Conde Drácula

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Conde Drácula
Personagem de Dracula (1897)
Nome original Conde Dracula
Outro(s) nome(s) Nosferatu, Drácula, Vlad
Origem Romênia
Sexo Masculino
Espécie Vampiro
Características Dentes
Actividade(s) Conde, vampiro
Criado por Bram Stoker
Primeira aparição Nosferatu, Eine Symphonie des Grauens
Projecto Literatura  · Portal Literatura

Conde Drácula é um personagem fictício que dá título ao livro de Bram Stoker escrito em 1897. O personagem é o mais famoso vampiro da ficção, e segundo o Guiness Book, o monstro fictício com maior número de aparições na mídia, diretas ou indiretas.

Inspiração[editar | editar código-fonte]

O Conde Drácula pode ter sido inspirado no voivode (príncipe) Vlad Tepes (Vlad III), que nasceu em 1431 e governou o território que corresponde à atual Romênia. Nessa época, a Romênia estava dividida entre o mundo cristão e o mundo muçulmano (Turquia). Vlad III ficou conhecido pela perversidade com que tratava seus inimigos. Embora não fosse um vampiro, sua crueldade alimentava o imaginário de modo que logo passou para o conhecimento popular como um vampiro.

O pai de Vlad III, Vlad II, era membro de uma sociedade cristã romana (de Roma) chamada Ordem do Dragão, criada por nobres da região para defender o território da invasão dos turcos otomanos. Por isso Vlad II era chamado de Dracul (dragão), e, por consequência, seu filho passou a ser chamado Draculea (filho do dragão) — a terminação "ea" significa filho. A palavra “dracul”, entretanto, possuía um segundo significado (“diabo”) que foi aplicado aos membros da família Draculea por seus inimigos e possivelmente também por camponeses supersticiosos.

Vlad III era conhecido por sua pervesidade e crueldade. Certa vez, dois súditos se esqueceram de tirar o chapéu para reverenciar sua chegada e, por causa disso, Vlad mandou pregar os chapéus em suas cabeças.

Também dizem as lendas que um dia Vlad viu um aldeão com a camisa toda suja e lhe perguntou se sua esposa era saudável. O aldeão respondeu que sim e sua mulher teve ambas as mãos decepadas; e Vlad arrumou outra esposa para o aldeão e lhe mostrou o que acontecera com a antiga, para que servisse de exemplo. Vlad tinha prazer em comer em frente a suas vítimas com os corpos empalados, ouvindo seus gritos de agonia.

Muitos desses feitos levam a crer que Vlad III é a principal inspiração para o personagem. A crença que o conde Drácula é morto vivo veio de um fato que em uma de suas muitas batalhas ele levou um forte golpe na cabeça, que o deixou em coma. Depois de ver o seu líder cair seus homens bateram em retirada levando consigo seu corpo e antes da fuga ser realizada, Vlad III acordou do coma como se nada tivesse acontecido e logo depois de recobrar os sentidos retornou à batalha levando seu exército à vitória e a uma de suas mais sangrentas batalhas, criando assim a crença que ele havia retornado dos mortos como um morto vivo.

Conde Drácula[editar | editar código-fonte]

A biografia de Drácula muda conforme a adaptação de sua obra, mas sempre há em comum que ele, na Idade Média, foi um conde da Transilvânia que se tornou um vampiro e feiticeiro, e assolou a Inglaterra séculos depois. Para uma ligeira ideia, consulte os links de seus filmes abaixo.

Aparições em mídias e cultura popular[editar | editar código-fonte]

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • Drácula, livro escrito por Bram Stoker.

No cinema[editar | editar código-fonte]

Jogos[editar | editar código-fonte]

Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

  • Drácula teve seu próprio gibi pela Marvel Comics, intitulado The Tomb of Dracula. Devido a isto, ele também se tornou antagonista de heróis da Marvel em algumas ocasiões. Isto incluiu os X-Men e o Homem-Aranha. Blade surgiu em Tomb of Dracula e tinha Drácula como arquinimigo nos quadrinhos dos anos 70.
  • No Brasil, Drácula foi personagem de um sem-número de quadrinhos de terror pela Bloch Editores.[1]
  • Em 1987, o italiano Guido Crepax publicou uma adaptação do livro de Bram Stoker para os quadrinhos. Esta adaptação foi publicada no Brasil pela Livraria Martins Fontes Editora no ano de 1989.

Séries de TV/Séries Animadas[editar | editar código-fonte]

  • No seriado comédia The Munsters (Os Monstros), o personagem conhecido como "Vovô" identifica-se ao menos uma vez como tendo sido o verdadeiro Conde Drácula.
  • Dracula: The Series, uma série norte-americana de 1990 que teve apenas 21 episódios e chegou a ser exibida no Brasil pela Rede Globo. Mostrava a trajetória dum garoto descendente de Van Helsing e seus amiguinhos, que caçavam Drácula.
  • Em Buffy the vampire slayer, Dracula aparece no primeiro episódio da quinta temporada e em algumas edições da oitava temporada (em HQ).
  • A personagem Draculaura de Monster High é filha de Drácula.
  • A série Drácula, a mais recente série americana sobre o personagem, foi criada em 2013.

Anime/mangá[editar | editar código-fonte]

Novelas[editar | editar código-fonte]

Outros[editar | editar código-fonte]

Poderes e habilidades[editar | editar código-fonte]

Embora sendo um personagem de domínio público e estando sujeito a uma relativa alteração de habilidades de mídia para mídia, ele mantém poderes baseados em sua própria fisiologia vampírica e estudos de necromancia. Drácula tem força sobre-humana (de acordo com Van Helsing tem a força de 20 homens); pode se transformar em lobo, morcego (ou num bando de morcegos equivalente a sua massa corpórea, como mostrado em Dracula: The Series); comanda criaturas noturnas e o clima; pode tornar-se névoa; pode hipnotizar e transformar outras pessoas em vampiros, como ele. Drácula, se não ferido por suas fraquezas (ver abaixo), é imortal e não envelhece, e pode se curar instantaneamente de ferimentos. Em ao menos duas referências, o Conde consegue se tornar uma forma híbrida de morcego e humano, e pode queimar coisas ao toque (como fez com uma cruz brandida por Van Helsing num dos filmes). Controla a gravidade e tem poderes de levitação.

Fraquezas[editar | editar código-fonte]

O Conde deve se nutrir de sangue para sobreviver — sem sangue ele não morre, mas fica extremamente enfraquecido e desfigurado (como visto em "Entrevista com o Vampiro"); sua imagem não é refletida em espelhos; pode ser morto por uma estaca de madeira de lei cravada em seu coração (em algumas fontes ele também precisa ser decapitado para isso funcionar). Símbolos sagrados como a cruz e água benta podem afastá-lo ou feri-lo (algumas versões ostentam que deve-se ter fé nos símbolos usados, para funcionarem), o alho e prata podem afastá-lo. Drácula aparentemente não pode cruzar água corrente, embora possa fazê-lo mediante uma embarcação. Drácula não entra em casas sem um convite. Um ramo de rosa silvestre em seu caixão o impede de sair. O Conde não sobrevive se exposto à luz solar, incinerando-se de imediato.

Referências

  1. Drácula (em português) Guia dos Quadrinhos. Visitado em 23/08/2009.
  2. Rodrigo Emanoel Fernandes (27/05/08). Relembre (ou conheça) Drácula - A Sombra da Noite (em português) Universo HQ. Visitado em 04/03/2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre uma personagem de ficção é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.