Objeto estelar jovem

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde julho de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Um objeto estelar jovem (OEJ) refere-se a uma estrela nos primórdios de sua evolução.

Essa classe consiste em dois grupos de objetos: as protoestrelas e as estrelas pré-sequência principal. Outro critério de subdivisão é baseado na massa; objetos estelares massivos, objetos estelares de massa intermediária e anãs marrons.

Os OEJ são geralmente classificados utilizando-se critérios baseados na inclinação de suas DEEs, estabelecido por Lada C.J. em 1987. Ele propôs três classes (I, II e III), baseado nos valores dos intervalos do índice espectral \alpha \,:

\alpha=\frac{d\log(\lambda F_\lambda)}{d\log(\lambda)}.

Em que \lambda \, é o cumprimento de onda, e F_\lambda representa a densidade do fluxo.

O \alpha \, é calculado no intervalo do cumprimento de onda de 2.2–20 {\mu}m (região do infravermelho próximo e intermediário). Later Greene et al. em 1994 introduziu uma quarta classe de fontes de "espectro achatado". Em 1993 Andre et al. descobriram uma classe de objetos—0 apresentando uma forte emissão submilimétrica, apesar de bastante fraca em {\lambda}<10{\mu}m.

  • fontes de classe 0 - não-detectável em {\lambda}<20{\mu}m
  • fontes de classe I possuem {\alpha}>0.3
  • fontes de espectro achatado possuem 0.3>{\alpha}>-0.3
  • fontes de classe II possuem -0.3>{\alpha}>-1.6
  • fontes de classe III possuem {\alpha}<-1.6

Esse esquema de classificação reflete mais ou menos a sequência evolucionária estelar. Acredita-se que as fontes de classe 0 mais embutidas evoluem para o estágio de classe I dissipando seus envelopes circum-estelares. Os OEJ se tornam óticamente visíveis no birthline estelar como estrelas pré-sequência principal.

Os OEJ são associados a fenômenos comuns nos primórdios da evolução estelar: jatos polares e fluxos moleculares bipolares, masers, objetos de Herbig-Haro, discos protoplanetários (discos circum-estelares ou proplídeos).

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Lada, C. J. (1987), IAU Symposium 115: Star Forming Regions, 115, 1
  • Greene, Thomas P.; Wilking, Bruce A.; Andre, Philippe; Young, Erick T.; Lada, Charles J. (1994), Further mid-infrared study of the rho Ophiuchi cloud young stellar population: Luminosities and masses of pre-main-sequence stars, The Astrophysical Journal, vol. 434, pp. 614–626
  • Andre, Philippe; Ward-Thompson, Derek; Barsony, Mary (1993), Submillimeter continuum observations of Rho Ophiuchi A - The candidate protostar VLA 1623 and prestellar clumps, The Astrophysical Journal, vol. 406, pp. 122–141

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Estrelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre astronomia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.