Hidrovia Tietê-Paraná

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Hidrovia Tietê - Paraná)
Ir para: navegação, pesquisa
O mapa mostra a Bacia do rio Paraná, com destaque para o rio Tietê, um dos principais afluentes do rio Paraná.

Hidrovia Tietê - Paraná [1] é uma via de navegação situada entre as regiões sul, sudeste e centro-oeste do Brasil, que permite a navegação e conseqüentemente o transporte de cargas e de passageiros ao longo dos rios Paraná e Tietê. Um sistema de eclusas viabiliza a passagem pelos desníveis das muitas represas existentes nos dois rios.

É uma via muito importante para o escoamento da produção agrícola dos estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e parte de Rondônia, Tocantins e Minas Gerais. A hidrovia movimentou dois milhões de toneladas de carga no ano de 2001. Possui doze terminais portuários, distribuídos em uma área de 76 milhões de hectares. A entrada em operação desta hidrovia impulsionou a implantação de 23 pólos industriais, 17 pólos turísticos e 12 pólos de distribuição. Gerou aproximadamente 4 mil empregos diretos.

Somente a hidrovia do Paraná movimentou em 2010, mais de 3,7 milhões de toneladas de cargas.[2] [3] A hidrovia Tietê-Paraná, em 2011, movimentou cerca de 5,8 milhões de toneladas de carga, ficando muito próxima de sua capacidade de carga. Foi a segunda hidrovia brasileira em quantidade de carga, sendo superada apenas pela quantidade transportada na bacia amazônica, que foi de cerca de 9,8 milhões de toneladas.[4]

A implantação e a manutenção da hidrovia e todas ações que se referem à sua infraestrutura, com exceção das do rio Tietê (que estão a cargo do Departamento Hidroviário do estado de São Paulo)[5] estão a cargo da Administração das Hidrovias do Paraná AHRANA (órgão da sociedade de economia mista federal vinculada ao Ministério dos Transportes, Companhia Docas do Estado de São Paulo - CODESP) [6]

Extensão[editar | editar código-fonte]

Eclusa de Barra Bonita em operação.

Segundo o projeto, a hidrovia permite a navegabilidade no rio Piracicaba, desde o encontro com o rio Tietê até 22 km a montante, no rio Tietê, desde a cidade paulista de Conchas até o encontro do Tietê com o Paraná, numa extensão de 554 km, no rio Paranaíba, desde a base da barragem da Usina Hidrelétrica de São Simão até ao encontro com o rio Paraná, numa extensão de 180 km, no rio Grande, desde a base da barragem da Usina Hidrelétrica de Água Vermelha até ao encontro do rio Grande com o rio Paraná, numa extensão de 59 km, no rio Paraná desde o encontro dos rios Grande e Paranaíba, até a barragem da Usina Hidrelétrica de Itaipu, numa extensão de 800 km e no canal Pereira Barreto, que liga a barragem Três Irmãos da Usina Hidrelétrica de Três Irmãos, no rio Tietê, ao rio São José dos Dourados, afluente da margem esquerda do rio Paraná, no Estado de São Paulo, numa extensão de 53 km.

Ampliação[editar | editar código-fonte]

Em 2012 a hidrovia começou um trabalho de ampliação e melhoria, com benfeitorias que integram o investimento de R$ 1,5 bilhão anunciado pelo Governo do Estado de São Paulo, por meio de convênio com o governo Federal para modernizar e ampliar a navegação na hidrovia Tietê-Paraná no trecho paulista. Deste montante, R$ 900 milhões são provenientes do PAC 2 e R$ 600 milhões do Governo do Estado. O pacote contempla a construção da barragem de Santa Maria da Serra, que ampliará a navegação em 55 km, até o distrito de Ártemis e a extensão de 200 km entre os municípios de Anhembi e Salto, com a construção de cinco barragens. Também estão previstas a implantação de terminais intermodais em Araçatuba e Rubineia; a substituição das atuais pontes da rodovia SP-191 sobre os Rios Tietê e Piracicaba por pontes estaiadas, com maior vão de navegação; a dragagem e retificação dos canais de Conchas, Anhembi, Botucatu, Igaraçu do Tietê e Nova Avanhandava, além de melhorias na infraestrutura das eclusas de Barra Bonita, Bariri, Ibitinga, Promissão, Nova Avanhandava e Três Irmãos.[7]

Os investimentos na Tietê-Paraná permitirão a atração de cerca de 11,5 milhões de toneladas de cargas para a hidrovia. Em 2011, a hidrovia movimentou 5,8 milhões de toneladas de cargas como milho, soja, cana e areia. Em 2012 o sistema movimentou mais de 6,0 milhões de toneladas de cargas.[8]

É previsto o inicio do transporte de etanol no trecho São Simão no estado de Goiás a Anhembi no estado de São Paulo pela hidrovia.[9] Para isto, o estaleiro Rio Tiete está construindo, na cidade de Araçatuba, 80 barcaças e 20 empurradores fluviais, para a TRANSPETRO, firma que irá operar o sistema. [10] No final da implantação do projeto serão transportados neste trecho cerca de 4 bilhoes de litros por ano, equivalendo 40 000 viagens de caminhão, por ano.[11]

Traçado da hidrovia[editar | editar código-fonte]

Rio Tietê[editar | editar código-fonte]

[12] [13]

km Descrição Local
km 0 Início do trecho navegável Mogi das Cruzes
km x Barragem da Penha (sem eclusa) São Paulo
km x Trecho navegável de 41 km
km x Barragem de Edgar de Souza (sem eclusa) Santana de Parnaíba
km x Barragem de Pirapora do Bom Jesus (sem eclusa) Pirapora do Bom Jesus
km x Corredeiras (trecho não-navegável) Salto
km x Passagem por cidade Tietê
km 120 Eclusa de Barra Bonita Barra Bonita
km 180 Eclusa de Bariri
km 252 Eclusa de Ibitinga Ibitinga
km 357 Eclusa de Promissão||Promissão
km 406 2 Eclusas na Barragem de Nova Avanhandava Buritama
km 545 2 Eclusas na Barragem Três Irmãos Pereira Barreto
km 863 Conexão com o Rio Paraná

Rio Paraná[editar | editar código-fonte]

A Administração da Hidrovia do Paraná, dividiu a extensão navegável do rio Paraná em 4 trechos:

  • O Trecho I da Hidrovia está situado entre a Usina Hidrelétrica de Itaipu, na cidade de Foz do Iguaçu, Paraná, e a entrada do Canal de Navegação, sob a Ponte Rodoviária Ayrton Senna, nas proximidades da cidade de Guaíra, Paraná, apresentando profundidades que variam entre 10 metros e 180 metros, com extensão de 170 km. Este trecho fica na região de fronteira entre o Brasil (estado do Paraná) e o Paraguai.[14]
  • O Trecho II, com extensão de 245 km, estende-se desde o Canal de Navegação sob a Ponte Rodoviária Ayrton Senna até a UHE Eng.° Sérgio Motta (Porto Primavera). Este trecho está localizado na divisa dos estados de Paraná e São Paulo com o estado do Mato Grosso do Sul.[14]
  • O Trecho III, com extensão de 270 km e totalmente situado no reservatório da UHE de Eng.° Sérgio Motta, na divisa dos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul. Neste trecho o Paraná passa pelas cidades de Presidente Epitácio e Panorama e recebe as águas do Rio Pardo (trecho III-A), onde possui um trecho navegável de 33 km no Mato Grosso do Sul.[14]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Hidrovia Tietê-Paraná
Ícone de esboço Este artigo sobre Hidrografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.