Fernando I, Grão-Duque da Toscana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fernando I, Grão-Duque da Toscana
Grão-Duque da Toscana
S Pulzone Fernando I de Medicis Uffizi 1590.jpg
Governo
Reinado 10 de maio de 1587
7 de fevereiro de 1609
Rainha Cristina de Lorena
Antecessor Francisco I
Herdeiro Cosme II
Sucessor Cosme II
Casa Real Casa de Médici
Dinastia Casa de Médici
Vida
Nome completo Ferdinando de' Medici
Flag of the Grand Duchy of Tuscany (1840).svg Florença
Morte 22 de fevereiro de 1609 (59 anos)
Flag of the Grand Duchy of Tuscany (1840).svg Florença
Filhos Cosme II de Médici
Leonor de Médici
Catarina de Médici
Carlos Fernando de Médici
Lourenço de Médici
Maria Madalena de Médici
Cláudia de Médici
Pai Cosme I de Médici, Grão-Duque da Toscana
Mãe Leonor de Toledo
Fernando de Médici
Cardeal da Santa Igreja Romana
Protodiácono do Colégio dos Cardeais

Título

Cardeal-diácono de Santa Maria em Via Lata
Hierarquia
Ordenação e Nomeação
Cardinalato
Criação 6 de janeiro de 1563, pelo Papa Pio IV
Brasão
Coat Cardinal De Medici.svg
Dados Pessoais
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Fernando de Médici (em italiano: Ferdinando de' Medici) (30 de julho de 154922 de fevereiro de 1609) foi um cardeal e nobre italiano, que renunciou à vida eclesiástica para suceder a seu irmão, Francisco I, como Grão-Duque da Toscana.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era o quarto filho de Cosmo de' Medici com Leonor Álvarez de Toledo, filha de Pedro Álvarez de Toledo, na época Vice-rei de Nápoles, portanto, descendente da poderosa família Médici e dos duques de Alba. Por não ser o primogênito (era seu irmão mais velho Francisco de Médici), sua educação e vida foram dedicadas às religião. Assim, aos 13 anos, foi criado cardeal.

Cardinalato[editar | editar código-fonte]

Criado cardeal-diácono no consistório de 6 de janeiro de 1563, recebeu o barrete cardinalício e a diaconia de S. Maria em Domnica, em 15 de maio de 1565. Foi nomeado legado em Perúgia, entre 1571 e 1588. Foi nomeado cardeal protetor da Espanha. Passou para a diaconia de S. Eustáquio, em 10 de maio de 1585 e para a diaconia de S. Maria in Via Lata, em 7 de janeiro de 1587, tornando-se cardeal Protodiácono. Dessa forma, coroou ao Papa Sisto V.

Até o advento do Papa Urbano VIII, cardeais não eram obrigados a se tornar clérigos ordenados, embora a maioria fossem ordenados das Santas Ordens de Diácono, Sacerdote ou Bispo. Assim, o título e poder associado com o título se tornou bastante cobiçado.

Conclaves[editar | editar código-fonte]

Grão-duque[editar | editar código-fonte]

Com a morte de seu irmão Francisco, grão-duque da Toscana, sem sucessores masculinos, o cardeal subiu ao trono como Grão-duque da Toscana e duque de Siena, em 19 de outubro de 1587 e pediu ao Papa Sisto V para aceitar sua renúncia ao cardinalato, a fim de assegurar a sucessão, apresentada em 28 de novembro de 1588. Casou-se com Cristina de Lorena, em 5 de maio de 1589.

De muitas maneiras, Fernando era o oposto de seu irmão que o precedera. Acessível e generoso, ele partiu para governar de forma suave. Restabeleceu o sistema de justiça e estava genuinamente preocupado com o bem-estar de seus súditos. Durante seu reinado, Toscana reviveu e recuperou a independência da qual seu irmão tinha desistido.

Fernando promoveu o comércio e ganhou grande riqueza através dos bancos dos Médici, que foram estabelecidos em todas as principais cidades da Europa. Ele promulgou um edito de tolerância para judeus e hereges [1] , e Livorno se tornou um refúgio para os judeus espanhóis, expulsos da Península Ibérica em 1492 pelo Decreto de Alhambra, bem como outros estrangeiros perseguidos. Ele estabeleceu a Imprensa Oriental Médici (Medicea Typographia), que publicou vários livros na escrita árabe.

Ele melhorou a porto Cosimo, tinha construído e desviado parte do fluxo do rio Arno em um canal chamado de Naviglio, que ajudou o comércio entre Florença e Pisa. Ele promoveu um projeto de irrigação no Val di Chiana, o que permitiu as planícies ao redor de Pisa e Fucecchio e no Val di Nievole serem cultivadas.

Sua política externa tentou livrar Toscana da dominação espanhola. Após o assassinato de Henrique III da França em 1589, ele apoiou Henrique IV da França em sua luta pela Liga Católica. Fernando emprestou dinheiro a Henrique e encorajou-o a se converter ao catolicismo, que ele acabou fazendo. Fernando também usou sua influência com o Papa para levá-lo a aceitar a conversão de Henrique.

Henrique não mostrou apreço por esses favores e Fernando deixou o relacionamento esfriar, mantendo a sua independência. Ele apoiou Filipe II de Portugal em sua campanha na Argélia e o Sacro Imperador Romano em sua contra os turcos. Para estas empresas, ele achou necessário aumentar os impostos sobre seus súditos. Finalmente, obteve a investidura formal de Siena, que seu pai tinha conquistado.

Fernando também reforçou a frota da Toscana, e viu vitórias contra os piratas na costa da Berbéria, em 1607, e contra uma frota turca superior no ano seguinte.

Ele também sonhou com um pequeno império Africano, e, em seguida, considerou a possibilidade de uma colônia no Brasil[2] . Fernando organizou uma expedição em 1608 sob o comando do capitão Thornton para o norte do Brasil e do rio Amazonas, a fim de criar uma colônia.

Ao morrer, em 22 de fevereiro de 1609, sucedeu-lhe o filho mais velho Cosme II de Médici como grão-duque. Jaz sepultado na Capela dos Médici, na Basílica de São Lourenço, em Florença.

Por seus laços familiares, foi o pai do cardeal Carlos Fernando de Médici (1615), e tio-avô dos cardeais João Carlos de Médici (1644) e Leopoldo de Médici (1667).

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Descendência[editar | editar código-fonte]

Fernando e Cristina tiveram nove filhos:

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Fernando I, Grão-Duque da Toscana

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Giovanni de' Medici
Cardeal
Cardeal-diácono de Santa Maria in Domnica

15651585
Sucedido por
Charles II de Lorraine de Vaudémont
Precedido por
Niccolò Caetani
Cardeal
Cardeal-diácono de Santo Eustáquio

15851587
Sucedido por
Filippo Guastavillani
Precedido por:
Luigi d'Este
Cardeal
Cardeal-diácono de Santa Maria em Via Lata

Sucedido por:
Francesco Sforza
Cardeal Protodiácono
15871588


Precedido por
Francisco I
Grão-Duque
Grão-Duque da Toscana

15871609
Sucedido por
Cosmo II