José Craveirinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Craveirinha
Nome completo José João Craveirinha
Nascimento 28 de maio de 1922
Lourenço Marques
Morte 6 de fevereiro de 2003 (80 anos)
Maputo
Nacionalidade moçambicano
Ocupação poeta, escritor e jornalista

José João Craveirinha (Lourenço Marques, 28 de Maio de 1922Maputo, 6 de Fevereiro de 2003) é considerado o poeta maior de Moçambique. Em 1991, tornou-se o primeiro autor africano galardoado com o Prémio Camões, o mais importante prémio literário da língua portuguesa.

Como jornalista, colaborou nos periódicos moçambicanos O Brado Africano, Notícias, Tribuna, Notícias da Tarde, Voz de Moçambique, Notícias da Beira, Diário de Moçambique e Voz Africana.

Utilizou os seguintes pseudónimos: Mário Vieira, J.C., J. Cravo, José Cravo, Jesuíno Cravo e Abílio Cossa. Foi presidente da Associação Africana na década de 1950.

Esteve preso entre 1965 e 1969 por fazer parte de uma célula da 4.ª Região Político-Militar da Frelimo.

Foi o primeiro presidente da Mesa da Assembleia Geral da Associação dos Escritores Moçambicanos, entre 1982 e 1987. Em sua homenagem, a Associação dos Escritores Moçambicanos (AEMO), em parceria com a HCB (Hidroeléctrica de Cahora Bassa), instituiu em 2003, o Prémio José Craveirinha de Literatura.

Autobiografia[editar | editar código-fonte]

«Nasci a primeira vez em 28 de Maio de 1922. Isto num domingo. Chamaram-me Sontinho, diminutivo de Sonto.[1] Isto por parte da minha mãe, claro. Por parte do meu pai, fiquei José. Aonde? Na Av. Do Zihlahla, entre o Alto Maé e como quem vai para o Xipamanine. Bairros de quem? Bairros de pobres.
Nasci a segunda vez quando me fizeram descobrir que era mulato
A seguir, fui nascendo à medida das circunstâncias impostas pelos outros.
Quando o meu pai foi de vez, tive outro pai: seu irmão.
E a partir de cada nascimento, eu tinha a felicidade de ver um problema a menos e um dilema a mais. Por isso, muito cedo, a terra natal em termos de Pátria e de opção. Quando a minha mãe foi de vez, outra mãe: Moçambique.
A opção por causa do meu pai branco e da minha mãe preta.
Nasci ainda outra vez no jornal O Brado Africano. No mesmo em que também nasceram Rui de Noronha e Noémia de Sousa.
Muito desporto marcou-me o corpo e o espírito. Esforço, competição, vitória e derrota, sacrifício até à exaustão. Temperado por tudo isso.
Talvez por causa do meu pai, mais agnóstico do que ateu. Talvez por causa do meu pai, encontrando no Amor a sublimação de tudo. Mesmo da Pátria. Ou antes: principalmente da Pátria. Por parte de minha mãe, só resignação.
Uma luta incessante comigo próprio. Autodidacta.
Minha grande aventura: ser pai. Depois, eu casado. Mas casado quando quis. E como quis.
Escrever poemas, o meu refúgio, o meu País também. Uma necessidade angustiosa e urgente de ser cidadão desse País, muitas vezes, altas horas a noite.»

Prémios[editar | editar código-fonte]

  • Prémio Cidade de Lourenço Marques (1959)
  • Prémio Reinaldo Ferreira do Centro de Arte e Cultura da Beira (1961)
  • Prémio de Ensaio do Centro de Arte e Cultura da Beira (1961)
  • Prémio Alexandre Dáskalos da Casa dos Estudantes do Império, Lisboa, Portugal (1962)
  • Prémio Nacional de Poesia de Itália (1975)
  • Prémio Lotus da Associação de Escritores Afro-Asiáticos (1983)
  • Medalha Nachingwea do Governo de Moçambique (1985)
  • Medalha de Mérito da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, Brasil (1987)
  • Prémio Camões (1991)

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • Xigubo. Lisboa, Casa dos Estudantes do Império, 1964. 2.ª ed. Maputo, Instituto Nacional do Livro e do Disco, 1980
  • Cantico a un dio di Catrame (bilingue português/italiano). Milão, Lerici, 1966 (trad. e prefácio Joyce Lussu)
  • Karingana ua karingana. Lourenço Marques, Académica, 1974. 2.ª ed., Maputo, Instituto Nacional do Livro e do Disco, 1982
  • Cela 1. Maputo, Instituto Nacional do Livro e do Disco, 1980
  • Maria. Lisboa, África Literatura Arte e Cultura, 1988
  • Izbranoe. Moscovo, Molodoya Gvardiya, 1984 (em língua russa)

Notas

  1. Domingo em língua ronga
Precedido por
João Cabral de Melo Neto
Prêmio Camões
1991
Sucedido por
Vergílio Ferreira