Atlantic Ocean.» (Tweet) – via Twitter 
  40. Monthly Tropical Cyclone Summary. National Hurricane Center (Relatório). 31 de agosto de 2020. Consultado em 31 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2020 
  41. El Niño/Southern Oscillation (ENSO) Diagnostic Discussion (PDF) (Relatório). Climate Prediction Center/NCEP/NWS and the International Research Institute for Climate and Society. 10 de setembro de 2020. Consultado em 26 de setembro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 17 de setembro de 2020 
  42. Gaches, Lauren (10 de setembro de 2020). «La Nina develops during peak hurricane season». noaa.gov. Consultado em 26 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 23 de setembro de 2020 
  43. Baitinger, Brooke; Ballard, Victoria; Lerner, Kevin; Schutz, David (18 de setembro de 2020). «Tropical Storm Beta joins Wilfred and Alpha on record-setting day in 2020 hurricane season». Sun Sentinel. Fort Lauderdale, Florida. Consultado em 19 de setembro de 2020 
  44. Sosnowski, Alex (24 de setembro de 2020). «There are no tropical cyclones spinning over the Atlantic for the first time in 18 days». Knoxville, Tennessee: WBIR-TV (AccuWeather). Consultado em 26 de setembro de 2020 
  45. Philip Klotzbach [philklotzbach] (20 de outubro de 2020). «#Epsilon is now a #hurricane» (Tweet). Consultado em 22 de outubro de 2020 – via Twitter 
  46. Masters, Jeff (21 de outubro de 2020). «Epsilon now a category 2 hurricane; Bermuda under tropical storm warning». yaleclimateconnections.org. New Haven, Connecticut: Yale Center for Environmental Communication, Yale School of the Environment. Consultado em 22 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2020 
  47. State of the Climate: Hurricanes and Tropical Storms for October 2010 (Relatório). Asheville North Carolina: NOAA National Centers for Environmental Information. Novembro de 2010. Consultado em 22 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 26 de setembro de 2019 
  48. Daniel, Matt (25 de outubro de 2012). «Hurricane Sandy is a dangerous storm». earthsky.org. Consultado em 22 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2017 
  49. Michael Brennan (24 de outubro de 2012). «Hurricane Sandy Discussion Number 9». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 22 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2020 
  50. «Hurricane ETA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  51. «Hurricane ETA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  52. «Hurricane ETA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  53. «Hurricane ETA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 3 de novembro de 2020 
  54. a b Andy Latto (10 de setembro de 2020). Tropical Cyclone Report: Tropical Storm Arthur (PDF) (Relatório). National Hurricane Center. Consultado em 21 de setembro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 19 de setembro de 2020 
  55. «Tropical Storm Arthur Forms Off Southeast Coast; Tropical Storm Watch Issued». The Weather Channel. 16 de maio de 2020. Consultado em 16 de maio de 2020. Cópia arquivada em 16 de maio de 2020 
  56. «Tropical Storm ARTHUR Advisory Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 15 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2019 
  57. «Florida Event Reports for May 14–18, 2020». National Centers for Environmental Information. 2020. Consultado em 22 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2020 
  58. a b John Cangialosi (23 de setembro de 2020). Tropical Storm Bertha (AL022020) (PDF) (Relatório). Tropical Cyclone Report. National Hurricane Center. Consultado em 28 de setembro de 2020 
  59. 72-hour Precipitation Reports (Updated by County) (Relatório). Iowa Environmental Mesonet. National Weather Service Weather Forecast Office in Miami, Florida. 27 de maio de 2020. Consultado em 27 de maio de 2020. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2020 
  60. Christian De La Rosa; Liane Morejon (26 de maio de 2020). «Steady downpours bring costly flooding across South Florida». WPLG. Consultado em 27 de maio de 2020. Cópia arquivada em 4 de junho de 2020 
  61. NWS Damage Survey for 05/25/2020 Redlands Tornado Event Update 1 (Relatório). Iowa Environmental Mesonet. National Weather Service Weather Forecast Office in Miami, Florida. 26 de maio de 2020. Consultado em 27 de maio de 2020. Cópia arquivada em 30 de junho de 2020 
  62. Anstaett, Colter (28 de maio de 2020). «More rain threatens parts of Henry County hit hard by weekend flash flooding». WSLS (em inglês). Consultado em 3 de junho de 2020. Cópia arquivada em 3 de junho de 2020 
  63. «Florida Event Reports for May 25–26, 2020». National Centers for Environmental Information. 2020. Consultado em 22 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2020 
  64. «North Carolina Severe Weather Event Reports: May 27-28, 2020». National Weather Service. National Center for Environmental Information. Consultado em 9 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2020 
  65. «NHC Graphical Outlook Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 1 de junho de 2020. Cópia arquivada em 4 de junho de 2020 
  66. «NHC Graphical Outlook Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 1 de junho de 2020. Cópia arquivada em 4 de junho de 2020 
  67. Phil Klotzbach [philklotzbach] (2 de junho de 2020). «#Cristobal has formed in the Bay of Campeche - the 3rd Atlantic named storm of the 2020 season. This is the earliest date for an Atlantic 3rd named storm formation on record (since 1851). Old record was Colin on June 5, 2016» (Tweet). Consultado em 2 de junho de 2020 – via Twitter 
  68. «Tropical Storm CRISTOBAL». nhc.noaa.gov. Consultado em 3 de junho de 2020. Cópia arquivada em 3 de junho de 2020 
  69. «Tropical Storm CRISTOBAL». nhc.noaa.gov. Consultado em 3 de junho de 2020. Cópia arquivada em 3 de junho de 2020 
  70. «Tropical Depression Cristobal Forecast Discussion Number 15». nhc.noaa.gov. Consultado em 5 de junho de 2020. Cópia arquivada em 6 de junho de 2020 
  71. «Tropical Storm Cristobal Discussion Number 19». National Hurricane Center. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 6 de junho de 2020 
  72. «Tropical Storm Cristobal Discussion Number 21». National Hurricane Center. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 6 de junho de 2020 
  73. a b «Tropical Storm CRISTOBAL Advisory Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 15 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 13 de julho de 2020 
  74. Burke, Patrick C. (9 de junho de 2020). «Post-Tropical Cyclone Cristobal Advisory Number 34» (em inglês). College Park, Maryland: NWS Weather Prediction Center. Consultado em 15 de julho de 2020. Cópia arquivada em 10 de junho de 2020 
  75. a b «Cristobal makes landfall in Mexico, could dump up to 30 inches of rain before heading for US». Cópia arquivada em 4 de junho de 2020 
  76. «NHC Graphical Outlook Archive». Nhc.noaa.gov. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2020 
  77. Bianchi, Chris. «Tropics Update: Possible System in North Atlantic». WeatherNation (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Cópia arquivada em 22 de junho de 2020 
  78. «NHC Graphical Outlook Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2020 
  79. philklotzbach (23 de junho de 2020). «Dolly has formed in the North Atlantic - the 3rd earliest 4th Atlantic named storm formation on record (since 1851). Danielle is earliest on 6/20/2016. Debby is 2nd earliest on 6/23/2012 at 12 UTC. Dolly in 2020 formed on June 23 at 1615 UTC. hurricane» (Tweet). Consultado em 23 de junho de 2020 – via Twitter 
  80. «Tropical Depression Five Tracking Away From Land in the Atlantic». The Weather Channel (em inglês). Consultado em 5 de julho de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  81. pppapin (4 de julho de 2020). «twitter.com/pppapin/status/1278805436624367621» (Tweet) (em inglês). Consultado em 4 de julho de 2020 – via Twitter 
  82. «NHC Graphical Outlook Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 4 de julho de 2020. Cópia arquivada em 4 de julho de 2020 
  83. «NHC Graphical Outlook Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 4 de julho de 2020. Cópia arquivada em 4 de julho de 2020 
  84. «Tropical Depression FIVE Discussion Number4». nhc.noaa.gov. Consultado em 5 de julho de 2020. Cópia arquivada em 5 de julho de 2020 
  85. «Tropical Depression FIVE Public Advisory Number 4». nhc.noaa.gov. Consultado em 5 de julho de 2020. Cópia arquivada em 6 de julho de 2020 
  86. a b «Tropical Storm EDOUARD Advisory Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 15 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  87. a b Pérez, Paola. «Tropical Depression 5 accelerates away from Bermuda; hurricane center watches low pressure area along northern Gulf Coast». orlandosentinel.com. Consultado em 5 de julho de 2020. Cópia arquivada em 5 de julho de 2020 
  88. «Tropical Depression 5 no longer a threat». royalgazette.com. Royal Gazette. Consultado em 5 de julho de 2020. Cópia arquivada em 7 de julho de 2020 
  89. «NHC Graphical Outlook Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 10 de julho de 2020. Cópia arquivada em 8 de julho de 2020 
  90. «NHC Graphical Outlook Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 10 de julho de 2020. Cópia arquivada em 10 de julho de 2020 
  91. «NHC Graphical Outlook Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 10 de julho de 2020. Cópia arquivada em 11 de julho de 2020 
  92. «NHC Graphical Outlook Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 10 de julho de 2020. Cópia arquivada em 13 de julho de 2020 
  93. a b «Tropical Storm FAY». nhc.noaa.gov. Consultado em 10 de julho de 2020. Cópia arquivada em 9 de julho de 2020 
  94. «Tropical Storm FAY». nhc.noaa.gov. Consultado em 10 de julho de 2020. Cópia arquivada em 9 de julho de 2020 
  95. «Tropical Storm FAY». nhc.noaa.gov. Consultado em 10 de julho de 2020. Cópia arquivada em 11 de julho de 2020 
  96. Hanna, Jason; Garrett, Monica; Vera, Amir (10 de julho de 2020). «Tropical Storm Fay makes landfall in New Jersey». cnn.com. Consultado em 3 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 29 de setembro de 2020 
  97. Richard Pasch (11 de julho de 2020). «Tropical Depression Fay Intermediate Advisory Number 7A». nhc.noaa.gov. Miami Florida: National Hurricane Center. Consultado em 3 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 11 de julho de 2020 
  98. Richard Pasch (11 de julho de 2020). «Post-Tropical Cyclone Fay Advisory Number 8». nhc.noaa.gov. Miami Florida: National Hurricane Center. Consultado em 3 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 12 de julho de 2020 
  99. a b «Global Catastrophe Recap: August 2020» (PDF). Aon. 6 páginas. Consultado em 14 de setembro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 14 de setembro de 2020 
  100. Masters, Jeff (10 de julho de 2020). «Tropical Storm Fay brings heavy rains to mid-Atlantic, Northeast U.S.». Yale Climate Connections. New Haven, Connecticut: Yale Center for Environmental Communication, Yale School of the Environment. Consultado em 21 de julho de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  101. Stacy R. Stewart (20 de julho de 2020). «Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 21 de julho de 2020. Cópia arquivada em 22 de julho de 2020 
  102. «Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook». nhc.noaa.gov. 21 de julho de 2020. Consultado em 22 de julho de 2020. Cópia arquivada em 22 de julho de 2020 
  103. John L. Beven (21 de julho de 2020). «Tropical Depression Seven Discussion Number 1». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 21 de julho de 2020. Cópia arquivada em 21 de julho de 2020 
  104. «Tropical Storm GONZALO Advisory Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 15 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2020 
  105. Langmaid, Virginia; Jones, Judson (22 de julho de 2020). «Tropical Storm Gonzalo sets a record as it churns toward the Caribbean». CNN. Consultado em 22 de julho de 2020. Cópia arquivada em 22 de julho de 2020 
  106. «Tropical Storm GONZALO». nhc.noaa.gov. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 24 de julho de 2020 
  107. «Tropical Storm GONZALO». nhc.noaa.gov. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 24 de julho de 2020 
  108. «Tropical Storm Gonzalo brings rain to Trinidad and Tobago». UPI (em inglês). Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 25 de julho de 2020 
  109. «Tropical Depression Gonzalo Sweeping Through Southern Windward Islands Bringing Gusty Winds and Heavy Rain». The Weather Channel. 25 de julho de 2020. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  110. Connelly, Corey (25 de julho de 2020). «Gonzalo warning lifted for Trinidad and Tobago, storm fizzles to tropical depression». Trinidad and Tobago Newsday (em inglês). Consultado em 30 de julho de 2020. Cópia arquivada em 30 de julho de 2020 
  111. «NHC Graphical Outlook Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 21 de julho de 2020 
  112. «NHC Graphical Outlook Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 25 de julho de 2020 
  113. «NHC Graphical Outlook Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 22 de julho de 2020 
  114. «Tropical Depression EIGHT». nhc.noaa.gov. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 24 de julho de 2020 
  115. «Tropical Storm HANNA». nhc.noaa.gov. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 25 de julho de 2020 
  116. «2020 Atlantic Hurricane Season Continues to Break Records With Tropical Storm Hanna». Time. Associated Press. 24 de julho de 2020. Consultado em 24 de julho de 2020. Cópia arquivada em 24 de julho de 2020 
  117. «Tropical Storm HANNA». nhc.noaa.gov. Consultado em 26 de julho de 2020. Cópia arquivada em 25 de julho de 2020 
  118. «Tropical Storm HANNA». nhc.noaa.gov. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 25 de julho de 2020 
  119. «Tropical Storm HANNA». nhc.noaa.gov. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2020 
  120. «Hurricane HANNA». nhc.noaa.gov. Consultado em 26 de julho de 2020. Cópia arquivada em 26 de julho de 2020 
  121. «Tropical Depression HANNA». nhc.noaa.gov. Consultado em 26 de julho de 2020. Cópia arquivada em 27 de julho de 2020 
  122. «Tropical Depression EIGHT». nhc.noaa.gov. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 23 de julho de 2020 
  123. «Tropical Storm HANNA». nhc.noaa.gov. Consultado em 25 de julho de 2020. Cópia arquivada em 25 de julho de 2020 
  124. Rocha, Alana; Ferman, Mitchell; Garnham, Juan Pablo (26 de julho de 2020) [July 24, 2020]. «Hanna brings flooding, power outages to southern Texas Gulf Coast». texastribune.org. Austin, Texas: The Texas Tribune. Consultado em 4 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 25 de julho de 2020 
  125. Childs, Ja_n Wesner; Brackett, Ron (26 de julho de 2020). «Tropical Depression Hanna Unleashes Flooding, Power Outages Across South Texas, Northeastern Mexico». weather.com. The Weather Channel. Consultado em 4 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 26 de julho de 2020 
  126. Jack Beven (23 de julho de 2020). «Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 28 de julho de 2020. Cópia arquivada em 28 de julho de 2020 
  127. Robbie Berg (26 de julho de 2020). «Two-Day Graphical Tropical Weather Outlook». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 28 de julho de 2020. Cópia arquivada em 28 de julho de 2020 
  128. Daniel Brown (28 de julho de 2020). «Potential Tropical Cyclone Nine Discussion Number 1». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 4 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2020 
  129. Richard Pasch (30 de julho de 2020). «Tropical Storm Isaias Discussion Number 7». nhc.noaa.gov. Miami, FL: National Hurricane Center. Consultado em 30 de julho de 2020. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2020 
  130. Eric S. Blake (31 de julho de 2020). «Hurricane Isaias Special Discussion Number 12». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 31 de julho de 2020. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2020 
  131. «Hurricane ISAIAS». nhc.noaa.gov. Consultado em 4 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2020 
  132. «Tropical Storm ISAIAS». nhc.noaa.gov. Consultado em 4 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2020 
  133. Jack Beven (4 de agosto de 2020). «Hurricane Isaias Intermediate Adivsory Number 27A...Corrected». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 4 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2020 
  134. David Zelinsky; Jack Beven (4 de agosto de 2020). «Hurricane Isaias Tropical Cyclone Update». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 4 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2020 
  135. Daniel Brown; David Zelinsky; Jack Beven (4 de agosto de 2020). «Hurricane Isaias Tropical Cyclone Update». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 4 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2020 
  136. Daniel Brown; Robbie Berg (4 de agosto de 2020). «Tropical Storm Isaias Discussion Number 29». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 4 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2020 
  137. «Hurricane ISAIAS Advisory Archive». nhc.noaa.gov. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2020 
  138. Masters, Jeff (5 de agosto de 2020) [August 2, 2020]. «Tropical Storm Isaias: Updates from 'Eye on the Storm'». New Haven, Connecticut: Yale Center for Environmental Communication. Consultado em 5 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2020 
  139. «At least 2 people dead, 2 children missing after tornado touches down in Bertie County». abc11.com. 4 de agosto de 2020. Consultado em 4 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2020 
  140. David Chang (4 de agosto de 2020). «Girl and Teen Missing, 2 Women Dead After Isaias Rips Through Region». NBC Philadelphia. Consultado em 4 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2020 
  141. David Chang, Rudy Chinchilla and Stephanía Jiménez (5 de agosto de 2020). «Girl With Autism, Missing During Storms, Found Dead». NBC Philadelphia. Consultado em 5 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 5 de agosto de 2020 
  142. Allie Miller (4 de agosto de 2020). «Man's body found in surf off Cape May beach». Philly Voice. Consultado em 5 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2020 
  143. a b «Billion-Dollar Weather and Climate Disasters: Events». National Centers for Environmental Information. Outubro de 2020. Consultado em 19 de outubro de 2020 
  144. «NHC Graphical Outlook Archive» (em inglês). Miami, Flórida, Estados Unidos: National Hurricane Center. 30 de julho de 2020. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  145. «NHC Graphical Outlook Archive» (em inglês). Miami, Flórida, Estados Unidos: National Hurricane Center. 30 de julho de 2020. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  146. «NHC Graphical Outlook Archive» (em inglês). Miami, Flórida, Estados Unidos: National Hurricane Center. 31 de julho de 2020. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  147. «Tropical Depression TEN» (em inglês). Miami, Flórida, Estados Unidos: National Hurricane Center. 31 de julho de 2020. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  148. «twitter.com/pppapin/status/1289363339328409601» (em inglês). Twitter. 31 de julho de 2020. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  149. «Tropical Depression TEN» (em inglês). Miami, Flórida, Estados Unidos: National Hurricane Center. 1 de janeiro de 2020. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  150. https://www.nhc.noaa.gov/archive/2020/al10/al102020.public.004.shtml?
  151. https://www.nhc.noaa.gov/archive/2020/al10/al102020.public.006.shtml?
  152. Andrew Latto (7 de janeiro de 2020). «Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Flórida: National Hurricane Center. Consultado em 11 de agosto de 2020 
  153. «NHC Graphical Outlook Archive». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  154. «NHC Graphical Outlook Archive». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  155. «Tropical Depression ELEVEN Forecast Discussion Number 1». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  156. «Tropical Depression ELEVEN Forecast Discussion Number 2». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  157. a b «Tempestade tropical JOSEPHINE Forecast Discussion Number 8». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  158. «Tempestade tropical JOSEPHINE Forecast Discussion Number 11». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  159. «Tempestade tropical JOSEPHINE Forecast Discussion Number 13». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  160. «Tempestade tropical JOSEPHINE Public Advisory Number 16». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  161. «Tropical Depression Josephine Forecast Discussion Number 20». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  162. Dan Brown (16 de agosto de 2020). «Remnants of Josephine Public Advisory Number 21». www.nhc.noaa.gov. Miami, Flórida: National Hurricane Center. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  163. Jack Beven (13 de agosto de 2020). «Two-Day Graphical Tropical Weather Outlook, 200 PM EDT Thu Aug 13 2020». www.nhc.noaa.gov. Miami, Flórida: National Hurricane Center. Consultado em 14 de agosto de 2020 
  164. David Zelinsky (14 de agosto de 2020). «Tempestade tropical Kyle Discussion Number 1». www.nhc.noaa.gov. Miami, Flórida: National Hurricane Center. Consultado em 14 de agosto de 2020 
  165. David Zelinsky (15 de agosto de 2020). «Tropical Storm Kyle Public Advisory Number 4». www.nhc.noaa.gov. Miami, Flórida: National Hurricane Center. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  166. Robbie Berg (16 de agosto de 2020). «Tropical Storm Kyle Public Advisory Number 7». www.nhc.noaa.gov. Miami, Flórida: National Hurricane Center. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  167. Robbie Berg (16 de agosto de 2020). «Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 20 de agosto de 2020 
  168. John Cangialosi (20 de agosto de 2020). «Tropical Depression Thirteen Public Advisory Number 1». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 20 de agosto de 2020 
  169. Michael Brennan; Richard Pasch (21 de agosto de 2020). «Tropical Storm Laura Tropical Cyclone Update». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 21 de agosto de 2020 
  170. https://twitter.com/TheWeatherMastr/status/1297232799234228224
  171. Richard Pasch (22 de agosto de 2020). «Tropical Storm Laura Discussion Number 12». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 22 de agosto de 2020 
  172. «Tormenta Tropical Laura provoca fuertes lluvias en todo el territorio nacional» (em espanhol). Listin Diario. 23 de agosto de 2020. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  173. Stacy Stewart (23 de agosto de 2020). «Tropical Storm Laura Discussion Number 14». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  174. Daniel Brown (23 de agosto de 2020). «Tropical Storm Laura Discussion Number 16». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  175. Jeff Masters. «Tropical Storm Laura and Tropical Depression 14 predicted to converge in Gulf of Mexico». Yale Climate Connections. Yale Climate Connections 
  176. «Territory's ports to close from today due to Tropical Storm - British Virgin Islands». bvi.org. bvi.org 
  177. Daniel Manzo; Dan Peck. «Tropical Storm Laura, Marco head toward Gulf of Mexico - ABC News». ABC News. ABC News 
  178. «Tempestade Laura se transforma em furacão no Golfo do México e segue para os EUA». G1. Consultado em 25 de agosto de 2020 
  179. «Por que os EUA estão chamando o furacão Laura de 'impossível de sobreviver'». G1. Consultado em 26 de agosto de 2020 
  180. Stacy Stewart (16 de agosto de 2020). «Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 20 de agosto de 2020 
  181. Andrew Latto (19 de agosto de 2020). «Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 20 de agosto de 2020 
  182. Robbie Berg (20 de agosto de 2020). «Tropical Depression Fourteen Public Advisory Number 1». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 20 de agosto de 2020 
  183. Kimberly Miller; Doyle Rice (21 de agosto de 2020). «Two Gulf hurricanes at the same time? Tropical Storm Laura has formed». www.usatoday.com. Consultado em 21 de agosto de 2020 
  184. a b c Robbie Berg (22 de agosto de 2020). «Tropical Storm Marco Discussion Number 10». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 22 de agosto de 2020 
  185. a b Jonathan Erdman (22 de agosto de 2020). «Tropical Storms Laura and Marco Could Deliver Back-to-Back Landfalls on U.S. Gulf Coast; Here's How Rare That Is». weather.com. The Weather Company. Consultado em 22 de agosto de 2020 
  186. David Zelinsky (23 de agosto de 2020). «Tropical Storm Marco Discussion Number 11». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  187. Eric S. Blake (23 de agosto de 2020). «Tropical Storm Marco Intermediate Advisory Number 11A». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  188. Andrew Latto (23 de agosto de 2020). «Hurricane Marco Tropical Cyclone Update». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  189. Andrew Latto (23 de agosto de 2020). «Hurricane Marco Discussion Number 14». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 24 de agosto de 2020 
  190. David Zelinsky (24 de agosto de 2020). «Hurricane Marco Discussion Number 15». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 24 de agosto de 2020 
  191. David Zelinsky (24 de agosto de 2020). «Tropical Storm Marco Tropical Cyclone Update». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 24 de agosto de 2020 
  192. Stacy Stewart (25 de agosto de 2020). «Post-Tropical Cyclone Marco Public Advisory Number 21». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 25 de agosto de 2020 
  193. Fredy Martín Pérez (23 de agosto de 2020). «Muere niña en Chiapas por afectaciones de la tormenta tropical "Marco"». El Universal. Consultado em 23 de agosto de 2020 
  194. Eric Blake (31 de agosto de 2020). «Tropical Depression Fifteen Advisory Number 1». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 31 de agosto de 2020 
  195. Andrew Latto (31 de agosto de 2020). «Tropical Depression Fifteen Forecast Discussion Number 2». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  196. a b Eric Blake (1 de setembro de 2020). «Tropical Storm Omar Forecast Discussion Number 5». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  197. «Tropical Storm OMAR». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 2 de setembro de 2020 
  198. «Tropical Depression OMAR». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 2 de setembro de 2020 
  199. «Tropical Storm OMAR Advisory Archive». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  200. «Tropical Depression Fifteen forms just off shore». WMBF News 
  201. Andrew Latto (27 de agosto de 2020). «Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  202. Andrew Latto (1 de setembro de 2020). «Potential Tropical Cyclone Sixteen Advisory Number 1». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  203. Eric Blake; Stacy Stewart (1 de setembro de 2020). «Tropical Storm Nana Tropical Cyclone Update». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  204. «Tropical Storm Public Advisory Number 4». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 2 de setembro de 2020 
  205. «Tropical Storm Nana Advisory Archive». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 2 de setembro de 2020 
  206. «Hurricane Nana Discussion Number 8». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  207. «Hurricane Nana Intermediate Advisory Number 8A». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  208. «Tropical Depression Nana Public Advisory Number 9». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  209. «Tropical Depression Nana Public Advisory Number 11». Consultado em 3 de setembro de 2020 
  210. «Remnants of NANA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  211. Travis Fedschun; Janice Dean. «Hurricane Nana makes landfall in Belize, brings floods to Honduras;Omar to dissipate». Fox News 
  212. Staff (3 de setembro de 2020). «Farms in southern Belize lose hundreds of acres to Hurricane Nana». Breaking Belize News. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  213. «Nana hits Belize, then dissipates over Guatemala». Associated Press 
  214. Stacy Stewart (30 de agosto de 2020). «Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  215. John Cangialosi (6 de setembro de 2020). «Two-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  216. John Cangialosi (6 de setembro de 2020). «Two-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  217. Stacy Stewart (7 de setembro de 2020). «Tropical Depression Seventeen Public Advisory Number 1». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  218. Stacy Stewart (7 de setembro de 2020). «Tropical Depression Seventeen Discussion Number 1». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  219. David Zelinsky (7 de setembro de 2020). «Tropical Storm Paulette Discussion Number 3». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  220. Erdman, Jonathan (7 de setembro de 2020). «Tropical Storm Paulette, Record Earliest 16th Storm, Forms in Eastern Atlantic While Tropical Storm Rene is Soon to Follow». weather.com. The Weather Channel. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  221. David Zelinsky (8 de setembro de 2020). «Tropical Storm Paulette Public Advisory Number 7». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 9 de setembro de 2020 
  222. David Zelinsky (8 de setembro de 2020). «Tropical Storm Paulette Public Advisory Number 8». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 9 de setembro de 2020 
  223. Eric Blake (9 de setembro de 2020). «Tropical Storm Paulette Public Advisory Number 9». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 9 de setembro de 2020 
  224. «Tropical Storm PAULETTE». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 11 de setembro de 2020 
  225. Robbie Berg (3 de setembro de 2020). «Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  226. Dan Brown (7 de setembro de 2020). «Tropical Depression Eighteen Public Advisory Number 1». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  227. John Cangialosi (7 de setembro de 2020). «Tropical Storm Rene Public Advisory Number 3». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  228. John Cangialosi (7 de setembro de 2020). «Tropical Storm Rene Discussion Number 3». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  229. Stacy Stewart (7 de setembro de 2020). «Tropical Storm Rene Intermediate Advisory Number 3A». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  230. John Cangialosi (8 de setembro de 2020). «Tropical Storm Rene Discussion Number 6». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 8 de setembro de 2020 
  231. Jack Beven (9 de setembro de 2020). «Tropical Depression Rene Public Advisory Number 9». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 9 de setembro de 2020 
  232. Richard Pasch (9 de setembro de 2020). «Tropical Storm Rene Public Advisory Number 10». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 9 de setembro de 2020 
  233. «Tropical Storm RENE». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 11 de setembro de 2020 
  234. «Tropical Storm RENE». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 11 de setembro de 2020 
  235. «Tropical Depression EIGHTEEN». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 11 de setembro de 2020 
  236. Sewell, Katie (8 de setembro de 2020). «Tropical Storm Rene path: Rene blasts Cabo Verde Islands as NHC forecast hurricane upgrade». Express.co.uk (em inglês). Consultado em 11 de setembro de 2020 
  237. Eric Blake (9 de setembro de 2020). «Two-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 11 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  238. Robbie Berg (11 de setembro de 2020). «Two-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 11 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  239. Eric Blake (11 de setembro de 2020). «Tropical Depression Nineteen Public Advisory Number 1». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 11 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  240. Jack Beven (12 de setembro de 2020). «Tropical Depression Nineteen Intermediate Advisory Number 2A». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 12 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  241. Richard Pasch (12 de setembro de 2020). «Tropical Storm Sally Intermediate Advisory Number 4A». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 12 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  242. Niles, Nancy; Hauck, Grace; Aretakis, Rachel (12 de setembro de 2020). «Tropical Storm Sally forms as it crosses South Florida; likely to strengthen into hurricane when it reaches Gulf». USA Today Network. Consultado em 12 de setembro de 2012. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2020 
  243. a b c d e f «Tropical Storm SALLY Advisory Archive». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 14 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2020 
  244. Dan Brown (14 de setembro de 2020). «Tropical Storm Sally Discussion Number 14». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 14 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  245. «Hurricane SALLY». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  246. «Hurricane SALLY». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  247. Jay Reeves, Angie Wang and Jeff Martin (16 de setembro de 2020). «Hurricane Sally blasts ashore in Alabama with punishing rain». yahoo.com. Consultado em 16 de setembro de 2020 
  248. «Hurricane SALLY». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 16 de setembro de 2020 
  249. «Hurricane Sally Crawling Toward Gulf Coast With Potentially Historic and Life-Threatening Flooding». The Weather Channel. Consultado em 16 de setembro de 2020 
  250. Stacy Stewart (7 de setembro de 2020). «Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 12 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  251. Robbie Berg (10 de setembro de 2020). «Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 12 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  252. Andrew Latto (12 de setembro de 2020). «Tropical Depression Twenty Public Advisory Number 1». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 12 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  253. Andrew Latto (12 de setembro de 2020). «Tropical Depression Twenty Discussion Number 1». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 14 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  254. Stacy Stewart (14 de setembro de 2020). «Tropical Storm Teddy Discussion Number 7». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 12 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  255. Marchante, Michelle; Harris, Harris (14 de setembro de 2020). «With newly formed Tropical Storm Teddy, NHC tracking five named systems at once». The Miami Herald. Consultado em 14 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2020 
  256. «Hurricane TEDDY». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  257. «Hurricane TEDDY». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 17 de setembro de 2020 
  258. «Hurricane Teddy Public Advisory». National Hurricane Center. 17 de setembro de 2020. Consultado em 17 de setembro de 2020 
  259. Robbie Berg (11 de setembro de 2020). «Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 14 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  260. Stacy Stewart, Jack Beven (14 de setembro de 2020). «Tropical Depression Twenty-One Special Public Advisory Number 1». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 14 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  261. Michals, Chris (14 de setembro de 2020). «Sally takes aim at the Gulf Coast; only one name left for hurricane season». wsls.com. Roanoke, Virginia: WSLS-TV. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  262. «Tropical Storm VICKY». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 14 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  263. «Tropical Storm VICKY advisory archive». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 14 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  264. «Tropical Storm VICKY». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  265. «Tropical Storm VICKY». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  266. «Tropical Storm VICKY». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  267. «Tropical Storm VICKY». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  268. «Tropical Storm VICKY». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  269. «Tropical Storm VICKY». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 16 de setembro de 2020 
  270. «Tropical Depression VICKY». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 17 de setembro de 2020 
  271. «Cape Verde – Deadly Flash Floods in Praia». floodlist.com. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  272. «Hurricane Sally expected to bring historic flooding to Mississippi, Alabama, Florida Panhandle » Yale Climate Connections». Yale Climate Connections. 15 de setembro de 2020. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  273. «Beta makes landfall». Consultado em 22 de setembro de 2020 
  274. Stacy Stewart (13 de setembro de 2020). «Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 18 de setembro de 2020 
  275. David Zelinsky (18 de setembro de 2020). «Two-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 18 de setembro de 2020 
  276. Eric Blake (18 de setembro de 2020). «Tropical Storm Wilfred Public Advisory Number 1». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 18 de setembro de 2020 
  277. Fox 13 News (18 de setembro de 2020). «Tropical Storm Wilfred forms in Atlantic, using final name on NHC's 2020 list». Tampa, Florida: WTVT. Consultado em 18 de setembro de 2020 
  278. Hausen, Nick (18 de setembro de 2020). «Tropical Storm Wilfred forms in the Atlantic». Harrisburg, Illinois: WSIL-TV. Consultado em 18 de setembro de 2020 
  279. «Tropical Storm WILFRED Forecast Discussion Number 8». nhc.noaa.gov. Consultado em 22 de setembro de 2020 
  280. Christopher Landsea (20 de setembro de 2020). «Tropical Depression Wilfred Discussion Number 9». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 20 de setembro de 2020 
  281. Dan Brown (21 de setembro de 2020). «Remnants of Wilfred Public Advisory Number 9». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  282. http://bmcnoldy.rsmas.miami.edu/tropics/atcf/latestATL.png
  283. Eric Blake (15 de setembro de 2020). «Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 18 de setembro de 2020 
  284. David Zelinsky (18 de setembro de 2020). «Two-Day Graphical Tropical Weather Outlook». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 18 de setembro de 2020 
  285. Eric Blake (18 de setembro de 2020). «Subtropical Storm Alpha Public Advisory Number 1». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 18 de setembro de 2020 
  286. «Informação especial Assunto: Ciclone subtropical Alpha». web.archive.org. Instituto Português do Mar e da Atmosfera. 18 de setembro de 2020. Consultado em 18 de setembro de 2020 
  287. Richard Pasch and Lixion Avila (26 de março de 1992). «Atlantic Hurricane Season of 1991» (PDF). National Oceanic and Atmospheric Administration. Consultado em 28 de março de 2010 
  288. Eric Blake (18 de setembro de 2020). «Subtropical Storm Alpha Discussion Number 2». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 18 de setembro de 2020 
  289. Dave Roberts (19 de setembro de 2020). «Post-Tropical Cyclone Alpha Public Advisory Number 3». www.nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 19 de setembro de 2020 
  290. «Ciclone Alpha: Aviso laranja por agravamento de mau tempo hoje no distrito de Coimbra | Notícias de Coimbra». www.noticiasdecoimbra.pt. Consultado em 18 de setembro de 2020 
  291. «Tornados em Beja e Palmela ocorreram devido a supercélulas. Fim de semana chega com a tempestade subtropical Alpha». Observador 
  292. a b c «Los estragos del temporal: Una mujer muere en Cáceres al caer un tejado y un tren descarrila en Madrid». telecinco (em espanhol). 18 de setembro de 2020. Consultado em 18 de setembro de 2020 
  293. Stacy Stewart (30 de setembro de 2020). «Two-Day Graphical Tropical Weather Outlook». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  294. Richard Pasch (30 de setembro de 2020). «Two-Day Graphical Tropical Weather Outlook». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  295. Robbie Berg (1 de outubro de 2020). «Two-Day Graphical Tropical Weather Outlook». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  296. Robbie Berg (2 de outubro de 2020). «Tropical Depression Twenty-Five Discussion Number 1». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  297. John Cangialosi (3 de outubro de 2020). «Tropical Storm Gamma Intermediate Advisory Number 2A». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 3 de outubro de 2020 
  298. Discher, Emma (2 de outubro de 2020). «Tropical Storm Gamma develops over Caribbean Sea; here's the latest forecast». nola.com. New Orleans, Luisiana. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  299. Richard Pasch; Robbie Berg (3 de outubro de 2020). «Tropical Storm Gamma Advisory Number 5». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 3 de outubro de 2020 
  300. Stacy Stewart (30 de setembro de 2020). «Tropical Weather Outlook». nhc.noaa.gov. Miami Florida: National Hurricane Center. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  301. Robbie Berg (3 de outubro de 2020). «Tropical Weather Outlook». nhc.noaa.gov. Miami Florida: National Hurricane Center. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  302. Dan Brown (4 de outubro de 2020). «Potential Tropical Cyclone Twenty-Six Discussion Number 1». nhc.noaa.gov. Miami Florida: National Hurricane Center. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  303. John Cangialosi (4 de outubro de 2020). «Tropical Depression Twenty-Six Discussion Number 2». nhc.noaa.gov. Miami Florida: National Hurricane Center. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  304. Dan Brown (5 de outubro de 2020). «Tropical Storm Delta Intermediate Advisory Number 3A». nhc.noaa.gov. Miami Florida: National Hurricane Center. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  305. Flores, Jessica (5 de outubro de 2020). «Hurricane Delta? New tropical storm is 'strengthening' and could make landfall in Gulf Coast this week, forecasters say». USA Today. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  306. Morgan, Leigh (5 de outubro de 2020). «Tropical Storm Delta forms and is headed for the Gulf Coast later this week - as a hurricane». al.com. The Birmingham News. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  307. Samenow, Jason (5 de outubro de 2020). «Delta rapidly intensifies to hurricane, forecast to reach Category 3 on path to Gulf Coast». The Washington Post. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  308. «Hurricane Delta a 'Potentially Catastrophic' Strike on Cancún, Then a U.S. Gulf Coast Danger Beginning Friday Night». weather.com. The Weather Channel. 6 de outubro de 2020. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  309. a b Brown, Dan (6 de outubro de 2020). «Hurricane Delta Tropical Cyclone Update». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  310. «Mérida: Inundaciones en Fracc Las Américas provocan que mujer muera electrocutada». Novedades Yucatan. 8 de outubro de 2020. Consultado em 8 de outubro de 2020 
  311. «Louisiana Department of Health verifies two Hurricane Delta-related deaths». kalb.com. Alexandria, Louisiana: KALB-TV. 11 de outubro de 2020. Consultado em 11 de outubro de 2020 
  312. «2 drown in rip currents in Northwest Florida over weekend». wxxv25.com. Gulfport, Mississippi: WXXV-TV. 12 de outubro de 2020. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  313. «Yucatán: Abuelito muere al asegurar su casa por paso de huracán Delta en Tizimín». Novedades Yucatan. 7 de outubro de 2020. Consultado em 7 de outubro de 2020 
  314. Daniel Brown (19 de outubro de 2020). «Tropical Depression Twenty-Seven Special Advisory Number 1». Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 20 de outubro de 2020 
  315. Daniel Brown (19 de outubro de 2020). «Tropical Storm Epsilon Advisory Number 2». Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 20 de outubro de 2020 
  316. Masters, Jeff (19 de outubro de 2020). «Tropical Storm Epsilon forms in the central Atlantic». New Haven, Connecticut: Yale Center for Environmental Communication, Yale School of the Environment. Consultado em 19 de outubro de 2020 
  317. «Tropical Storm EPSILON». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 20 de outubro de 2020 
  318. Beven (15 de outubro de 2020). Nacional Hurricane Center, ed. «Five-Day Tropical Weather Outlook» (em inglês). Consultado em 23 de outubro de 2020 
  319. Blake (24 de outubro de 2020). Nacional Hurricane Center, ed. «Tropical Depression TWENTY-EIGHT Advisory Number One» (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2020 
  320. Stewart (25 de outubro de 2020). Nacional Hurricane Center, ed. «Tropical Storm ZETA Advisory Number 2A» (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2020 
  321. Pasch (25 de outubro de 2020). Nacional Hurricane Center, ed. «Tropical Storm ZETA Advisory Number 3A» (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2020 
  322. Brennan; Pasch (26 de outubro de 2020). Nacional Hurricane Center, ed. «Hurricane ZETA Update Statement» (em inglês). Consultado em 26 de outubro de 2020 
  323. Brown; Stewart (27 de outubro de 2020). Nacional Hurricane Center, ed. «Hurricane Zeta Tropical Ciclone Update» (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2020 
  324. Pasch (27 de outubro de 2020). Nacional Hurricane Center, ed. «Tropical Storm ZETA Advisory Number 11A» (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2020 
  325. Brown; Latto (28 de outubro de 2020). Nacional Hurricane Center, ed. «Hurricane ZETA Advisory Number 14A» (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2020 
  326. Pasch (28 de outubro de 2020). Nacional Hurricane Center, ed. «Hurricane ZETA Advisory Number 15A» (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2020 
  327. Pasch (28 de outubro de 2020). Nacional Hurricane Center, ed. «Hurricane ZETA Advisory Number 16A» (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2020 
  328. Pasch (28 de outubro de 2020). Nacional Hurricane Center, ed. «Hurricane ZETA Advisory Number 17» (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2020 
  329. Cangialosi (29 de outubro de 2020). Nacional Hurricane Center, ed. «Tropical Strom ZETA Advisory Number 18A» (em inglês). Consultado em 29 de outubro de 2020 
  330. Berg (29 de outubro de 2020). Nacional Hurricane Center, ed. «Post-Tropical Ciclone ZETA Advisory Number 20A» (em inglês). Consultado em 29 de outubro de 2020 
  331. «Double Tragedy in Jamaica». Father killed, daughter missing after landslide covers house. Jamica News (em inglês). Stabroek News. 24 de outubro de 2020. Consultado em 25 de outubro de 2020 
  332. Doyle Rice (29 de outubro de 2020). «6 dead, millions powerless as Zeta roars across southern, eastern US». USA Today. Consultado em 29 de outubro de 2020 
  333. Van Voorhees, Brittany; Rule, Greg (29 de outubro de 2020). «Zeta now post-tropical; Another disturbance to monitor in the Caribbean». winknews.com. Fort Myers, Florida: WINK-TV. Consultado em 1 de novembro de 2020 
  334. Philippe Papin; David Zelinsky (6 de novembro de 2020). «Tropical Weather Outlook». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 10 de novembro de 2020 
  335. «NHC Graphical Outlook Archive». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 11 de novembro de 2020 ;«NHC Graphical Outlook Archive». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 11 de novembro de 2020 ;«NHC Graphical Outlook Archive». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  336. Philippe Papin; Daniel Brown (10 de novembro de 2020). «Subtropical Storm Theta Advisory Number 1». nhc.noaa.gov. Miami Florida: National Hurricane Center. Consultado em 10 de novembro de 2020 ; Philippe Papin; Daniel Brown (10 de novembro de 2020). «Subtropical Storm Theta Discussion Number 1». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  337. «Subtropical Storm THETA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  338. «Tropical Storm THETA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  339. Jack Beven (11 de novembro de 2020). «Tropical Storm Theta Advisory Number 6». nhc.noaa.gov. Miami, Florida: National Hurricane Center. Consultado em 11 de novembro de 2020 ; «Tropical Storm THETA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  340. «Tropical Storm THETA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 12 de novembro de 2020 
  341. «Tropical Storm THETA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 13 de novembro de 2020 
  342. «Tropical Storm THETA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  343. «Tropical Depression THETA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 16 de novembro de 2020 
  344. «Tropical Depression THETA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 16 de novembro de 2020 
  345. Digital, Por Edición (18 de novembro de 2020). «EN VIVO | Iota deja al menos 16 muertos en Nicaragua, según fuentes oficiales». La Prensa (em espanhol). Consultado em 18 de novembro de 2020 
  346. «Ciclón Iota deja a su paso por Honduras seis muertos y un panorama desolador». Diario La Prensa (em espanhol). Consultado em 18 de novembro de 2020 
  347. «Hurricane Eta Tears Off Roofs». The Weather Channel. 17 de novembro de 2020. Consultado em 17 de novembro de 2020 
  348. «National Hurricane Center». 16 de maio de 2020. Consultado em 17 de maio de 2020 
  349. {{cite web|publisher=National Centers for Environmental Information|year=2020|access-date=22 de agosto de 2020|title=Florida Event Reports for May 14–18, 2020|url=https://www.ncdc.noaa.gov/stormevents/listevents.jsp?eventType=ALL&beginDate_mm=05&beginDate_dd=14&beginDate_yyyy=2020&endDate_mm=05&endDate_dd=18&endDate_yyyy=2020&county=ALL&hailfilter=0.00&tornfilter=0&windfilter=000&sort=DT&submitbutton=Search&statefips=12%2CFLORIDA%7Carchive-date=13 de setembro de 2020|archive-url=https://web.archive.org/web/20200913033436/https://www.ncdc.noaa.gov/stormevents/listevents.jsp?eventType=ALL&beginDate_mm=05&beginDate_dd=14&beginDate_yyyy=2020&endDate_mm=05&endDate_dd=18&endDate_yyyy=2020&county=ALL&hailfilter=0.00&tornfilter=0&windfilter=000&sort=DT&submitbutton=Search&statefips=12%2CFLORIDA
  350. Summer Dashe (27 de maio de 2020). «Drowning reported in Myrtle Beach Wednesday after Tropical Storm Bertha hit coast». Consultado em 30 de maio de 2020 
  351. Ortiz, Graciela H.; Graniel, Gabriel (7 de junho de 2020). «Reportan dos muertos por afectaciones de "Cristóbal" en sureste». La Jordaniana. Consultado em 8 de junho de 2020 
  352. «Tormenta tropical "Cristóbal" deja un muerto en Chiapas» [Tempestade tropical "Cristobal" deixa um morto em Chiapas] (em espanhol). El Universal. 4 de junho de 2020. Consultado em 4 de junho de 2020 
  353. «Tropical Storm Cristobal spawns damaging tornado in Orlando; Louisiana brothers, 8 and 10, killed in rip current». FOX News. 7 de junho de 2020. Consultado em 7 de junho de 2020 
  354. «Teen drowns at Crystal Beach after grandmother lost sight of him». Houston, Texas: KTRK-TV. 8 de junho de 2020. Consultado em 14 de julho de 2020 
  355. «Global Catastrophe Recap: June 2020» (PDF). London, United Kingdom: Aon. pp. 4–5. Consultado em 15 de julho de 2020 
  356. Spamer, Courtney (7 de junho de 2020). «Cristobal unleashes life-threatening flooding in Mexico, Central America despite weakening». AccuWeather. Consultado em 31 de julho de 2020 
  357. Anthony DiLorenzo (10 de julho de 2020). «Teen drowns, 5 others rescued from strong currents in Long Beach as Tropical Storm Fay approaches». Consultado em 10 de julho de 2020. Cópia arquivada em 11 de julho de 2020 
  358. Allison Pries; Anthony G. Attrino (11 de julho de 2020). «Teen who disappeared in rough surf at Jersey Shore presumed dead, cops say». Consultado em 11 de julho de 2020. Cópia arquivada em 12 de julho de 2020 
  359. Jackson Cote (14 de julho de 2020). «64-year-old Matthew Smith of Fitchburg identified as victim of drowning off Scarborough Beach in Rhode Island». Consultado em 14 de julho de 2020. Cópia arquivada em 13 de julho de 2020 
  360. «Swimmer goes missing trying to rescue family members at the Jersey Shore». 14 de julho de 2020. Consultado em 14 de julho de 2020. Cópia arquivada em 16 de julho de 2020 
  361. «Father, Mississippi deputy, drowns while saving 10-year-old son at Sandestin beach». Pensacola News Journal. 23 de julho de 2020. Consultado em 23 de julho de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  362. Pedro Pablo Cortés; María Julia Castañeda (27 de julho de 2020). «Hanna weakens after leaving 4 dead, 6 missing in Mexico». La Prensa Latina Media. Consultado em 27 de julho de 2020. Cópia arquivada em 28 de julho de 2020 
  363. «Texas, Hawaii Spared From Potential Widespread Hurricane Damage». Claims Journal. 28 de julho de 2020. Consultado em 29 de julho de 2020. Cópia arquivada em 29 de julho de 2020 
  364. Lourdes Flores (14 de agosto de 2020). «Nuevo León calcula daños de 3,000 millones de pesos por el huracán Hanna» (em espanhol). El Economista. Consultado em 17 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2020 
  365. Ron Brackett (31 de julho de 2020). «Isaias Kills 2 in Dominican Republic; Dozens Rescued in Puerto Rico». The Weather Channel. Consultado em 31 de julho de 2020. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2020 
  366. «Hallan sin vida a mujer que fue arrastrada por un golpe de agua en Rincón durante Isaías». El Nuevo Día. 1 de agosto de 2020. Consultado em 1 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2020 
  367. «1 Killed After Tree Falls On Moving Vehicle In St. Mary's County As Tropical Storm Isaias Blew Through Maryland». CBS Baltimore. 4 de agosto de 2020. Consultado em 4 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 5 de agosto de 2020 
  368. «Person sitting in car in Queens crushed to death by tree toppled by Tropical Storm Isaias». New York Daily News. 4 de agosto de 2020. Consultado em 4 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2020 
  369. «North Conway, NH Woman Killed When Tree Falls On Apartment During Tropical Storm Isaias». CBS Boston. 5 de agosto de 2020. Consultado em 5 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2020 
  370. Dana Hedgpeth; Matthew Cappucci (5 de agosto de 2020). «Seven tornadoes confirmed in Va. and Md., two dead as region recovers from Tropical Storm Isaias». Washington Post. Consultado em 6 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2020 
  371. «60-year-old man dead after possible electrocution in New Jersey». New York, NY: WABC-TV. 5 de agosto de 2020. Consultado em 5 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2020 
  372. Matthew Cappucci (6 de agosto de 2020). «Two N.C. men were cleaning up from Hurricane Isaias. Lightning struck and killed them.». The Washington Post. Consultado em 6 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2020 
  373. Teresa Pellicano (6 de agosto de 2020). «CT sees two Isaias-related deaths, five injuries». WTNH. Consultado em 6 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2020 
  374. «Haiti – Flash Laura : 31 dead, 8 missing, more than 8,000 victims and significant agricultural losses (assessment August 28)». Haiti Libre. 29 de agosto de 2020. Consultado em 29 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2020 
  375. «Una mujer muere junto a su hijo de 9 años tras derrumbarse su casa por las lluvias provocadas por la tormenta Laura». El Nuevo Día. 23 de agosto de 2020. Consultado em 23 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2020 
  376. «Joven muere mientras dormía tras caer árbol sobre su vivienda vientos provocados por Laura». Los Mocanos. 23 de agosto de 2020. Consultado em 23 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2020 
  377. «Muere policía al caer sobre cables eléctricos en El Limón de Jimaní». Diario Cibao. 23 de agosto de 2020. Consultado em 23 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2020 
  378. «Franklin County Sheriff says St. George Island first responder died while trying to save swimmer». WTXL. 25 de agosto de 2020. Consultado em 26 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2020 
  379. «Louisiana Department of Health verifies one additional hurricane-related death, bringing toll to 27». Louisiana Department of Health. 9 de setembro de 2020. Consultado em 9 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2020 
  380. Johnathan Manning (18 de setembro de 2020). «Calcasieu updates on Laura recovery - Sept. 18». KPLC. Consultado em 18 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 18 de setembro de 2020 
  381. Illi-Anna Martinez. «McComb closes all Gulf beaches after fatality». KrisTV. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2020 
  382. «Man electrocuted while preparing for Hurricane Laura». MSN. 26 de agosto de 2020. Consultado em 26 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 5 de setembro de 2020 
  383. Nick Powerll (28 de agosto de 2020). «East Texas man killed by fallen tree is state's second Laura-related death». MSN. Consultado em 29 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2020 
  384. Scott Eslinger (1 de setembro de 2020). «Man dies Tuesday after being found in Orange home with generator in garage». KIII. Consultado em 1 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2020 
  385. Raegan Gibson (15 de setembro de 2020). «Hurricane Laura recovery worker electrocuted during debris cleanup in Newton Co.». KBMT. Consultado em 15 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 15 de setembro de 2020 
  386. WKRG Staff (18 de setembro de 2020). «Baldwin County Coroner: 2 confirmed dead after Hurricane Sally». WKRG. Consultado em 18 de setembro de 2020 
  387. Alexis Stevens (18 de setembro de 2020). «Hurricane Sally's remnants blamed for 3 metro Atlanta deaths». The Atlanta Journal-Constitution. Consultado em 18 de setembro de 2020 
  388. Kevin Robinson (19 de setembro de 2020). «Second Pensacola death believed to be caused by Hurricane Sally». Pensacola News Journal. Consultado em 19 de setembro de 2020 
  389. Staff (23 de setembro de 2020). «Body recovered near Innerarity Point was kayaker who went missing in storm, ECSO says». Pensacola News Journal. Consultado em 23 de setembro de 2020 
  390. a b «Global Catastrophe Recap September 2020» (PDF). Aon. 8 de outubro de 2020. Consultado em 8 de outubro de 2020 
  391. «Tras muerte de una pareja en La Pocita de Piñones, exhortan a no visitar las playas». El Nuevo Día. Consultado em 18 de setembro de 2020 
  392. Chris Sheldon (25 de setembro de 2020). «Swimmer dies after being pulled from ocean off Jersey Shore beach». nj.com. Consultado em 28 de setembro de 2020 
  393. a b c «Global Catastrophe Recap October 2020» (PDF). Aon. 10 de novembro de 2020. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  394. «Cape Verde – Deadly Flash Floods in Praia». floodlist.com. Consultado em 16 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2020 
  395. «Desalojos masivos de hoteles y alerta roja en México ante la proximidad del huracán Delta, ahora de categoría 3». Univision. 6 de outubro de 2020. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  396. Luke Gallin (16 de outubro de 2020). «RMS: Hurricane Delta total onshore insured losses could reach $4bn». Reinsurance News. Consultado em 16 de outubro de 2020 
  397. Stabroek News (24 de outubro de 2020). «Double tragedy in Jamaica – Father killed, daughter missing after landslide covers house». Stabroek News. Consultado em 25 de outubro de 2020 
  398. Matt Sheehan (2 de novembro de 2020). «Hurricane Zeta's insured property loss put at $4.4bn by KCC». Reinsurance News. Consultado em 2 de novembro de 2020 
  399. Gustavo Palencia; Sofia Menchu (5 de novembro de 2020). «Eta wreaks 'shocking' Central America devastation, dozens dead». Reuters. Consultado em 5 de novembro de 2020 
  400. Press, Associated. «Guatemala calls off search at site of massive landslide». Consultado em 15 de novembro de 2020 – via www.washingtonpost.com 
  401. Xinhua (5 de novembro de 2020). «El Salvador reports first death from tropical storm Eta». haitinews.net. Haiti News.net. Consultado em 6 de novembro de 2020 
  402. Xiomara Orellana (10 de novembro de 2020). «Ascienden a 62 las víctimas por la tormenta tropical Eta». Diario La Prensa (em espanhol). Consultado em 10 de novembro de 2020 
  403. «Aumentan a 27 las muertes en México por el paso del ciclón Eta». La Patilla. 9 de novembro de 2020. Consultado em 10 de novembro de 2020 
  404. «Woman in Guatemalan village hit by Storm Eta loses 22 members of her family». The Guardian. Reuters. 7 de novembro de 2020. Consultado em 8 de novembro de 2020 
  405. «Guatemala agradece a Brigada Médica de Cuba apoyo a damnificados (+Fotos)» (em espanhol). Prensa Latina. 10 de novembro de 2020. Consultado em 10 de novembro de 2020 
  406. «Tropical Cyclone Names». National Hurricane Center. 16 de março de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Temporada de furacões no oceano Atlântico de 2020
Temporada de furacões no oceano Atlântico de 2020
A B C D E F G H I 10 J K L M O N P R S T V β W α γ δ ε ζ η θ ι
Escala Saffir-Simpson
DT TT 1 2 3 4 5
Temporada de furacões no Atlântico na década de 2020

Ant: 2019 2020Pós-2020