Itapevi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Itapevi
"Cidade esperança"
Centro de Itapevi

Centro de Itapevi
Bandeira de Itapevi
Brasão de Itapevi
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 18 de fevereiro
Fundação 1959 (53 anos)
Gentílico itapeviense
Lema Labor et progressum
"Trabalho e progresso"
Prefeito(a) Jaci Tadeu (PV)
(2013–2016)
Localização
Localização de Itapevi
Localização de Itapevi em São Paulo
Itapevi está localizado em: Brasil
Itapevi
Localização de Itapevi no Brasil
23° 32' 56" S 46° 56' 02" O23° 32' 56" S 46° 56' 02" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Metropolitana de São Paulo IBGE/2008 [1]
Microrregião Osasco IBGE/2008 [1]
Região metropolitana São Paulo
Municípios limítrofes Oeste: São Roque;
Norte: Santana de Parnaíba;
Nordeste: Barueri;
Leste: Jandira;
Sul: Cotia
Sudoeste: Vargem Grande Paulista.
Distância até a capital 35 km[2]
Características geográficas
Área 82,659 km² [3]
População 200 874 hab. (SP: 39º) –  Censo IBGE/2010[4]
Densidade 2 430,15 hab./km²
Altitude 741 m
Clima subtropical Cfa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,735 alto PNUD/2010 [5]
PIB R$ 2 731 108,624 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 13 520,67 IBGE/2008[6]
Página oficial

Itapevi é um município da Microrregião de Osasco, situado na Região Metropolitana de São Paulo, no estado de São Paulo (Brasil). Localiza-se a 35 quilômetros da Praça da Sé, marco zero da capital paulista. Também é conhecida como "cidade dos telhados novos", "cidade das rosas", ou como pode-se ler na parede da estação de trem do municipío, "cidade esperança".

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O topônimo Itapevi vem do Tupi e significa "Rio de Pedras Chatas", conforme o "Vocabulário Tupi-Guarani - Português", do Prof. Silveira Bueno (Brasilivros Editora), e "A Origem dos Nomes dos Municípios Paulistas" (Imprensa Oficial do estado de São Paulo, 2003), de Enio Squeff e Helder Perri Ferreira.

Diz o verbete constante da última obra: "ITAPEVI (do tupi, itá-peb'y): Rio das itapevas, rio das lajes, das pedras chatas, de itá-peba (pedra chata, laje) e 'y (rio, águas)".

História[editar | editar código-fonte]

A formação do vilarejo começou por volta de do século XVIII, existindo no município uma casa bandeirista construída por volta de 1720. A família mais antiga, provavelmente, é dos Abreu.

Em 10 de julho de 1875 foi inaugurada a Estação de Cotia da Estrada de Ferro Sorocabana (EFS), em torno da qual se formou o núcleo central de Itapevi. Na verdade, não passada de uma parada, uma pequena plataforma coberta de telhas.

Em 1895, o italiano Giulio Michaeli abriu uma pedreira para a produção de paralelepípedos, atraindo famílias de imigrantes italianos, como os Belli, Michelotti e Silicani.

Em 1912, Joaquim Nunes Filho, o "Nhô Quim", de Cotia, adquiriu o Sítio Itapevi, com 152 alqueires, que cobria todo o atual centro da cidade, e tornou-se chefe político local, por suas ligações com o antigo PRP (Partido Republicano Paulista). Ele conseguiu, por exemplo, a elevação do vilarejo a distrito de Cotia, em 12 de outubro de 1920; a energia elétrica (1929); e a instalação do primeiro telefone (1930).

Apesar disso a referência da cidade ainda continuava sob o nome de estação Cotia tirando a possibilidade de identificação própria do local.

Em 1940 chegava em Itapevi o empresário Carlos de Castro que, sabendo que a familía Nunes tinham pretenções de vender as terras que pertenceram a Joaquim Nunes (que falecera em 1941) adquiriu vasta gleba de terra, dando origem ao loteamento do Parque Suburbano e Jardim Bela Vista. Foi a partir daí que se acelerou o processo de urbanização do local.

Com a estação ainda com o nome de Cotia e a própria sede do município chamada de Vila Cotia, criavam-se enormes confusões notadamente ao serviço de correios e telegramas para que as correspondências e pessoas localizassem os endereços em Itapevi. Em 1945, Carlos de Castro conseguiu com o então ministro João Alberto que a estação tivesse seu nome alterado para Itapevi, com festa para a população.

No dia 10 de maio de 1952, Carlos de Castro reuniu-se com outros três moradores do distrito: Nicolau, Leonardo, Raul Leonardo e Ezequiel Dias Siqueira e, juntos elaboraram um abaixo-assinado pleiteando à Assembleia Legislativa de São Paulo a emancipação do distrito, com mais de mil assinaturas mas, mesmo assim, foram derrotados pelo fato de Itapevi ser muito próximo de Cotia e de que havia moradores em débito com a prefeitura. Deveriam esperar 5 anos para que o projeto fosse novamente votado. A partir daí e já dentro de um espírito emancipacionista presente por toda região, integrantes da sociedade da época iniciaram o movimento de autonomia do distrito, fazendo a população se empenhar em massa no processo. Seus idealizadores eram homens como o próprio Carlos de Castro, Américo Christianini, Cezário de Abreu, Bonifácio de Abreu, Rubens Caramez (então vereador de Cotia e que depois se tornaria o primeiro prefeito de Itapevi), Raul Leonardo (um dos 2 emancipadores ainda vivos. Com 83 anos divide o titúlo com Antônio Pedra Pereira de 80 anos), José dos Santos Novaes, Antônio Pedra de Pereira e tantos outros.

No plebiscito realizado em 1958, cerca de novecentas pessoas optaram pela emancipação, contra apenas trinta que não desejavam a autonomia. Naquele mesmo ano foi formalizada pelo governador Jânio Quadros a lei que criava o município de Itapevi instalado oficialmente só no ano seguinte em 18 de Fevereiro de 1959 pelo governador Carvalho Pinto. Seu primeiro prefeito foi Rubens Caramez que venceu às eleições contra Carlos de Castro.

Política[editar | editar código-fonte]

O Poder Executivo é atualmente exercido pelo prefeito Jaci Tadeu da Silva (PV) - eleito em 2012 com mandato até 2016), pelo vice-prefeito Fláudio Azevedo Limas (PT) e pelos secretários municipais nomeados pelo prefeito (atual secretário de Governo: Pedro Tomishigue Mori).

Lista de prefeitos de Itapevi
  • Rubens Caramez (1960-1964) vice: Romeu Manfrinatto
  • Romeu Manfrinatto (1965-1968) vice: Pedro de Oliveira e Silva
  • Osmar de Souza (1969-1972) vice: Dorival de Oliveira
  • Romeu Manfrinatto (1973-1976) vice: Claro Camargo Ribeiro
  • Jurandir Salvarani (1977-1982) vice: João Caramez
  • Silas Manoel de Oliveira (1983-1988) vice: Elias de Souza
  • Jurandir Salvarani (1989-1992) vice: Ramiro Eleutério Novaes
  • João Caramez (1993-1996) vice: Lázaro Toledo Queiroz Filho
  • Sérgio Montanheiro (1997-2000) vice: José Francisco de Oliveira
  • Dalvani Anália Nasi Caramez (2001-2004) vice: Lineu Alberto Góis
  • Maria Ruth Banholzer (2005-2008) vice: Jaci Tadeu da Silva
  • Maria Ruth Banholzer (2009-2012) vice: Jaci Tadeu da Silva
  • Jaci Tadeu da Silva (2013-2016) vice: Fláudio Azevedo Limas

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Vista parcial de Itapevi

O município se localiza nas coordenadas 23°32'56" S, 46°56'03" W. Está limitado pelo município de Santana de Parnaíba ao norte e noroeste, Barueri a nordeste, Jandira a leste, Cotia ao sul e sudeste, Vargem Grande Paulista a sudoeste e São Roque a oeste.

Itapevi encontra-se sob o domínio do Planalto Atlântico, onde podemos verificar os seguintes tipos de relevo: várzeas, planícies aluviais, colinas, morros e serras. A Serra do Itaqui estende-se ao longo do limite com o município de Santana de Parnaíba, onde se encontra a região de Aldeia da Serra. O marco zero da cidade está situado 35 quilômetros a oeste da capital paulista, e o atual centro urbano se localiza na várzea do rio Barueri-Mirim, afluente do rio Tietê.

A altitude varia entre 740m no centro da cidade, junto ao leito do rio Barueri-mirim, à aproximadamente 1035m no alto da Serra do Itaqui, na divisa com o município de Santana de Parnaíba (Aldeia da Serra).

Por sua condição geográfica e climática, Itapevi apresenta resquícios de cobertura vegetal primitiva nativa representada pela Floresta Ombrófila Densa (Mata Atlântica), além de fragmentos da Floresta Ombrófila Mista (Mata de Araucárias). Com a expansão populacional e industrial do município nas últimas décadas, infelizmente, essas duas coberturas vegetais sofreram grandes perdas.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima de Itapevi é considerado subtropical (tipo Cfa segundo Köppen), com diminuição de chuvas no inverno e temperatura média anual de 18 °C, tendo invernos brandos e verões com temperaturas moderadamente altas. O mês mais quente, fevereiro, tem temperatura média de 23 °C e o mês mais frio, julho, de 14 °C.

A precipitação anual média é de 1.324 mm, concentrados principalmente no verão. As estações do ano são relativamente bem definidas: o inverno é ameno e subseco, e o verão, moderadamente quente e chuvoso. Outono e primavera são estações de transição. Geadas ocorrem esporadicamente em regiões mais afastadas do centro todos os anos, e, em invernos rigorosos, em todo o município (incluindo a região central).

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Itapevi, São Paulo - Brasil Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 28,6 28,6 28,2 26,2 24,2 23,0 23,1 24,9 25,9 26,6 27,4 27,6 26,2
Temperatura mínima média (°C) 17,5 17,8 16,9 14,2 11,5 9,9 9,3 10,5 12,5 14,2 15,3 16,7 13,9
Precipitação (mm) 218,0 184,7 157,4 68,0 69,3 55,9 42,2 37,3 82,6 113,9 133,9 160,8 1 324,0
Fonte: [7] julho 2010

Economia[editar | editar código-fonte]

O município de Itapevi concentra quase toda a sua população na área urbana, tendo, portanto, uma reduzida atividade agropecuária.

A Revista Exame apontou Itapevi entre as 10 cidades com melhor desenvolvimento econômico no país, e como a primeira no Estado de São Paulo. O ranking é parte da reportagem 'As melhores cidades para os negócios'.[8]

Itapevi conta com um parque industrial bem diversificado, com destaque para a indústria farmacêutica. Grandes empresas estão instaladas dentro do município, tais como: Henkel, Jaraguá, Cacau Show, Casa Suíça, Eurofarma, Alpla, Wyeth, Blanver, Bomi Brasil e New Italian.

Entre os anos 60 e 80, uma das principais indústrias era a Fábrica de Cimento Santa Rita, hoje pertencente ao Grupo Votorantim e desativada.[9]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional[11]
1960 1970 1980 1991 1996 2000 2010
10.041 27.569 53.441 107.983 133.523 162.433 200.874

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Saúde
Educação

Por volta dos anos 80, a Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo - COHAB, lança o Conjunto Habitacional Presidente Tancredo Neves, aumentando a densidade demográfica da cidade. E nos anos 90, a cidade recebeu mais três conjuntos habitacionais, estes feitos pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano - CDHU, do governo estadual. Com isso, houve forte migração para a cidade.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Um dos primeiros novos trens para a Linha 8-Diamante da CPTM (que serve à extensão operacional da Linha 8 - Itapevi↔Julio Prestes).

O município é servido pelos trens da linha 8 da CPTM, antigo Tronco Oeste da Sorocabana. São duas estações na linha principal e mais três paradas na extensão operacional (em obras), atualmente servidas por ônibus gratuitos da Benfica BBTT (reinauguração da extensão operacional prevista para 2013):

Está prevista a entrega da obra de um corredor de ônibus ligando Itapevi a Cotia entre o final de 2015 e o início de 2016. Chamado de BRT Metropolitano, o corredor de 9,4 quilômetros de extensão fará a ligação do centro de Cotia até Itapevi pela Estrada da Roselândia e vai conectar ainda a rodovia Raposo Tavares ao futuro Corredor Metropolitano Itapevi - São Paulo (Butantã). O corredor também envolve uma ciclovia entre a estação de transferência de Itapevi e divisa com Cotia, sendo uma faixa exclusiva para ciclistas com 2,8 quilômetros de extensão e 6,34 quilômetros de ciclovia compartilhada com o calçamento.[12]

As linhas municipais de ônibus atualmente estão sob concessão da empresa de ônibus Benfica BBTT.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

As duas principais rodovias que passam por Itapevi e ligam a cidade a outros pontos do país são à Rodovia Castello Branco (SP-280) e Rodovia Raposo Tavares (SP-270).

Entre essas duas importantes rodovias que cortam o município nos seus extremos norte e sul, há uma via de ligação chamada SP-29 (Coronel PM Nelson Tranchesi).

Além desta via, há uma outra rodovia que corta a cidade de leste à oeste, até chegar à Rodovia Raposo Tavares, já em São Roque (Mailasqui), chamada (SP-274). Dentro de Itapevi ela é conhecida como Rodovia Eng. Renê Benedito Silva.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. Distâncias entre a cidade de São Paulo e todas as cidades do interior paulista. Página visitada em 26 de janeiro de 2011.
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 de fevereiro de 2013.
  4. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 31 de julho de 2013.
  6. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  7. Título não preenchido, favor adicionar (em (em inglês)).
  8. Itapevi está entre as 10 cidades com melhor desenvolvimento econômico no país, aponta Revista Exame. ItapeviNotícias. Página visitada em 7 de junho de 2014.
  9. http://www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq000/esp353.asp
  10. a b c d e f g h SEADE e IBGE
  11. IBAM e IBGE
  12. Corredor de ônibus BRT Metropolitano vai ligar Itapevi ao Terminal de Cotia. Webdiário. Página visitada em 10 de junho de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]