David LaChapelle

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
David LaChappelle
David LaChapelle
Nascimento 11 de Março de 1969
Fairfield, Connecticut
 Estados Unidos
Nacionalidade Povo dos Estados Unidos norte-americano
Ocupação Fotógrafo

David LaChappelle (Fairfield, Connecticut, 11 de março de 1969) é um fotógrafo estadunidense, conhecido por suas imagens inusitadas, coloridas e irreverentes.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estudou Belas Artes na North Carolina School of the Arts até se dirigir rumo a Nova Iorque estudar simultaneamente na Arts Student League e na School of Visual Arts.

Já na Big Apple, LaChapelle conseguiu o seu primeiro trabalho profissional enquanto fotógrafo ao serviço da revista Interview, pela mão precisamente do seu fundador, Andy Warhol. Durante o final da década de 1980 e na década de 1990 LaChapelle começou a ser grandemente reconhecido na cena nova-iorquina.

Esse reconhecimento deve-se à inusualidade das imagens que cria, testemunho de um mundo surreal, através de fotos ultra saturadas que misturam o glamour com uma fantasia cómica, de beleza e bizarria.

O seu trabalho fotográfico já foi capa de todas as principais publicações de moda e não só, como a Italian Vogue, Vanity Fair, Rolling Stone, i-D, Vibe, Interview, e a The Face, entre muitas outras. Encontra-se também sob contracto com a americana Vanity Fair. Dentro da publicidade, o currículo de LaChapelle estende-se a marcas como L’Oreal, Iceberg, MTV, Ecko, Diesel Jeans, Sirius, Ford, Sky Vodka, etc. Além dos habituais retratos que faz dos mais importantes (leia-se, famosos) artistas contemporâneos, LaChapelle concebeu capas para os álbuns de músicos como Macy Gray, Moby, No Doubt, Whitney Houston, Mariah Carey, Lil’ Kim, Elton John, e Madonna.

Descrito pelo New York Times como o "fellini da fotografia", David LaChapelle tem já alguma obra publicada sobre o assunto. Desde 1996, ano em que chegou aos escaparates o seu livro de estreia, "LaChapelle Land", pela mão da editora Calllaway, o fotógrafo já editou "Hotel LaChapelle" pela mesma editora, "If you want reality, take the bus" em 2002 pela Artmosphere, e prepara-se para editar em fevereiro deste ano uma gigante retrospectiva de 700 páginas pela editora Taschen, intitulado "Artists And Prostitutes".

Também já diversos museus e galerias de arte se mostraram interessados no trabalho do fotógrafo do norte da américa, galerias como a nova-iorquina "Staley-Wise and Toni Shafrazi Galleries", a "Fahey-Klein Gallery" na costa oeste, mais precisamente na Califórnia bem como em algumas galerias europeias como a austríaca "Art Trend", a alemã "Camerawork, e a galeria italiana "Sozzani and Palazzo delle Esposizioni". Mais recentemente, o seu trabalho foi mostrado no Londrino "Barbican Museum", no qual conseguiu um recorde de visitantes que o museu mantém imbatível até à data.

Por entre todas as personalidades que conseguiram ter o privilégio de ser matéria-prima para a obra de LaChapelle, destacam-se nomes como o do já falecido Tupac Shakur, Madonna, Amanda Lepore, Eminem, Philip Johnson, Lance Armstrong, Pamela Anderson, Lil’ Kim, Uma Thurman, Elizabeth Taylor, David Beckham, Paris Hilton, Leonardo DiCaprio, Hillary Clinton, Muhammad Ali, Britney Spears, Rihanna e até o próprio Andrew Warhol.

Apesar de apenas uma longa-metragem constar na sua filmografia, David LaChapelle está bastante familiarizado atrás das câmaras de filmar. Na sua carreira de video-clips para músicos e/ou bandas estão incluídos trabalhos para Jennifer Lopez, Britney Spears, Avril Lavigne, No Doubt, Whitney Houston, Macy Gray, Blink-182, Elton John, Christina Aguilera, The Vines e o muito celebrado video "Natural Blues" de Moby, vencedor de um prémio MTV para melhor video do ano. A sua longa-metragem, o documentário RIZE, lançado em 2004, tem vindo a receber as melhores críticas possíveis por parte de toda a crítica especializada. Recentemente, LaChapelle aventurou-se também pela direcção de espéctaculos, mais precisamente concebendo todo o concerto "The Red Piano" de Elton John.

Entre os muitos prémios que lhe têm vindo a ser granjeados, sobressaem o prémio de fotógrafo do ano em 1996 nos VH1 Fashion Awards, o prémio de melhor documentário no Aspen Film Festival, o de Realizador do Ano e melhor video Rock nos MVPA Awards, e foi classificado como a segunda mais importante pessoa no mundo da fotografia, pela American Photo Magazine.

Análise temática[editar | editar código-fonte]

A temática de LaChapelle, além de única, é de tal forma peculiar que é facil reconhecer o seu trabalho em qualquer parte. No seu trabalho, o absurdo e o exagero de cores, formas, pessoas e situações é constante. LaChapelle cria um mundo estático onde tudo tem brilho e tudo o que compõe a imagem está a posar para e a servir a foto, desde os próprios modelos até um acessório aparentemente sem importância como uma cadeira ou a sebe de um jardim. Tudo, até ao mais ínfimo pormenor é pensado num enquadramento de David LaChapelle.

Praticamente todas as fotografias de Lachapelle contam como que uma história, visto que falam através de personagens que se encontram em situações muito peculiares. Todas essas personagens, têm algo de não-humano, como se fosse ascendência à perfeição através dos seus corpos incrivelmente brilhantes, poses e figuras perfeitamente esculpíveis, à semelhança das representações olímpicas da antiga grécia.

As imagens de LaChapelle estão carregadas de humor, ironia e surrealismo. Uma pessoa nua no meio de um campo verde, um glamoroso transplante facial, ou um catiçal de diamantes numa sala toda pintada de uma só cor berrante, são lugares-comuns no trabalho do norte-americano.

LaChapelle tem o invulgar hábito de colocar pessoas deslocadas no tempo e espaço, em situações opostas às do mundo real, ou no mínimo opostas às que nos habituamos a ver. Para isso coloca uma Naomi Campbell nua com um astronauta num vaivém espacial, uma Missy Elliot a tomar o pequeno almoço de luxuoso casaco de peles, duas bailarinas vestidas com um tutu cor-de-rosa numa velha casa destruída, ou Jesus Cristo a receber uma massagem nos pés. No entanto, apesar de só por si a temática ser extremamente sugestiva, o que torna as imagens poderosas é a pose, a compustura, o brilho, e o glamour que nem Jesus Cristo perde.

O sexo é também uma constante no trabalho de LaChapelle, mas não da forma explicitamente gratuita de Terry Richardson. LaChapelle implicita constantemente o sexo nas suas imagens, sem no entanto nunca o mostrar. Mesmo a nudez, sendo amiúde explícita, tem sempre um sentido estético extremamente apurado e uma razão de ser muito forte.

A temática de LaChapelle resume-se pois, a mostrar imagens inéditas ao nosso cérebro, imagens que, ainda que chegando a nós com referências de imagens anteriores, trazem uma frescura transportada pela habilidade de David LaChapelle de tornar a imperfeição de pessoas e objectos, perfeita.

Análise da composição da imagem[editar | editar código-fonte]

LaChapelle, é com toda a certeza um dos fotógrafos contemporâneos que mais trabalho dedica à fase da composição. Raramente as suas fotos são espontâneas, e quase sempre têm um elaborado trabalho de composição de cor e equilíbrio dos vários elementos por detrás.

Por norma, as imagens de David LaChapelle, são extremamente preenchidas, e recheadas de todo o tipo de acessórios e adereços que sirvam a personagem que ele fotografa. Esses adereços nunca são deixados ao acaso, constituindo, por outro lado, um elemento crucial para a narrativa da imagem.

As personagens das suas obras nunca se encontram muito longe da objectiva, estão sempre apenas longe suficiente para que todo o seu corpo possa comunicar com a imagem. LaChapelle, tem por isso uma predilecção por planos americanos e por planos gerais. Outra característica comum, é o uso regular da profundidade de campo, especialmente nas fotografias de exterior.

Nunca as personagens que integram as suas fotos se encontram numa pose amorfa, neutra, vertical. Ainda que estáticas, estas regularmente encontram-se abaixadas, dobradas, deitadas e muitas vezes com poses que se aseemelham às de um animal quadrúpede.

A confusão inicial transmitida pelas imagens do fotógrafo americano, é após algum tempo substituída pela curiosidade de decifrar todos os elementos que compõe a sua escrita visual. LaChapelle é mestre em ordenar e limpar o caos que invade o seu trabalho.

Análise Cromática[editar | editar código-fonte]

A cor é talvez o elemento mais essencial e mais marcante da fotografia de David LaChapelle. Tendo sido extremamente raras as vezes em que recorreu à imagem dessaturada, a complexa composição de LaChapelle é paralela à complexa composição cromática que marca a sua obra.

Através de uma série de artifícios, o fotógrafo transmite às suas imagens uma cor e uma luz inexistentes no mundo real. As suas imagens, puras fantasias da perfeição, são povoadas por relva absurdamente verde, corpos que estrapulam cor e luz, vestidos rosa-choque e paredes interiors de todas as cores fortes possíveis.

As suas imagens são ricas na saturação, intensas na luminosidade e constantes no contraste. A pele das suas personagens serve de mote para contrapor com a cor das paredes e objectos que a rodeiam. Não é so Jesus Cristo que nas suas representações emana luz, essa característica é uma constante de todas as personagens que alegremente centram as suas imagens. As cores quentes que caracterizam o seu trabalho, transmitem uma sensação de conforto a quem as vê, e uma vonta de participar daquele mundo impossível.

David LaChapelle é também um dos pioneiros da manipulação digital de imagens. Exímio nessa arte, as suas fotografias, retratos quase fieis daquilo com que Lewis Carrol terá sonhado quando imaginou o País das Maravilhas, são transformadas através dos novos processos de manipulção digital. Desta forma, La Chapelle consegue conferir às suas fotos caraterísticas inéditas na era da pré-informatização.

Pode-se dizer, sem risco de cliché, que a cor é de facto a vida do trabalho de LaChapelle. A apresentação hiperbolizada da natureza que nos mostra, traduz a sua singularidade enquanto criador de imagens.

Na primeira pessoa[editar | editar código-fonte]

Quando se ouve LaChapelle, é fácil de perceber que o seu positivismo não está apenas nas suas fotos. O mestre do escapismo à realidade descreve a melhor parte do seu dia como aquela em que se encontra na rua a tirar fotografas. É descrito por Richard Avedon como, de entre todos os fotógrafos surrealistas do momento, aquele que têm o potencial para se tornar o Renè Magritte do género. Por sua vez, o próprio Helmut Newton, que reconhece não estar nada impressionado com a fotografia que se faz actualmente, admite que alguém, que não usa a nudez de forma gratuita e o que o faz sempre rir, é LaChapelle, considerando-o um bom fotógrafo, inteligente e com muito humor.

No que diz respeito aos seus gostos, dentro da fotografia David LaChapelle assume uma admiração por inúmeros fotógrafos, dos quais destaca a intimista Nan Goldin e o veterano Helmut Newton. Dentro da música assume tentar ouvir tudo de tudo, reconhecendo que prefere gostar a não gostar de alguma coisa. No que diz respeito a literatura, LaChapelle aponta as suas baterias ao autor de "Um Eléctrico Chamado Desejo", Tennessee Williams, e reconhece que apesar de não ler revistas de moda, olha sempre para as imagens.

Andy Warhol olha nos olhos a lente de LaChapelle Dada a oportunidade, LaChapelle escolheria fotografar Michael Jackson acima de qualquer outra pessoa. Diz que, ainda que seja fotógrafo de moda, e portanto de roupa, prefere que os seus modelos não a tenham vestida.

Videoclipes[editar | editar código-fonte]

1997

1999

  • Kelis - "Good Stuff"
  • Moby - "Natural Blues"

2000

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2012

Prémios[editar | editar código-fonte]

1995

  • "Best New Photographer of the Year" by both French Photo and American Photo magazines

1996

  • "Photographer of the Year Award" at the VH-1 Fashion Awards

1997

  • "Art Directors Club Award" for Best Book Design for LaChapelle Land

1998

  • Best "Cutting Edge Essay" and "Style Photography" at Life magazine’s Alfred Eisenstadt Awards for Magazine Photography (the Eisies)

1999

  • Honored in the "Cover of the Year" category at the Eisies

2000

2003

  • 12th Annual MVPA (Music Video Production Association) Awards - Adult Contemporary Video of the year - Elton John "This Train Don't Stop There Anymore"

2004

  • 13th Annual MVPA Awards - Winnner "Director of the Year" - "Best Rock Video of the Year" for No Doubt "It's My Life"
  • Special Juried Prize Mountainfilm in Telluride
  • Special Juried Recognition in Sundance Film Festival
  • Winner of "Best documentary" in Aspen Film Festival

Ligações externas[editar | editar código-fonte]