Codex Vaticanus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Manuscritos do Novo Testamento
PapirosUnciaisMinúsculosLecionários
Uncial 03
Página do Codex Vaticanus; final de 2Ts e começo de Hebreus

Página do Codex Vaticanus; final de 2Ts e começo de Hebreus
Nome Vaticanus
Sinal B
Texto Antigo e Novo Testamento
Data c. 325-350
Escrito grego
Agora está Biblioteca do Vaticano
Citado C. Vercellonis, J. Cozza, Bibliorum Sacrorum Graecus Codex Vaticanus, Roma 1868.
Tamanho 27 x 27 cm
Tipo Texto-tipo Alexandrino
Categoria I
Nota muito perto do P66, P75, 0162

O Codex Vaticanus (Vaticano, Bibl. Vat., Vat. gr. 1209; no. B ou 03 Gregory-Aland, δ 1 von Soden), é um dos mais antigos manuscritos existentes da Bíblia grega (Antigo e Novo Testamento) e um dos quatro grandes códices unciais.[1] O nome do codex deve-se ao fato de estar guardado na Biblioteca do Vaticano, pelo menos desde o século XV.[2] Escrito em 759 folhas de velino em letras unciais, foi datado palaeograficamente como sendo do século IV.[3]

O manuscrito tornou-se conhecido por estudiosos ocidentais por causa da correspondência entre Erasmus e os prefeitos da Biblioteca do Vaticano. Partes do codex foram coligidos por vários estudiosos, mas numerosos erros foram feitos durante este processo. A relação do codex com a Vulgata não era clara e inicialmente os estudiosos não estavam cientes do valor do codex,[4] o que mudou no século XIX, quando transcrições completas do codex foram concluídas.[1] Foi nesse momento que os estudiosos perceberam que o texto diferia da Vulgata e do Textus Receptus.[5]

A erudição acadêmica atual considera o Codex Vaticanus como um dos melhores textos gregos do Novo Testamento,[3] juntamente com o Codex Sinaiticus. Até a descoberta do texto do Sinaiticus por Tischendorf, o Codex Vaticanus era inigualável.[6] O Codex Vaticanus foi usado extensivamente por Westcott e Hort na edição de "O Novo Testamento no Grego Original", em 1881.[3] As edições mais vendidas do Novo Testamento grego são largamente baseadas no texto do Codex Vaticanus.[7]

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Uma seção do codex contendo 1 Esdras 2:1–8

O Codex Vaticanus originalmente continha uma cópia quase completa da Septuaginta ("LXX"), faltando apenas 1-4 Livros dos Macabeus e a Prece de Manassés. As 20 folhas originais com o Gênesis 1:1–46:28a e o Salmo 105:27–137:6b foram perdidas e foram transcritas posteriormente por um escriba no século XV.[8] Os versículos de II Reis 2:5–7, 10-13 também foram perdidos por causa de um rasgo em uma das páginas.[9] A ordem dos livros do Antigo Testamento no codex é a seguinte: De Gênesis até II Crônicas está na ordem normal, após isso a ordem é a seguinte: 1 Esdras; 2 Esdras (Esdras-Neemias); os Salmos; Livro dos Provérbios; Eclesiastes; Cântico dos Cânticos; ; Sabedoria; Eclesiástico; Ester; Judite; Tobias; os profetas menores de Oséias até Malaquias; Isaías; Jeremias; Baruque; Lamentações e a Epístola de Jeremias; Ezequiel e Daniel. A ordem dos livros é diferente da do Codex Alexandrinus.[10]

O Novo Testamento existente no Vaticanus contém os Evangelhos, os Atos dos Apóstolos, as Epístolas católicas, as Epístolas paulinas e a Epístola aos Hebreus (até Hebreus 9:14, καθα[ριει); faltando a Primeira Epístola a Timóteo, a Segunda Epístola a Timóteo, a Epístola a Tito, a Epístola a Filémon e o Livro do Apocalipse. Estes livros ausentes foram complementados no século XV (fólios 760–768) e catalogados separadamente como sendo o codex minúsculo 1957.[3] Possivelmente alguns livros apócrifos do Novo Testamento foram incluídos no fim (tal como nos códices Sinaiticus e Alexandrinus)[3] e também é possível que o Apocalipse também não tenha sido incluído.[11] [12]

Trechos que não estão no codex Vaticanus[editar | editar código-fonte]

O texto do Novo Testamento carece de várias passagens:

O fim do Evangelho segundo Marcos no Vaticanus contém uma coluna vazia após 16:8, sugerindo que o escriba estava ciente do término. É a única coluna vazia no Novo Testamento no codex.[15]
Frases que não estão no Codex Vaticanus, mas que estão em manuscritos posteriores
  • Mateus 5:44εὐλογεῖτε τοὺς καταρωμένους ὑμᾶς, καλῶς ποιεῖτε τοῖς μισοῦσιν ὑμᾶς (bendizei aos que vos maldizem, fazei o bem aos que vos odeiam);[24]
  • Mateus 10:37bκαὶ ὁ φιλῶν υἱὸν ἢ θυγατέρα ὑπὲρ ἐμὲ οὐκ ἔστιν μου ἄξιος (e quem ama o filho ou filha mais do que a mim não é digno de mim) como no Codex Bezae;[25]
  • Mateus 15:6ἢ τὴν μητέρα (αὐτοῦ) (ou (sua) mãe);[26]
  • Mateus 20:23καὶ τὸ βάπτισμα ὂ ἐγὼ βαπτίζομαι βαπτισθήσεσθε (e sereis batizados com o batismo com que eu sou batizado), como no codex Sinaiticus, D, L, Z, Θ, 085, f1, f13, it, Syriac Sinaiticus (syrs), syrc, copsa.[27]
  • Marcos 10:7καὶ προσκολληθήσεται πρὸς τὴν γυναῖκα αὐτοῦ (e se unirá à sua mulher), como nos codex Sinaiticus, Codex Athous Lavrensis, 892, 48, Sinaitic Palimpsest (syrs), Codex Argenteus.[28]
  • Marcos 10:19μη αποστερησης omitido (tal como nos codex K, W, Ψ, f1, f13, 28, 700, 1010, 1079, 1242, 1546, 2148, 10, 950, 1642, 1761, syrs, arm, geo) mas acrescentado mais tarde por um revisor (B2).[29]
  • Lucas 9:55–56και ειπεν, Ουκ οιδατε ποιου πνευματος εστε υμεις; ο γαρ υιος του ανθρωπου ουκ ηλθεν ψυχας ανθρωπων απολεσαι αλλα σωσαι (e Ele disse: "Vocês não sabem de que espécie de espírito são; pois o Filho do homem não veio para destruir as vidas dos homens, mas para salvá-los) — omitido como nos codex Sinaiticus, C, L, Θ, Ξ, 33, 700, 892, 1241, versão em siríaco antigo (syr), copbo;[30]
  • Lucas 11:4αλλα ρυσαι ημας απο του πονηρου (mas livra-nos do mal) omitido. A omissão é suportada pelos manuscritos: \mathfrak{P}75, Sinaiticus, L, f1 700 vg syrs copsa, bo, arm geo.[31]
  • Lucas 23:34 – "E Jesus disse: Pai perdoa-lhes, eles não sabem o que fazem." Esta omissão é suportada pelos manuscritos \mathfrak{P}75, Sinaiticusa, D*, W, Θ, 0124, 1241, a, d, syrs, copsa, copbo.[32]

Adições[editar | editar código-fonte]

No Evangelho segundo Mateus 27:49 o codex contém o texto adicionado: ἄλλος δὲ λαβὼν λόγχην ἒνυξεν αὐτοῦ τὴν πλευράν, καὶ ἐξῆλθεν ὖδορ καὶ αἳμα (e outro tomou uma lança, perfurando Seu lado, e saiu água e sangue). Esta leitura foi derivada de João 19:34, esse texto também está disponível em outros manuscritos do texto-tipo Alexandrino, os quais são: א, C, L, Γ, 1010, 1293, pc, vgmss.[33]

Descrições[editar | editar código-fonte]

Final do Evangelho segundo Lucas e início do Evangelho segundo João na mesma página.

O manuscrito foi organizado em um volume in-quarto, arranjado em resmas de cinco folhas ou de 10 folhas cada, semelhante ao Codex Marchalianus ou Codex Rossanensis; difere do Codex Sinaiticus por ter um arranjo de quatro ou três folhas. O número de resmas é frequentemente encontrado na margem.[34] Originalmente deve ter sido composto de 830 folhas de pergaminho, mas parece que 71 folhas foram perdidas.[35] Atualmente, o Antigo Testamento consiste em 617 folhas e o Novo Testamento de 142 folhas. O pergaminho é extremamente fino. O tamanho das páginas é 27 cm por 27 cm.[3] O codex é escrito em três colunas por página, com 40–44 linhas por página, e 16–18 letras por linha. Nos livros poéticos do Velho Testamento (VT) apenas duas colunas preenchem uma página. No Pentateuco, Josué, Juízes, Rute, e I Reis 1:1–19:11 tem 44 linhas em uma coluna; em II Crônicas 10:16–26:13 são 40 linhas em uma coluna; e no Novo Testamento são 42 linhas.[36] [37] O manuscrito é um dos poucos manuscritos do Novo Testamento escrito com três colunas por página. Os outros dois codex gregos, escritos na mesma maneira são o Uncial 048 e Uncial 053. O Codex Vaticanus compreende um único volume in-quarto, contendo 759 finas e delicadas folhas de velino.[6]

A colocação das letras no codex é pequena e bem escrita, sem ornamentação ou iniciais maiúsculas.[38] As letras foram organizadas em uma pequena escrita; todas as letras são equidistantes umas das outras; nenhuma palavra é separada da outra; e cada linha parece ser uma palavra longa.[39] A pontuação é rara (acentos foram adicionados posteriormente) com exceção de alguns espaços brancos, tremas ou iotas e úpsilons, abreviações de nomina sacra, e marcações de citações do VT. As citações do Velho Testamento foram marcadas com chevrons (>), como foi feito no Alexandrinus. Não existem iniciais maiúsculas; nem acentos; sem divisões em capítulos ou seções tal como são encontrados em manuscritos posteriores.[40]

Os textos dos Evangelhos não são divididos conforme as Seções Amonianas, com referência aos Cânones Eusebianos, mas divididos em peculiares seções numeradas: Mateus com 170, Marcos 61, Lucas 152, e João 80. Este sistema é encontrado apenas em dois outros manuscritos, no Codex Zacynthius e no codex 579.[36] Há dois sistemas de divisões nos Atos e nas Epístolas católicas que diferem do Euthalian Apparatus. Nos Atos dos Apóstolos estas seções são 36 (assim como nos Codex Sinaiticus, Codex Amiatinus, e Codex Fuldensis) e de acordo com o outro sistema de 69 seções. A Segunda Epístola de Pedro não tem nenhuma numeração, levando a conclusão de que o sistema de divisões data de antes da época que a Epístola passou a ser comumente considerada como canônica.[41]

Texto-tipo[editar | editar código-fonte]

No Velho Testamento, o texto-tipo varia, com uma versão aceita em Ezequiel e outra rejeitada no Livro de Isaías.[36] [nota 1] Em Juízes o texto-tipo difere substancialmente da maioria dos manuscritos, mas harmoniza com o latim antigo, com a versão sahídica e com Cirilo de Alexandria. Em Jó, ele tem 400 versos adicionais de Teodócio, que por sua vez, não estão em latim antigo ou em versões sahídicas.[36] O texto do Velho Testamento foi considerado pelos críticos, como Hort e Cornill, como sendo substancialmente parte de uma edição de Orígenes da Héxapla, concluída por ele em Cesareia e publicado como um trabalho independente, tendo também algumas partes de outras versões feitas por Eusébio e Pânfilo.[44]

No Novo Testamento, o texto em grego do codex é um exemplo de texto-tipo Alexandrino. Aland classificou o codex na Categoria I.[3] Nos evangelhos de Lucas e João, verificou-se que ele combina com o texto de Bodmer \mathfrak{P}75, que foi datado como sendo do início do século III, e, portanto, é pelo menos 100 anos mais velho que o próprio Codex Vaticanus. Isto demonstra que o Codex Vaticanus reproduz com precisão um texto muito antigo a partir desses dois livros bíblicos, reforçado então a reputação do codex entre os estudiosos bíblicos. E também sugere fortemente que pode ter sido copiado no Egito.[45] Nas epístolas paulinas existe distintamente um elemento Ocidental.[36]

Leituras notáveis[editar | editar código-fonte]

Juízes 18:30 está escrito υἱὸς Μανασση (filho de Manassés), no Alexandrinus lê-se υἱοῦ Μωυσῆ (filho de Móises);[46]
Esdras 10:22 (9:22 LXX) onde se lê Ωκαιληδος (Alexandrinus – Ωκειδηλος) por Jozabade;[47]
Mateus 5:22 — falta-lhe a palavra εικη (sem justa causa/sem motivo), a leitura é suportada pelo \mathfrak{P}67, Sinaiticus, 2174, manuscritos da Vulgata, e versão etíope;[48]
Mateus 17:23 — τη τριημερα (o terceiro dia) para τη τριτη ημερα (o terceiro dia), é uma leitura singular;[49]
Mateus 21:31 — ὁ ὕστερος (o último) para ὁ πρῶτος (o primeiro), ὁ ἔσχατος (o último), ou ὁ δεύτερος (o segundo); ὁ ὕστερος é uma leitura singular;[50] [51]
Mateus 23:38 — a palavra ερημος (deserto) é omitida, como no Codex Regius, Corbeiensis II, Syriac Sinaiticus, copsa, bo;[52]
Lucas 4:17 — ele tem variante textual καὶ ἀνοίξας τὸ βιβλίον (e abriu o livro) juntamente com os manuscritos A, L, W, Ξ, 33, 892, 1195, 1241, 547, syrs, h, pal, copsa, bo, contra a variante καὶ ἀναπτύξας τὸ βιβλίον (e desenrolou o livro) suportada pelo א, Dc, K, Δ, Θ, Π, Ψ, f1, f13, 28, 565, 700, 1009, 1010 e muitos outros manuscritos.[53] [54]
Lucas 6:2 — οὐκ ἔξεστιν (não é lícito) para οὐκ ἔξεστιν ποιεῖν (não é lícito fazer); a leitura só é suportada pelo \mathfrak{P}4, (Codex Bezae), Codex Nitriensis, 700, lat, copsa, copbo, arm, geo;[55]
Lucas 10:42 — ολιγων δε χρεια εστιν η ενος (poucas coisas são necessárias, ou apenas uma) para ενος δε εστιν χρεια (uma coisa é necessária);[56]
João 12:28 — que contém uma variante textual única δοξασον μου το ονομα. Esta variante não é suportada por nenhum outro manuscrito. A maioria dos manuscritos possuem o seguinte trecho no lugar dessa variante: δοξασον σου το ονομα; alguns manuscritos têm: δοξασον σου τον υιον (L, X, f1, f13, 33, 1241, pc, vg, syh mg, copbo).[57]
João 16:27 — está πατρος (o Pai) em vez de θεου (Deus);[58]
Atos 27:16 — καυδα (nome da ilha), esta leitura é apoiada apenas pelo \mathfrak{P}74, 1175, Antiga Versão Latina da Vulgata, e Peshitta.[59] [nota 2]
Romanos 15:31 — δωροφορια for διακονια; a leitura é suportada pelo D e Ggr.[60]
Efésios 2:1 — αμαρτιαις ] επιθυμιαις.[61]
Hebreus 1:3 — é uma leirura singular φανερων τε τα παντα τω ρηματι της δυναμεως αυτου (revelou o universo pelo poder de sua palavra); todos os outros manuscritos têm φερων τε τα παντα τω ρηματι της δυναμεως αυτου (defende o universo pelo poder de sua palavra).[62]

Proveniência[editar | editar código-fonte]

A proveniência e início da história do codex é incerta;[3] Hort sugere Roma, sul da Itália, como sua proveniência, Kenyon[63] e Burkitt[64] acreditam que a origem da obra seja de Alexandria, e T. C. Skeat aponta que a a proveniência seja Cesareia. Hort argumenta por Roma baseando-se principalmente em certas grafias dos nomes próprios, tal como Ισακ e Ιστραηλ, que mostram uma influência ocidental ou latina. Um segundo argumento é que a divisão de capítulo de Atos, similar ao do Sinaiticus e ao Vaticanus, não é encontrada em qualquer outro manuscrito grego, mas está presente em vários manuscritos da Vulgata.[65] Robinson contraria o argumento, sugerindo que este sistema de divisões de capítulos foi introduzida na Vulgata por Jerônimo, como resultado de seus estudos em Cesaréia.[66] De acordo com Hort, o codex foi copiado de um manuscrito cujo comprimento da linha era de 12-14 letras por linha, porque onde o escriba do Codex Vaticanus fez grandes omissões, eles eram tipicamente de 12-14 letras.[67]

Kenyon propôs que o manuscrito foi originado em Alexandria: "É digno de nota que a numeração das Epístolas Paulinas em B mostra que ele foi copiado de um manuscrito em que a Epístola aos Hebreus foi colocada entre Gálatas e Efésios, um arranjo que em outros lugares ocorre apenas na versão sahídica".[68] Uma conexão com o Egito também é proposta, segundo Kenyon, pela ordem das Epístolas Paulinas e pelo fato de que, como no Codex Alexandrinus, os títulos de alguns dos livros contêm letras de um caráter distintamente copta, particularmente o mu copta, usado não só em títulos, mas frequentemente nos finais das linhas onde o espaço tem de ser economizado.[68] De acordo com Metzger, "a semelhança do seu texto em porções significativas de ambos os Testamentos com as versões coptas e com papiros gregos, e o estilo de escrever (especialmente as formas coptas utilizadas em alguns dos títulos) aponta preferencialmente [sua origem] para o Egito e Alexandria".[36]

Tem sido postulado que o manuscrito já esteve na posse do Cardeal Bessarion, pois há um texto semelhante a um dos manuscritos de Bessarion. Segundo Paul Canart, as iniciais decorativas adicionadas ao manuscrito na Idade Média são uma reminiscência de decoração constantinopolitana do século X, mas a má execução dá a impressão de que foram adicionados no século XI ou no século XII, e provavelmente não antes do século XII, tendo em conta a forma como eles aparecem em conexão com as notas juntamente com uma minúscula letra no início do livro de Daniel.[69] T. C. Skeat, um paleógrafo do British Museum, alegou que o Codex Vaticanus estava entre as 50 Bíblias que o Imperador Constantino I ordenou que Eusébio de Cesareia produzisse.[70]

O manuscrito é datado como sendo da primeira metade do século IV e é provavelmente um pouco mais velho que o Codex Sinaiticus, que também foi transcrito no século IV. Um argumento que suporta isto, é que o Sinaiticus já tinha, naquele momento, muitas notas dos cânones de Eusébio, mas o Vaticanus não. Outro é o estilo um pouco mais arcaico do Vaticanus, e uma ausência completa de ornamentação.[35]

Escribas e revisores[editar | editar código-fonte]

Segunda Epístola de João no codex

De acordo com Tischendorf o manuscrito foi escrito por três escribas (A, B, C), dois parecem ter escrito o Velho Testamento, e um escreveu todo o Novo Testamento.[71] O ponto de vista de Tischendorf foi aceito por Frederic G. Kenyon, mas contestado por T. C. Skeat, que examinou o codex mais profundamente. Skeat e outros paleógrafos contestaram a teoria do terceiro escriba de Tischendorf (C), e afirmaram que dois escribas trabalharam no Velho Testamento (A e B) e um deles (B) escreveu o Novo Testamento.[3] O escriba A teria escrito:

Gênesis – 1 Reis (páginas 41–334)
Salmos – Tobias (páginas 625–944)

O escriba B escreveu:

1 Reis – 2 Esdras (páginas 335–624)
Oséias – Daniel (páginas 945–1234)
Novo Testamento.[72]

Dois revisores trabalharam no manuscrito, um (B2), contemporâneo, com os escribas, e outro (B3) em torno do seculo X ou século XI, embora a teoria do primeiro revisor, B1, proposta por Tischendorf, foi rejeitada posteriormente por outros estudiosos.[3] [36] De acordo com Tischendorf, um dos escribas é indêntico a (e pode ter sido) um dos copistas do Codex Sinaiticus (escriba D),[73] [74] [75] mas não há provas suficientes para a sua afirmação.[35] Skeat concordou que o estilo de escrita é muito semelhante ao do Sinaiticus, mas não há evidências suficientes sobre as identidades dos escribas; "a identidade desses escribas tradicionais está fora de questão".[72]

A escrita original foi refeita mais tarde por um escriba (geralmente datado do século X ou século XI), e a beleza da escrita original foi estragada.[36] Acentos e pontuação, foram adicionados mais tarde.[36] Não há iniciais maiúsculas, nem divisões em capítulos ou seções, tal como são encontrados em manuscritos posteriores, mas existe um sistema peculiar de divisão neste manuscrito.[35] Há uma abundância de erros itacísticos, especialmente a troca de ει por ι e αι por ε. A troca de ει por ω é menos frequente.[76] [77]

O manuscrito contém pequenos pontos duplos incomuns alinhados horizontalmente (chamados formalmente "distigmai" ou somente "trema") na margem das colunas, sendo dispersos em todo o Novo Testamento.[nota 3] Foram encontrados 795 destes pequenos pontos duplos no texto, e também outros 40 desses pontos, mas que não foram determinados. As datas dessas marcas são disputadas entre os estudiosos aqui. Dois dos chamados distigmai podem ser vistos na margem esquerda da primeira coluna. Tischendorf refletiu sobre o seu significado, mas sem encontrar qualquer resposta.[78] Ele apontou vários locais onde há essas marcas: no final do Evangelho de Marcos, 1 Tess 2:14; 5:28; Heb 4:16; 8:1.[78] O significado destes tremas foi porém, reconhecido em 1995 por Philip Payne. Payne descobriu o primeiro trema enquanto estudava o trecho de 1 Cor 14.34–35 do codex.[79] Ele sugeriu que os tremas indicam linhas onde outra variante textual era conhecida para a pessoa que escreveu os tremas, portanto, eles marcam trechos de incerteza textual.[80] [81] Os mesmos tremas foram observadas no Codex Fuldensis, especialmente na seção que contém 1 Cor 14:34–35. Os tremas de dois codex, indicam uma variante dos manuscritos ocidentais, que possuem 1 Cor 14:34–35 após 1 Cor 14:40 (os manuscritos são o Claromontanus, Augiensis, Boernerianus, 88, itd, g, e alguns manuscritos da Vulgata).[82] [83]

Na página 1512, ao lado de Hebreus 1:3, o texto contém uma nota interessante na margem, "Enganoso e desonesto, mantenha a leitura antiga e não a mude!" – "ἀμαθέστατε καὶ κακέ, ἄφες τὸν παλαιόν, μὴ μεταποίει", o que pode sugerir uma cópia imprecisa, intencionalmente ou sem intenção, que foi um problema reconhecido no scriptorium.[84]

Na Biblioteca do Vaticano[editar | editar código-fonte]

Biblioteca do Vaticano

Acredita-se que o manuscrito foi guardado em Cesareia no século VI, juntamente com o Codex Sinaiticus, uma vez que têm as mesmas divisões de capítulos em Atos. Ele foi para a Itália – provavelmente por Constantinopla – após o Concílio de Basileia-Ferrara-Florença (1438–1445).[85]

O manuscrito foi alojado na Biblioteca do Vaticano (criada pelo Papa Nicolau V em 1448) até onde se sabe, ao qual aparece no catálogo mais antigo da biblioteca que data de 1475 (com o número de prateleira 1209). No catálogo de 1481 foi descrito como uma "Biblia in tribus columnis ex memb" ("Bíblia de velino de três colunas").[35]

Edições coligidas[editar | editar código-fonte]

No século XVI estudiosos tiveram conhecimento do manuscrito por consequência da correspondência entre Erasmus e os prefeitos Biblioteca do Vaticano, sucessivamente Paulus Bombasius, e Juan Ginés de Sepúlveda. Em 1521, Bombasius foi consultado por Erasmus, quanto ao fato de o codex Vaticanus conter o Comma Johanneum, e Bombasius forneceu uma transcrição de 1 João 4:1–3, e 1 João 5:7–11 para mostrar que não. Sepúlveda em 1533 checou todos os trechos onde o Novo Testamento de Erasmus (o Textus Receptus) diferem da Vulgata, e forneceu para Erasmus as 365 leituras onde o Codex Vaticanus suporta isso, embora a lista destas 365 leituras tenha se perdido.[nota 4] Consequentemente, o Codex Vaticanus adquiriu a reputação de ser um velho manuscrito grego que dá apoio ao texto da Vulgata, contra o Textus Receptus. Não muito mais tarde alguns estudiosos perceberam que o texto se conforma com a Vulgata, que difere do Textus Receptus – um texto que também pode ser encontrado em outros manuscritos gregos, como o Codex Regius (L), guardado na Biblioteca Real Francesa (agora Bibliothèque nationale de France).[5]

Em 1669, Giulio Bartolocci, bibliotecário do Vaticano, coligiu o texto do codex, esse trabalho não foi publicado, e nunca foi usado até que em 1819, quando Scholz encontrou uma cópia do trabalho de Bartolocci na Biblioteca Real, em Paris. Esta obra coligida era imperfeita e foi revisada em 1862.[86] Em 1720, Bentley, coligiu o codex, que foi revisado por Rulotta, entretanto não foi publicado até 1799.[86] O trabalho que Bentley coligiu foi modificado por Mill, alegando que 30.000 palavras variariam no Novo Testamento, e que ele queria reconstruir o texto do Novo Testamento em sua forma inicial. Ele percebeu que entre os manuscritos do Novo Testamento, o Codex Alexandrinus era "o melhor e mais antigo [manuscrito] do mundo".[87] Bentley percebeu a necessidade de se usar os manuscritos para reconstruir a forma mais antiga e do que a do Codex Alexandrinus. Ele supôs, que, completando este manuscrito com leituras de outros manuscritos gregos, e da Vulgata, ele poderia identificar e voltar ao texto original utilizado segundo ele, na época do Primeiro Concílio de Niceia. Por isso ele precisava de um trabalho coligido do Vaticanus. Porém, o texto da obra coligida era incompatível com o Codex Alexandrinus e ele abandonou o projeto.[88]

Andrew Birch, coligiu o codex, em Copenhague no ano de 1798, editando variantes textuais dos Atos dos Apóstolos e das Epístolas,[89] em 1800 editou o Livro do Apocalipse,[90] em 1801 seu trabalho foi nos Evangelhos.[91] Eles estavam incompletos e incluiam juntamente com as variantes textuais de outros manuscritos.[63] Muitos deles eram falsos. Andrew Birch comentou sobre a forma como Mill e Wettstein trabalhavam, afirmando que eles falso citatur Vaticanus (citavam o Vaticanus incorretamente), e deu como exemplo Lucas 2:38 – Ισραηλ ao invés de Ιερουσαλημ.[92] A leitura Ισραηλ pode ser encontrada no codex 130, guardada na Biblioteca do Vaticano, sob o número de prateleira Vat. gr. 359.[93]

Antes do século XIX, nenhum estudioso tinha permissão para estudar o Codex Vaticanus, e os estudiosos não davam muito valor ao codex; na verdade suspeitou-se que o codex tinha sido interpolado pela tradição textual Latina.[4] John Mill escreveu na obra Prolegomena (1707) que: "in Occidentalium gratiam a Latino scriba exaratum" (escrito por um escriba latino para o mundo ocidental). Ele não acreditava que haveria valeria a pena coligir o manuscrito.[4] Wettstein teve vontade de ter acesso as leituras do codex, mas ele não pensou que elas poderiam ser alguma ajuda para ele quanto a decisões textuais difíceis. Segundo Wettstein, este codex não tinha reputação nenhuma (sed ut vel hoc constaret, Codicem nullus esse auctoris).[94] Em 1751 Wettstein escreveu a primeira lista dos manuscritos do Novo Testamento, o Codex Vaticanus recebeu símbolo o B (por causa da sua idade) e tomou a segunda posição na lista (Alexandrinus recebeu A, Ephraemi – C, Bezae – D, etc.)[95] até a descoberta do Codex Sinaiticus, que foi designado como .[96]

Griesbach elaborou uma lista de nove manuscritos que foram atribuídos como sendo textos alexandrinos: C, L, K, 1, 13, 33, 69, 106, e 118.[97] O Codex Vaticanus não está nesta lista. Na segunda edição (1796) do seu Novo Testamento em grego, Griesbach adicionou o Codex Vaticanus como tendo um texto-tipo Alexandrino em Marcos, Lucas e João. Ele ainda acreditava que a primeira metade de Mateus representava o texto-tipo Ocidental.[98]

Edições de texto do códice[editar | editar código-fonte]

Em 1843 Tischendorf recebeu a permissão de fazer fac-símiles de alguns poucos trechos.

Em 1809 Napoleão levou o manuscrito como um troféu de vitória para Paris, mas em 1815 retornou para a Biblioteca do Vaticano. Durante esse período, em Paris, o estudante alemão Johann Leonhard Hug (1765–1846) estudou o codex. Hug examinou o codex, juntamente com outros tesouros do Vaticano, mas ele não percebeu a necessidade de um novo trabalho coligido e completo.[99] [100]

O Cardeal Angelo Mai preparou a primeira edição tipográfica em fac-símile entre 1828 e 1838, que não foi revelada até o ano de 1857, três anos após sua morte, e que foi considerado como uma edição insatisfatória.[101] Foi lançado em 5 volumes, sendo que do primeiro ao quarto foram dedicados para o Velho Testamento e o quinto volume para o Novo Testamento. Todas as lacunas do codex foram suplementadas. As lacunas nos Atos e Epístolas Paulinas foram adicionadas através do codex Vaticanus 1761, o texto inteiro do Apocalipse foi retirado do Vaticanus 2066 e o texto de Marcos 16:8–20 do Vaticanus Palatinus 220. Partes não incluídas para o codex tais como as passagens de Mateus 12:47; Marcos 15:28; Lucas 22:43–44; 23:17.34; João 5:3.4; 7:53–8:11; 1 Pedro 5:3; 1 João 5:7 foram suplementadas de edições impressas gregas.[102] O número de erros foi extraordinariamente alto, e também não tiveram atenção para distinguir leituras da primeira escrita com a dos corretores. Não houve exame detalhado das características do manuscrito. Como consequência, esta edição foi considerada inadequada para fins de crítica.[103] Uma edição melhorada foi publicada em 1859, que se tornou a fonte no Novo testamento de Bultmann de 1860.[35]

Em 1843 Tischendorf obteve permissão para fazer um fac-símile de alguns trechos,[nota 5] em 1844 Eduard de Muralt teve contato com o codex,[104] e em 1845 S. P. Tregelles teve permissão para observar alguns pontos que Muralt havia negligenciado. Ele frequentemente tem contato com o codex, mas "com essas restrições era impossível fazer mais do que examinar leituras específicas."[105]

"Eles não deixaram-me abri-lo sem olhar em meus em meus bolsos, e privando-me de caneta, tinta, e papel; e ao mesmo tempo dois prelados mantinham-me em constante conversação em latim, e se eu olhasse para uma passagem por muito tempo, eles retiravam o livro da minha mão".[106]

Tregelles saiu de Roma após cinco meses sem realizar o seu objeto. Durante uma grande parte do século 19, as autoridades da Biblioteca do Vaticano obstruíram estudiosos que desejavam estudar o códice detalhadamente. Henry Alford em 1849 escreveu: "Ele nunca foi publicado em fac-símile (!) nem nunca foi completamente coligido (!!).”[107] Scrivener comentou em 1861:

Angelo Mai preparou a primeira edição em fac-simile do texto do Novo Testamento do codex (publicado postumamente)

"O Codex Vaticanus 1209 é provavelmente o mais antigo manuscrito de velino na existência, e é a glória da grande Biblioteca do Vaticano em Roma. Para estas fontes legítimas de profundo interesse deve ser adicionado a curiosidade quase romântica que tem sido estimulada com a vigilância ciumenta dos guardiões oficiais, daqueles que com um zelo honesto para a sua preservação segura parecem terem agora degenerado em uma espécie de obstinação caprichosa, e que tem demonstrado uma estranha incapacidade para fazer eles mesmos o uso adequado de um tesouro que eles dificilmente permitem que outros façam mais do que contemplar".[108] Ele (...) "é tão zelosamente guardado pelas autoridades papais que visitantes comuns veem nada mais do que a encadernação vermelha".[6]

Thomas Law Montefiore (1862):

"A historia do Codex Vaticanus B, N°. 1209, é a história em miniatura do ciúme papista e exclusividade." [109]

Burgon obteve permissão para examinar o codex por uma hora e meia em 1860, consultando 16 passagens diferentes.[110] Burgon foi um defensor do Texto-tipo Bizantino e na opinião dele o codex Vaticanus, bem como os Codex Sinaiticus e o Codex Bezae, são um dos documentos mais corruptos existentes. Ele sentiu que os três codex "demonstravam claramente um texto 'fabricado' – é o resultado da arbitrariedade e recensão imprudente."[111] Os dois mais respeitados destes três codex, א e B, ele compara as "duas testemunhas falsas" de Mateus 26:60.[112]

Vaticanus in fac-símile edition (1857), página com texto de Mateus 1:22–2:18

Em 1861, Henry Alford coligiu e verificou passagens duvidosas (em várias coligições imperfeitas), que ele publicou em edições fac-símile completa de erros. Até ele começar seu trabalho ele encontrou obstáculos inesperados: Ele recebeu uma ordem especial do Cardeal Antonelli "per verificare", para verificar passagens, mas essa licença foi interpretada pelo bibliotecário para dizer que ele foi ver o livro, mas não o utilizar. Em 1862, o secretário de Alford, Mr. Cure, continuou o trabalho de Alford.[113] Por alguma razão não muito clara, as autoridades da Biblioteca do Vaticano colocavam obstáculos contínuos no caminho de todos que desejavam estudar o codex detalhadamente.[35] [nota 6] Em 1867 Tischendorf publicou o texto do Novo Testamento do codex com base na edição de Angelo Mai.[114] Foi a primeira edição perfeita do texto do manuscrito, mas na verdade foi a única coligição completa e exata.[35]

Em 1868–1881 C. Vercellone, Giuseppe Cozza-Luzi, e G. Sergio publicaram uma edição completa do codex em 6 volumes (Novo Testamento no volume V; Prolegomena no volume VI). Um fac-símile tipográfico surgiu entre 1868 e 1872.[103] Em 1889–1890 um fac-símile fotográfico de todo o manuscrito foi feito e publicado pela Cozza-Luzi, em três volumes.[101] Outro fac-símile do texto do Novo Testamento foi publicado em 1904–1907 em Milão.[115] Como resultado, o Codex tornou-se amplamente disponível.[1]

Em 1999, o Istituto Poligrafico e a Zecca della Stato in Rome (a Tipografia do Estado Italiano e Casa da Moeda) publicaram uma edição limitada, colorida em escala exata fac-símile do Codex Vaticanus. O fac-símile reproduz de forma fiel as características das páginas do manuscrito original, completa com a forma característica individual de cada página, incluindo buracos no velino. Tem um volume denominado Prolegomena encadernado em couro com impressões feitas de ouro e prata. Sendo que esse volume possui 74 páginas.[116] [117]

Importância[editar | editar código-fonte]

O Codex Vaticanus é um dos mais importantes textos manuscritos da Septuaginta e Novo Testamento grego, é um exemplo importante de texto-tipo Alexandrino. Foi usado por Westcott e Hort na edição do O Novo Testamento no Grego Original (1881), e foi a base para o texto.[118] Todas as edições críticas do Novo Testamento publicadas após o trabalho de Westcott e Hort foram baseadas mais nos textos dos Evangelhos do Codex Vaticanus do que dos textos do Sinaiticus, com apenas a exceção das edições de Hermann von Soden o qual foram usados mais os textos do Codex Sinaiticus. Todas as edições de Nestle-Aland se mantém próximo das características textuais para os textos de Westcott-Hort, o que significa que Vaticanus foi a base para a tradução.[7]

Segundo a opinião geralmente aceita dos críticos textuais, o codex é a testemunha mais importante do texto dos Evangelhos, nos Atos e Epístolas Católicas, com uma importância igual a do Codex Sinaiticus,[119] embora ele incorpore nas epístolas paulinas algumas leituras ocidentais e o valor do texto seja um pouco menor do que o do Codex Sinaiticus.[12] [36] Infelizmente, o manuscrito não está completo. Aland observou: "B é de longe o mais significativo do unciais".[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. A explicação para isso é que quando um manuscrito é copiado, ou aceita o texto todo ou rejeita-o completamente, se não for o texto todo pode ser grandes trechos.[42] [43]
  2. Para mais informações sobre variantes textuais veja: Variantes textuais no Novo Testamento.
  3. List of umlauts in the New Testament of the Codex Vaticanus
  4. Não sabemos nada sobre estas 365 leituras, exceto uma. Erasmus em suas Adnotationes em Atos 27:16 escreveu que de acordo com o codex da Biblioteca do Vaticano, o nome da ilha é καυδα (Cauda), não κλαυδα (Clauda) como no seu Novum Testamentum (Tamet si quidam admonent in codice Graeco pontificiae bibliothecae scriptum haberi, καυδα, id est, cauda). Ver: Erasmus Desiderius, Erasmus’ Annotations on the New Testament: Acts – Romans – I and II Corinthians, ed. A. Reeve and M. A. Sceech, (Brill: Leiden 1990), p. 931. Andrew Birch foi o primeiro, que identificou esta nota com as 365 leituras de Sepulveda.
  5. Além das vinte e cinco leituras Tischendorf observed himself, Cardeal Mai supplied him with thirty-four more his NT of 1849. Sua sétima edição do texto do Novo Testamento (1859) foi enriquecida com outras 230 leituras fornecidas por Albert Dressel em 1855. (F. H. A. Scrivener, A Plain Introduction to the Criticism of the New Testament (London 1894), vol. 1, p. 111).
  6. It should be noted that the Vatican Library was opened for three hours a day. See F. H. A. Scrivener, Six Lectures on the Text of the New Testament and the Ancient Manuscripts (Cambridge, 1875), p. 27.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c Bruce M. Metzger, Bart D. Ehrman, "The Text of the New Testament: Its Transmission, Corruption and Restoration", Oxford University Press (New York – Oxford, 2005), p. 68.
  2. Metzger, Bruce M.; Bart D. Ehrman. The Text of the New Testament: Its Transmission, Corruption and Restoration. New York – Oxford: Oxford University Press, 2005. p. 67. ISBN 978-0-19-526122-9.
  3. a b c d e f g h i j k Aland, Kurt; Barbara Aland. The Text of the New Testament: An Introduction to the Critical Editions and to the Theory and Practice of Modern Textual Criticism, trans. Erroll F. Rhodes. Grand Rapids, Michigan: William B. Eerdmans Publishing Company, 1995. p. 109. ISBN 978-0-8028-4098-1.
  4. a b c Carlo Maria Martini, La Parola di Dio Alle Origini della Chiesa, (Rome: Bibl. Inst. Pr. 1980), p. 287.
  5. a b S. P. Tregelles, An Introduction to the Critical study and Knowledge of the Holy Scriptures, London 1856, p. 108.
  6. a b c Scrivener, Frederick Henry Ambrose. Six Lectures on the Text of the New Testament and the Ancient Manuscripts. Cambridge: [s.n.], 1875. p. 26.
  7. a b K. Aland & B. Aland, Text of the New Testament, pp. 26–30.
  8. Würthwein, Ernst. Der Text des Alten Testaments. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 1988. p. 84. ISBN 3-348-06006-x.
  9. Swete, Henry Barclay. An Introduction to the Old Testament in Greek. Cambridge: [s.n.], 1902. p. 104.
  10. Swete, Henry Barclay. An Introduction to the Old Testament in Greek. Cambridge: [s.n.], 1902. p. 105.
  11. Alexander Souter, The Text and the Canon of the New Testament London 1913, p. 20
  12. a b Waltz, Robert. Encyclopeida of Textual Criticism. [S.l.: s.n.].
  13. Metzger, Bruce M.. A Textual Commentary on the Greek New Testament. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 2001. 26, 33, 35, 36, 50 pp. ISBN 3-438-06010-8.
  14. Metzger, Bruce M.. A Textual Commentary on the Greek New Testament. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 2001. 81, 86, 87, 93, 99 pp. ISBN 3-438-06010-8.
  15. Philip B. Payne Fuldensis, Sigla for Variants in Vaticanus and 1 Cor 14.34-5, NTS 41 (1995) 252.
  16. Metzger, Bruce M.. A Textual Commentary on the Greek New Testament. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 2001. 102–106 pp. ISBN 3-438-06010-8.
  17. Metzger, Bruce M.. A Textual Commentary on the Greek New Testament. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 2001. 142–143, 151 pp. ISBN 3-438-06010-8.
  18. Metzger, Bruce M.. A Textual Commentary on the Greek New Testament. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 2001. 179, 187–189 pp. ISBN 3-438-06010-8.
  19. Metzger, Bruce M.. A Textual Commentary on the Greek New Testament. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 2001. 315, 388, 434, 444 pp. ISBN 3-438-06010-8.
  20. Metzger, Bruce M.. A Textual Commentary on the Greek New Testament. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 2001. p. 476. ISBN 3-438-06010-8.
  21. Eberhard Nestle, Erwin Nestle, Barbara Aland e Kurt Aland (eds), Novum Testamentum Graece, 26th edition, (Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 1991), p. 440. [NA26]
  22. NA26, p. 607.
  23. Metzger, Bruce M.. A Textual Commentary on the Greek New Testament. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 2001. p. 626. ISBN 3-438-06010-8.
  24. The Greek New Testament, ed. K. Aland, A. Black, C. M. Martini, B. M. Metzger, and A. Wikgren, in cooperation with INTF, United Bible Societies, 3rd edition, (Stuttgart 1983), p. 16. [UBS3]
  25. Eberhard Nestle, Erwin Nestle, Barbara Aland and Kurt Aland (eds), Novum Testamentum Graece, 26th edition, (Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 1991), p. 26 [further NA26]
  26. NA26, p. 41.
  27. NA26, p. 56.
  28. The Greek New Testament, ed. K. Aland, A. Black, C. M. Martini, B. M. Metzger, and A. Wikgren, in cooperation with INTF, United Bible Societies, 3rd edition, (Suttgart 1983), p. 164 [further UBS3]
  29. UBS3, p. 165.
  30. Eberhard Nestle, Erwin Nestle, Barbara Aland and Kurt Aland (eds), Novum Testamentum Graece, 26th edition, (Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 1991), p. 190
  31. The Greek New Testament, ed. K. Aland, A. Black, C. M. Martini, B. M. Metzger, and A. Wikgren, in cooperation with INTF, United Bible Societies, 3rd edition, (Suttgart 1983), p. 256 [UBS3]
  32. Metzger, Bruce M.. A Textual Commentary on the Greek New Testament. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 2001. p. 154. ISBN 3-438-06010-8.
  33. Metzger, Bruce M.. A Textual Commentary on the Greek New Testament. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 2001. p. 113. ISBN 3-438-06010-8.
  34. Scrivener, Frederick Henry Ambrose; Edward Miller. A Plain Introduction to the Criticism of the New Testament. 4. ed. London: George Bell & Sons, 1894. 105–106 pp. vol. 1.
  35. a b c d e f g h Frederic G. Kenyon, "Our Bible and the Ancient Manuscripts" (4th ed.), London 1939.
  36. a b c d e f g h i j Bruce M. Metzger, Manuscripts of the Greek Bible: An Introduction to Greek Palaeography, New York, Oxford: Oxford University Press, 1991, p. 74.
  37. Scrivener, Frederick Henry Ambrose; Edward Miller. A Plain Introduction to the Criticism of the New Testament. 4. ed. London: George Bell & Sons, 1894. 106–107 pp. vol. 1.
  38. Gregory, Caspar René. Textkritik des Neuen Testaments. Leipzig: J.C. Hinrichs’sche Buchhandlung, 1900. p. 32. vol. 1.
  39. John Leonard Hug, Writings of the New Testament, translated by Daniel Guildford Wait (London 1827), pp. 262–263.
  40. Gregory, Caspar René. Canon and Text of the New Testament. New York: Charles Scribner's sons, 1907. p. 343.
  41. Gregory, Caspar René. Textkritik des Neuen Testaments. Leipzig: Hinrichs, 1900. 33 ff pp. vol. 1.
  42. The Internet Encyclopedia of Philosophy, "Fallacies", Bradley Dowden (2010)Cherry Picking
  43. Ben Goldacre. Bad Science. [S.l.]: Fourth Estate. 97–9 pp. ISBN 978-0-00-728487-0.
  44. Frederic G. Kenyon, "Handbook to the Textual Criticism of the New Testament", London2, 1912, p. 83.
  45. Calvin L. Porter, Papyrus Bodmer XV (P75) and the Text of Codex Vaticanus, JBL 81 (1962), pp. 363–376.
  46. Septuaginta, ed. A. Rahlfs, Stuttgart 1979, vol. 1, p. 480
  47. Septuaginta, ed. A. Rahlfs, Stuttgart 1979, vol. 1, p. 900; ver BHS4, p. 1429.
  48. Eberhard Nestle, Erwin Nestle, Barbara Aland e Kurt Aland (eds), Novum Testamentum Graece, 26th edition, (Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 1991), p. 10 [NA26]
  49. E. Miller, A Guide to the Textual Criticism of the New Testament (New Jersey, 1886), p. 58.
  50. Bruce M. Metzger, A Textual Commentary on the Greek New Testament (Deutsche Bibelgesellschaft: Stuttgart 2001), p. 45.
  51. Eberhard Nestle, Erwin Nestle, Barbara Aland and Kurt Aland (eds), Novum Testamentum Graece, 26th edition, (Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 1991), p. 60 [NA26]
  52. NA26, p. 67.
  53. Bruce M. Metzger, A Textual Commentary on the Greek New Testament (Deutsche Bibelgesellschaft: Stuttgart 2001), p. 114.
  54. Eberhard Nestle, Erwin Nestle, Barbara Aland and Kurt Aland (eds), Novum Testamentum Graece, 26th edition, (Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 1991), p. 164 [NA26]
  55. NA26, p. 170.
  56. NA26, p. 194.
  57. Bruce M. Metzger, A Textual Commentary on the Greek New Testament (Deutsche Bibelgesellschaft: Stuttgart 2001), p. 202.
  58. Eberhard Nestle, Erwin Nestle, Barbara Aland and Kurt Aland (eds), Novum Testamentum Graece, 26th edition, (Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 1991), p. 304 [NA26]
  59. NA26, p. 403.
  60. UBS3, p. 573.
  61. NA26, s. 505.
  62. Eberhard Nestle, Erwin Nestle, Barbara Aland and Kurt Aland (eds), Novum Testamentum Graece, 26th edition, (Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 1991), p. 563 [NA26]
  63. a b Frederic G. Kenyon, "Handbook to the Textual Criticism of the New Testament", London2, 1912, p. 88.
  64. F. C. Burkitt, "Texts and Studies", p. VIII-IX.
  65. Brook F. Westcott and Fenton J. A. Hort, Introduction to the New Testament in the Original Greek (New York: Harper & Bros., 1882; reprint, Peabody, Mass.: Hendrickson, 1988), pp. 264–267.
  66. Robinson, Euthaliana, pp. 42, 101.
  67. Brook F. Westcott and Fenton J. A. Hort, Introduction to the New Testament in the Original Greek (New York: Harper & Bros., 1882; reprint, Peabody, Mass.: Hendrickson, 1988), pp. 233–234.
  68. a b Frederic G. Kenyon, Handbook to the Textual Criticism of the New Testament, London2, 1912, p. 84.
  69. Paul Canart, "Notice paléographique et codicologique", in P. Andrist (ed.) Le manuscrit B de la Bible (Vaticanus graecus 1209), (Lausanne: Éditions du Zèbre, 2009), pp.26 & 32-38.
  70. T. C. Skeat, "The Codex Sinaiticus, the Codex Vaticanus and Constantine", JTS 50 (1999), pp. 583–625.
  71. Constantin von Tischendorf, Editio octava critica maior, ed. C. R. Gregory (Lipsiae 1884), p. 360.
  72. a b H.J.M. Milne & T.C. Skeat, "Scribes and Correctors" (British Museum: London 1938).
  73. Constantin von Tischendorf, Editio octava critica maior, ed. C. R. Gregory (Lipsiae 1884), pp. 346, 360.
  74. Constantin von Tischendorf, Novum Testamentum Vaticanum. Post Angeli Maii Aloirumque Imperfectos Labores ex ipso Codice (Lipsiae 1867), pp. XXI-XXIII.
  75. James Rendel Harris, Stichometry (London 1893), p. 73
  76. C. R. Gregory, "Canon and Text of the New Testament" (1907), pp. 343–344.
  77. Wieland Willker (2008). Dittographies and other corrections Codex Vaticanus Graece 1209, B/03. Visitado em 2011-01-25.
  78. a b Constantin von Tischendorf, Novum Testamentum Vaticanum, Leipzig 1867, p. XXI.
  79. Philip B. Payne and Paul Canart, The Text-Critical Function of the Umlauts in Vaticanus, with Special Attention to 1 Corinthians 14.34–35: A Response to J. Edward Miller, JSNT 27 (2004), pp. 105–112.
  80. Philip B. Payne and Paul Canart, The Originality of Text-Critical Symbols in Codex Vaticanus, Novum Testamentum 42 (2000), pp. 105–113.
  81. G. S. Dykes, Using the „Umlauts” of Codex Vaticanus to Dig Deeper, 2006. Ver: Codex Vaticanus Graece. The Umlauts.
  82. Philip B. Payne, Fuldensis, Sigla for Variants in Vaticanus and 1 Cor 14.34-5, NTS 41 (1995) 251–262.
  83. Curt Niccum, The voice of the MSS on the Silence of the Women: ..., NTS 43 (1997), pp. 242–255.
  84. Codex Vaticanus Graece 1209, B/03, A critical note Wieland Willker, University of Bremen. Visitado em 2008-02-12.
  85. T. C. Skeat, The Codex Vaticanus in the 15th Century, JTS 35 (1984), ss. 454–465); T. C. Skeat, The Codex Vaticanus in the 15th Century, in: T. C. Skeat i J. K. Elliott, The collected biblical writings of T. C. Skeat, Brill 2004, p. 131.
  86. a b Frederic G. Kenyon, "Handbook to the Textual Criticism of the New Testament", London2, 1912, p. 78.
  87. R.C. Jebb, Richard Bentley (New York 1966), p. 487.
  88. William L. Petersen, What Text can New Yestament Textual Criticism Ultimately Reach, in: B. Aland & J. Delobel (eds.) New Testament Textual Criticism, Exegesis and Church History (Pharos: Kampen, 1994), p. 137.
  89. Andreas Birch, Variae Lectiones ad Textum Actorum Apostolorum, Epistolarum Catholicarum et Pauli (Copenhagen 1798).
  90. Andreas Birch, Variae lectiones ad Apocalypsin (Copenhagen 1800).
  91. Andreas Birch, Variae Lectiones ad Textum IV Evangeliorum (Copenhagen 1801).
  92. Andreas Birch, Variae Lectiones ad Textum IV Evangeliorum (Copenhagen 1801), p. XXVII.
  93. UBS3, p. 210.
  94. Johann Jakob Wettstein, Novum Testamentum Graecum, Tomus I (Ex Officina Dommeriana: Amstelodami, 1751), p. 24.
  95. Johann Jakob Wettstein, Novum Testamentum Graecum, Tomus I (Amstelodami, 1751), p. 22.
  96. Constantin von Tischendorf, Novum Testamentum Graece: Editio Octava Critica Maior (Leipzig: 1869), p. 345.
  97. J. J. Griesbach, Novum Testamentum Graecum, vol. I (Halle, 1777), prolegomena.
  98. J. J. Griesbach, Novum Testamentum Graecum, 2 editio (Halae, 1796), prolegomena, p. LXXXI. Ver Edition from 1809 (London)
  99. Hug, J. L.. De antiquitate Codicis Vaticani commentatio. [S.l.: s.n.], 1810. Visitado em 2010-12-08.
  100. John Leonard Hug, Writings of the New Testament, translated by Daniel Guildford Wait (London 1827), p. 165.
  101. a b Eberhard Nestle and William Edie, "Introduction to the Textual Criticism of the Greek New Testament", London, Edinburg, Oxford, New York, 1901, p. 60.
  102. Constantin von Tischendorf, Editio Octava Critica Maior (Lipsiae, 1884), vol. III, p. 364.
  103. a b J. K. Elliott, A Bibliography of Greek New Testament Manuscripts (Cambridge University Press, 1989), p. 34.
  104. E. de Muralt, Novum Testamentum Graecum ad fidem codicis principis vaticani, Hamburg 1848, p. XXXV.
  105. S. P. Tregelles, An Introduction to the Textual Criticism of the New Testament, London 1856, p. 162).
  106. S. P. Tregelles, "A Lecture on the Historic Evidence of the Authorship and Transmission of the Books of the New Testament", London 1852, pp. 83–85.
  107. H. Alford, The Greek Testament. The Four Gospels, London 1849, p. 76.
  108. Scrivener, Frederick Henry Ambrose. A Plain Introduction to the Criticism of the New Testament. 1. ed. Cambridge: Deighton, Bell, & Co., 1861. p. 95. vol. 1.
  109. T.L. Montefiore, Catechesis Evangelica; bring Questions and Answers based on the “Textus Receptus”, (London, 1862), p. 272.
  110. Scrivener, Frederick Henry Ambrose; Edward Miller. A Plain Introduction to the Criticism of the New Testament. 4. ed. London: George Bell & Sons, 1894. p. 114. vol. 1.
  111. D. Burgon, Revision Revised, p. 9.
  112. D. Burgon, Revised Revision, p. 48.
  113. H. Alford, Life by my Widow, pp. 310, 315.
  114. Constantin von Tischendorf, Novum Testamentum Vaticanum. Post Angeli Maii Aloirumque Imperfectos Labores ex ipso Codice (Lipsiae 1867).
  115. Bibliorum Scriptorum Graecorum Codex Vaticanus 1209 (Milan, 1904–1907).
  116. The "Uncrating" of Codex Vaticanus: the Facsimile at the Bethel University. It weighs in at 14.4 kilograms (ca. 32 pounds).
  117. Codex Vaticanus B Greek Old & New Testaments Magnificent Color Facsimile, Roma: Istituto Poligrafico e Zecca dello Stato, 1999.
  118. Brooke Foss Westcott, Fenton John Anthony Hort, The New Testament in the original Greek: Introduction, appendix, p. 34.
  119. W. L. Richards, The Classification of the Greek Manuscripts of the Johannine Epistles, SBL Dissertation Series, 1977, p. 141.

Leitura complementar[editar | editar código-fonte]

Edições em fac-simile do codex[editar | editar código-fonte]

Textual character of the codex[editar | editar código-fonte]

  • Hoskier, Herman C.. Codex B and Its Allies, a Study and an Indictment. [S.l.]: London, 1–2 volumes, 1914.
  • Kubo, S.. P72 and the Codex Vaticanus. [S.l.]: Salt Lake City, 1965.
  • Martini, C. M.. Il problema della recensionalità del Codice B alla luce del papiro Bodmer XIV (P75). [S.l.]: Roma, 1966.
  • Voelz, James W.. The Greek of Codex Vaticanus in the Second Gospel and Marcan Greek. [S.l.: s.n.], 2005.

"Umlauts"[editar | editar código-fonte]

Outros[editar | editar código-fonte]

  • Streeter, Burnett Hillman. The Four Gospels. A Study of Origins the Manuscripts Tradition, Sources, Authorship & Dates. [S.l.]: MacMillan and Co Limited, 1924.
  • Metzger, Bruce M.. Manuscripts of the Greek Bible: An Introduction to Greek Palaeography. [S.l.]: Oxford University Press, 1991.
  • Sagi, Janko. Problema historiae codicis B. [S.l.]: Divius Thomas, 1872.

Para mais bibliografia veja: J. K. Elliott, A Bibliography of Greek New Testament Manuscripts (Cambridge University Press: 1989), pp. 34–36.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Typographical facsimile (1868)[editar | editar código-fonte]

Documenta Catholica Omnia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Codex Vaticanus

Artigos[editar | editar código-fonte]