José Craveirinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Craveirinha
Data de nascimento 28 de maio de 1922
Local de nascimento Lourenço Marques
Nacionalidade Moçambique Moçambicana
Data de morte 6 de fevereiro de 2003 (80 anos)
Local de morte Maputo
Ocupação Poeta, escritor e jornalista

José João Craveirinha ComIH (Lourenço Marques, 28 de Maio de 1922Maputo, 6 de Fevereiro de 2003) é considerado o poeta maior de Moçambique. Em 1991, tornou-se o primeiro autor africano galardoado com o Prémio Camões, o mais importante prémio literário da língua portuguesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

José Craveirinha nasceu no bairro da Mafalala, no Maputo (antiga Lourenço Marques), em 28 de maio de 1922.[1] Como jornalista, colaborou nos periódicos moçambicanos O Brado Africano, Notícias, Tribuna, Notícias da Tarde, Voz de Moçambique, Notícias da Beira, Diário de Moçambique e Voz Africana.

Utilizou os seguintes pseudónimos: Mário Vieira, J.C., J. Cravo, José Cravo, Jesuíno Cravo e Abílio Cossa. Foi presidente da Associação Africana na década de 1950.

Esteve preso entre 1965 e 1969 por fazer parte de uma célula da 4.ª Região Político-Militar da Frelimo.

Foi o primeiro presidente da Mesa da Assembleia Geral da Associação dos Escritores Moçambicanos, entre 1982 e 1987. Em sua homenagem, a Associação dos Escritores Moçambicanos (AEMO), em parceria com a HCB (Hidroeléctrica de Cahora Bassa), instituiu em 2003, o Prémio José Craveirinha de Literatura.

Autobiografia[editar | editar código-fonte]

«Nasci a primeira vez em 28 de Maio de 1922. Isto num domingo. Chamaram-me Sontinho, diminutivo de Sonto.[2] Isto por parte da minha mãe, claro. Por parte do meu pai, fiquei José. Aonde? Na Av. Do Zihlahla, entre o Alto Maé e como quem vai para o Xipamanine. Bairros de quem? Bairros de pobres.
Nasci a segunda vez quando me fizeram descobrir que era mulato
A seguir, fui nascendo à medida das circunstâncias impostas pelos outros.
Quando o meu pai foi de vez, tive outro pai: seu irmão.
E a partir de cada nascimento, eu tinha a felicidade de ver um problema a menos e um dilema a mais. Por isso, muito cedo, a terra natal em termos de Pátria e de opção. Quando a minha mãe foi de vez, outra mãe: Moçambique.
A opção por causa do meu pai branco e da minha mãe preta.
Nasci ainda outra vez no jornal O Brado Africano. No mesmo em que também nasceram Rui de Noronha e Noémia de Sousa.
Muito desporto marcou-me o corpo e o espírito. Esforço, competição, vitória e derrota, sacrifício até à exaustão. Temperado por tudo isso.
Talvez por causa do meu pai, mais agnóstico do que ateu. Talvez por causa do meu pai, encontrando no Amor a sublimação de tudo. Mesmo da Pátria. Ou antes: principalmente da Pátria. Por parte de minha mãe, só resignação.
Uma luta incessante comigo próprio. Autodidacta.
Minha grande aventura: ser pai. Depois, eu casado. Mas casado quando quis. E como quis.
Escrever poemas, o meu refúgio, o meu País também. Uma necessidade angustiosa e urgente de ser cidadão desse País, muitas vezes, altas horas a noite.»

Prémios e Condecorações[editar | editar código-fonte]

  • Prémio Cidade de Lourenço Marques (1959)
  • Prémio Reinaldo Ferreira do Centro de Arte e Cultura da Beira (1961)
  • Prémio de Ensaio do Centro de Arte e Cultura da Beira (1961)
  • Prémio Alexandre Dáskalos da Casa dos Estudantes do Império, Lisboa, Portugal (1962)
  • Prémio Nacional de Poesia de Itália (1975)
  • Prémio Lotus da Associação de Escritores Afro-Asiáticos (1983)
  • Medalha Nachingwea do Governo de Moçambique (1985)
  • Medalha de Mérito da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, Brasil (1987)
  • Prémio Camões (1991)
  • Comendador da Ordem do Infante D. Henrique de Portugal (21 de Abril de 1997)[3]

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • Xigubo. Lisboa, Casa dos Estudantes do Império, 1964. 2.ª ed. Maputo, Instituto Nacional do Livro e do Disco, 1980
  • Cantico a un dio di Catrame (bilingue português/italiano). Milão, Lerici, 1966 (trad. e prefácio Joyce Lussu)
  • Karingana ua karingana. Lourenço Marques, Académica, 1974. 2.ª ed., Maputo, Instituto Nacional do Livro e do Disco, 1982
  • Cela 1. Maputo, Instituto Nacional do Livro e do Disco, 1980
  • Maria. Lisboa, África Literatura Arte e Cultura, 1988
  • Izbranoe. Moscovo, Molodoya Gvardiya, 1984 (em língua russa)

Notas

  1. Pires Laranjeira (1995). Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa, Universidade Aberta, pág. 278.
  2. Domingo em língua ronga
  3. Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas Presidência da República Portuguesa. Visitado em 2015-02-17. "Resultado da busca de "José João Craveirinha"."
Precedido por
João Cabral de Melo Neto
Prêmio Camões
1991
Sucedido por
Vergílio Ferreira