Jaú

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Jaú
"Capital do Calçado Feminino"
"Coração de São Paulo"
"Capital da Terra Roxa"
Vista parcial do Centro de Jaú

Vista parcial do Centro de Jaú
Bandeira de Jaú
Brasão de Jaú
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 15 de agosto de 1853 (160 anos)
Gentílico jauense
Lema Ibicá re ig
"Rio que leva para a terra boa"
Prefeito(a) Rafael Lunardelli Agostini (PT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Jaú
Localização de Jaú em São Paulo
Jaú está localizado em: Brasil
Jaú
Localização de Jaú no Brasil
22° 17' 45" S 48° 33' 28" O22° 17' 45" S 48° 33' 28" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Bauru IBGE/2008 [1]
Microrregião Jaú IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Bocaina, Dourado, Dois Córregos, Pederneiras, Itapuí, Bariri, Barra Bonita, Mineiros do Tietê e Macatuba
Distância até a capital 296 km
Características geográficas
Área 688,337 km² [2]
População 131 068 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 190,41 hab./km²
Altitude 541 m
Clima tropical Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,819 muito alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 1 556 456,687 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 11 661,56 IBGE/2008[5]
Página oficial

Jaú[nota 1] é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se na região central do estado, à latitude 22º17'44" sul e à longitude 48º33'28" oeste, a 541 metros de altitude e a 296 km da capital do estado.

Sua população é estimada em 131.068 habitantes segundo o Censo IBGE/2010.[3]

O município é um importante polo de desenvolvimento industrial e agrícola, destacando-se pela quantidade de fábricas de sapatos femininos, sendo conhecida como a capital do calçado feminino. Servida por vários sistemas rodoviário e ferroviário, Jaú conta com unidades de grandes empresas, dentre as quais Camargo Corrêa, Votorantim Cimentos e Raízen.

História[editar | editar código-fonte]

Matriz de Nossa Senhora do Patrocínio e Prefeitura em 1920.

Os bandeirantes que seguiam pelo rio Tietê, pescavam um peixe chamado Jaú, na foz de um ribeirão. O local, desde então, ficou conhecido como Barra do Ribeirão do Jaú. Motivados pela excelente qualidade da terra roxa, abundante na região, os primeiros habitantes oriundos de Itu, Porto Feliz, Capivari e do sul de Minas Gerais, aí se fixaram com suas famílias.

A fundação data de 15 de agosto de 1853, quando alguns moradores da região decidiram organizar uma comissão composta pelos cidadãos Bento Manoel de Moraes Navarro, capitão José Ribeiro de Camargo, tenente Manoel Joaquim Lopes e Francisco Gomes Botão para tratar da fundação do povoado. Por proposta de Bento Manoel de Moraes Navarro o povoado foi fundado sob a égide de Nossa Senhora do Patrocínio, tendo, inclusive, Bento Manoel mandado entalhar em Itu a imagem da referida santa, ofertando-a á sociedade local.

Depois de vários estudos, ficou decidido em uma reunião realizada na residência de Lúcio de Arruda Leme (localizada onde hoje se encontram as ruas Edgard Ferraz e Amaral Gurgel) que seria erguido um povoado na área de 40 alqueires, doados em partes iguais por Francisco Gomes Botão e tenente Manoel Joaquim Lopes. Estas terras eram aquelas compreendidas entre a margem esquerda do rio Jaú e a do Córrego da Figueira. Em 8 de abril de 1857, a lei nº 25 incorporou os Bairros de Tietê, Curralinho e Jacareí. A lei nº 11 de 24 de março de 1859 elevou a capela do Jaú no município de Brotas, à freguesia, a qual por sua vez foi elevada à vila pela lei nº 60 de 23 de abril de 1866 e em 15 de abril de 1868 é criado o Termo de Jaú, sedo o seu primeiro Juiz Municipal Antônio Ferreira Dias e primeiro delegado de polícia, o tenente Antônio Manoel de Moraes Navarro - filho de Bento Manoel de Moraes Navarro.

É elevado à categoria de município pela lei nº 6, de 6 de fevereiro de 1889.

O fato de o município estar situado em uma região de terra roxa, que possui uma alta fertilidade, contribuiu para que Jaú se tornasse um dos principais centros produtores de café do Estado de São Paulo e do país.

Rua Humaitá, embarque de café.

Por volta de 1870 a cultura cafeeira no município de Jaú solidificou-se, proporcionando o surgimento de uma elite de ricos fazendeiros. Com a chegada da "Companhia Estrada de Ferro do Rio Claro" (The Rio Claro Railway), em 1887, o escoamento da produção foi facilitada e as exportações cresceram vertiginosamente. De acordo com o relatório estatístico da mencionada companhia

Cquote1.svg Jaú foi o município que liderou os embarques de café, para o Porto de Santos, no litoral paulista, desde 1895, gerando para a companhia ferroviária maior receita de carga, dentre os principais municípios produtores. Cquote2.svg

[carece de fontes?]

Em 1907 segundo dados da "Companhia Paulista de Estradas de Ferro" o município de Jaú, o mais rico e maior produtor de café da Zona da Paulista, ocupava o primeiro lugar nas estações da Companhia, tornando-se o centro produtor que mais exportava café em todo o mundo.

Cruzamento da Rua Major Prado com a Rua Amaral Gurgel em 1925.

Com essa rápida evolução econômica a população aumentou e em 1900, a população totalizava cerca de 36.000 habitantes, com um aumento de 7,5%, tornando-se o oitavo município mais populoso do Estado de São Paulo, e a quinta maior comarca.

A riqueza obtida pela produção do café fez com que Jaú se tornasse um dos mais ricos municípios de todo o Estado, sendo importante ressaltar que naquela época Jaú, Ribeirão Preto e Campinas eram os únicos municípios do interior paulista a ter o privilégio de possuir calçamento urbano. Em 28 de setembro de 1901 deu-se a inauguração da "Companhia de Força e Luz do Jaú", sendo o quarto município do país a ter o benefício da luz elétrica.

Outros fatos interessantes que demonstram a riqueza vivida pelos fazendeiros na época era a importação de mão de obra especializada para a construção de grandes palacetes e que no ano de 1922 o número médio de chamadas por aparelho telefônico em Jaú superava as centrais de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Rua Major Prado em 1930.
Cquote1.svg O grande desenvolvimento econômico proporcionado pelo café, fez com que o município de Jaú ganhasse o título de “Capital da Terra Roxa”. Na época, os antigos fazendeiros queriam evidenciar a tamanha prosperidade do município de alguma forma e para isso, começaram a realizar construções suntuosas, que hoje formam o patrimônio arquitetônico do município:[...] o café mudaria para sempre também a paisagem urbana, dotando o município de toda a beleza arquitetônica que mistura vários estilos e que identifica de maneira original nosso meio ambiente urbano. Realmente foi graças ao glorioso período cafeeiro que Jaú acumulou um expressivo patrimônio arquitetônico. Naquela época foram construídos os edifícios mais importantes do município. Cquote2.svg

[carece de fontes?] (LEVORATO, 2003, p. 80)[necessário verificar]

Cquote1.svg Na década de 1929, com a crise econômica e a depressão mundial, o império cafeeiro perde rapidamente seu esplendor e glória. Os preços se aviltam e os fazendeiros, rapidamente, vão abandonando a cultura que lhes rendeu por tanto tempo, prestígio e riqueza. Cquote2.svg

(CLARO, 1998, p. 26).[necessário verificar]

Casas Pernambucanas na Rua Major Prado em 1920.

Símbolos cívicos[editar | editar código-fonte]

Bandeira[editar | editar código-fonte]

Sextavada, sendo os quartéis de tralha e da ponta nas cores alternadas de vermelho e branco e os das laterais de azul, constituídos por seis faixas amarelas, disposta duas a duas no sentido horizontal, em banda e em barra e que partem de um círculo amarelo central onde o Brasão do município é aplicado, com a simbologia das cores, a saber:

  • Amarelo - Riqueza, glória, esplendor e mando
  • Azul - Justiça, nobreza, perseverança, zelo e lealdade
  • Vermelho - Audácia, coragem, valentia e intrepidez
  • Branco - Paz, trabalho, religiosidade, amizade e pureza

Brasão[editar | editar código-fonte]

O escudo de armas de Jaú foi instituído pela lei municipal nº 77, de 13 de maio de 1949, resultante do projeto de lei do vereador Benedito de Assis. Foi sancionado pelo prefeito Osório Ribeiro de Barros Neves.

É autor do brasão Roberto Thut sob orientação do arquiteto Fernando Martins Gomes. Thut assim o descreve: "O escudo português é o que melhor convém aos brasões de municípios brasileiros, dada a formação étnica de nosso povo. Como elementos do escudo temos primeiramente o rio e o peixe Jaú, como símbolo toponímico, constituindo assim figuras heráldicas parlantes do nome do município. Em seguida, a águia que evoca o feito memorável da travessia do Atlântico por João Ribeiro de Barros, sendo a hélice, com a legenda "Jahu", alusão ao avião com que aquele aviador jauense realizou a grande façanha(…)

O escudete da torre central da coroa mural evoca Nossa Senhora do Patrocínio, padroeira do município, pois o campo de arminhos (símbolo da pureza) mantelado de azul (cor do céu, reino da padroeira) lembra o manto protetor de Nossa Senhora sobre o município. Desta forma, este símbolo relembra a índole cristã e católica do povo jauense, cuja crença religiosa ficará fixada no brasão de sua terra (este símbolo não existe mais no Brasão jauense).

Os dois suportes representam as antigas matas virgens (perobeiras), existentes antes da fundação de Jaú, que se transformaram em ricos cafezais (cafeeiros).

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Através das construções pode-se ver a memória, a importância e a história do município. Apresenta mais de 400 prédios históricos edificados durante os áureos anos do café. Essas belas edificações centenárias encontram-se distribuídas principalmente pelo centro da cidade. A que mais impressiona é a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Patrocínio, sendo a quarta edificação da igreja, o atual prédio, vazado no estilo neogótico alemão e inaugurado em 1901 possui grandes dimensões e uma beleza inigualável. O templo é decorado internamente por diversas pinturas e possui vitrais e um órgão importados da Alemanha, telhas importadas da França, piso hidráulico, um carrilhão de belos cinco sinos, além de inúmeras obras de arte em madeira e mármore.

A antiga estação ferroviária encontra-se restaurada sendo a última de três, já que as outras estações infelizmente foram demolidas. Merecem destaque também: O primeiro grupo escolar de Jaú " Pádua Salles" sendo Euclides da Cunha o responsável pelo projeto; O Mercado Municipal; O edifício da atual Delegacia Regional de Ensino; O prédio da Delegacia Seccional de Jaú; A sede do Jaú Clube, projetada por Ramos de Azevedo; O grupo escolar "Major Prado"; As partes antigas dos hospitais Amaral Carvalho e Santa Casa de Misericórdia e os edifícios dos extintos bancos "Francês-Italiano" e "Melhoramentos do Jaú".

A arquitetura moderna também se faz presente em Jaú, representada principalmente pela estação Rodoviária e pelo Paço Municipal, sendo que o projeto da primeira foi de autoria do renomado arquiteto Vilanova Artigas e o da segunda de seu sócio Carlos Cascaldi.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Possui uma área de 688,337 km².

  • Altitude: 541 m
  • O município é banhado pelo rio Tietê e seus afluentes Rio Ave Maria e Rio Jaú, e beneficia-se da hidrovia Tietê-Paraná através do transporte intermodal hidroferrodoviário.
  • Solo: excelente para atividades agrícolas, a terra predominante no município é de latosol roxo, com textura argilosa e muito profunda.
  • Precipitação pluviométrica anual: entre 1.200 mm e 1.400 mm
  • Temperatura: 18°C e 22°C.

Clima[editar | editar código-fonte]

  • Média anual:22,8°C
  • Mês mais quente janeiro:24,6°C
  • Mês mais frio julho:17,1°C
  • Máxima absoluta:39,7°C
  • Mínima absoluta:0,3°C

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2000

Etnias[editar | editar código-fonte]

Cor/Raça Percentagem
Branca 71,1%
Negra 10,2%
Parda 25,7%
Amarela 0,4%

Fonte: Censo 2000

População total: 112.042

  • IDH-M Renda: 0,774
  • IDH-M Longevidade: 0,812
  • IDH-M Educação: 0,872

(Fonte: IPEADATA)[vago]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Economia[editar | editar código-fonte]

Principais atividades econômicas:

  • Indústria calçadista e agroindústria canavieira (açúcar e álcool);
  • O setor industrial é diversificado sendo representado também por indústrias de transformação, metal-mecânica, alimentícias e de celulose.
  • A Agricultura é desenvolvida principalmente pela alta fertilidade do solo tipo Latosol roxo: cana-de-açúcar, café, frutas e algodão.
  • A atividade comercial também é influente na economia jauense, com destaque para os quatro shoppings do município.
  • A prefeitura de Jaú também oferece diversos benefícios para as indústrias que desejam se instalar no município.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Instituições públicas[editar | editar código-fonte]

Jaú possuirá uma unidade da Universidade de São Paulo (USP). Quatro cursos de graduação e dois cursos de pós-graduação serão implantados. Jaú sediará o Polo de Aplicação e Desenvolvimento de Tecnologia da Água, Energia e Biomassa e o Centro de Ensino e Treinamento de Água e Energia. Os cursos de graduação serão: Engenharia da Energia e Administração em Agronegócios, atuação do Centro Internacional da Agroenergia e a Nova Área de Concentração em Água e Energia. A pós-graduação abrangerá os cursos de agroenergia com área de concentração em biomassa, bioenergia, energias renováveis, tecnologia aplicada e sustentabilidade. A vinda da Universidade ESALQ-USP para Jaú promove benefícios incalculáveis, pois torna o município como centro de referência e inteligência na área da bioenergia, acarretando a movimentação de professores especializados, cientistas e incrementando a atividade econômica do município com a possível vinda de estudantes de várias partes do Brasil e do mundo e assim impulsionar o desenvolvimento agrícola e acadêmico de Jaú.

Além da USP, a cidade conta com a Faculdade de Tecnologia do Jahu (FATEC). A FATEC tem implantados onze cursos superiores de tecnologia: Construção e Manutenção de Sistemas de Navegação Fluvial, Gestão da Produção de Calçados, Informática, Operação e Administração de Sistemas de Navegação Fluvial, Construção Naval, Gestão da Produção Industrial, Gestão da Tecnologia da Informação, Logística, Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Sistemas de Navegação e Sistemas para a Internet.

Também há a Universidade Aberta do Brasil (UAB), que tem como prioridade a formação de professores para a Educação Básica e a qualificação de servidores públicos. Para atingir esse objetivo central, a UAB realiza ampla articulação entre instituições públicas de ensino superior, estados e municípios brasileiros para promover, através da metodologia da educação à distância, acesso ao ensino superior. Em parceria com a prefeitura de Jaú, por meio da secretaria municipal de Educação, o polo da UAB-Jaú funciona desde 2009, com a oferta de cursos de aperfeiçoamento, graduação e pós-graduação lato sensu, em parceria com diversas universidades públicas, como a Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)e a Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP).[carece de fontes?]

Fundações[editar | editar código-fonte]

Há as Faculdades Integradas de Jaú, que são parte da Fundação Educacional "Dr. Raul Bauab".

O município também possui a Universidade Corporativa Amaral Carvalho (UCAC) é uma entidade criada para proporcionar o desenvolvimento do capital intelectual e humano da Fundação Amaral Carvalho em habilidades técnicas e conceituais. A entidade possui convênios de Cooperação Técnico-Científica com diversas universidades como UNESP, USP, Universidade Federal de São Carlos e Unicamp e aguarda a homologação da certificação como Hospital de Ensino. A homologação deve apontar a Fundação Amaral Carvalho como Centro de Referência em Oncologia, o nível máximo na hierarquia técnica da área.

Instituições particulares[editar | editar código-fonte]

Funciona em Jaú a UNIESP (antiga Faculdade Jauense). Há também diversos cursos a distância oferecidos por outras instituições.

Cursos técnicos[editar | editar código-fonte]

No município há também grande número de cursos técnicos e profissionalizantes, sendo referência nessa área. As principais escolas são o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI),o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC),o IBEM (Instituto Bezerra de Menezes),o IEP,a ETEC Joaquim Ferreira do Amaral (Escola Industrial - administrada pelo Centro Paula Souza e governo do estado) e a ETE "Prof. Urias Ferreira" (Colégio Agrícola - também administrado pelo Centro Paula Souza e governo do estado).

Esporte[editar | editar código-fonte]

O município é sede do XV de Jaú, também conhecido como "O Galo da Comarca". O XV é considerado uma das equipes mais tradicionais do futebol do interior paulista. Seu estádio é o "Zezinho Magalhães" (Jauzão), com capacidade para abrigar, comodamente, 12 mil espectadores. O clube já participou da série A-1 do Campeonato Paulista por mais de 30 anos, mas atualmente disputa a Quarta Divisão do torneio. o Clube revelou jogadores como: Edu (ex-ponta do Santos e Seleção de 70), Sormani (ídolo do Milan e Seleção Italiana), Afonsinho (Botafogo - RJ e Seleção) Marolla (goleiro Santos e Seleção) Alfinete (lateral Corinthians e Seleção), Wilson Mano, Toninho (ex-portuguesa) Sony Anderson (Barcelona e Seleção) Edmilson (barcelona e Seleção), França (São Paulo e Seleção), Edu Schimdt (São Paulo, Celta de Vigo, Seleção), Kazu (ex-Santos e maior Ídolo do futebol japonês, que aprendeu a jogar bola no XV), entre outros craques. As cores que utiliza são o verde e o amarelo.

Saúde[editar | editar código-fonte]

O município conta com excelentes instituições na área da saúde com destaque para o Hospital Amaral Carvalho, referência nacional em oncologia e considerado o melhor hospital nessa área no Estado de São Paulo. Atuam também em Jaú a Santa Casa de Misericórdia, a Associação Hospitalar Thereza Perlati, o Hospital São Judas Tadeu e o Hospital da Unimed. Jaú também merece destaque pela quantidade de clínicas médicas.

Administração[editar | editar código-fonte]

Hino de Jaú[editar | editar código-fonte]

Igreja Católica[editar | editar código-fonte]

Paróquia Matriz Nossa Senhora do Patrocínio (futura Catedral).

O município pertence à Diocese de São Carlos. É sede da região episcopal 04 e possui as seguintes paróquias:

Regiões Episcopais da Diocese a partir de 2013[editar | editar código-fonte]

  • Região Pastoral 01 - São Carlos
  • Região Pastoral 02 - Araraquara
  • Região Pastoral 03 - Matão
  • Região Pastoral 04 - Jaú
  • Região Pastoral 05 - Brotas
  • Região Pastoral 06 - Américo Brasiliense

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Meta-Wiki Meta-Wiki

Notas

  1. Embora o nome do município, de acordo o IBGE[6] e o Tribunal Superior Eleitoral[7] , seja Jaú, a lei municipal nº 4627, de 2/8/2011, prescreve a inserção de h no nome do município, na forma Jahu,[8] que é uma grafia arcaica.[9] . Essa lei (que não menciona a permanência ou não do acento agudo), no entanto, não tem efetivo valor legal, visto que as legislações federal e estadual obrigam a realização de um plebiscito (que não houve), referendado pelo governador do estado, para a alteração da grafia de dos topônimos municipais.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. a b Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  6. IBGE Cidades
  7. Estatísticas Eleições 2012
  8. Lei nº. 4.627, de 2 de agosto de 2011. Jornal Oficial de Jahu nº 490, p.4 (5 de agosto de 2011). Página visitada em 25 de março de 2013.
  9. Jaú une o desenvolvimento industrial à qualidade de vida do interior

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage