Jandira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Município de Jandira
"Cidade favo de mel"
Jandira SP.JPG

Bandeira de Jandira
Brasão de Jandira
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 8 de dezembro de 1963
Fundação 28 de fevereiro de 1964
Gentílico jandirense
Lema Se o senhor não guardar esta cidade, em vão vigiará a sentinela.
Prefeito(a) Geraldo Teotonio da Silva "Gê" (PV)
(2013–2016)
Localização
Localização de Jandira
Localização de Jandira em São Paulo
Jandira está localizado em: Brasil
Jandira
Localização de Jandira no Brasil
23° 31' 40" S 46° 54' 10" O23° 31' 40" S 46° 54' 10" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Metropolitana de São Paulo IBGE/2008 [1]
Microrregião Osasco IBGE/2008 [1]
Região metropolitana São Paulo
Municípios limítrofes Itapevi (O), Barueri (NE)Cotia (S) e Carapicuíba (L)
Distância até a capital 36 km[2]
Características geográficas
Área 17,523 km² [3]
População 108 436 hab. Censo IBGE/2010[4]
Densidade 6 188,21 hab./km²
Altitude 720 m
Clima Subtropical Cwa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,760 alto PNUD/2010 [5]
PIB R$ 1 411 533,399 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 12 794,32 IBGE/2008[6]
Página oficial
Entrada da nova estação Jandira da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM)
Estação antiga de Jandira

Jandira é um município da microrregião de Cotia, na Região Metropolitana de São Paulo, no estado de São Paulo, no Brasil. A sua população estimada em 2009 era de 112 130 habitantes e a área é de 17,5 quilômetros quadrados, o que resulta numa densidade demográfica de 6 468,2 habitantes por quilômetro quadrado. Seus limites são Barueri a norte e nordeste; Carapicuíba a leste; Cotia a sul; e Itapevi a oeste.

O município é servido pelos trens da linha 8 da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos. Tornou-se município em 28 de fevereiro de 1964, com o desmembramento de Cotia, após a emancipação político-administrativa ser aprovada pelos moradores através de plebiscito realizado em 8 de dezembro de 1963.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Jandira" é um termo língua índigena Tupi-Guarany que designa um tipo de abelha.[7]

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima da cidade, como em toda a Região Metropolitana de São Paulo, é o clima subtropical, tipo Cwa, com invernos secos, frios a nível de Brasil, sendo pouco frios ou amenos, e verões úmidos ,relativamente quentes, com temperaturas raramente ultrapassando os 35 °C e chuvosos. Em resumo, o verão é quente e chuvoso. E o inverno é ameno e subseco. A média de temperatura anual gira em torno dos 18 graus centígrados, sendo o mês mais frio julho (média de 14 graus centígrados) e o mais quente fevereiro (média de 22 graus centígrados). O índice pluviométrico anual fica em torno de 1 381 milímetros.

Gráfico climático para Jandira
J F M A M J J A S O N D
 
 
241
 
27
18
 
 
222
 
27
18
 
 
156
 
27
17
 
 
82
 
25
15
 
 
64
 
23
13
 
 
59
 
21
12
 
 
42
 
21
11
 
 
44
 
23
12
 
 
74
 
23
13
 
 
127
 
24
14
 
 
128
 
25
16
 
 
142
 
26
17
Temperaturas em °CPrecipitações em mm
Fonte: Canal do Tempo

História[editar | editar código-fonte]

Primórdios[editar | editar código-fonte]

A história dos municípios dessa região se confunde com os trilhos da Estrada de Ferro Sorocabana, que trouxeram Antonio Agù (pioneiro fundador de Osasco) e Henrique Sammartino (pioneiro-fundador do município), imigrante italiano que adquiriu, em 11 de abril de 1912, glebas de terra dos proprietários Nicola Beneducci e Miguel Samarone, e deu a elas o nome de Sítio das Palmeiras, devido à existência de grandes palmeiras nativas existentes no local.[8]

Apesar da existência de outros proprietários de terras naquela região (como as famílias Góis e Leite [9] ), a chegada de Sammartino acabaria sendo fundamental para o desenvolvimento daquela então inóspita região. Pouco tempo após se estabelecer no sítio das Palmeiras, Sammartino entrou em conflito com alguns de seus vizinhos[10] (por questões diversas, incluindo a demarcação de terras de suas propriedades), sendo que esse conflito acabou chegando aos tribunais e se arrastou até o final da década de 1920.

Até então a atividade principal de Sammartino era a administração de uma mercearia especializada em produtos importados, localizada no bairro da Santa Ifigênia (São Paulo), de forma que o sítio das Palmeiras era uma mera propriedade de recreação. Com a deflagração da Primeira Guerra Mundial, a importação de víveres da Europa entra em declínio e Sammaritno acaba indo a bancarrota.[11] [12] Endividado, ele vende sua mercearia e volta-se para a única propriedade que ainda possui: o sítio das Palmeiras.

Sammartino e o progresso[editar | editar código-fonte]

Em meados de 1919, Sammartino instala-se com sua família definitivamente no sítio das Palmeiras. Com o pouco dinheiro que possui, adquire animais e planta árvores frutíferas. A necessidade de manutenção de sua produção de leite, queijo, frutas,etc, o obriga a contratar lavradores e uma olaria é criada para fornecer tijolos para a construção de casas para os mesmos. O transporte dos produtos do sítio era feito por carros de boi por estradas de terra batida, de relevo acidentado e contrastava com a moderna linha da Estrada de Ferro Sorocabana que margeava o sítio. Para facilitar o transporte de seus produtos, Sammartino procura a direção da empresa ferroviária e propõe a doação de uma área de 58.470,87 m2 para a implantação de uma parada (posteriormente classificada pela Sorocabana como posto de abastecimento de locomotivas). A Sorocabana propõe que Sammartino invista no plantio de eucalipto para servir de lenha para as locomotivas a vapor da empresa. Após o acordo celebrado entre o fazendeiro e a empresa, o posto km 32 (localizado ao lado das terras do sito das Palmeiras) é implantado em março de 1925. Posteriormente foi construído um pequeno desvio até a olaria de Sammartino, que assim viu seus negócios prosperarem.[13]

A instalação do posto de abastecimento facilitou a chegada de novos moradores para a região, como o engenheiro e pastor presbiteriano estadunidense William Alfred Waddell (1862-1939) [14] . Diretor do Colégio Mackenzie, Waddell estudava a criação de uma missão presbiteriana no caminho para Sorocaba. Em 1928, ele persuadiu a igreja presbiteriana a adquirir terras na região do km 32 da Estrada de Ferro Sorocabana. Em outubro daquele ano era instalado o Instituto José Manuel da Conceição e uma missão presbiteriana.[15] Os filhos dos fazendeiros da região acabariam estudando no instituto, assim como os filhos dos recém chegados. Waddell, utilizando de seu prestígio junto ao Colégio Mackenzie, solicitou aos diretores da companhia ferroviária a realização de melhoria das instalações do posto do km 32. Atendendo ao pedido, a Sorocabana eleva o posto de abastecimento do km 32 a posto telegráfico e constrói novas instalações, plataformas e implanta um vagão de carga adaptado como bilheteria. Segundo a tradição da época, o doador das terras necessárias para a construção dos postos e estações tinha o direito de batizar o posto/estação. No dia 20 de março de 1931, durante a inauguração do posto telegráfico do km 32, a direção da Sorocabana convidou Sammartino a batizá-lo. Sammartino resolve homenagear sua sobrinha e batiza o posto com o nome de Jandira (que se tornaria o nome daquela região).[16]

Três anos depois, o posto telegráfico de Jandira é elevado a posto telegráfico de categoria A (uma espécie de estação de terceira classe).[17] As sucessivas ampliações do posto telegráfico obrigam a transferência de cada vez mais funcionários da ferrovia para a região onde engrossam o número cada vez crescente de habitantes, dando origem a chamada vila Jandira. O crescimento da região faz surgir outros postos telegráficos e estações e o tráfego de trens se intensifica. Em agosto de 1942, uma fagulha provocada por uma locomotiva a vapor inicia um grande incêndio nas terras de Sammartino. Apesar dos esforços de sua família e vizinhos, o fogo destrói seu imenso pomar. Transtornada pelo acontecimento, a esposa de Sammaritno, Conceição Desidério sofre um derrame cerebral e morre em setembro de 1943.[13]

Transtornado pela perda de boa parte de sua produção e pela morte de sua esposa, Sammartino inicia a venda e doação de lotes, criando o primeiro loteamento de Vila Jandira (atual Vila Anita Costa). Cerca de 100 lotes de 1000 m2 foram comercializados, cada um a um preço de Cr$ 3 mil, enquanto que outros lotes foram doados para a construção de um posto de puericultura (atual Associação de Proteção à Maternidade e a Infância de Jandira-APAMI), posto de polícia, escola (atual Themudo Lessa) e uma igreja católica romana (atual Matriz de Jandira). Esse loteamento deu origem às primeiras ruas e trouxe novos moradores para Vila Jandira. Henrique Sammartino faleceu em 1947 e não pôde vislumbrar o crescimento do loteamento iniciado por ele.[13]

A emancipação[editar | editar código-fonte]

Até então Vila Jandira era um mero subdistrito do município de Cotia. A grande distância geográfica entre o então distrito e o centro de Cotia era um empecilho para o desenvolvimento do subdistrito. Assim, Cotia foi abandonando vila Jandira aos poucos. Essa situação de abandono e descaso por parte das autoridades de Cotia também ocorria com a vila de Itapevi, que conseguiu sua emancipação no final da década de 1950. Em 1951, Jandira é elevada a distrito de Cotia. No dia 25 de janeiro de 1951, é fundada a União Pró-Jandira, entidade criada com o intuito de reivindicar melhorias ao distrito. O distrito abandonado de Jandira chamou a atenção da recém emancipada Barueri, que tentou anexá-la em 1958 por meio da lei de número 170/53 de 28 de abril de 1958, chamada de lei Quinquenal. Por conta da intervenção de Cotia, a tentativa de anexação não logrou êxito.

Desde o final da década de 1940, o então governador Adhemar de Barros incentivava a emancipação de distritos e a criação de novos municípios sob argumentos político-partidários. Assim, aos poucos, a região sofre um processo de emancipação de diversos distritos, iniciado no final de década de 1940 com Itapevi e Barueri e que alcançaria seu auge no início da década de 1960, quando Osasco, Carapicuíba e Jandira se emanciparam de São Paulo, Barueri e Cotia.

Vila Jandira realizou seu plebiscito sobre a emancipação no dia 8 de dezembro de 1963. Após a abertura das urnas, o resultado foi uma esmagadora vitória do grupo emancipacionista. O resultado foi homologado em 28 de fevereiro de 1964 pelo governador Adhemar de Barros. Após essa data, vila Jandira passou a ser um pequeno município.

Em 7 de março de 1965, tomou posse o primeiro prefeito de Jandira, Oswaldo Sammartino, filho do pioneiro Henrique Sammartino.

Educação[editar | editar código-fonte]

As primeiras pequenas escolas rurais de vila Jandira eram pequenas salas de aula improvisadas em casas alugadas, sempre muito distantes umas das outras. Em 1922, foi criada a primeira delas, chamada de "escolinha do quilômetro 32", em um grande casarão colonial localizado em uma chácara às margens do Rio Barueri-Mirim, de propriedade de Hipólita Santana de Figueredo. A primeira instituição de ensino oficial foi o Instituto José Manuel da Conceição (que encerrou suas atividades em 1970), tendo sido inaugurado por missionários presbiterianos estadunidenses em 8 de fevereiro de 1928.[18] [19]

Nos anos 1930, foi constituída a primeira instituição pública de ensino: a "Escolhinha Mista da parada Jandira". Na década de 1950, Jandira ganha mais 2 escolas, sendo a última um galpão de madeira localizada na praça Nilo de Andrade Amaral (hoje praça Anielo Gragnano). Essa escola era a mais importante do distrito, recebendo o nome de "Grupo Escolar Professor Vicente Themudo Lessa". Em 1966, o Grupo Escolar já estava saturado, sendo necessária a construção de um anexo no jardim das Palmeiras, até a construção do Centro Educacional de Jandira (atual EE Professor Vicente Themudo Lessa) em 12 de novembro de 1972.[20]

Hoje, Jandira conta com 14 escolas estaduais, 15 escolas municipais, uma unidade do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial ("Escola SENAI Professor Vicente Amato CFP 1.27", fundada em 25 de maio de 1994 [21] [22] ), uma unidade da Escola Técnica Estadual (instalada no prédio Harper, construído originalmente para o Instituto J.M.C. na década de 1940)[23] , um polo da Universidade Aberta do Brasil[24] [25] e uma instituição particular de ensino superior (Faculdade Eça de Queiroz).[26] [27]

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB)[editar | editar código-fonte]

Através do IDEB, o govenro federal pode avalar a qualidade do ensino público nos municípios do Brasil. Os números de Jandira no IDEB são[28] :

4ª série / 5º ano[editar | editar código-fonte]

Ano Ideb observado Meta
2005 4,2 -
2007 4,6 4,2
2009 4,7 4,6
2011 4,5 5,0
2013 4,8 5,2

8ª série / 9º ano[editar | editar código-fonte]

Ano Ideb observado Meta
2005 3,7 -
2007 3,7 3,7
2009 3,8 3,9
2011 4,0 4,2
2013 4,0 4,6

Saúde[editar | editar código-fonte]

Apesar da chegada de novos moradores a região, os serviços de saúde tiveram uma lenta evolução. Até meados da década de 1960 era comum que pessoas gravemente enfermas fossem transportadas (de automóvel, trem e até carro de boi) para postos de saúde em Barueri ou hospitais em Osasco (como o Cruzeiro do Sul[29] ) e até mesmo São Paulo (caso do Hospital Sorocabana- exclusivo para os funcionários da ferrovia e seus familiares[30] ).

A rede de atendimento de saúde de Jandira só seria criada após a emancipação do município. Nos anos 1970 surgem o pimeiro posto de saúde público e o hospital. Atualmente a cidade conta com 1 hospital, 1 pronto socorro, 1 policlínica, 1 unidade de saúde especializada, 2 farmácias populares e 9 postos de saúde.[31]

Hospital de Jandira[editar | editar código-fonte]

Com o crescimento da população na década de 1970, a necessidade da ampliação da rede de atendimento de saúde,compostaaté então por um único posto de saúde torna-se essencial para o futuro do município (que até a década de 1980 não tinha pronto socorro e hospital).[32] No final da década, a prefeitura desapropria as instalações do extinto Instituto J.M.C. e as transforma em repartições públicas. Uma dessas instalações é reformada e transformada em hospital e maternidade e inaugurada no início da década de 1980.[33] Por conta da cidade possuir poucos recursos, o hospital passa a atender seus pacientes de forma precária. A situação se agrava após indícios de corrupção surgirem na imprensa.[34] [35] Em 1995, as péssimas condições provocam a interdição do hospital. A partir desse momento, as condições do hospital levariam a sucessivas interdições e reformas da edificação.[36]

Recentemente, o governo do estado prometeu investir na construção de um novo hospital para substituir o atual, considerado durante a década de 1990 um dos piores do estado.[37]

Infraestrutura e transporte[editar | editar código-fonte]

Vista da Estação Jandira no bairro Centro da cidade
Vista da Estação Jandira no bairro Centro da cidade

O distrito de Jandira contava com rústicas estradas de terra batida, muitas das quais abertas por Henrique Sammartino desde sua chegada em 1912, onde carros de boi exerciam a função de transporte da produção dos sítios da região para ser comercializada na estação de Barueri. Com o crescimento da extração de lenha para as locomotivas a vapor da Estrada de Ferro Sorocabana, os carros de boi passaram a transportar lenha para a estação de Barueri, até março de 1925, quando a Sorocabana instalou um posto telegráfico no distrito. Dois anos depois, a Sorocabana iniciou a construção de uma estação (inaugurada em 20 de março de 1931) e de um desvio, em terreno doado por Henrique Sammartino, para transportar lenha, a produção agrícola e tijolos de sua olaria. Esse desvio mais tarde seria desmontado e sua área se tornaria a parte inicial da 1ª rua do distrito, a Rua Conceição Sammartino.

Na década de 1940, inicia-se um tímido crescimento urbano que iria se intensificar nas 3 décadas seguintes. Algumas imobiliárias começaram a lotar as áreas do pequeno distrito, sendo que em 1946 chega a Jandira o primeiro topógrafo, José Albino Pereira, que inicia a demarcação de ruas e loteamentos. Nessa mesma época, começam a aparecer os primeiros automóveis e caminhões (que iriam substituir os carros de boi) que assim impulsionam a abertura de novas ruas. Nos anos 1950, é inaugurada, pela Sorocabana, a estação Coração de Jesus (atual estação Sagrado Coração). Entre 1948 e 1956, a Light instala a rede elétrica no distrito.

Com a emancipação político-administrativa de Jandira em 1964, a cidade ganha uma nova estação ferroviária (construída em 1962), além de um departamento de trânsito: o Serviço Municipal de Estradas de Rodagem de Jandira. A construção da Autopista Oeste (atual rodovia Castelo Branco) impulsionou o crescimento industrial do município. Até 1972, Jandira não possuía rede telefônica o que obrigava seus moradores se utilizarem dos telefones públicos de Barueri. Em 20 de dezembro de desse ano, é inaugurado pela Companhia Telefônica Brasileira o primeiro telefone da cidade, localizado na praça Aniello Gragnano, sendo inaugurada posteriormente pela Telesp (atual Telefonica) a central telefônica de Jandira, ao lado da escola estadual professor Vicente Themudo Lessa.

Em 1973, é inaugurada, pelo estado, a Via de Acesso SP-032/280 "João de Góes", ligando a rodovia Castelo Branco ao município. Em 1977, a empresa Benfica Barueri Transporte e Turismo inicia a operação das linhas de ônibus municipais, partindo da praça Anielo Gragnano para os bairros de Sagrado Coração, Jardim Gabriela e Parque Santa Tereza. Em 1976, é inaugurada, pelo governo do estado, a rede de abastecimento de água além de um reservatório localizado no Jardim Sorocabano, capaz de atender a maior parte da cidade. O restante da cidade, incluindo o distrito industrial do Jardim Alvorada recebeu a rede de abastecimento de água em abril de 1983.

Estação Jandira da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos antes da reforma

Nos anos 1980, é construída a Via Expressa Mauri Sebastião Barufi ligando Jandira a Itapevi, o centro de Jandira é reorganizado com a inauguração dos novos prédios das estações Jandira em 1983 e Sagrado Coração (em 1987) e do Terminal Rodoviário Intermunicipal em 1986 (atualmente denominado Reverendo Virgílio dos Santos Rodrigues).

Apesar desses avanços, o acesso à rodovia Castelo Branco e ao distrito industrial era feito utilizando-se a passagem de nível sobre os trilhos da ferrovia, o que ocasionava muitos acidentes. Com isso é iniciada a construção de um viaduto sobre os trilhos da Fepasa em 1988, sendo concluídas as obras 10 anos depois. Nos anos 90 a cidade inaugura a estrada intermunicipal Barueri–Itapevi,localizada na região sul de Jandira e a subestação de eletricidade Sagrado Coração da Eletropaulo, que garante o abastecimento elétrico na cidade. No projeto da estrada intermunicipal estava incluída a construção de um novo terminal intermunicipal de ônibus que iria ser concluído em 2002.

Guarda Civil Municipal[editar | editar código-fonte]

Em 5 de julho de 1998, foram apresentados, em formatura solene, os alunos do 1º Pelotão que iniciaram o curso de formação. O curso teve duração de três meses. Na época, não existia a Base, nem sala de instrução, tendo sido utilizada uma sala no Teatro Municipal. Os instrutores convidados da Guarda Civil Municipal de Barueri auxiliaram na formação dos guardas civis municipais. No dia 1 de outubro de 1998, foi realizado a formatura de 47 guardas.

O comandante Benedito Edson Siqueira permaneceu na cargo entre 5 de julho de 1998 e 31 de dezembro de 2000. Em 2001, devido a mudança no poder executivo e a transição de gestão, quem assumiu o comando da guarda em janeiro foi o comandante Geraldo Marques. Foi realizado um novo concurso público e admitidos mais 49 alunos, que participaram do curso no Centro de Formação em Segurança Pública da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo. O curso teve duração de três meses. No dia 5 de setembro de 2003, foi realizada a formatura do 2º pelotão no governo do prefeito Paulinho Bururu.

O comandante Geraldo Marques permaneceu no cargo entre janeiro de 2001 e 2 de janeiro de 2004, passando, então, o comando a Marcelo Rodrigues. No dia 23 de junho de 2005, foi criada a Guarda Civil Municipal Escolar através da lei 1 499, de 23 de junho de 2005, visando a auxiliar nos trabalhos realizados junto às escolas municipais e sendo subordinada ao comando da Guarda Civil Municipal. Em dezembro de 2005, foi organizado o curso de ações táticas, sendo criado o Grupo Tático, com o objetivo principal de apoiar as demais viaturas nas ocorrências durante os plantões.

Em março de 2008, foi criado o Projeto de Educação para o Trânsito, que, posteriormente, se transformou no Programa de Educação para o Trânsito. No dia 19 de junho de 2008, foram instituídos o "Dia municipal do Guarda Civil Municipal" e a "Semana Municipal de Combate a Violência Urbana", através da lei 1 726, de 19 de junho de 2008, tendo, como idealizadores da lei, os próprios guardas civis municipais, que deram a sugestão ao poder legislativo. Ficou instituído o dia 13 de julho como dia municipal do guarda civil.

Em outubro de 2008, um grupo de guardas civis municipais participou do estágio de aplicações táticas no Batalhão de Operações Policiais Especiais do Rio de Janeiro, sendo a primeira guarda municipal do país a participar de um treinamento desse tipo. Em dezembro de 2008, devido às mudanças no governo municipal, Marcelo Rodrigues deixou o comando da guarda. Em março de 2009, foi criado o Grupo de Apoio com Motos, com o objetivo de agilizar e atender com maior rapidez as ocorrências.

Outra ferramenta nos trabalhos da Guarda Civil Municipal é a Central de Comunicação e Monitoramento, inaugurada em 8 de julho de 2010. Os seus dispositivos foram entregues ao município pelo Ministério da Justiça por meio do Programa Nacional de Segurança com Cidadania (Pronasci) através de verba do Governo Federal. No final de 2009, foi aberto concurso público para o 3ª turma, a qual realizou o curso de formação durante três meses no centro de formação da Guarda Civil de Itapevi. No dia 20 de novembro de 2010, o então prefeito Braz Paschoalin apresentou, em formatura, mais 31 novos guardas.

No dia 26 de fevereiro de 2011, foi realizada a formatura de mais 26 guardas pela então prefeita Anabel. Com a chegada do 4º pelotão, hoje a guarda conta com um efetivo de 116 guardas, divididos em plantões, guarda escolar, postos fixos, subsede e funções administrativas. Em 13 de agosto de 2011, houve um reforço no efetivo de seus agentes de segurança. Em cerimônia de formatura realizada na cidade de Itapevi, foi oficializado o ingresso da 5ª turma. A solenidade contou com a presença da prefeita Ruth de Itapevi e com a prefeita Anabel Sabatine, além de várias autoridades e guardas de outras corporações.

No dia 17 de dezembro de 2011, foi inaugurada a base da Guarda Ambiental. A solenidade aconteceu no Portal Ecológico. A inauguração teve início com o hasteamento das bandeiras e contou com a presença de lideranças das igrejas evangélicas, além de autoridades políticas como a prefeita Anabel Sabatine. A Guarda Municipal Ambiental foi criada através do Decreto 3 308, de 12 de dezembro, tendo, como objetivo, cuidar e proteger não somente do portal, mas de todas as questões ambientais do município, como jogar lixo ou entulho na margem de rios, lagos ou mananciais, podas irregulares de árvores, construção em lugar de preservação, animais selvagens em cativeiro, entre outros. A Guarda Civil Municipal Ambiental é mais uma nova estrutura subordinada à Guarda Civil de Jandira.

No dia 2 de dezembro de 2012, um agente da Guarda Civil Municipal de Jandira foi morto: Givanildo Henrique da Silva, de 40 anos, assassinado quando estava no bar em uma rua projetada no Jardim Vale do Sol/Jandira com amigos e familiares. Segundo testemunhas, duas motos se aproximaram do local: os dois garupas desceram das motos e seguiram a pé até o bar e efetuaram vários disparos. A vítima foi atingida por cinco disparos: um no pescoço, três na região lombar e um no tórax. Ele foi socorrido no pronto-socorro do Parque dos Camargos em Barueri, porém deu entrada em óbito.

Comunicação e imprensa[editar | editar código-fonte]

O munícípio possui 8 veículos de comunicação social, entre eles:

Rodovias e estradas de acesso[editar | editar código-fonte]

  • Rod. Castello Branco (SP-280) Saída km 32
  • Rod de acesso João de Goes (SP-032) km 32
  • Rod Est Velha de Itapevi (SP-274)
  • Rod Raposo Tavares (SP-270)- Saída km 28,5 (Via Estrada Fernando Nobre)
  • Via Mauri Sebastião Barufi (Via Expressa)
  • Estrada Fernando Nobre

Bairros[editar | editar código-fonte]

  • Vista do condomínio Belas Artes no Centro
    Vista do condomínio Belas Artes no Centro
    Açude Velho
  • Centro
  • Chácara do Peroba
  • Infant's Garden
  • Jardim Alvorada
  • Jardim Antônio Porto
  • Jardim Belmonte
  • Jardim Brotinho
  • Jardim Centenário
  • Jardim Cristino
  • Jardim Esmeralda
  • Jardim Europa
  • Jardim Gabriela
  • Jardim Heneide
  • Jardim Jandira
  • Jardim Lindomar
  • Jardim Mackenzie[38]
  • Jardim das Margaridas
  • Jardim Marília
  • Jardim Masé
  • Jardim Mercúrio
  • Jardim Nossa Senhora de Fátima
  • Jardim Novo Horizonte
  • Jardim Patrícia
  • Jardim Rosa Emília
  • Jardim São João
  • Jardim São Luiz
  • Jardim São Nicolau
  • Jardim Sorocabano
  • Jardim Stella Maris[39]
  • Mirante de Jandira
  • Nova Higienópolis
  • Parque Santa Tereza
  • Parque Iglesias
  • Parque dos Lagos
  • Sagrado Coração[40] - é um dos bairros mais antigos de Jandira. Dispõe da estação da CPTM.
  • Velho Sanazar
  • Vila Analândia
  • Vila Anita Costa
  • Vila Dolores
  • Vila Eunice[38]
  • Vila Ferraz
  • Vila Godinho
  • Vila Ipê[41] - Possui o Centro de Referência da Mulher " Josefa Pereira de Oliveira".
  • Vila Jandira
  • Vila Lucinda
  • Vila Márcia
  • Vila Mercedes
  • Vila Ouro Verde
  • Vila Popi
  • Vila Rolim
  • Vila Santo Antônio
  • Vila Santa Rosa
  • Vale do Sol
  • Vila da Amizade
  • Vila da Pedreira
  • Vila Industrial[38]

Fotos da Praça central de Jandira no Natal de 2014[editar | editar código-fonte]

Lista de governantes[editar | editar código-fonte]

Lista de subprefeitos[editar | editar código-fonte]

Jandira foi distrito de Cotia até 28 de fevereiro de 1964. Os subprefeitos do distrito foram:

  1. José de Albuquerque (1949-1952)
  2. José Alípio Sampaio (1952)
  3. Joaquim Nicolau Salum Filho (1952-1956)
  4. Anthero Correia de Godoy (1956-1958)
  5. João Ribeiro (1958-1962)

Prefeitos[editar | editar código-fonte]

  1. Oswaldo Sammartino (1965-1969)
  2. Clécio Soldé (1969-1973)
  3. Alan Kardec Roberto de Albuquerque (1973-1977)
  4. Dorvalino Abílio Teixera (1977-1983) durante seu governo foi assassinado. Teixeira levou dez tiros quando chegava em casa.
  5. José Roberto Piteri (1983-1988)[nota 1]
  6. Walderi Braz Paschoalin (1988-1992)
  7. José Roberto Piteri (1993-1996)
  8. Walderi Braz Paschoalin (1996-2000)
  9. Paulo Henrique Barjud (2001-2004)
  10. Paulo Henrique Barjud (2005-2008)
  11. Walderi Braz Paschoalin (2009-2010)[nota 2] durante seu governo foi assassinado a tiros quando chegava à rádio Astral FM.
  12. Anabel Sabatine (2010-2012)[nota 3]
  13. Geraldo Teotonio da Silva "Gê" (2013-2016)

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010

População total: 108 436

  • Urbana: 108 436
  • Rural: 0
  • Homens: 53 105
  • Mulheres: 55 331

Densidade demográfica (hab./km²): 5 246,11 Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 11,62 Expectativa de vida (anos): 71,35 Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,58 Taxa de alfabetização: 93,37% Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,801

  • IDH-M Renda: 0,720
  • IDH-M Longevidade: 0,772
  • IDH-M Educação: 0,911

(Fonte: IPEADATA)

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Jandira

Notas

  1. Em 1986, foram adiadas as eleições municipais em vários municípios do Brasil, sendo que os governantes tiveram dois anos acrescidos em seus mandatos.
  2. Foi assassinado em Jandira, em 10 de dezembro de 2010.
  3. Vice-prefeita eleita em sufrágio universal, assumiu o cargo em virtude do assassinato do então prefeito Walderi Braz Paschoalin

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. Distâncias entre a cidade de São Paulo e todas as cidades do interior paulista. Visitado em 1 de fevereiro de 2011.
  3. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  4. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 31 de julho de 2013.
  6. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
  7. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 580.
  8. PRADO, Waldomiro da Silva. Jandira, Memória de uma Cidade. [S.l.]: Empresa das Artes, 1991. 17 a 19 p.
  9. PRADO, Waldomiro da Silva. Jandira, Memória de uma Cidade. [S.l.]: Empresa das Artes, 1991. 31 a 34 p.
  10. Carta de Francisco de Campos Pimentel contra Henrique Sammartino Correio Paulistano, edição 18189, página 7/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca digital brasileira (11 de março de 1914). Visitado em 7 de julho de 2014.
  11. Concordata Jornal do Brasil, Ano XXIV, edição 130, página 18/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca digital brasileira (10 de maio de 1914). Visitado em 7 de julho de 2014.
  12. Declaração da falência de Henrique Sammartino Correio Paulistano, edição 19748, página 8/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca digital brasileira (29 de junho de 1918). Visitado em 7 de julho de 2014.
  13. a b c PRADO, Waldomiro da Silva. Jandira, Memória de uma Cidade. [S.l.]: Empresa das Artes, 1991. 19 a 21, 28 a 30 p.
  14. Alderi Souza de Matos. Os Edifícios do Mackenzie e seus Nomes portal Mackenzie. Visitado em 16 de julho de 2014.
  15. Alderi Souza de Matos. Vultos da História Presbiteriana no Cemitério dos Protestantes de São Paulo Portal Mackenzie. Visitado em 7 de julho de 2014.
  16. PEREIRA, Nicanor. Jandira Favo de Mel-crônicas, poesias e relatos. [S.l.]: Otoni, 2007. 58 p. ISBN 978-85-7464-350-2
  17. Ralph Mennucci Giesbrecht (14 de dezembro de 2013). Jandira Estações Ferroviárias do Brasil. Visitado em 7 de julho de 2014.
  18. Alderi Souza de Matos (2011). Rev. José Manoel da Conceição Portal Mackenzie. Visitado em 7 de julho de 2014.
  19. Frank L. Arnold (2009). Long Road to Obsolescence: A North American Mission to Brazil Google Books. Visitado em 16 de julho de 2014.
  20. Laudo Natel inaugura novo centro Folha de S. Paulo, Ano LII, edição 15853, página 8 (11 de novembro de 1972). Visitado em 7 de julho de 2014.
  21. Fiesp (25 de maio de 1994). Propaganda SENAI Jandira Folha de S. Paulo, Ano 74, edição 23793, caderno Brasil página 1-8. Visitado em 7 de julho de 2014.
  22. Histórico SENAI-SP. Visitado em 7 de julho de 2014.
  23. Etec Prefeito Braz Paschoalin Centro estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS). Visitado em 7 de julho de 2014.
  24. CAPES. Polo UAB:Jandira. Visitado em 7 de julho de 2014.
  25. Universidade Aberta Prefeitura de Jandira. Visitado em 7 de julho de 2014.
  26. Ministério da Educação (MEC). Portaria nº 3.086, de 9 de setembro de 2005 Unasp - Centro Universitário Adventista de São Paulo. Visitado em 7 de julho de 2014.
  27. A Faculdade Uniesp - Faceq. Visitado em 7 de julho de 2014.
  28. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. IDEB - Resultados e Metas- Jandira SP Ministério da Educação. Visitado em 14 de julho de 2014.
  29. Robson Donizete (9 de janeiro de 2014). Dr. Denir do Nascimento o diretor geral do Cruzeiro do Sul-Um dos mais tradicionais hospitais da região que no ano que vem, completará 50 anos em osasco, tem em sua presidência administradores que estão desde a inauguração, um deles é o diretor geral Correiio Paulista. Visitado em 16 de julho de 2014.
  30. Subprefeitura Lapa (18 de janeiro de 2012). Hospital Sorocabana deve voltar a funcionar em julho deste ano Prefeitura de S. Paulo. Visitado em 16 de julho de 2014.
  31. Secretaria Municipal de Saúde Prefeitura de Jandira. Visitado em 16 de julho de 2014.
  32. Jandira quer seu hospital esse ano Folha de São Paulo, ano 58, edição 18292, seção Interior, pagina 22 (3 de maio de 1979). Visitado em 26 de dezembro de 2014.
  33. José Aparecido (28 de maio de 1981). Falta quase tudo para os moradores de Jandira Folha de São Paulo Ano 61, número 19048, seção Interior, página 17. Visitado em 26 de dezembro de 2014.
  34. Hospital de Jandira é acusado de criar ‘paciente fantasma’ Diário da Região (Osasco) (setembro de 2008). Visitado em 26 de dezembro de 2014.
  35. Jornal Nacional (2 de março de 2011). Corrupção no setor da saúde é flagrada em Jandira (SP) Portal G1. Visitado em 26 de dezembro de 2014.
  36. Sem médicos e infra-estrutura hospital continua fechado Diário da Região (16 de fevereiro de 2008). Visitado em 16 de julho de 2014.
  37. Carol Nogueira (25 de abril de 2014). Hospital estadual substituirá problemática unidade municipal Visão Oeste. Visitado em 26 de dezembro de 2014.
  38. a b c Folha de Jandira (Sex, 23 de Setembro de 2011). Três bairros de Jandira convivem com córrego cheio de ratos, baratas e até cobras. Visitado em 22/04/2013.
  39. Consultar Cep. Jardim Stella Marias, Jandira - SP. Visitado em 22/04/2013.
  40. Moradores do Sagrado Coração reclamam da segurança e poucas linhas de ônibus para servir o bairro (Qui, 05 de Maio de 2011). Visitado em 22/04/2013.
  41. Folha de Jandira (02/08/2012). Dr Sato segue com campanhas pelo município. Visitado em 20/04/2013.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • PRADO, Waldomiro da Silva; Jandira- Memória de uma cidade Jandira: editora Empresa das Artes, 1991.
  • PEREIRA, Nicanor; Jandira favo de mel- crônicas, poesia, relatos Jandira: editora Ottoni,2007

Ligações externas[editar | editar código-fonte]