Araçatuba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Araçatuba
"Cidade do Boi Gordo"
"Terra do Boi Gordo"
Yatch Club Araçatuba, Avenida Abraão Buchala, Rotatória entre as avenidas Pompeu de Toledo e Brasília, Jet ski sobre o rio Tietê, entardecer em Araçatuba, Torii na Avenida dos Araçás, pôr-do-sol, panorâmica parcial a partir da zona leste.

Yatch Club Araçatuba, Avenida Abraão Buchala, Rotatória entre as avenidas Pompeu de Toledo e Brasília, Jet ski sobre o rio Tietê, entardecer em Araçatuba, Torii na Avenida dos Araçás, pôr-do-sol, panorâmica parcial a partir da zona leste.
Bandeira de Araçatuba
Brasão de Araçatuba
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 2 de dezembro de 1908
Gentílico araçatubense
Lema Compos Sui
"Senhor de Si"
Prefeito(a) Cido Sério (PT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Araçatuba
Localização de Araçatuba em São Paulo
Araçatuba está localizado em: Brasil
Araçatuba
Localização de Araçatuba no Brasil
21° 12' 32" S 50° 25' 58" O21° 12' 32" S 50° 25' 58" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Araçatuba IBGE/2008[1]
Microrregião Araçatuba IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Gabriel Monteiro, Bilac, Birigui, Buritama, Santo Antônio do Aracanguá, Pereira Barreto, Mirandópolis, Lavínia, Valparaíso e Guararapes
Distância até a capital 519 km[2]
Características geográficas
Área 1 167,4 km² [3]
População 190,536 hab. (SP: 42º) –  Estimativa Populacional 2013 IBGE/2013[3]
Densidade 0,16 hab./km²
Altitude 390 m
Clima tropical semi-úmido Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,788 (SP: 40°) – alto PNUD/2010[4]
PIB R$ 3,901 bilhões (BR: 159°) – IBGE/2011[5]
PIB per capita R$ 19 281,36 IBGE/2010[6]
Página oficial

Araçatuba é um município brasileiro no interior do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 21º 12'32" sul e a uma longitude 50º 25'58" oeste, estando a uma altitude de 390 m. Sua população é de 190.536 habitantes. É a sede da nona região administrativa do Estado de São Paulo, além de ser a 2ª maior cidade do oeste paulista.

Seu nascimento remonta a expansão cafeeira e na passagem para o atual século sua economia era caracterizada pelo crescimento das lavouras de cana-de-açúcar. Este quadro, inclui também a pecuária, atividade que a tornou conhecida no país como Capital do Boi Gordo devido às negociações da arroba do boi realizadas na Praça Rui Barbosa, além da inclusão de outras criações de animais como a ovinocultura. De economia diversificada, o setor de serviços é o predominante na cidade. Araçatuba caracteriza-se também por ser um polo universitário e gastronômico da região noroeste do estado de São Paulo. Seus pratos típicos são o cupim casqueirado e o caldo do artista[7] [8] Ainda está servida pelo Gasoduto Brasil-Bolívia e a hidrovia Tietê-Paraná.[9]

Próxima do rio Rio Tietê que é considerado limpo na região, é a primeira cidade não ribeirinha do estado de São Paulo a captar água diretamente deste rio, desde 2013, quando sua capacidade de oferta de água aumentou em 8%.[10] [11] Ainda está sobre o Aquífero Guarani, a maior reserva de água doce do mundo[12] e é cortada pelo Ribeirão Baguaçú que abastece parte do município. Em Araçatuba, 100% do esgoto é tratado antes de ser lançado nos cursos de água.[13]

Em 2010 foi assinado contrato para a construção de um estaleiro para transporte de etanol pela Hidrovia Tietê Paraná. A obra custará aproximadamente US$ 239 milhões e quando totalmente em operação terá capacidade de transporte de 4 bilhões de litros.[14] O modal consome 75% menos combustível para a mesma carga transportada por via terrestre, além de emitir apenas 1/3 do CO2 lançado pelo transporte rodoviário.[15] Por este projeto de transporte de combustível de forma limpa, Araçatuba recebeu em 2011 o Prêmio 100 Cidades Mais Sustentáveis.[16] A entrega do terminal de embarque de etanol está prevista para 2015.[17] Sua renda per capita é a segunda maior da região (R$ 1036, 09), ficando atrás de Ilha Solteira (R$ 1063, 04).[18]

Sua bandeira possui listras brancas que representam a paz política e azuis que representam o céu de Araçatuba, ao total nove listras que significam a nona região administrativa do Estado. A primeira e a última listra são sempre brancas.[19]

O hino do município foi escrito por Sarah P. Barbosa e a música é de José Raab. Foi oficializado em 1982, pela lei municipal 2.415.[20]

Toponímia[editar | editar código-fonte]

"Araçatuba" é um vocábulo de origem tupi que significa "ajuntamento de araçás", através da junção dos termos arasá (araçá) e tyba (ajuntamento)[21] [22] . Há uma outra versão que diz que "Araçatuba", na língua caingangue, seria formado pelos termos araçá (fruto com saliências no formato de olhos), tu (ponta ou as saliências citadas) e bo (lugar). Desta maneira, etimologicamente "Araçatuba" seria "o lugar das frutas com saliências na casca".[23]

História[editar | editar código-fonte]

Avenida dos Araçás, local que, até a década de 1990, era ocupado por linhas férreas

A história de Araçatuba está ligada intrinsecamente à construção da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil. Esta estrada, que, no início do século XX, fez parte de uma política que visava à interiorização do país e sua ligação com outros países da América do Sul, teve seus trabalhos iniciados no dia 15 de novembro de 1904, com a construção do trecho que ligava Bauru à cidade de Itapura, localizada nas barrancas do Rio Paraná.

No dia 2 de dezembro de 1908, os trilhos chegaram até o quilômetro 280, onde foi montado um acampamento. Um vagão deixado nesse local serviu provisoriamente como estação. Deste acampamento, nasceu a atual cidade de Araçatuba. Pela boa qualidade das terras dessa região, muitas famílias de agricultores aí se instalaram.

Além das doenças locais, os índios Caingangues, que já habitavam a região, se constituíam em mais um obstáculo à ocupação das terras ainda virgens. Como resultado, os índios foram exterminados[24] . No início dos anos 1920, Araçatuba, apesar do bom desenvolvimento, ainda pertencia à comarca de Penápolis.

Em 8 de dezembro de 1921, foi promulgada a Lei Estadual 1 812, que concretizava o sonho de autonomia daqueles que já habitavam o novo e progressista município. Em 19 de fevereiro de 1922, às 20 horas, em sessão solene, deu-se a instalação da Comarca Municipal e a posse dos primeiros vereadores.

O município foi se desenvolvendo e passou por vários ciclos econômicos. O primeiro foi o do café, a seguir o do algodão e, a partir dos anos 1950, veio o da pecuária, que predomina até os dias de hoje, dividindo sua importância, atualmente, com o setor sucro-alcooleiro.

Nas análises de economistas e de vários empresários, Araçatuba é a região que apresenta o maior potencial para desenvolvimento em todo o estado de São Paulo. Esta perspectiva, reforçada pela presença de inúmeros fatores de desenvolvimento, tais como o Gasoduto Brasil-Bolívia, a Hidrovia Tietê-Paraná, a duplicação da rodovia Marechal Rondon, o Aeroporto de padrão internacional e a Ferrovia Novo Oeste.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Descargas elétricas[editar | editar código-fonte]

Araçatuba no biênio 2005/2006 era a 528° no estado de São Paulo em número de descargas atmosféricas, com densidade de raios/km².ano de 2,2051. No biênio seguinte 2007/2008 ficou em 511° no estado com densidade de 1,6615 raios/km².ano.[25] Existe registro de 2 mortes no ano de 2008 por raios na zona leste da cidade.[26]

Houve elevação da densidade de descargas elétricas no município no biênio 2009/2010 com uma taxa de 7,1673 raios/km².ano, ocupando no ranking do Estado a posição de número 560.[27]

Em 2013 caíram na cidade 3155 raios. A média atualizada coloca Araçatuba classificada como uma região de alta incidência de descargas atmosféricas com uma média de 6, 9 raios por km2 anuais.[28]

Clima[editar | editar código-fonte]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período entre 1961 e 1990, a menor temperatura registrada em Araçatuba foi de -0,2 ºC em julho de 1975,[29] e a maior atingiu 39,8 ºC em setembro de 1961.[30] O maior acumulado de chuva observado em 24 horas foi de 134,5 milímetros em novembro de 1968.[31]

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Araçatuba Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 38,6 37,5 37,2 35,2 35 33,2 34,5 37,2 39,8 39,6 39,2 39,2 39,8
Temperatura máxima média (°C) 31,5 31,7 31,6 30,3 28,1 27,5 27,5 30,1 31,4 30,9 31,2 31,1 30,2
Temperatura média (°C) 25,2 25,3 24,9 22,9 20,2 19,2 18,8 21,1 23,2 23,8 24,5 24,8 22,8
Temperatura mínima média (°C) 20,2 20,4 19,6 17 14,3 13 12,1 14,1 16,6 17,8 18,6 19,7 17
Temperatura mínima registrada (°C) 13,7 15,8 6 7,3 1,2 2 -0,2 0,5 4,8 11,3 10,3 12,9 -0,2
Chuva (mm) 206,8 187,1 141,4 54,2 58,1 34,2 23,5 23,1 56,2 128,3 143 199,3 1 255,2
Dias com chuva (≥ 1 mm) 13 12 10 4 4 3 3 3 5 9 9 12 87
Umidade relativa (%) 80,6 80,7 78,8 74,6 73,9 73,4 68,1 62,8 64,6 71,6 72,8 79,6 73,5
Horas de sol 214,6 208,2 229,9 243,3 233 225,6 244,8 253,8 200,3 226,4 236,9 197,6 2 714,4
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (dados referentes ao período entre 1961 e 1990).[29] [30] [32] [33] [34] [35] [36] [37] [38]

Qualidade do ar[editar | editar código-fonte]

Panorama parcial de Araçatuba a partir da Zona Leste

Em 2009 Araçatuba foi classificada como uma localidade que está em processo de saturação por ozônio (O3). A saturação por este tóxico formado de reações químicas entre os óxidos de nitrogênio, compostos orgânicos voláteis e luz solar pode provocar uma série de doenças, como danos cardíacos, aumento da probabilidade de ocorrência de câncer e envelhecimento precoce. Também existe risco de desequilíbrio ambiental.[39]

Em 2011 era considerada a terceira pior cidade do Estado de São Paulo em relação a qualidade de ar com uma média de 58 microgramas por metro cúbico de material particulado. O ideal de acordo com a OMS seria de 20 microgramas por metro cúbico.[40]

Solo[editar | editar código-fonte]

É caracterizado por ser sílico argiloso, com depósitos de húmus nas baixas de terreno. Arenitos e siltitos nas partes carbonáticas, conglomerados e folhelos.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Pôr do sol no Rio Tietê
Ponte Ribeirão Baguaçu na Rua dos Fundadores
Rio Tietê nas proximidades da Rod. Eliezer Montenegro Magalhães.
Córrego Machadinho
Água do Rio Tietê em Araçatuba.

O abastecimento de água no município é fornecido pelo Ribeirão Baguaçu, Rio Tiête e por dois poços profundos.[41] A nascente do Ribeirão Baguaçu encontra-se em uma mina de rochas localizada na divisa das cidades de Braúna e Coroados, no sítio São Sebastião.[42] [43] O ribeirão também corta as cidades de Braúna, Bilac e Birigui. A água dos poços profundos são do Aquífero Guarani, a maior reserva subterrânea de água doce do mundo. Estão localizados nos bairros Jardim Ipanema e Jardim Juçara.[44] São tratados pela SAMAR desde 2012, quando o DAEA foi concedido.

Ao todo existem 11 reservatórios de água na cidade de Araçatuba.[45]

Passam pela cidade também o Rio Tietê, São José dos Dourados, e Aguapeí. São destaques também os córregos Alvorada, Três Sete, Machadinho, Tropeiros, Bela Vista, Machado de Melo, Água Funda, Espanhóis, Paquere ou Jacó.

O rio Tietê que é poluído em outras regiões, é aproveitado na cidade de Araçatuba para abastecimento e uso industrial, desde 2013, através da Estação de Tratamento de Água, a ETA-Tietê "José Marques Lopes. Araçatuba é a primeira cidade não ribeirinha do Estado de São Paulo a captar água do rio, a uma distância de 15 km. As obras foram realizadas pela Construtora OAS. A capacidade de produção deste rio é de 24 milhões de litros de água por dia.[46] . É utilizada para tratamento o processo de flotofiltração.[47]

A mina da Boiadeira que é uma das nascentes do córrego Machado de Melo serve como fonte de abastecimento de alguns moradores que acreditam que a água do local possua qualidade superior da encanada.[48]

Araçatuba, em 2010, perdeu 40% (8 milhões e 390 mil m3) de sua água tratada com desperdícios.[49]

Em dezembro de 2013 possuía 8 áreas de subsolo contaminadas por combustível e PHA, devido a presença de postos de gasolina nestas regiões.[50]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional de
Araçatuba[51]
Ano População
1970 108 512
1980 129 307
1991 159 557
2000 169 254
2010 181 579

Em 2010, a população do município foi contada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 181 618 habitantes, sendo o quadragésimo segundo mais populoso do estado e apresentando uma densidade populacional de 155,54 habitantes por km². Segundo o censo de 2010, 87 337 habitantes eram homens e 94 281 habitantes eram mulheres. Ainda segundo o mesmo censo, 178 077 habitantes viviam na zona urbana e 3 502 na zona rural.[3] O percentual de pessoas que vivem sozinhas no município é de 14%.[52]

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de Araçatuba, considerado elevado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), é de 0, 788, sendo o 40° maior de todo estado de São Paulo. Considerando apenas a educação o índice é de 0, 744. A renda per capita 2010 é de 1036,09 reais.

O coeficiente de Gini, que mede a desigualdade social, é de 0, 52, sendo que 1,00 é o pior número e 0,00 é o melhor.[53]

Religião[editar | editar código-fonte]

Torii na rotatória Tosca de Castro Kohl, no entroncamento das avenidas dos Araçás, Mário Covas e Waldemar Alves. Simboliza a separação e a proximidade, entre o mundo dos homens e dos kamis.

Tal como a variedade cultural em Araçatuba, são diversas as manifestações religiosas presentes na cidade. Embora tenha se desenvolvido sobre uma matriz social eminentemente católica, é possível encontrar atualmente na cidade dezenas de denominações protestantes diferentes.

O município de Araçatuba está localizado no país mais católico do mundo em números absolutos. A Igreja Católica teve seu estatuto jurídico reconhecido pelo governo federal em outubro de 2009,[54] ainda que o Brasil seja atualmente um estado oficialmente laico.[55]

De acordo com dados do censo de 2000 realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população de Araçatuba é composta por: Católicos (65,23%), evangélicos (21,38%), pessoas sem religião (5,64%), espíritas (3,45%), umbandistas (0,43%), judeus (0,03%), oriental (1,31%) e 2,5% estão divididas entre outras religiões.[56]

Catedral Nossa Senhora Aparecida. Estilo sextavado
Paróquia Imaculado Coração de Maria

Em 1912 ou 1914 foi erguida uma capela em Araçatuba em homenagem a Santo Onofre, santo protetor dos alcoólatras. A capela era bem simples, construída de tábuas de madeira. Foi construída no mesmo local onde hoje está instalada a catedral. Na data de 25 de março de 1919 a capela foi inaugurada pelo frei Ricardo Deno. A segunda capela em homenagem ao santo começou a ser erguida em 1919 e veio a ser concluída em 1921. Também em 1921, o bispo Dom Lúcio Antunes de Souza veio até a cidade e não aprovou Santo Onofre como padroeiro, somente por este ter a alcunha de protetor dos alcoólatras. Desta forma, uma nova padroeira foi imposta: Nossa Senhora da Conceição Aparecida.[57]

A pequena capela foi demolida dando lugar a uma igreja mais imponente. Na Praça Rui Barbosa, muito próximo a ela, foi erguida em 1922, uma Igreja Metodista. Esta Igreja Metodista foi construída no estilo medieval britânico, muito maior que a igreja que foi construída pelos católicos. Devido a esta rivalidade a Igreja Católica demoliu seu templo, e ergueu outro no mesmo lugar, no estilo medieval gótico, muito mais alto que a Igreja Metodista.[57]

Em 1967, novamente a Igreja Católica passa por reformas. O estilo gótico da lugar a uma igreja em formato sextavado, devido às ideias do bispo Dom Pedro Koop.[57]

Os metodistas depois derrubaram sua igreja devido ao barulho da Praça Rui Barbosa.[57]

Igreja Anglicana

Em 1923, japoneses construíram a paróquia de Santo Estevão na rua Duque de Caxias. Antes disso eles oravam nas suas casas pois eram proibidos de construir templos.[57]

Budismo

O primeiro templo budista de Araçatuba, o Nishi Hongwanji, foi concluído em 1951. Seus frequentadores supostamente eram os simpatizantes da Shindo Renmei, ou seja, aqueles que acreditaram na vitória do Japão na guerra. Em 1954, imigrantes liderados por Sakesuke Nó ergueram outro templo na rua Santos Dumont, o Higashi Hongwanji, devido ao Japão ter perdido a guerra.[57]

Apesar da Shindo Renmei jamais ter chegado atingir Araçatuba, existia o interesse eleitoreiro dos políticos em criar uma animosidade dentro da colônia japonesa, uma vez que os simpatizantes da Shindo Renmei tendiam a ser ademaristas, enquanto os antagonistas makegumi tendiam a ser getulistas.

Em uma cidade notória pela truculência, corrupção e o fisiologismo de seus políticos, a colônia japonesa não era exceção e alguns dos seus líderes foram coniventes e até incentivaram essa animosidade em torno de um triste episódio que não chegou a atingr a cidade de Araçatuba por causa dos votos.

Outras religiões japonesas

Também existem no contexto araçatubense, as religiões Tenrikyo, Seicho-no-ie, Igreja Messiânica Mundial, Perfect Liberty, Soka Gakkai, Pastoral Nipo-Brasileira.[57]

Religiões neopentecostais

Existem 49 igrejas evangélicas em Araçatuba de outras regiões; 64 fundadas na própria cidade; 5 Igrejas Mórmon; 1 Congregação Israelita da Nova Aliança e 14 templos dos Testemunhas de Jeová.[57]

Candomblé e umbanda

O primeiro terreiro de Araçatuba existiu no período de 1938 até 1968 no bairro Abílio Mendes, fundado por Maria Marreco. Nos anos 70, a cidade possuía cerca de 90 terreiros. Em 2008, possuía 40 terreiros de umbanda e 15 de candomblé registrados oficialmente.[57]

Economia[editar | editar código-fonte]

Sua economia é historicamente ligada à pecuária, sendo conhecida como cidade do boi gordo e, posteriormente, cidade do asfalto. Um famoso pecuarista de Araçatuba que se chamava Tião Maia fugiu para a Austrália por causa da ditadura. Atualmente, nas instalações de seu antigo frigorífico, funciona a Universidade Paulista (UNIP).

O setor sulcroalcooleiro está em crescimento acelerado e precisa de novas áreas para se expandir. O Noroeste Paulista é uma das últimas áreas viáveis e disponíveis no estado de São Paulo para esta necessidade que o setor demanda.

A topografia, solo e clima favoráveis ao cultivo da cana-de-açúcar, mão-de-obra especializada, facilidades de escoamento da produção e sede de um dos maiores terminais sucroalcooleiros do estado de São Paulo, favorecem a região.

Em 2008 era o 28° município do Estado de São Paulo em número de empresas atuantes. No ranking brasileiro ficou na 89ª posição com 7 267 unidades.[58]

Em 2010, dados do IPC Target indicavam que Araçatuba teria um consumo de R$ 2,63 bilhões ao ano, 18% maior que os dados de 2009 (R$ 2,22 bilhões) colocando assim Araçatuba no 39° no estado em capacidade de consumo. Em 2009 os habitantes da Classe E, com renda até R$ 410 no município representavam 1,1% da população total, sendo que em 2010 esse númerou foi reduzido para 0,7%.[59] Para 2011 o potencial de consumo subiu para R$ 3,14 bilhões (alta de 19,25% em relação ao ano anterior).[60]

Dados da Secretaria de Estado de Desenvolvimento divulgados em maio de 2010, apontam o município com potencial de desenvolvimento em todos os seguimentos da economia (agropecuária, indústria, comércio e serviços), em virtude da mão-de-obra qualificada, transporte e infra-estrutura.[61] Todavia, ainda apresenta lentidão na questão imobiliária e turística.[62] No Índice Paulista de Responsabilidade Social ficou classificada como n° 2 (intermediária), numa classificação de 5 (piores condições) a 1 (melhores condições), que leva em conta a saúde, educação e renda da população.[62]

Com relação a geração de empregos Araçatuba ocupava em abril de 2010, de acordo com Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, a 41ª posição no Estado de São Paulo em geração de empregos, obtendo o melhor índice da região a que pertence. De abril de 2009 até abril de 2010, Araçatuba já teve contratados 23 330 funcionários. No mesmo período, 21 379 pessoas foram demitidas nas empresas do município.[63] Finalizou 2010 com 2.720 novas vagas e 26.400 trabalhadores contratados.[64]

O número de empresas com mais de 100 funcionários em 2011 é de 29, sendo que destas 18 cumprem a Lei de Cotas para deficientes físicos.[65]

Indústria[editar | editar código-fonte]

Nestlé unidade de Araçatuba.

De processamento de leite a máquinas de lavar roupas, passando por extrato de tomate e conservas, móveis planejados, criação e abates de avestruz e medicamentos fitoterápicos, equipamentos hospitalares e fios cirúrgicos, produtos químicos e de instrumentação de alta tecnologia.

O setor de confecções também é importante vocação econômica do município. Oitenta e seis pequenas e médias indústrias fabricam em média 180 mil peças de roupas por mês. O setor tem merecido atenção especial do poder público através de investimentos para formação de mão-de-obra especializada e de cooperativas de produção e trabalho.

Vale ressaltar que em setembro de 2007 a Nestlé inaugurou uma fábrica de fórmulas infantis na cidade.

Na cidade ocorre coleta de lixo realizada pela empresa Revita com caminhões monitorados via satélite.

Agricultura e pecuária[editar | editar código-fonte]

Café.

Por volta do ano 1908, a ferrovia Noroeste do Brasil chegava até Araçatuba. O Brasil tinha como ponta da economia a cafeicultura. É neste cenário que a cidade surge, momento de ocupação de terras no Oeste do estado e expansão das lavouras do café.

Antes da ferrovia, esta região era habitada pelos índios caingangues. Até o início de 1920, as terras não eram muito procurada por desbravadores.

Somente após a construção de um loteamento de terras na cidade de Birigui e formação de colônias japonesas e italianas, a cidade passou a ser alvo de pessoas com vontade de estabelecer-se nas terras. De 1926 até 1930 foram 13365 imigrantes, sendo japoneses, italianos, espanhóis e portugueses os mais importantes.

Em 1929 a crise da bolsa de valores de Nova Iorque deu um golpe nas plantações de café aqui existentes. Já na década de 1940, a produção começa a cair. Em 1943 uma geada interferiu drasticamente na lavoura daquele ano. Assim a melhor solução para o declínio da produção do café eram a associação de outras culturas como arroz, feijão, milho, e pastagem para o gado.

Gado.

O gado vinha de Goiás e Mato Grosso, chegava muito magro nas cidades da região. Desta forma os produtores tornaram-se especialista na engorda bovina.

O café e as outras culturas ainda permaneceram de 1930 até 1960. Neste período importantes empresas instalaram-se na cidade: Matarazzo, Anderson Clayton, Brasmen e Sanbra especializadas no processamento de oleaginosas e grãos.

Na década de 1960, a cidade recebe o nome de Cidade do boi gordo, devido ser o maior centro produtivo de gado de corte do Estado de São Paulo. Até hoje, Araçatuba é uma das principais cidades da pecuária de corte do Brasil. Porém, a região transforma-se gradativamente em pólo do setor sucroalcooleiro.

Corte de cana-de-açúcar.

Em 1974 ocorreu a crise do petróleo, sendo assim criado pelo governo federal o Próalcool. Assim o Conselho Municipal de Desenvolvimento Integrado de Araçatuba, propõe uma campanha para instalar 22 unidades produtoras de álcool na cidade.

A cana-de-açúcar ocupava 10% da área cultivada da região em 1987. As usinas Destivale, Aralcool, Alcoazul e Cruzalcool produziam em ritmo acelerado. Atualmente a cidade é o novo pólo do setor sucroalcooleiro. Araçatuba em 2009, era responsável pela produção de 47% da energia limpa do Estado de São Paulo.[66]

A produção de banana em Araçatuba em 2010 foi de 5045 toneladas a 23ª maior do Estado de São Paulo.[67]

Índice FIRJAN de desenvolvimento dos municípios[editar | editar código-fonte]

Edição 2014 (ano base 2005)
Título Posição IFDM Emprego e renda Educação Saúde
Posição nacional 160° 0.7806 0, 6259 0, 5593 0, 9145
Edição 2014 (ano base 2008)
Título Posição IFDM Emprego e renda Educação Saúde
Posição nacional 157° 0, 8042 0, 6886 0, 9005 0, 8234
Edição 2014 (ano base 2009)
Título Posição IFDM Emprego e renda Educação Saúde
Posição nacional 77° 0,8275 0, 7750 0, 8897 0, 8180
Edição 2014 (ano base 2010)
Título Posição IFDM Emprego e renda Educação Saúde
Posição nacional 106° 0, 8380 0, 8008 0, 9225 0, 7908
Edição 2014 (ano base 2011)
Título Posição IFDM Emprego e renda Educação Saúde
Posição nacional 191° 0, 8224 0, 7705 0, 9299 0, 7668

Estrutura urbana[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Araçatuba também é um grande centro regional estudantil, possuindo quatro universidades, três particulares e uma estadual, uma fundação e demais faculdades avulsas. É um grande pólo formador de mão-de-obra especializada, abrigando estudantes de todo o Brasil e ascendendo o mercado imobiliário.

Possui uma das menores taxas de analfabetismo da população adulta entre as cidades-sede de região administrativa do Oeste Paulista.

Funcionam também em Araçatuba escolas profissionalizantes como o SENAI – Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, o SENAC – Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial e SESI – Serviço Social da Indústria.

Apesar disso, dados do Tribunal Superior Eleitoral mostram que 31,79% do eleitorado araçatubense não possui o primeiro grau completo. Ao total, o município possui registrados 134 971 eleitores, destes 42 911 estão nesta situação. 28 083 eleitores possuem o primeiro grau completo.[68]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Para atendimento da população, estão disponíveis o Pronto Socorro Municipal, Pronto Atendimento São João, Pronto Socorro Odontológico, a Santa Casa de Araçatuba, Hospital da Mulher, o Núcleo de Hemoterapia e Hematologia de Araçatuba (Hemocentro), 17[69] Unidades Básicas de Saúde, Núcleos de Gestão Ambulatorial e o Ambulatório Médico de Especialidades, que atendem pelo Sistema Único de Saúde.

Para serviços de resgate e emergência, conta com com ambulâncias do SAMU (sendo uma de suporte avançado e duas de suporte básico, além das viaturas de transporte comum) com regulação médica no próprio município e do resgate do Corpo de Bombeiros. Possui 2,71 leitos para cada mil habitantes, totalizando 495 lugares.[70]

A Santa Casa de Araçatuba recebeu em 2010, nota 8,79 na Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS realizada no ano anterior.[71]

Até maio de 2010, 1,3 mil moradores faziam tratamento contra a AIDS no município.[72] Desde 1985 até 2010, foram registradas 541 mortes por aids no município.[73]

Em 2010, foi registrado casos de vírus da raiva em animais.[74]

A principal causa de morte no município são as doenças do aparelho circulatório. Em 2009, 206 pessoas morreram devido a este tipo de complicação.[75] Araçatubenses morrem mais de infarto e AVC, seguidos de câncer.

Dados do censo realizado em 2010 pelo IBGE mostram que Araçatuba possui 21% de sua população com algum tipo de deficiência. Em 2000 a taxa era de 13%.[76]

Transporte[editar | editar código-fonte]

Rodoviária de Araçatuba. Foi construída entre 1969 e 1970[77]
Av. dos Fundadores. À esquerda é possível visualizar um ônibus da T.U.A.
Terminal de ônibus em Araçatuba.
Interior do Aeroporto de Araçatuba, Dario Guarita.

Araçatuba apresenta, em sua topologia, relevo predominantemente plano, o que favorece o tráfego de bicicletas, com uma frota de aproximadamente 60 mil unidades, apesar de existir apenas uma ciclofaixa no município.[78]

O centro da cidade, antigamente ocupado pelos trilhos da Rede Ferroviária Federal, deu lugar à Avenida dos Araçás, importante polo econômico e de circulação de automóveis da cidade, onde são realizadas as comemorações de Carnaval, Independência do Brasil e o aniversário do município. Neste mesmo local da cidade existe um terminal de ônibus que centraliza os destinos para diversos bairros da cidade, controlados pela única empresa de transportes urbanos do município, a Transportes Urbanos Araçatuba. Em relação a carros adaptaptados para pessoas com deficiência a proporção em 2010 era de um veículo adaptado para cada grupo de 18,2 mil moradores, perfazendo um total de 10 veículos com adaptação. O total da frota é de um ônibus para cada 4,2 mil habitantes.[79]

Junto ao prédio da administração municipal fica localizada a rodoviária, com diversas empresas rodoviárias, além de pontos de ônibus da TUA, empresa de transportes local. Possui também um aeroporto estadual, o Dario Guarita.

É o terceiro município em número de motos no país, sendo em 2011, um total de 24,6 motos a cada 100 habitantes.[80]

Frota

Frota de14 2306 veículos, em março de 2013.[81]

Tipo de veículo Números (março de 2013)[81]
Automóveis 67416
Caminhões 3599
Caminhonetes 7734
Camionetas 3434
Motocicleta 40139
Motonetas 10795
Ônibus 730
Micro-ônibus 265
Urbano

O município conta com uma única empresa de transportes públicos: A T.U.A. (Transportes Urbanos Araçatuba).

É regulado também o serviço de moto-táxi, onde os moto-taxistas devem utilizar identificação na moto e no colete e a empresa que disponibiliza o serviço deve possuir alvará de funcionamento junto a prefeitura. Existem também bolsões para moto-taxistas independentes. O município foi o primeiro do país a regulamentar o serviço através de lei no ano de 2001.[82]

As rodovias que passam próximo ao município ou o cortam são as rodovias SP-300 - Via Marechal Rondon e SP-463 - Rod. Elyeser Monte Negro Magalhães.

Aéreo

Possui ainda um aeroporto, o "Dario Guarita", que está em quarto lugar no número de movimentação no interior do Estado de São Paulo, atrás dos aeroportos de Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Presidente Prudente. Até agosto de 2011 foram registrados cerca de 75,5 mil passageiros, de voos regulares e não-regulares.[83]

Araçatuba possui duas empresas aéreas em atuação no Aeroporto de Araçatuba, com voos para Campinas e Guarulhos.

Segurança[editar | editar código-fonte]

O ano de 2002 registrou 38 homicídios no município. Em 2005 Araçatuba assinalou 2364 crimes furtos, 28 homicídios e 131 roubos de automóveis.[84] Dados de 2007 revelam a ocorrência de 20 assassinatos, 59% a menos que em 2006 e 2855 crimes de furto.[85] Em relatório divulgado em 2010 pelo Instituto Sangari ocupava a posição 259º dos municípios brasileiros em taxa de homicídios na população de 15 a 24 anos nos municípios com 2.000 ou mais jovens de 15 a 24 anos, apontando uma queda do número total nos últimos anos (2003-2007).[86] Em 2010, no primeiro trimestre, ocupava a 11ª posição em número de homicídios no ranking dos 71 municípios com mais de 100 mil habitantes, mais violentos do Estado.[87] Relátorio total de 2010 indicava Araçatuba como uma das mais violentas da região noroeste, com 26 homicídios.[88]

Com relação a casos de abuso sexual contra crianças, Araçatuba apresentou de acordo com a Secretaria de Ação Social do município 57 casos em 2008 e 72 casos em 2009. Pelas estatísticas o perfil destes menores é o seguinte: em sua maioria são meninas de cor branca, entre 7 e 14 anos.[89]

Em 2011, dados da Secretaria de Segurança pública indicam que ocorreram: 14 homicídios, 54 estupros, 686 roubos, 2439 furtos e 229 furtos de veículos.[90]

De 2000 a 2010 o índice de homicídios em Araçatuba aumentou 19,4%. No Estado esse índice nesse período reduziu-se em 67%.[91] [92]

Homicídios em Araçatuba
Dados do Instituto Sangari (exceto 2002)
Ano N° de homicídios[93]
2000 36
2002 38
2003 24
2004 29
2005 22
2006 17
2007 15
2010 43

No município atuam a Polícia Militar (que conta com apoio de um helicóptero águia), Polícia Civil, Polícia Federal além da Guarda Municipal que atua na orientação do trânsito e na segurança de prédios municipais. A Guarda Municipal existe oficialmente desde desde 1949 e foi criada pelo ex-prefeito Joaquim Geraldo Corrêa. Todavia, sua existência data de 1930 criada provisoriamente pelo ex-prefeito Edgar Joaquim Bastos.[94]

Existe em Araçatuba duas unidades da Fundação Casa que abriga menores infratores.

Serviços e comunicações[editar | editar código-fonte]

O serviço de abastecimento de água da cidade era feito pelo Departamento de Água e Esgotode Araçatuba (DAEA) até 2012. A partir de 10 de novembro de 2012 foi dada concessão para a empresa Soluções Ambientais de Araçatuba (SAMAR) operar o serviço de água e esgoto. No município o serviço de abastecimento de energia é feito pela Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL). Ainda há serviços de internet discada e banda larga (ADSL) sendo oferecido por diversos provedores de acesso grauitos e pagos. O serviço de telefonia móvel é oferecido por diversas operadoras. O código de área (DDD) de Araçatuba é 18.

O município conta ainda com jornais em circulação Folha da Região e O Liberal Regional.

Ainda há emissoras de rádio como: Rádio Cultura FM 95,5 Mhz, Rádio Clube FM 96,3 Mhz, Nossa Rádio FM 91,7 Mhz, Rádio Cultura AM 1340 Khz, Rádio Bandeirantes AM 1210 Khz, Rádio Jovem Lus/Jovem Pan AM 1110 Khz.

A cidade recebe ainda sinal de diversas emisorras de televisão. A que mais espaço dá para falar da cidade é a TV Araçatuba, sintonizada através do canal 21 da NET podendo também ser acessada através do www.tvaracatuba.com Há vários canais nas faixas Very High Frequency (VHF) e Ultra High Frequency (UHF), sendo um dos principais com emissora afiliada na própria cidade a SBT Araçatuba (SBT), além de receber o sinal das emissoras TV Record Rio Preto (Rede Record), o e a TV TEM São José do Rio Preto (Rede Globo) e Band OSP (Rede Bandeirantes)

Etnias[95] [editar | editar código-fonte]

Cor/Etnia Percentagem
Branca 65%
Negra 4,75%
Parda 28,0%
Amarela 2,8%
Indigena 0,1%

Cidades irmãs[editar | editar código-fonte]

Cultura, lazer e comércio[editar | editar código-fonte]

Exposição agropecuária de Araçatuba[editar | editar código-fonte]

Evento tradicional do setor agropecuário, ocorre anualmente no Recinto de Exposições Clibas de Almeida Prado, no mês de julho. É a terceira maior festa deste tipo do Brasil.

Patrimônio histórico[editar | editar código-fonte]

Centro Cultural Ferroviário.
  • Centro Cultural Ferroviário - É um prédio tombado como patrimônio histórico do município e fora erguido na década de 1920. Abrigava uma oficina da NOB (Estrada de Ferro Noroeste do Brasil) e nos tempos modernos foi utilizada como espaço para eventos e feiras. Foi interditado em 2009 por problemas estruturais.[97]
  • Casa de Cultura Professor Adelino Brandão[97]
  • Museu Histórico e Pedagógico Marechal Cândido Rondon, construído em 1921, inicialmente era conhecido como a Casa do Engenheiro pois era residência do engenheiro mestre da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil.[97]
  • Capela Santo Onofre - erguida em 1915.[97]

Esporte[editar | editar código-fonte]

O ano de 1914 é o início das primeiras práticas esportivas da cidade. O América Futebol Clube jogava na Praça Rui Barbosa. Com seu uniforme preto eram conhecidos como urubus. Em 1917 veio a surgir outro time: Esporte Clube Noroeste.

A equipe da Associação Esportiva Araçatuba, a AEA, representou a cidade na primeira divisão do futebol paulista de 1995 a 2000, no ano de 2012 a AEA voltou a Segunda Divisão do Campeonato Paulista de Futebol. No vôlei eram as equipes feminina e masculina do Vôlei Futuro que representavam a cidade, todavia, deixaram de existir em 2012 e 2013 respectivamente.

Música[editar | editar código-fonte]

Em 1915 surgia a banda Progresso de Araçatuba, regida pelo maestro Aquilino Silva, tocava vários tipos de músicas, tais como: dobrados, mazurcas e maxixes. Depois em 1917, veio a surgir a Lira Araçatubense. Um ano após, mais bandas iniciaram suas atividades: uma regida pelo maestro Alcindo Nunes e a banda União Operária de Araçatuba.

No Dia do Trabalho do ano de 1919, essas duas últimas bandas entraram em conflito, os instrumentos musicais foram todos destruídos, mas passado o confronto uniram-se em uma só, sob regência de Zico Seabra.

Atualmente a Fanfarra Municipal de Araçatuba (FAMA), é campeã de concursos nacionais como o Concurso de Bandas Fanfarras da Vila Santa Isabel e 1º lugar para o corpo musical no 1º Concurso Nacional de Fanfarras e Bandas de São Sebastião.[98] No Concurso de Fanfarras de Francisco Morato é hexacampeã.[99]

Eventos e vida noturna[editar | editar código-fonte]

Araçatuba apresenta grandes eventos ao decorrer do ano, em sua maior parte agropecuários tais como a Feicana e a Expô Araçatuba. Existem outros eventos tais como Motofest, Baile do Bixo, Fantoledo, Anime Fever e Festa do Macário Vaca Loca, todas anuais.

Nas noites de final de semana os jovens costumam ir para a Avenida Brasília e arredores, local onde estão presentes restaurantes tradicionais da cidade como o Bola 7, chamado inicialmente de Cantina Jardim Nova Iorque e o Federal, situado do lado da polícia federal.

Além dos citados acima existem também outros locais conhecidos para a vida noturna: relacionado a bares existem o Bar Quattro, Bar Bonifácio, Biergarten, Pub. Restaurantes como o Bola 7, Barracão, San Rafael, Costelaria, pizzaria Dona Amélia, Terra do Boi, Donna Oliva; baladas como Calypso, 727, Lounge e Cervejaria Avenida; e hotéis como Pekin, Ibis, Chamonix, Riviera, Nova York.

Camelódromo de Araçatuba.

Camelódromo[editar | editar código-fonte]

O município de Araçatuba conta com um local destinado para a atividade dos camelôs, o Camelódromo Luiz Carlos Rister. Constituídas de pequenas lojas feitas de alvenaria, o local comercializa desde lanches a aparelhos eletrônicos. Antigamente essa atividade era realizada na Praça Rui Barbosa.

Calçadão, shoppings e cinema[editar | editar código-fonte]

Na rua Oswaldo Cruz, o Fênix era inaugurado em 25 de setembro de 1918. Depois, em 1921, outro cinema surgia na rua Cristiano Olsen, o Cine Ideal. Em 1925, o cine ampliou suas cadeiras de 500 para 700. Também existiu o Cine São Paulo, na rua Princesa Isabel. Hoje existem salas de cinema no Araçatuba Shopping Center, inclusive com a tecnologia 3D.

O chamado calçadão de Araçatuba é o local que concentra densa quantidade de bancos e comércio da cidade. São diversos comércios que oferecem os mais variados serviços. Nesta região também está localizado o Multi Shop Centro de Compras, inaugurado em 1994.[100] Nas proximidades do calçadão existem também supermercados como Cidade Canção e o Rondon.

Na Avenida Joaquim Pompeu de Toledo está localizado o Araçatuba Shopping Center que foi inaugurado em 1995 e possui circulação média de 400 mil pessoas por mês.

Prainha[editar | editar código-fonte]

Aproveitando da água do rio Tietê, a Praia Municipal Milton Camargo, é uma opção de lazer da cidade. Foi criada durante a administração da ex-prefeita Germínia Venturolli.

Biblioteca[editar | editar código-fonte]

Interior da Biblioteca Rubens do Amaral

A Biblioteca Pública Municipal Rubens do Amaral possui além de diversas obras em seu acervo, revistas e registro de todos os jornais da cidade, o Programa Acessa São Paulo que permite que usuários acessem a Internet. Ao total são 62 mil títulos, 20 mil são de literatura infantil.[101]

Museus[editar | editar código-fonte]

Araçatuba possui na atualidade 6 museus. Museu Histórico e Pedagógico Marechal Cândido Rondon; Museu do Som, Imagem e Comunicação; Museu Rintaro Takahashi; Museu de Arte Infantojuvenil; Museu do Siran e Museu de Artes Plásticas.

O Museu Histórico e Pedagógico Marechal Cândido Rondon localizado na antiga casa do engenheiro da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil (NOB), na rua Quinze de Novembro, o único museu da cidade aberto constantemente e sem necessidade de agenda prévia, reúne peças de valor histórico da ocupação de Araçatuba. O acervo possui aproximadamente de 8 mil peças:[102] móveis, objetos pessoais, ferramentas e equipamentos utilizados nas ferrovias que motivaram a ocupação da região, roupas, selos, moedas, cédulas, fotos, documentos etc. Os objetos foram cedidos pelos descendentes das famílias dos pioneiros da construção de Araçatuba. Recebe em torno de 500 a 800 visitantes por mês.[103] Possui uma área total de 447,95 m² com salas para exposições temporárias e foi tombado pelos órgãos competentes em 1994.[104]

O Museu do Som e Imagem mantido pela Universidade Aberta da Melhor Idade Inaugurado em 5 de maio de 2004, possui em seu acervo diversos equipamentos como máquinas de calcular, instrumentos musicais, máquinas fotográficas, máquinas de escrever antigas, projetores de cinema, vitrolas, etc. Existe também o Monumento à Imprensa Genilson Senche, uma máquina linotipo da marca Lino-Tapy, de 1942, feita em Nova York.

Já o Museu Rintaro Takahashi, de origem particular e inaugurado em 2005, possui aproximadamente 2 mil peças que mostra a história dos primeiros desbravadores da região e dos índios. Também é possível encontrar fósseis, pedras de distintas épocas geológicas, objetos da cultura japonesa entre outros.

Panorama da Av. Joaquim Pompeu de Toledo em cruzamento com a Av. Brasília em Araçatuba. Porta de entrada do município, onde nas proximidades estão diversos restaurantes, bares, hotéis, redes de fastfood, o Araçatuba Shopping Center, casas noturnas e a Rodoviária. O trecho da Av. Pompeu de Toledo é utilizada para a prática de esportes e a noite, a Av. Brasília é ocupada tradicionalmente por jovens. Esta região é também um ponto de encontro dos araçatubenses em dias de jogos de futebol importantes.[105]

Administração[editar | editar código-fonte]

Vereadores de Araçatuba da Gestão 2013/2016
Nome Partido
Claudino PRB
Cido Saraiva PMDB
Papinha PSB
Beatriz PT
Edna Flor PPS
Claudio PMN
Arlindo Araújo PPS
Tieza PSDB
Carlinhos PDT
Jaime PTB
Nava PSD
Gilberto Mantovani PR
Em negrito está o presidente da câmara


Vultos e personalidades[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]


  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. Distância entre Araçatuba e o centro da cidade de São Paulo. Google Maps. Página visitada em 21 de junho de 2012.
  3. a b c Censo Populacional 2010 - IBGE (PDF). IBGE.gov.br. Página visitada em 18 de setembro de 2011.
  4. Ranking do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 30 de julho de 2013.
  5. Folha da Região. http://www.folhadaregiao.com.br/Materia.php?id=322653. Acesso em 18 de dezembro de 2013
  6. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas IBGE_PIB
  7. "Câmara se reúne e decide: cupim é prato típico de Araçatuba". Folha da Região.
  8. Investimento na gastronomia chega a R$ 8 mi em Araçatuba. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 28 de abril de 2010.
  9. TVTEM. Histórico. Globo.com. Tvtem.globo.com. Página visitada em 28 de abril de 2010.
  10. Folha da Região. Captação de água do Tietê aumenta em 8% oferta de água em Araçatuba. Acesso em 15 de junho de 2013.
  11. Moradores de Aracatuba vão beber água do Tiete. Povos Indígenas no Brasil. Pib.socioambiental.org. Página visitada em 28 de abril de 2010.
  12. Um gigante guarani escondido sob quatro países. ECA/USP. Eca.usp.br. Página visitada em 28 de abril de 2010.
  13. Estação de Tratamento. DAEA. Daea.com.br. Página visitada em 28 de abril de 2010.
  14. Lula assina contrato para estaleiro em Araçatuba. Portos e Navios. Portosenavios.com.br. Página visitada em 25 de novembro de 2010.
  15. Reunião avalia impacto do estaleiro em Araçatuba. O Liberal (17 de fevereiro de 2011). Página visitada em 3 de junho de 2011.
  16. Araçatuba recebe o Prêmio ‘100 Cidades Mais Sustentáveis’. LR1 (17 de novembro de 2011). Página visitada em 17 de novembro de 2011.
  17. Folha da Região. Terminal de etanol em Araçatuba é adiado para 2015. Acesso em 19 de agosto de 2013
  18. Folha da Região. Renda per capita: Birigui é apenas oitavo na região. Acesso em 30 de dezembro de 2013
  19. Folha da Região. Especialista aponta erros em bandeiras de Araçatuba. Acesso em 25 de junho de 2013
  20. Folha da Região. Hino de Araçatuba é pouco conhecido. Acesso em 25 de junho de 2012
  21. Araçatuba. Todafruta.com.br. Página visitada em 28 de abril de 2010.
  22. NAVARRO, E. A. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. 3ª edição. São Paulo. Global. 2005. p. 56.
  23. Feicana. Araçatuba. www.feicana.com.br. Página visitada em 16 de novembro de 2008.
  24. BUENO, E. Brasil: uma história. Segunda edição revista. São Paulo. Ática. 2003. p. 282.
  25. Descargas atmosféricas. ELAT - IMPE. Inpe.br. Página visitada em 28 de abril de 2010.
  26. Raio mata avó e neta em Araçatuba. G1. Página visitada em 28 de abril de 2010.
  27. ELAT. Descargas atmosféricas. Inpe.br. Página visitada em 27 de abril de 2011.
  28. Folha da Região. 40% de raios em Araçatuba caem durante janeiro e fevereiro. Acesso em 27 de janeiro de 2014
  29. a b Temperatura Mínima Absoluta (°C). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 6 de junho de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014.
  30. a b Temperatura Máxima Absoluta (°C). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 6 de junho de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014.
  31. Máximo Absoluto de Precipitação Acumulada (mm). Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 6 de junho de 2014. Cópia arquivada em 8 de maio de 2014.
  32. Temperatura Média Compensada (°C). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 6 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  33. Temperatura Máxima (°C). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 6 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  34. Temperatura Mínima (°C). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 6 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  35. Precipitação Acumulada Mensal e Anual (mm). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 6 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  36. Número de Dias com Precipitação Maior ou Igual a 1 mm (dias). Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 6 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  37. Insolação Total (horas). Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 6 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  38. Umidade Relativa do Ar Média Compensada (%). Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 6 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  39. Araçatuba está próxima da saturação por ozônio. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 18 de junho de 2010.
  40. Sérgio, TEIXEIRA (29 de setembro de 2011). Ar de Araçatuba é o terceiro pior do Estado, diz relatório. Folha da Região. Página visitada em 30 de setembro de 2011.
  41. SAMAR. [1]. Acesso em 18 de janeiro de 2013
  42. Nascente do Baguaçu é cercada e recebe mudas. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 1 de junho de 2010.
  43. Ribeirão Baguaçu. DAEA. Daea.com.br. Página visitada em 18 de janeiro de 2010.
  44. Poços profundos. DAEA. Daea.com.br. Página visitada em 18 de janeiro de 2010.
  45. SAMAR. Reservatórios. Acesso em 18 de janeiro de 2013
  46. Departamento de Água e Esgoto de Araçatuba, água do Tietê. Daea.com.br. Página visitada em 18 de novembro de 2008.
  47. LR1. Araçatuba preserva mananciais com abastecimento de água do rio Tietê. Acesso em 15 de junho de 2013.
  48. Folha da Região. Mina d'água na estrada Boiadeira tem fila para encher galões. Acesso em 16 de junho de 2013
  49. Folha da Região. Araçatuba perda uma Birigui de água tratada em umm ano. Acesso em 22 de março de 2013
  50. Folha da Região. Água subterrânea de Araçatuba continua contaminada em 8 áreas. Acesso 6 de junho de 2014.
  51. Confederacão Nacional dos Municípios (CNM). Demografia - População Total. Cnm.org.br. Página visitada em 6 de abril de 2011.
  52. GALCINO, Aline (6 de agosto de 2011). Censo 2010: 14% das casas têm apenas um morador. Folha da Região. Página visitada em 7 de agosto de 2011.
  53. Atlas Brasil. / èrfildo Município de Araçatuba. Acesso em 30 de julho de 2013
  54. Senado aprova acordo com o Vaticano. Globo.com (8 de outubro de 2009). Página visitada em 2 de abril de 2010.
  55. Fernando Fonseca de Queiroz (Outubro de 2005). Brasil: Estado laico e a inconstitucionalidade da existência de símbolos religiosos em prédios públicos. Universo Online. Jus Navigandi. Página visitada em 2 de abril de 2010.
  56. Religião. Mai.org.br. Página visitada em 11 de abril de 2010.
  57. a b c d e f g h i Coleção Araçatuba 100 anos, fascículo 13. Encarte disponibilizado pelo Jornal Folha da Região em Out de 2008.
  58. Araçatuba é 29ª no Estado em número de empresas. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 4 de junho de 2010.
  59. POTENCIAL DE CONSUMO CRESCE 18% ESTE ANO EM ARAÇATUBA. Araçatuba: Folha da Região. A4. 4 de maio de 2010. Diário.
  60. Folha da Região. Potencial de consumo de Araçatuba será de R$ 3,1 bi. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 4 de maio de 2011.
  61. ARAÇATUBA TEM POTENCIAL EM TODOS OS SEGUIMENTOS. Araçatuba: Folha da Região. A4. 11 de maio de 2010. Diário.
  62. a b Potencialidades. Investe São Paulo. Página visitada em 11 de maio de 2010.
  63. Região mantém saldo positivo na geração de empregos. O Liberal Regional. Lr1.com.br. Página visitada em 20 de maio de 2010.
  64. Araçatuba bate recorde na criação de novos empregos. Folhadaregiao.com.br.
  65. Folha da Região. Mais empresas contratam deficientes na região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 27 de abril de 2011.
  66. Araçatuba tem projeto de etanol com estatal. PROTEFER. Protefer.com. Página visitada em 24 de novembro de 2009.
  67. TEIXEIRA, Sérgio (6 de novembro de 2011). Produção de banana cresce 210,6% em Araçatuba nos últimos 5 anos. Folha da Região. Página visitada em 7 de novembro de 2011.
  68. LR1. Mais de 31% de eleitores não têm ensino básico completo em Araçatuba. Lr1.com.br. Página visitada em 19 de agosto de 2010.
  69. LR1. Prefeitura abre licitações para construção de três novas UBSs em Araçatuba . Acesso em 9 de abril de 2014
  70. BUENO, Monique (2 de maio de 2012). Araçatuba perde 94 leitos hospitalares em dez anos. Folha da Região. Página visitada em 3 de maio de 2012.
  71. Santa Casa obtém nota 8,79 em avaliação estadual. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 23 de julho de 2010.
  72. Medicamentos contra AIDS estão em falta na cidade. Folha da Região. Página visitada em 20 de maio de 2010.
  73. Aids matou 541 pessoas em Araçatuba em 27 anos. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 17 de maio de 2012.
  74. Cidade tem primeiro caso de raiva após 14 anos. Folha da Região. Página visitada em 8 de julho de 2010.
  75. AVC faz mais vítimas do que o câncer na região. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 21 de novembro de 2010.
  76. TEIXEIRA, Sergio (28 de abril de 2012). Deficientes são 21% da população de Araçatuba, diz IBGE (em português). Folha da Região. Página visitada em 28 de abril de 2012.
  77. O Liberal. Depois de quase 40 anos de construção, rodoviária terá os banheiros reformados. Lr1.com.br. Página visitada em 17 de maio de 2011.
  78. LR1. Reunião pública discutirá hoje o sistema cicloviário de Araçatuba. Acesso em 23 de outubro de 2013
  79. Municípios têm mais de uma empresa. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 9 de maio de 2010.
  80. FONSECA, Eduardo (13 de julho de 2011). Araçatuba e Birigui são terceira e quarta cidades no Brasil com maior número de motos. Lr1.com.br. Página visitada em 13 de julho de 2011.
  81. a b Frota de Veículos - Denatran - Março/2013 (zip). Denatran.gov.br. Página visitada em 7 de julho de 2013.
  82. Interior fará adaptações e litoral estuda motofrete. IG. Ultimosegundo.ig.com.br. Página visitada em 15 de maio de 2010.
  83. Movimento no aeroporto de Araçatuba aumenta 51%. Folha da Região de Araçatuba. Folhadaregiao.com.br (16 de setembro de 2011). Página visitada em 22 de setembro de 2011.
  84. Polícia registra queda da criminalidade na região. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 28 de abril de 2010.
  85. Assassinatos caem 59% em Araçatuba. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 28 de abril de 2010.
  86. Instituto Sangari. Mapa da Violência 2010 - Anatomia dos municípios brasileiros (PDF). Institutosangari.org.br. Página visitada em 29 de abril de 2010.
  87. Araçatuba ocupa a 11ª posição em homicídios. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 8 de maio de 2010.
  88. Cresce número de homicídios na região de Araçatuba. Tn.temmais.com.
  89. CASOS DE ABUSO SEXUAL CRESCEM 26% EM UM ANO. Araçatuba: Folha da Região. 18 de maio de 2010. A7. Diário.
  90. BELEI, Marina (28 de dezembro de 2011). Araçatuba: sem homicídios, mas com alta de roubos. Folha da Região. Página visitada em 28 de dezembro de 2011.
  91. SOUZA, Helton. Número de homicídios aumenta 19% em Araçatuba. Folha da Região. Página visitada em 16 de dezembro de 2011.
  92. O número pode divergir de acordo com a fonte.
  93. Waiselfisz, Júlio Jacob. Mapa da Violência 2010 - Anatomia dos Homicídios no Brasil. Instituto Sangari. 2010.
  94. Guarda Municipal de Araçatuba comemora 56 anos. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 28 de abril de 2010.
  95. 4,75% dos araçatubenses se dizem pretos, diz Censo 2010. Folhadaregiao.com.br.
  96. [2]. Lr1.com.br.
  97. a b c d GOMES, Arnon (23 de março de 2009). Patrimônio histórico de Araçatuba pede atenção. Folha da Região. Página visitada em 25 de novembro de 2011.
  98. Fanfarra de Araçatuba conquista três prêmios em campeonato. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 20 de maio de 2010.
  99. Fama é hexa em maior concurso do País. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 3 de junho de 2010.
  100. Multishop deve inaugurar nova área em novembro. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 28 de abril de 2010.
  101. Para criar uma cidade de leitores. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 26 de maio de 2010.
  102. CityBrazil. Atrações turísticas. Universo Online. Citybrazil.uol.com.br. Página visitada em 2 de maio de 2010.
  103. Museu resgata a história de Araçatuba e da região. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 2 de maio de 2010.
  104. Guia de Museus Brasileiros. Universidade de São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. Books.google.com (2008).
  105. PM registra acidentes e recolhe veículo durante comemoração. Folha da Região. Folhadaregiao.com.br. Página visitada em 21 de junho de 2010.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Araçatuba