Topa Tudo por Dinheiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Topa Tudo Por Dinheiro
O logotipo do programa
Informação geral
Formato Programa de auditório
Duração 120 minutos (2 horas)
Criador(es) Silvio Santos
País de origem  Brasil
Idioma original {{{idioma}}}
Produção
Apresentador(es) Silvio Santos
Tema de abertura "Banjo Billy", Pete Ross-Winslow
Tema de encerramento "The Hustle", Fausto Papetti (1991-1993)
"Ritmo de Festa" (1993-2001)
Exibição
Emissora de televisão original Brasil SBT
Transmissão original 5 de maio de 1991 - 16 de dezembro de 2001

Topa Tudo Por Dinheiro foi um programa de televisão do Brasil exibido nas noites de domingos veiculado pelo SBT, apresentado pelo empresário e comunicador Silvio Santos.

"Quem quer dinheiro?" foi um jargão dentre os muito utilizados por Silvio durante a exibição do programa.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A estreia do programa foi em 5 de maio de 1991 pontualmente às 17h ao vivo. Em meados de setembro do mesmo ano, começou a ser exibido entre 20h e 22h, horário até então ocupado pelo programa Show de Calouros.

As câmeras escondidas[editar | editar código-fonte]

Uma atração dentre as mais marcantes do programa foram as câmeras escondidas ou pegadinhas, que Silvio introduziu como uma novidade nos programas que ele apresentava ao trazer em 1981 a ideia desde países que ele visitava – a exemplo da Suíça. Os principais atores delas foram: Ivo Holanda, Gilberto Fernandes (1935-2010), Ruth Romcy (1927-2007), Fernando Benini, Gell Correia e Carlinhos Aguiar. Outros atores foram: Celso Portiolli, Lucélia Machiavelli, Cristina Cairo, Adelita, Edson Melhorança, Fernanda Spadotti, Rubens Felix, Andréia, Wanderley Baptista (1960-2002), Rogério Gonçalves, Montanha ( - 2018) , Dalita, Pedrinho Tonelada, Salvador de Barros, Maurício, Cláudio, Sydiney, Paulo Porto, Maria Clara, entre outros.

O formato e detalhes[editar | editar código-fonte]

O programa é de um formato estrangeiro e era licenciado ao SBT, que precisava pagar pelo uso e seguir regras rígidas.

Com relação às pegadinhas ou câmeras escondidas, os membros do auditório tinham de observá-las atentamente e Silvio fazia uma pergunta a algum selecionado do auditório para que ganhasse prêmios em dinheiro.[2]

Audiência[editar | editar código-fonte]

Em pouco tempo, o programa alcançou popularidade. Após a mudança de horário para as 20h, o Topa Tudo passou a concorrer diretamente com o Fantástico, da Rede Globo, e aos poucos foi aumentando sua audiência. Em 8 de setembro de 1991, veio a primeira vitória em cima do concorrente liderando por 30 minutos; no dia 15 de setembro do mesmo ano, a audiência do programa encostou na do Fantástico com um placar de 32 a 34 pontos no Ibope.

Em 22 de setembro, o programa superou o Fantástico com 36 pontos e picos de 40 contra 31. Na semana seguinte, venceu de novo com 37 pontos e picos de 41 a 29,[3] em 27 de agosto de 1995, quando o Topa Tudo era exibido entre 21h e 23h30, registrou 30 pontos de audiência contra 23 da Rede Globo.[4] Em março de 1996, a Rede Globo estreou o humorístico Sai de Baixo, como forma de combater a audiência do Topa Tudo, e então, o programa não conseguiu a liderança novamente até a derrocada do Sai de Baixo no início de 2000. Em 5 de novembro daquele ano, registrou média de 22 pontos com picos de 27.[5]

Término[editar | editar código-fonte]

A última edição do Topa Tudo foi ao ar em 16 de dezembro de 2001, após a final da primeira edição do reality show Casa dos Artistas também do SBT. Naquela edição, o programa foi ao ar das 0h35 às 1h43 e liderou na audiência com 24 pontos de média.

O programa ficou fora do ar durante a exibição do reality, quando sua exibição era às 23h.[6]

Retorno[editar | editar código-fonte]

Uma parte do formato está no ar desde 1º de junho de 2008 – agora com o nome Programa Silvio Santos –, em que ainda há câmeras escondidas (reprisadas e inéditas) e o qual engloba também quadros dos já extintos programas Qual É a Música? e Hot Hot Hot.[7][8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências